Como fazer o Lubuntu 14.04 ficar parecido com o Windows XP

29 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Precisando criar um ambiente receptivo para usuários vindos do Windows XP da Microsoft? Então veja aqui como fazer o Lubuntu 14.04 ficar parecido com o Windows XP
lubuntu-xp
Depois de ter sido abandonado pela Microsoft, o Windows XP está dando seus últimos suspiros. Para seus usuários, só resta atualizar a opção de migrar para as versões mais recentes do sistema operacional ou para outro sistema semelhante. Para essa última opção, o procedimento pode ser a solução. Ele permitirá personalizar o Lubuntu e criar um ambiente familiar, que pode muito bem ser usado pelos usuários vindos do XP.

O Lubuntu é baseado no LXDE, um ambiente desktop leve que, provavelmente, tem requisitos de hardware ainda mais baixos do que o Windows XP. Ele é uma das melhores opções para ser usado em sistemas mais antigos e também é a distro mais leve da família Ubuntu. Melhor ainda, é muito fácil fazer o Lubuntu 14.04 ficar parecido com o Windows XP, pois você só precisa do pacote temático chamado Lubuntu XP three flavors, do pacote de ícones GnomeXP e uns poucos ajustes. O pacote Lubuntu XP three flavors contém temas Openbox adequados para três cores (azul, verde-oliva, prata), o papel de parede padrão do Windows XP e os botões “Iniciar” estilo XP com um toque Linux (o logotipo do Tux).

Conheça melhor o Lubuntu e os temas usados nesse procedimento

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.
Para conhecer melhor o tema Lubuntu XP three flavors, clique nesse link.
Para conhecer melhor o tema de ícones GnomeXP, clique nesse link.

Como fazer o Lubuntu 14.04 ficar parecido com o Windows XP

Para fazer o Lubuntu 14.04 ficar parecido com o Windows XP, é claro, você precisa estar usando esse sistema, mas se você estiver usando outra variante do Ubuntu e quiser fazer o procedimento, basta abrir um terminal e executar o comando abaixo para instalar o ambiente em seu Ubuntu.

sudo apt-get install lubuntu-desktop -y

Depois, basta seguir as instruções abaixo e em pouco tempo seu ambiente estará com o mesmo visual do Windows XP.

Instalando o tema de ambiente Windows XP no Lubuntu

Para instalar o tema de ambiente Windows XP, para deixar o Lubuntu 14.04 parecido com o Windows XP, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal, para isso use as teclas CTRL + ALT + T ou procure a opção no menu do ambiente;
Passo 2. Baixe o pacote com o tema XP (Lubuntu XP three flavors), usando o seguinte comando:

wget http://xfce-look.org/CONTENT/content-files/162880-XPTheme.zip

Passo 3. Descompacte o arquivo baixado com este comando:

unzip 162880-XPTheme.zip -d xptheme

Passo 4. Crie um diretório themes oculto em seu diretório home:

mkdir ~/.themes

Passo 5. Vá para a pasta criada na descompactação do tema;

cd xptheme

Passo 6. Copie todas as pastas contêm tema xp no diretório xptheme para o diretório (./themes)

cp -R XP* xp*  ~/.themes

Instalando o tema de ícones Windows XP no Lubuntu

Para instalar o tema com ícones no estilo Windows XP e deixar, faça o seguinte:
Passo 1. Se ainda não estiver aberto, abra um terminal, para isso use as teclas CTRL + ALT + T ou procure a opção no menu do ambiente;
Passo 2. Baixe o pacote com o tema de ícones Gnome XP usando o comando abaixo;

wget -O gnomexp.tar.gz https://db.tt/xQqHauYg

Passo 3. Como comando a seguir, descompacte arquivo baixado;

tar -zxvf gnomexp.tar.gz

Passo 4. Copie os arquivos da pasta criada para a pasta de ícones;

cp -R gnomexp ~/.icons

Configurando o tema e os ícones Windows XP no Lubuntu

Pra finalizar a personalização e deixar o Lubuntu 14.04 parecido com o Windows XP,  faça as seguintes alterações:
Passo 1. Para mudar o tema padrão do Lubuntu para o estilo XP, clique no botão “Iniciar” do ambiente e depois na opção “Preferências”. A seguir, clique no item “Personalizar visual”;
lubuntu-xp-1
Passo 2. Na tela que aparece, clique em uma das três opções de tema XP no quadro do lado esquerdo da aba “Widget”. Par confirmar a alteração, clique no botão “Aplicar” e depois saia da tela, clicando no botão “Fechar”;
lubuntu-xp-2
Passo 3. Para mudar os ícones padrão do Lubuntu para o estilo XP, clique na aba “Temas de ícones”. Na aba, clique no item “GnomeXP” e depois no botão “Aplicar”. Finalmente, para sair da tela, clique no botão “Fechar”;
lubuntu-xp-5
Passo 4. Para mudar o estilo do botão “Iniciar” do Lubuntu para o padrão do Windows XP, clique com o botão direito no botão e no menu que aparece, clique na opção “Configurações de menu”;
lubuntu-xp-3
Passo 5. Na janela que é exibida digite ou navegue (clicando no botão “Navegar”) até o arquivo “xpstart.png” e depois, clique no botão “Fechar”;
lubuntu-xp-4
Passo 6. Para mudar o papel de parede padrão do Lubuntu para o do Windows XP, clique com o botão direito sobre uma área vazia do seu desktop. Quando aparecer um menu, clique na opção “Preferência da Área de trabalho”;
lubuntu-xp-6
Passo 7. A seguir, clique no campo “Papel de parede”. Na tela que aparece, vá para a pasta onde está o arquivo “xpbg.jpg” (a pasta .themes , que fica abaixo da sua pasta home), selecione ele e clique no botão “Abrir”. Para finalizar, clique no botão “Fechar”.lubuntu-xp-7

Via Ubuntu Portal

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Resumo semanal – 22/09/2014 a 28/09/2014

28 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Depois de uma semana corrida e tumultuada, nada melhor do que se atualizar, não é mesmo? E isso é fácil, pois mesmo que você não tenha tido tempo para ver tudo o que foi postado no blog, você simplesmente só precisa ler esse resumo semanal e pronto.
resumo semanal

Resumo semanal do Blog do Edivaldo de 22/09/2014 a 28/09/2014

22/09/2014

23/09/2014

24/09/2014

25/09/2014

26/09/2014

27/09/2014

Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04

Para quem acabou de mudar para o Ubuntu 14.04, uma boa ideia é dar uma olhadas na últimas dicas de coisas para fazer depois de instalar o sistema:
Dicas de coisas para fazer depois de instalar o Ubuntu 14.04


Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Netflix no Linux: Executando o Netflix como um app (atualizado)

26 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Boa noticia para os usuários e fãs do famoso serviço de stream de filmes, além de poder assistir seu filmes favoritos no sistema do pinguim, agora também é possível executar o Netflix como um app no Linux.
netflix-linux-1
Agora que o Ubuntu já pode ser atualizado para usar a biblioteca NSS compatível com o NetFlix, dá para simplificar um pouco mais o tutorial que mostra como assistir nativamente os filmes do serviço Netflix no Linux. Melhor que isso, graças a dica de um leitor do site br-linux.org (Obrigado por sua ajuda Tales A. Mendonça), dá até para eliminar a etapa da instalação da extensão que muda o user-agent do navegador e usar o Netflix como se fosse um app. Veja a seguir como fazer isso.

Instalando o Google Chrome do Dev channel no Ubuntu e derivados

Para instalar o Google Chrome do Dev channel no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-chrome-unstable_current_i386.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-chrome-unstable_current_amd64.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i google-chrome-unstable_current_*.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Agora que o navegador compatível com o serviço de stream está atualizado, é hora de atualizar o sistema (especificamente a biblioteca NSS) e criar o atalho para executar o Netflix com um app.

Atualizando o sistema e criando um atalho para o Netflix

Para atualizar o sistema e criar um atalho para o Netflix, faça o seguinte:
Passo 1. Se não estiver sendo executado, abra um terminal;
Passo 2. Atualize o APT com esse comando;

sudo apt-get update

Passo 3. Agora atualize o sistema usando o comando abaixo:

sudo apt-get upgrade

Passo 4. Para criar um lançador para executar o Netflix como um app, execute um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/netflix.desktop

Passo 5. Com o arquivo aberto, cole o conteúdo abaixo dentro dele. Em seguida, salve e feche o editor de texto;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=Netflix
Exec=google-chrome --no-default-browser-check --user-agent="Mozilla/5.0 (Windows NT 6.3; Win64; x64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, like Gecko) Chrome/38.0.2114.2 Safari/537.36" --user-data-dir=/$HOME/.config/netflix --app=http://netflix.com/
Icon=
Categories=Application

Pronto! Agora você já pode executar o atalho criado digitando no Dash netflix. Se preferir, copie o atalho para o lançado do Unity ou se estiver usando outro ambiente, para a sua área de trabalho .
Netflix como um app no Linux
Apesar de ter sido focado no Ubuntu, os procedimento acima podem ser adaptados para qualquer distribuição, com pouquíssimos ajustes.

Atualização
Resumindo tudo, para executar o Netflix como um app no Linux, basta atualizar a biblioteca NSS, instalar a versão unstable do Chrome a partir do Dev channel e executar o comando a seguir em um terminal:

google-chrome --no-default-browser-check --user-agent="Mozilla/5.0 (Windows NT 6.3; Win64; x64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, like Gecko) Chrome/38.0.2114.2 Safari/537.36" --user-data-dir=/$HOME/.config/netflix --app=http://netflix.com/

Para quem quiser fazer o mesmo no OS X, basta instalar a versão unstable do Chrome a partir do Dev channel e executar o comando a seguir em um terminal:

/Applications/Google\ Chrome.app/Contents/MacOS/Google\ Chrome --no-default-browser-check --user-agent="Mozilla/5.0 (Windows NT 6.3; Win64; x64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, like Gecko) Chrome/38.0.2114.2 Safari/537.36" --user-data-dir=/$HOME/Library/Application\ Support/Google/Chrome/ --app=http://netflix.com/

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Executando o Netflix como um app no Linux (atualizado)

26 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Boa noticia para os usuários e fãs do famoso serviço de stream de filmes, além de poder assistir seu filmes favoritos no sistema do pinguim, agora também é possível executar o Netflix como um app no Linux.
netflix-linux-1
Agora que o Ubuntu já pode ser atualizado para usar a biblioteca NSS compatível com o NetFlix, dá para simplificar um pouco mais o tutorial que mostra como assistir nativamente os filmes do serviço Netflix no Linux. Melhor que isso, graças a dica de um leitor do site br-linux.org (Obrigado por sua ajuda Tales A. Mendonça), dá até para eliminar a etapa da instalação da extensão que muda o user-agent do navegador e usar o Netflix como se fosse um app. Veja a seguir como fazer isso.

Instalando o Google Chrome do Dev channel no Ubuntu e derivados

Para instalar o Google Chrome do Dev channel no Ubuntu e derivados, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-chrome-unstable_current_i386.deb

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget https://dl.google.com/linux/direct/google-chrome-unstable_current_amd64.deb

Passo 5. Agora instale o programa com o comando:

sudo dpkg -i google-chrome-unstable_current_*.deb

Passo 6. Caso seja necessário, instale as dependências do programa com o comando:

sudo apt-get install -f -y

Agora que o navegador compatível com o serviço de stream está atualizado, é hora de atualizar o sistema (especificamente a biblioteca NSS) e criar o atalho para executar o Netflix com um app.

Atualizando o sistema e criando um atalho para o Netflix

Para atualizar o sistema e criar um atalho para o Netflix, faça o seguinte:
Passo 1. Se não estiver sendo executado, abra um terminal;
Passo 2. Atualize o APT com esse comando;

sudo apt-get update

Passo 3. Agora atualize o sistema usando o comando abaixo:

sudo apt-get upgrade

Passo 4. Para criar um lançador para executar o Netflix como um app, execute um editor de texto com o comando:

sudo gedit /usr/share/applications/netflix.desktop

Passo 5. Com o arquivo aberto, cole o conteúdo abaixo dentro dele. Em seguida, salve e feche o editor de texto;

[Desktop Entry]
Version=1.0
Type=Application
Terminal=false
Name=Netflix
Exec=google-chrome --no-default-browser-check --user-agent="Mozilla/5.0 (Windows NT 6.3; Win64; x64) AppleWebKit/537.36 (KHTML, like Gecko) Chrome/38.0.2114.2 Safari/537.36" --user-data-dir=/$HOME/.config/netflix --app=http://netflix.com/
Icon=
Categories=Application

Pronto! Agora você já pode executar o atalho criado digitando no Dash netflix. Se preferir, copie o atalho para o lançado do Unity ou se estiver usando outro ambiente, para a sua área de trabalho .
Netflix como um app no Linux
Apesar de ter sido focado no Ubuntu, os procedimento acima podem ser adaptados para qualquer distribuição, com pouquíssimos ajustes.

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Navegação multiplataforma: lançado Maxthon Cloud Browser 1.0.5.3 para Linux

26 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Sinonimo de uma verdadeira navegação multiplataforma, Maxthon Cloud Browser chegou a versão 1.0.5.3. Se você já usa ou quer experimentar essa versão, veja aqui como instalar esse navegador no Linux.
maxthon cloud browser linux
Maxthon Cloud Browser é uma aplicação multiplataforma que suporta Linux, Microsoft Windows e sistemas operacionais Mac OS X, além de plataformas móveis como o Android, iOS e Windows Phone. Ele é baseado no navegador Chromium e fornece suporte para as extensões do Google Chrome que podem ser instaladas via Google Chrome Store. Com esse navegador você pode ter uma verdadeira navegação multiplataforma em qualquer dispositivo, com boa velocidade, acesso ao seu histórico, favoritos e outras informações, sem se preocupar com detalhes de sincronização.

O programa possui uma página “speed dial” personalizável, histórico, downloads, gestos do mouse, e outras características comumente encontradas no Chrome/Chromium, mas com um menu de aplicativo melhor. O recurso é uma suíte, onde navegadores baseados em nuvem trabalham em conjunto, tornando mais fácil para os usuários manter uma experiência contínua, independente de dispositivo ou sistema operacional.

Maxthon Cloud Browser 1.0.5.3 para Linux traz diversas melhorias incluindo novas opções de sincronização e a nova atualização, que também inclui a possibilidade de importar extensões e a cronologia do Chrome/Chromium. O desenvolvimento do Maxthon para Linux está trazendo melhorias importantes para a ferramenta de “Passport”, que permite sincronizar favoritos, configurações, senhas e etc entre vários dispositivos (incluindo a versão mobile para Android).

Os desenvolvedores do Maxthon também têm melhorado o suporte a gestos do mouse e a integração com os principais ambientes de desktop Linux. Também foi revisto e melhorado o recurso de “busca rápida”, que permite fazer buscas em vários motores de busca/sites diretamente da barra de endereços do navegador.

Conheça melhor o navegador multiplataforma Maxthon Cloud Browser

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link

Instalando o navegador multiplataforma Maxthon Cloud Browser no Linux

Para instalar o Maxthon Cloud Browser no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, use o seguinte comando:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo:

wget http://dl.maxthon.cn/linux/tars/maxthon-browser-stable-1.0.5.3-i386.tgz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo:

wget http://dl.maxthon.cn/linux/tars/maxthon-browser-stable-1.0.5.3-x86_64.tgz

Passo 5. Depois de baixar, execute o comando abaixo para descomprimir o pacote baixado;

sudo tar -zxvf maxthon-browser-stable-1.0.5.3*.tgz

Passo 6. Vá para a pasta criada:

cd maxthon

Passo 7. Execute o instalado com o comando:

sudo ./Install.sh

Pronto! Na maioria das distribuições, você pode iniciar o programa digitando maxthon no terminal ou no caso do Ubuntu, digitando o mesmo comando no Dash.

Via lffl linux freedom

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Ubuntu 14.10 beta 2 já está disponível para download

26 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Foi lançado o beta 2 do Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn, a próxima versão do sistema da Canonical. Se você quer experimentar esse release e instalar ou atualizar o Ubuntu, veja aqui como fazer isso.
primeiro beta do Ubuntu 14.10
Nesse lançamento do Beta 2 ou betal final do Ubuntu 14.10 Utopic Unicom e suas variantes oficiais já estão disponíveis para download imagens para o Kubuntu, Lubuntu, Ubuntu Gnome, UbuntuKylin, Ubuntu Studio, Xubuntu e Ubuntu Cloud.

Para mais informações sobre o lançamento desse beta 2 do Ubuntu 14.10, basta consultar as notas de versão disponíveis nesta página.

Se quiser experimentar o primeiro beta do Ubuntu 14.10, faça o Download acessando os links abaixo:

Unity: http://cdimage.ubuntu.com/releases/14.10/
Kubuntu: http://cdimage.ubuntu.com/kubuntu/releases/14.10/
Lubuntu: http://cdimage.ubuntu.com/lubuntu/releases/14.10/
Ubuntu Gnome: http://cdimage.ubuntu.com/ubuntu-gnome/releases/14.10/
UbuntuKylin: http://cdimage.ubuntu.com/ubuntukylin/releases/14.10/
UbuntuStudio: http://cdimage.ubuntu.com/ubuntustudio/releases/14.10/
Xubuntu: http://cdimage.ubuntu.com/xubuntu/releases/14.10/
Ubuntu Cloud: http://cloud-images.ubuntu.com/releases/utopic/

Atualizar o Ubuntu da versão 14.04 para a 14.10

Mas se você está no Ubuntu 14.04, você também pode atualizar para o último beta do Ubuntu 14.10 para ajudar a testar esta versão de desenvolvimento, usando as informações (genéricas) dos posts abaixo. Observe que você não deve fazer isso em máquinas de produção.

Como atualizar o Ubuntu Desktop da versão 13.10 para a 14.04

Como atualizar o Ubuntu Server da versão 13.10 para a 14.04

Programação de lançamentos do Ubuntu 14.10

O Ubuntu 14.10 será lançado em outubro. Para mais detalhes, consulte o calendário de lançamentos abaixo:

  • 26 de Junho: Alpha 1
  • 24 de Julho: Alpha 2
  • 21 de Agosto: Inicio do ciclo de estabilização
  • 28 de Agosto: Beta 1
  • 25 de Setembro: Beta final
  • 16 de Outubro: Versão final

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje

No Post found.


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Programa para editar vídeos: Lançado Lightworks 12 para Linux

26 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Foi lançada a versão 12 do poderoso programa para editar vídeos Lightworks. Veja aqui como instalar ele no Linux.
lightworks
Lightworks é uma ferramenta de edição de vídeo profissional e software de masterização. O aplicativo já foi utilizado em alguns renomados filmes ganhadores do Oscar e do Emmy award, incluindo O Discurso do Rei, Hugo, Os Infiltrados de Martin Scorsese, Missão Impossível, Pulp Fiction, Coração Valente e Batman.

Além de marcar a conclusão dos trabalhos do código-base da multiplataforma do programa, versão 12 introduz melhorias para várias áreas chave e adiciona alguns novos recursos, para aumentar a velocidade do fluxo de trabalho e melhorar a experiência de edição. De acordo com a produtora do programa: “Lightworks ficou muito mais fácil de usar!”

Lightworks está disponível como uma versão gratuita ou como uma versão paga com uma licença pro. A diferença entre a versão gratuita e a paga (pro), é que a versão gratuita é limitada a formatos de web, como MPEG4/H.264 em até 720p, enquanto a versão Pro tem uma gama muito maior de opções de saída, inclui o compartilhamento de projetos, 3D saída estereoscópica e o usuário pode definir locais de projeto.

Conheça melhor o programa para editar vídeos Lightworks

Para saber mais sobre o programa, clique nesse link
Para saber mais detalhes sobre essa versão, clique nesse link

Instalando o programa para editar vídeos Lightworks 12 no Linux

Para instalar o Lightworks 12 no Linux, faça o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal (No Unity, use o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);
Passo 2. Para baixar o instalador do programa para Debian, Ubuntu e seus derivados, use o comando abaixo:

wget http://www.lwks.com/dmpub/lwks-12.0-amd64.deb

Passo 3. Para baixar o instalador do programa para Fedora, RedHat, CentOS ou qualquer outra distro derivada desses, use o comando abaixo:

wget http://www.lwks.com/dmpub/lwks-12.0-amd64.rpm

Passo 4. Para instalar em um Debian, Ubuntu e seus derivados, use os comandos abaixos:

sudo dpkg -i lwks-12.0-amd64.deb
sudo apt-get install -f -y

Passo 5. Para instalar em um Fedora, RedHat e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo yum localinstall lwks-12.0-amd64.rpm

Passo 6. Para instalar em um openSUSE ou um de seus derivados, use o comando abaixo:

sudo zypper install lwks-12.0-amd64.rpm

Passo 7. Para instalar em um OpenMandriva, Mageia e seus derivados, use o comando abaixo:

sudo urpmi lwks-12.0-amd64.rpm

Pronto! Na maioria das distribuições, você pode iniciar o programa digitando lightworks no terminal ou no caso do Ubuntu, também funciona digitando o mesmo comando no Dash.

Via EditShare

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Ubuntu MATE 14.10 Beta 2 já está disponível para download

25 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

O Ubuntu MATE 14.10 Beta 2 já está disponível para download. Conheça mais um pouco sobre ele e veja onde baixar.
ubuntu mate 14.10
Ubuntu MATE acaba de chegar a sua segunda versão beta. A distribuição, é uma nova variante do Ubuntu que começou a ser desenvolvida há alguns meses atrás. O primeiro lançamento dessa variante será o Ubuntu MATE 14.10, um Ubuntu 14.10 integrado com o MATE Desktop Environment.

Ubuntu MATE é um projeto da comunidade Ubuntu desenvolvido pela equipe do núcleo de desenvolvimento MATE Desktop e mantido pela equipe de empacotamento Debian. Até o momento, o Ubuntu MATE ainda não é um “sabor” oficial do Ubuntu, mas a equipe do projeto está trabalhando para isso, o que acontecerá no lançamento do Ubuntu 14.10 em outubro.

Ubuntu MATE incluirá a atual versão estável 1.8.1 do MATE Desktop Environment com algumas personalizações que se aplicam tanto para o tema padrão, a instalação do slider, animação durante o boot e etc.

Para quem ainda não conhece o ambiente padrão dessa variante do Ubuntu, o MATE Desktop Environment é a continuação do clássico GNOME 2, que fornece um ambiente de trabalho intuitivo e atraente, usando metáforas tradicionais para outros sistemas operacionais Unix-like e Linux. Os desenvolvedores da Canonical decidiram lançar um derivado capaz de oferecer aos usuários a chance de recuperar a experiência do usuário do Gnome 2, usando o ambiente MATE, tendo em conta a estabilidade e principalmente o sucesso desse ambiente.

Conheça melhor a distribuição Ubuntu MATE

Para saber mais sobre essa distribuição, clique nesse link.
Para saber mais sobre o Ubuntu MATE 14.10 Beta 2, acesse a nota de lançamento.
Para baixar a imagem ISO da distribuição, acesse esse link.

Via UbuntuHandbook

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.



Atualizando o kernel do Ubuntu para uma nova versão – 3.16.3

25 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

<div><ins> </ins></div> <div><ins> </ins></div> <p>Greg Kroah-Hartman anunciou na terceira quarta-feira (17) deste mês, o lançamento do Linux 3.16.3. Se você quiser experimentar essa versão, veja a seguir como instalar ela no Ubuntu.<br /><a href="http://www.edivaldobrito.com.br/atualizando-o-kernel-ubuntu-para-uma-nova-versao-3-16-3/"><img src="http://www.edivaldobrito.com.br/wp-content/uploads/2014/08/kernel-3.16.png" height="353" alt="kernel-3.16.3" width="620" /></a><br /><span>O kernel 3.16.3 é uma atualização de manutenção que deve corrigir alguns bugs encontrados por usuários e desenvolvedores.</span></p> <p>Para ver as principais novidades desse kernel, acesse esse <a href="https://www.kernel.org/pub/linux/kernel/v3.x/ChangeLog-3.16.3">link</a>.</p> <p><span><strong>Antes de iniciar começar a atualizar o kernel do Ubuntu, saiba que este é um procedimento que apesar de simples, exige conhecimentos avançados do sistema e deve ser feito por sua própria conta e risco.</strong></span></p> <h2>Como atualizar o kernel do Ubuntu para a versão 3.16.3</h2> <p>Para atualizar seu kernel para a versão 3.16.3 do Ubuntu 14.04 e derivados, faça o seguinte<br />Passo 1. Abra um terminal (Usando o Dash ou pressionando as teclas CTRL+ALT+T);<br />Passo 2. Verifique qual a arquitetura de seu sistema acessando as Configurações do Sistema e a opção “Detalhes” ou usando o comando abaixo:</p> <pre> <code>uname -m</code> </pre> <p>Passo 3. Se estiver usando um sistema de 32 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:</p> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603_3.16.3-031603.201409171435_all.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603-generic_3.16.3-031603.201409171435_i386.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-image-3.16.3-031603-generic_3.16.3-031603.201409171435_i386.deb</code> </pre> <p>Passo 4. Se estiver usando um sistema de 32 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:</p> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603_3.16.3-031603.201409171435_all.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603-lowlatency_3.16.3-031603.201409171435_i386.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-image-3.16.3-031603-lowlatency_3.16.3-031603.201409171435_i386.deb</code> </pre> <p>Passo 5. Se estiver usando um sistema de 64 bits, baixe os arquivos DEB com os comandos:</p> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603_3.16.3-031603.201409171435_all.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603-generic_3.16.3-031603.201409171435_amd64.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-image-3.16.3-031603-generic_3.16.3-031603.201409171435_amd64.deb</code> </pre> <p>Passo 6. Se estiver usando um sistema de 64 bits e quiser usar o kernel de baixa latência (para usar em PC´s mais modestos), baixe os arquivos DEB com os comandos:</p> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603_3.16.3-031603.201409171435_all.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-headers-3.16.3-031603-lowlatency_3.16.3-031603.201409171435_amd64.deb</code> </pre> <pre> <code>wget http://kernel.ubuntu.com/~kernel-ppa/mainline/v3.16.3-utopic/linux-image-3.16.3-031603-lowlatency_3.16.3-031603.201409171435_amd64.deb</code> </pre> <p>Passo 7. Instale o kernel com o comando:</p> <pre> <code>sudo dpkg -i linux-headers-3.16.3-*.deb linux-image-3.16.3-*.deb</code> </pre> <p>Passo 8. Reinicie o sistema com o comando abaixo:</p> <pre> <code>sudo reboot</code> </pre> <p>Passo 9. Se você tiver algum problema e quiser desinstalar o atual kernel, reinicie o computador com um kernel anterior (usando Grub -> Advanced -> select previous kernel) e quando iniciar o sistema, faça login, abra um terminal e execute o comando abaixo para remover o Linux Kernel 3.16.3:</p> <pre> <code>sudo apt-get remove linux-headers-3.16.3-*.deb linux-image-3.16.3-*.deb</code> </pre> <p>Nota: Todos os drivers que não fazem parte da principal árvore do kernel (o que obviamente inclui drivers proprietários) devem ser recompilados para novas versões do kernel.</p> <h2>Não está aparecendo algo?</h2> <p>Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse <a href="http://www.edivaldobrito.com.br/atualizando-o-kernel-ubuntu-para-uma-nova-versao-3-16-3/">link</a>.</p> <hr /><h2>O que está sendo falado no blog hoje</h2> <br /> <p><em>This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.</em></p>



Como codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux (4K e 8K)

25 de Setembro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Se você está precisando codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux, veja aqui como fazer isso.
codificar-vídeo-H.265
Por mais incrível que possa parecer, poucos sabem que quase todos os vídeos que assistimos pela televisão digital terrestre, via cabo, satélite, ou através da Internet, é comprimido. Isso ocorre porque o formato bruto, RAW, é um tipo vídeo não comprimido, é muito grande e iria consumir muita largura de banda. Bem antes do DVD e Blu-ray, havia o CD de vídeo (VCD). Ele foi o primeiro formato usado para distribuir comercialmente filmes em padrão de 120 mm (4.7 polegadas) discos ópticos. O vídeo nos discos era codificado em MPEG-1, um formato de compressão lossy projetado para transmissão de dados de vídeo de 1.5 Mbit/s. Provavelmente o componente mais conhecido do padrão MPEG-1 foi o seu formato de compressão de áudio. Oficialmente chamado de MPEG-1 Audio Layer III, você provavelmente conhece ele como MP3.

Depois do MPEG-1 veio o MPEG-2, que foi escolhido como o padrão de compressão de vídeo para DVD de vídeo. Também foi usado como o padrão de vídeo subjacente para digital por satélite (DVB-S) e TV digital terrestre (DVB-T). MPEG-2 também foi ratificada pela International Telecommunication Union (ITU) como H.262. Depois veio DVD Blu-ray, que além de suportar vídeos codificados em MPEG-2, também suportou H.264 ou MPEG-4 Part 10, Advanced Video Coding (MPEG-4 AVC), como era oficialmente conhecida.

Depois teve o H.264 e em seguida, o H.265. Ele também tem alguns outros nomes, é mais comumente chamado de High Efficiency Video Coding (HEVC) ou MPEG-H. H.265. O formato duplica a taxa de compressão de dados em comparação com o H.264 e pode suportar resoluções de até 8192 × 4320. Isto significa que o vídeo com a mesma qualidade necessita apenas metade da largura da banda (ou tamanho). Alternativamente, isto significa que a qualidade do vídeo pode ser substancialmente melhorada com a mesma taxa de bits, algo muito importante para telas que possuem a definição muito alta (isto é, 4K e 8K).

Conheça melhor o FFmpeg

Para saber mais sobre esse programa, clique nesse link.

Como codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux

Para codificar vídeo H.265 usando FFmpeg no Linux, você deve fazer o seguinte:
Passo 1. Abra um terminal;
Passo 2. Confira se o seu sistema é de 32 bits ou 64 bits, para isso, abras as “Configurações do Sistema” e clique em “Detalhes”. Ou se preferir, use o seguinte comando no terminal:

uname -m

Passo 3. Se seu sistema é de 32 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

wget http://johnvansickle.com/ffmpeg/releases/ffmpeg-2.4.1-32bit-static.tar.xz

Passo 4. Se seu sistema é de 64 bits, use o comando abaixo para baixar o programa:

wget http://johnvansickle.com/ffmpeg/releases/ffmpeg-2.4.1-64bit-static.tar.xz

Passo 5. Execute o seguinte comando para descompactar o arquivo:

tar xvf ffmpeg-*-static.tar.xz

Passo 6. Vá para a pasta criada;

cd ffmpeg-*-static/

Passo 7. Para codificar um vídeo em formato H.265, use o seguinte comando (ajuste o video.mp4 e video-h265.mp4, colocando o caminho correto antes do nome). Observe que o parâmetro -i especifica o arquivo de vídeo de entrada, neste caso, “video.mp4″. ffmpeg pode decodificar toda uma variedade de formatos de vídeo, incluindo avi, mp4 e mov. Já o parâmetro -c:a copy informa ao ffmpeg para copiar o fluxo de áudio do arquivo original diretamente para o arquivo de saída. Enquanto -c:v libx265 diz ao ffmpeg para codificar o novo arquivo de vídeo no formato H.265. O último parâmetro é o nome do arquivo de saída codificado H.265 desejado. ffmpeg pode criar mp4, mov e .mkv arquivos com vídeo H.265 codificado. :

./ffmpeg -i video.mp4 -c:a copy -c:v libx265 video-h265.mp4

Passo 8. Uma vez que a codificação tenha terminado, use o comando a seguir para comparar o tamanho dos dois vídeos. Você deve ver uma diminuição significativa no tamanho do arquivo de vídeo H.265 codificado:

ls video.mp4 video-h265.mp4

Passo 9. Por fim, para verificar se o arquivo foi codificado corretamente, use o comando abaixo:

ffprobe video-h265.mp4

É isso aí agora você já tem um arquivo decodificado no formato H.265. Aproveite a qualidade e o tamanho que esse formato oferece.

Via Make Tech Easier

Não está aparecendo algo?

Este post é melhor visualizado acessando direto da fonte. Para isso, clique nesse link.


O que está sendo falado no blog hoje


This entry passed through the Full-Text RSS service - if this is your content and you're reading it on someone else's site, please read the FAQ at fivefilters.org/content-only/faq.php#publishers.