Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

 Voltar a Blog
Tela cheia

O amor que vai para o céu

6 de Novembro de 2014, 11:17 , por Guilherme Berghauser - 44 comentários | 2 pessoas seguindo este artigo.
Visualizado 656 vezes
3a4b366a543d11e2867a22000a9f1266 7

 

Olá amigos, hoje é um dia que venho trazer para vocês uma notícia não muito boa para mim, minha vozinha, que mais parecia uma bonequinha, morreu na madrugada deste domingo para segunda (03/11/2014), é com muita tristeza noticio isso. Nessas horas você passa a pensar sobre quem são as pessoas que fazem parte da tua vida, as que fazem coisas de coração e as que não fazem.

Minha vozinha foi uma pessoa muito amada pela família, mesmo com todos os defeitos que ela tinha: era bem briguenta, mas MUITO querida com todas as pessoas, tinha um coração do tamanho do universo e ajudava quem ela podia, característica essa herdada por quase todos os integrantes da família.

Bom, ela era muito velinha e da morte não podemos escapar, foi descansar desse mundo para habitar outro mundo maravilhoso, que ela acreditava ser o céu. A família do meu pai é ao mesmo tempo fechada e muito boa de coração, não abrem muito espaço para nós, que somos mais moles, expressar as coisas.

Sendo assim estou a escrever esse texto para duas pessoas que considero os maiores homens da minha vida, que tento tomar como exemplo para me tornar um pouco melhor. Sei que sou diferente de ambos, mas juro que tento ser 10% do que eles são.

O primeiro homem é meu pai, aquele que sempre me inspirei e é meu maior herói, super inteligente, amoroso e carinhoso (dele eu falo mais no post dos dias dos pais). O segundo homem que mais admiro nessa vida é o meu tio Kiko, ele é todo ele, a pessoa que tem o maior coração que alguém pode ter.

Esse meu tio dedicou toda a sua vida para cuidar da minha vozinha, e não foi por obrigação (até pode ter sido), mas ele desempenhou seu papel com todo amor que alguém pode dar a outro alguém. Quando criança eu morria de medo dele, sempre muito mandão e muito perfeccionista. Tinha medo de mexer em qualquer coisa na casa da vozinha, de tirar algo do lugar e ele brigar.

Quando fui crescendo tive a oportunidade de tomar a MELHOR cerveja do mundo, que é a cerveja que fica no congelador de uma das geladeiras dele, a geladeira vermelha, daquelas antigas, deixa a bera MUITO gelada e com aquele cobertor branco em volta da garrafa, só de saber que estou indo para lá já fico morrendo de vontade de tomar uma.

Nessas tomadas de cerveja, pude conhecer melhor esse meu tio que sempre foi muito fechado, nessas conversas, conheci muito do que ele pensa ou faz e, a cada dia, admiro mais ele. Eu, sempre muito fã do Ney Mato Grosso, imaginava meu tio muito parecido com ele, na minha cabeça ele falava o que bem entendia para todos e, por isso, todos tinham medo dele.

Mas com o tempo mudei complemente a visão que tinha dele, percebi que ele sabe muito bem como falar com cada pessoa, tem uma percepção de como lidar com as pessoas sendo rígido e ao mesmo tempo muito amoroso. Percebi também que medo que as pessoas têm dele, não é por ele brigar, mas sim por temerem fazer algo que ele não goste e deixá-lo magoado.

Estive há mais ou menos um mês atrás lá para ver minha vozinha, ela já estava mal, não reconhecia muito as pessoas por causa do tio alemão (Alzheimer), que a fez esquecer as coisas. Nada vai me tirar à imagem dele cuidando dela em mais esse momento.

Era preciso virar ela a cada tempo para não fazer ferida pelo fato de ficar muito tempo na cama. Minha vozinha sempre teve muito medo de cair e de se machucar, a única pessoa que a fazia se sentir segura era o meu tio, na hora em que foram virar ela, ela se desesperou e queria o tio, ele estava ali, mas ela não tinha o tinha reconhecido. Foi então que ele, com o maior carinho do mundo, olhou para ela e falou que ele estava ali e passou a mão no rosto dela. Senti aquele carinho amoroso de longe, me deu uma sensação que não consigo explicar, mas fiquei muito feliz de poder presenciar aquilo, de saber que minha vozinha pode sentir todo aquele amor.

Por morar longe, minha família nunca esteve tão presente, mas fico tranquilo, sei que um amor não substitui o outro, mas pude ter certeza que ela foi amada com todas as forças pelo meu tio, sei que devo muito a ele.

Mesmo longe e com pouco contato sempre amei minha vozinha, sempre que podia estar junto dela tentava fazer o máximo para deixa-la feliz, espero que nos céus ela esteja rezando e mandando positividade para mim, para o resto da minha vida.

Ao meu tio, sei que é muito difícil dele ler isso, mas quero registrar que eu o admiro muito, espero ser um pouco do que ele é. O respeito e o amo muito, mais do que posso expressar, amo ele da forma que ele é: mandão, fechado, todo perfeccionista e extremamente amoroso, por mais que ele não queira demonstrar. Espero que ele saiba lidar com essa nova fase da vida e, sempre que precisar, estarei aqui para ajudar.


Tags deste artigo: amor vozinha

33 comentários

Enviar um comentário
  • 13064626 1170567413008324 9061073944016679607 o minorValéria Barros
    6 de Novembro de 2014, 13:15

     

    Torto, relato lindo o teu.
    Gosto de pensar na morte como descanso. Tua vozinha deve estar brilhando de orgulho de ti nesse momento =)


  • 1b50a6146fb30b1ea8507fbb99e4d6c2?only path=false&size=50&d=404Irene Berghauser(usuário não autenticado)
    7 de Novembro de 2014, 9:21

     

    GuiLERme querido!!!

    Cada um tem sua forma de amar, e a do tio digamos que é bem peculiar! kkk
    Tive várias oportunidades de ver essa expressão de amor e carinho dele para a vó e dela para ele, e isso preenche o vazio que ela nos deixou!
    Quando há um processo de desencarnação familiar ou de alguém que amamos nos faz refletir sobre o que fizemos por essas pessoas quando estávamos com elas! A Vó tinha um imenso amor por todos, e um carinho muito especial por vocês que estavam longe, tanto que agora nos últimos anos o Tio pedia para que não falássemos a ela quando vcs estavam a caminho, pois ela ficava muito ansiosa esperando, aí quando ela percebia, estavam todos aqui.
    A única coisa que te digo é que não precisamos estar juntos fisicamente para se fazer presentes... um telefonema, ou mesmo uma resposta do face, ou de um sms dizendo "tbm" para uma msg de carinho que chega num dia de correria das nossas vidas, fazem a gente se sentir um pouquinho melhor quando essas pessoas partem para o outro plano...infelizmente cada um temos nosso prazo de validade, mas ele não vem carimbado na gente, apenas temos a certeza que um dia ele vem, e que será muito mais reconfortante se você tiver a lembrança de ter correspondido a esse carinho e amor...
    Ahh também não deixe de sempre que puder ir ver o tio, pq tenho certeza que ele vai estar sempre la, com a geladeira vermelha, recheada de cervejinhas trincando, te esperando! E a Vó com certeza estará próxima a nós dizendo: Eu ainda to viva!!!
    Beijão!!!


  • 4076eea5db102b1f1a224e8d2e0323f4?only path=false&size=50&d=404Rafael Tavares Andrade(usuário não autenticado)
    28 de Janeiro de 2015, 10:48

    Grande Torto/2

    Grande Torto, sabias palavras!
    Gosto de pensar que o mais importante nas pessoas é o amor, sentimento esse que ninguém tira ou separa e ainda mais... todos temos por mais "ruim"(relativo) que a pessoa seja ela ama alguma coisa ou alguém. Garanto que o que sentia por ela a morte não pôde separar, pelo contrario só aumentou O AMOR.
    Abs!


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.