Lucas Rocha: UI polishing in Firefox for Android

29 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Last week, we did our very first topic-oriented hackathon focused on UI polishing bugs. The UI changes we’ve done will make a substantial difference in the experience of using Firefox on Android. Here are some of my favourite fixes and improvements.

Tabs

Details in the tabs UI can make a big difference UX-wise. We changed the tabs button icon (see image) to provide better affordance. The new icon also features a much cooler animation when tabs are added or removed.

Last but not least, we added a subtle parallax effect when you the open/close the tabs panel giving it a more fluid feel.

Address bar

As Wes has already reported, you now have the option to show URLs instead of page titles in the address bar. The domain highlight (see image) is a nice touch and gives us feature parity with Firefox on desktop.

The reader and stop buttons now have properly sized hit areas to avoid tapping other parts of the toolbar by mistake—a long overdue issue.

That’s not all

Reader Mode will get some nice style updates for serif fonts, doorhanger notifications now have a more polished animation, text selection handles have a more consistent style, favicons in the awesomescreen will look fancier, some visual glitches in the awesomescreen and toolbar were fixed, and more.

Not all these changes are in Nightly just yet but they will show up in the next days. Firefox 23 has everything to be my favourite release ever. Download and install our Nightly build on your Android and let us know what you think.



Lucas Rocha: Multi-part items in Smoothie

22 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Smoothie makes it really easy to load ListView/GridView items asynchronously, off the UI thread. It handles all the complexity from gestures, threads, scrolling state, preloading, and view recycling behind a simple API.

Up until now, one of the biggest limitations of the Smoothie API has been the lack of proper support for multi-part items. What is a multi-part item? It’s a ListView/GridView item composed by multiple parts that have to be loaded asynchronously with different priorities as you scroll.

Classic example: a list of photos with items composed by the photo image and the author’s avatar—both loaded from the cloud. With the existing API,  Smoothie would force you to load the whole content of each item in one go. This means you were forced to load both the main photo image and the avatar image for each item before loading the next item in the list.

What if you wanted to start loading the main photo image of all visible items before loading their respective avatars? The photos are probably the content your users are actually interested in after all. That’s what the multi-part item support is about. It allows you to split the loading of each item into multiple asynchronous operations with different global priorities.

So, how would you implement the above example assigning higher priority to the main photo image over the avatar using Smoothie? Assuming you’re already familiar with Smoothie’s API, just follow these steps:

  1. Override the getItemPartCount() method from ItemLoader. Return the number of parts the item in the given Adapter position has.
  2. Handle the new itemPart argument accordingly in loadItemPartFromMemory(), loadItemPart(), and displayItemPart(). These methods will be called once for each item part.

The item parts will have indexes starting from zero. e.g. for items with 2 parts, the part indexes will be 0 and 1. The indexes also define the relative priority between parts. Smoothie will load the part with index 0 for all visible items before loading part with index 1.

Important note: I had to break API backwards compatibility. If you don’t really need multi-part items, the only change you’ll have to make in your code is to subclass from SimpleItemLoader instead of ItemLoader. SimpleItemLoader is an ItemLoader specialized in single-part items that hides all the part-related bits from the API.

The updated documentation contains code samples and a more detailed overview of the new API. Grab the latest code while it’s hot. Feedback, bug reports, and patches are all very welcome as usual.



Lucas Rocha: Multi-part items in Smoothie

22 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Smoothie makes it really easy to load ListView/GridView items asynchronously, off the UI thread. It handles all the complexity from gestures, threads, scrolling state, preloading, and view recycling behind a simple API.

Up until now, one of the biggest limitations of the Smoothie API has been the lack of proper support for multi-part items. What is a multi-part item? It’s a ListView/GridView item composed by multiple parts that have to be loaded asynchronously with different priorities as you scroll.

Classic example: a list of photos with items composed by the photo image and the author’s avatar—both loaded from the cloud. With the existing API,  Smoothie would force you to load the whole content of each item in one go. This means you were forced to load both the main photo image and the avatar image for each item before loading the next item in the list.

What if you wanted to start loading the main photo image of all visible items before loading their respective avatars? The photos are probably the content your users are actually interested in after all. That’s what the multi-part item support is about. It allows you to split the loading of each item into multiple asynchronous operations with different global priorities.

So, how would you implement the above example assigning higher priority to the main photo image over the avatar using Smoothie? Assuming you’re already familiar with Smoothie’s API, just follow these steps:

  1. Override the getItemPartCount() method from ItemLoader. Return the number of parts the item in the given Adapter position has.
  2. Handle the new itemPart argument accordingly in loadItemPartFromMemory(), loadItemPart(), and displayItemPart(). These methods will be called once for each item part.

The item parts will have indexes starting from zero. e.g. for items with 2 parts, the part indexes will be 0 and 1. The indexes also define the relative priority between parts. Smoothie will load the part with index 0 for all visible items before loading part with index 1.

Important note: I had to break API backwards compatibility. If you don’t really need multi-part items, the only change you’ll have to make in your code is to subclass from SimpleItemLoader instead of ItemLoader. SimpleItemLoader is an ItemLoader specialized in single-part items that hides all the part-related bits from the API.

The updated documentation contains code samples and a more detailed overview of the new API. Grab the latest code while it’s hot. Feedback, bug reports, and patches are all very welcome as usual.



Lucas Rocha: Firefox for Android’s UI polishing Hackathon

22 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

We’ve been discussing the idea of doing periodic topic-oriented hackathons in the front-end team. The idea is simple: pick a topic—a specific part or aspect of the product—and have the whole team focused on it for a couple days. The goal is to bring substantial and fast improvements on specific areas.

As an initial experiment, we’ll be doing the first hackathon this week from Wednesday to Friday and we’re going to focus on UI polishing bugs—those UI papercuts that are not so prominent in isolation but, when fixed en masse, make a whole lot of difference.

It’s important to have a good list of bugs before we begin. So, you can start nominating Fennec bugs for the hackathon now by tagging them with “ui-hackathon”. We’ll cleanup this list and maybe prioritize them a bit during the planning session on the first day of the hackathon.

As usual, everyone is welcome to participate. You can help us by tagging bugs, or better yet, fixing them. Have a look at the wiki page for more details on the agenda.



Vicente Aguiar: O mundo da Virtualidade Real

13 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Em 2005, desnudando uma nova realidade social embrionária, Manuel Castells escreve sobre a "Cultura da Virtualidade Real", num dos mais interessantes capítulos da sua grande obra "A Sociedade em Rede". Confesso que, logo que li o livro, passei desapercebido sobre a relevância dessa questão. Porém, quando voltei para universidade para fazer doutorado, li sua palestra sobre “Redes sociais e transformação da sociedade”, eu pude perceber o quanto esse conceito é muito relevante ainda hoje, pois...      


"(…) Havia gente que dizia que a internet era um lugar alienante, onde as pessoas se ilhavam, mas, pelo contrário, onde há sociabilidade é na internet. Onde há cada vez menos sociabilidade é na vida física individual, porque as pessoas só correm, não têm tempo para nada. Há uma cultura individualista de competição no trabalho e na vida familiar, e onde as pessoas realmente se articulam socialmente é na internet e, a partir daí, desenvolvem sua própria vida. Passamos não ao mundo virtual, mas ao mundo do que chamo de virtualidade real. Não da realidade virtual, mas da virtualidade real.

A virtualidade é uma dimensão básica de nossa realidade, e é nesta articulação que se constrói nossa sociedade. E se constrói autonomamente. As pessoas constroem suas próprias redes sociais. Na internet, constroem seus próprios processos de ativação política e profissional. Não é um lugar para somente chat-chat. As redes sociais são para todos: para o profissional, político, intelectual, cientistas, acadêmicos. É aí que se as pessoas se expressam e articulam suas próprias relações." 1


1 Manuel Castells, em sua palestra “Redes sociais e transformação da sociedade”, proferida no Centro Ruth Cardoso em 16 de setembro de 2010.



Jonh Wendell: Shell script that updates itself

9 de Abril de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Recently I needed to write a shell script that updates itself, and, surprising, I found it an easy job to do. I will share the recipe here.

In my use case, I’m developing a kind of software updater and, before updating the system packages, I need to check if there is a new version of this software updater. If there is, then I update myself and run my new copy on-the-fly.

Enough talk, show me the code. I’ll paste here a simple shell script that talks by itself:

#!/bin/sh

SCRIPT_NAME="$0"
ARGS="$@"
NEW_FILE="/tmp/blog.sh"
VERSION="1.0"

check_upgrade () {

  # check if there is a new version of this file
  # here, hypothetically we check if a file exists in the disk.
  # it could be an apt/yum check or whatever...
  [ -f "$NEW_FILE" ] && {

    # install a new version of this file or package
    # again, in this example, this is done by just copying the new file
    echo "Found a new version of me, updating myself..."
    cp "$NEW_FILE" "$SCRIPT_NAME"
    rm -f "$NEW_FILE"

    # note that at this point this file was overwritten in the disk
    # now run this very own file, in its new version!
    echo "Running the new version..."
    $SCRIPT_NAME $ARGS

    # now exit this old instance
    exit 0
  }

  echo "I'm VERSION $VERSION, already the latest version."
}

main () {
  # main script stuff
  echo "Hello World! I'm the version $VERSION of the script"
}

check_upgrade
main

To try this script:
1) save it somewhere
2) save a copy of it at /tmp/blog.sh (as pointed at line 5)
3) modify the variable “VERSION” (line 6) of that copy, to, say, “2.0″.
4) run the original script (not the one at /tmp)

You will see that the script updated itself and ran the “new” 2.0 version.

Try running again the original script (step 4 above). See the difference? It doesn’t update itself anymore, because it is the “latest” version.

A small thing you might notice: at line 19, I deleted the “new file”. That’s merely for this educational example, that we check if there’s a new version of the script by just checking if a file exists in the disk. On real life (with apt/yum or any smarter process) this is not needed as our check for a new version (line 13) will naturally fail.

This was tested with bash, dash and busybox’s ash. Worked fine.

I hope it’s useful to someone. Comments are welcome!



Og Maciel: Castálio Podcast: Everaldo Canuto: Toca do Canuto

19 de Março de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

image

Eu conheci o Everaldo em uma tarde super calorenta durante a abertura do evento GUADEC nas Ilhas Canárias. O mais interessante foi que não demorou mais que um dia para que nossa amizade se tornasse igual aquelas amizades que fazemos quando criança… aquelas pessoas que não importa o tempo ou a distância, você sempre fica feliz de encontrar e bater um papo!

O Everaldo teve uma das oportunidades que eu sempre sonhei em ter: trabalhar lado a lado com o Miguel de Icaza, um dos fundadores do Projeto GNOME, figura quase que mitológica do mundo do software livre e hoje empresário com várias companhias de sucesso em seu histórico! Ele também trabalhava com a tecnologia .NET numa época quando qualquer coisa que fosse remotamente relacianada à Microsoft era motivo para perseguição e “trollage” pelos apoiadores mais zelosos do Linux. Durante grande parte de nosso bate-papo, conversamos sobre como que ele foi parar na Novell trabalhando para a equipe do Miguel, como era o dia-a-dia lidando com o sentimento anti- Microsoft, quais tecnologias ele recomenda para quem está começando a trabalhar na área de TI, o “problema” do Java, e sobre seu mais novo projeto,Toca do Canuto.

Assista o vídeo da entrevista aara ver a nossa conversa na íntegra, sem edição e escutar algumas coisas que não foram incluídas no podcast.

Escute agora: [MP3] [Ogg] [AAC] [Youtube]



Og Maciel: Castálio Podcast: Alexandre Gaigalas: Yahoo

3 de Março de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

image

Seja bem-vindo à mais um episódio, desta vez com o Alexandre Gaigalas que trabalha como engenheiro de software da Yahoo no Brasil! Durante nosso bate-papo conversamos sobre o que ele faz na Yahoo, em quais projetos que trabalha, e acabei descobrindo que ele é mais um exemplo de uma pessoa que teve seu trabalho perante uma comunidade de software livre reconhecido, levando-o a ser indicado para trabalhar em uma companhia de nome! Conversamos sobre o recente anúncio que a CEO Marissa Mayer fez, declatando que não se poderá mais trabalhar remotamente na Yahoo, sobre o efeito que isso teve na moral dos empregados, e como que a sua vinda está transformando a companhia em uma empresa mais moderna e com mais atenção à qualidade de seus produtos e bem-estar de seus empregados.

Mais uma coisa bacana que aconteceu durante a gravação foi um commit que o Alexandre fez ao-vivo para o código do Respect Doc em homenagem ao podcast! :)

Também falamos de programação RESTfulweb semântica, o Respect Project e seu Top 5!

Escute agora: [MP3] [Ogg] [AAC] [Youtube]



Gustavo Noronha (kov): Discussões sobre a Petrobrás

25 de Fevereiro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Assim que a Petrobrás divulgou os resultados do ano calendário de 2012 houve um sem número de controvérsias a respeito. Eu participei de algumas discussões e fiquei animado pra escrever um post explicando de forma mais detida minhas opiniões a respeito. Vou tentar abordar cada um dos argumentos usados nas discussões de que participei.

Está tudo bem, compre Petrobrás!

Vou começar tratando de um post do Paulo Henrique Amorim. O teor do post pode ser dividido em 2 partes: a primeira parte é uma nota oficial da Petrobrás em que ela diz o seguinte:

Em 2012, o lucro líquido foi 36% inferior ao apurado em 2011, refletindo os efeitos da depreciação cambial, maior participação de derivados importados no volume de vendas e aumento das despesas operacionais com maiores baixas de poços secos e subcomerciais;A segunda parte é um comentário feito pelo jornalista em que ele dá a entender que os jornais O Globo, Folha e Estadão deram um viés de má notícia em suas manchetes (que focam na queda de lucro recorde), enquanto a “publicação especializada” InfoMoney dá uma manchete que cita o valor auferido em lucros e indicando que o lucro superou as estimativas. Ele termina sugerindo ao leitor que compre ações da Petrobrás.

Eu considero esse post do Paulo Henrique Amorim uma tentativa pífia de dar um giro positivo numa notícia que não tem nada de positiva. O fato é que o lucro da Petrobrás caiu em 36% – mais que um terço! – em relação a 2011. As expectativas em relação ao lucro da Petrobrás estavam baixas por várias razões (algumas até listadas no texto da Petrobrás, acima) e o fato de o lucro ter superado essas expectativas não ajuda muito.

Valor das ações da Petrobrás de 2008 a início de 2013

As expectativas em relação à saúde financeira da Petrobrás e ao nível de interferência política sofrida pela empresa não é coisa nova. A Petrobrás perdeu mais de 66% do seu valor de mercado desde 2008, como se pode ver no gráfico acima, obtido no Yahoo! Finance. Isso significa que alguém que comprou 100 reais em ações da Petrobrás em 2008 hoje não vende as mesmas ações por mais do que 34 reais. Faz sentido, então, recomendar a compra, como fez PHA? Antes, vamos tentar entender as razões por trás da queda.

E por quê essa perda gigantesca?

As intervenções do governo e as mágicas fiscais

Em 2010 a Petrobrás fez o que o ex-presidente Lula chamou (com razão) de a maior capitalização da história do capitalismo mundial. O que foi isso? A Petrobrás precisava de dinheiro em caixa pra fazer investimentos na extração do pré-sal. Para conseguir esse dinheiro, a Petrobrás aumentou o número de ações que a compõe e as ofereceu na bolsa. Trabalhadores brasileiros puderam usar o dinheiro do FGTS para adquirir ações – e muitos fizeram isso!

Como parte do processo a União fez o que se chamou de cessão onerosa de 5 bilhões de barris de petróleo que se encontravam em lotes do pré-sal. O petróleo que está em território brasileiro é do Estado brasileiro, para que seja extraído de lá e usado comercialmente, a União faz leilões de concessão. Na capitalização a União concedeu, com antecedência, à Petrobrás os direitos sobre esses 5 bilhões de barris e ganhou, em troca, R$ 74,8 bilhões. Desses, R$ 42,9 bilhões foram usados para compra de ações da capitalização da Petrobrás, aumentando a participação da União na empresa. Note que até hoje esses barris estão lá embaixo da terra. O que foi feito foi uma transação sobre direitos futuros.

Com que propósito isso foi feito? Em primeiro lugar para viabilizar a capitalização, claro, mas em segundo lugar, esses bilhões foram usados para fazer o superávit primário de 2010. Esse é um dos exemplos de como o governo tem usado a Petrobrás politicamente, para fingir que cumpre as metas que define para si mesmo. Esse foi um dos fatores que levaram as ações da Petrobrás a continuarem em queda, mesmo depois de ter feito a maior capitalização da história. Vamos falar de outra: o subsídio à gasolina.

O subsídio à gasolina

Outra das razões para a queda do valor de mercado está na nota da Petrobrás citada acima: “maior participação de derivados importados no volume de vendas”. Em 2006, ano eleitoral, Lula foi a um campo de exploração de petróleo da Petrobrás pintar as mãos de preto e anunciar a nossa auto-suficiência em petróleo. Os mais atentos também devem se lembrar de como Lula fazia discursos ufanistas quando falava do etanol brasileiro, de como era o mais eficiente do mundo e coisa e tal.

Acontece que demanda por combustíveis aumentou consideravelmente desde então, em parte impulsionada pelo subsídio dado pelo governo para venda de automóveis, através da redução do IPI, e o setor produtivo brasileiro simplesmente não teve condições de atender à demanda. Resultado: milhões e milhões de barris importados tanto de etanol quanto de gasolina. A auto-suficiência durou bem pouco.

Por si só, o fato de termos que importar etanol e gasolina não seria tão problemático. Acontece que o governo, através da Petrobrás, adotou uma postura de não repassar ao preço local da gasolina os ajustes sofridos pelo preço do petróleo no mercado internacional. Essa postura funcionava quando a auto-suficiência em petróleo era um fato, mas a partir do momento em que nós começamos a importar, a Petrobrás estava pagando muito mais pela gasolina que comprava do que cobrava pela gasolina que vendia, o que levou a uma situação inusitada: quanto mais gasolina vende, mais a Petrobrás perde dinheiro! Como pode ser visto no post linkado, calcula-se que depois do reajuste da gasolina dado no começo de 2013 a Petrobrás está perdendo 1,2 bilhões de reais por mês. Essa é nossa situação atual.

Mas o subsídio à gasolina é do interesse nacional!

Assumindo que faça sentido a Petrobrás destruir sua saúde financeira para estabelecer um subsídio de interesse do país (falo disso mais adiante), resta somente a questão de se é interesse do país o subsídio à gasolina. Será que é? Eu acho difícil decidir sobre uma coisa complexa dessas assim de supetão; Uma das questões que servem como base pra essa é se é do interesse do país o subsídio ao IPI, dado anteriormente, e que levou à alta da demanda.

A redução de IPI para automóveis foi uma medida adotada pelo governo para aquecer a economia e impedir que a crise de 2008 nos atinge com mais força, reduzindo o emprego e a renda. É louvável essa tentativa, mas por quê a indústria automobilística? Uma das razões é possivelmente que essa é uma indústria que emprega muito e que tradicionalmente trabalhou com o governo para evitar reduções de postos de trabalho. OK, até aqui tudo bem. Mas será que não existem diversas outras indústrias que poderiam absorver os trabalhadores que perdessem o emprego nas montadoras? Quem dirá os serviços e indústrias de suporte que certamente surgirão em volta de empreendimentos desse porte?

Além de pensar sobre isso, temos que pensar também nos outros resultados que advem de uma política dessas. Uma delas é óbvia: a quantidade de carros nas cidades aumentou vertiginosamente, aumentando a poluição e os engarrafamentos. Essas são o que a economia chama de externalidades negativas. Imagine se ao invés de incentivar a compra de carros o governo federal tivesse iniciado investimentos consistentes em obras de mobilidade urbana em todo o território brasileiro. Canteiros de obra para metrôs, BRTs, trens poderiam não só absorver os trabalhadores que eventualmente fossem demitidos nas montadoras, mas gerariam uma externalidade positiva significativa. Melhoria na qualidade de vida das pessoas.

Do meu ponto de vista, o incentivo à compra de carros foi um erro. Mas suponhamos que tenha sido uma boa ideia. Voltemos à questão do subsídio à gasolina: o subsídio vem da Petrobrás, que é uma empresa de capital misto, o que significa que parte dela é do Estado brasileiro, parte de entes privados e indivíduos. Por isso mesmo, parte do dinheiro investido nesse subsídio é público. Ou seja, é dinheiro da pessoa pobre que recebe Bolsa Família, meu e seu.

Faz sentido usar esse dinheiro para beneficiar quem usa carros a gasolina? Eu consigo ver o benefício pra mim, que tenho carro e uso gasolina, mas que benefício à sociedade esse subsídio dá, que justifique usar dinheiro da pessoa pobre que recebe Bolsa Família pra me ajudar? Os argumentos que eu ouvi são de que um aumento na gasolina acarreta aumento de custo e portanto um aumento de preços em cascata no resto da cadeia produtiva. Será? Caminhões e ônibus usam diesel, por exemplo, então não vejo como o custo de transporte de cargas e passageiros seria afetado. Quem tiver alguma ideia, poste aí nos comentários.

A Petrobrás é uma empresa estatal/pública e portanto tem o dever de proteger os interesses nacionais!

Eu argumentei antes que o subsídio à gasolina não é necessariamente do interesse nacional. Acho o mesmo quando se trata de usar mágica contábil… mas vamos supor que fossem interesses nacionais. A Petrobrás tem o dever de protegê-los? Gostaria de voltar à questão da capitalização. Os mais atentos lembrarão que a Petrobrás é uma empresa de capital misto, ou seja, a União é um dos acionistas, mas há outros. Quem são esses outros? Grandes capitalistas que especulam na bolsa? Certamente há. Mas os mais atentos lembrarão que também há inúmeros trabalhadores, que usaram seu rico dinheirinho do FGTS para comprar ações da capitalização. São mais de 70 mil trabalhadores que tem mais de 2 bilhões aplicados na oferta original em 2000 ou na capitalização de 2010. Sem contar investidores individuais, que podemos ser eu e você. Quem comprou 100 reais em ações em 2010 hoje vende por 70. E não há sinal de que a trajetória de queda vai mudar.

É justo a Petrobrás tocar o foda-se para União, trabalhadores e outros acionistas e perseguir o que alguém tirou do Cadastro Único ser do interesse nacional? Eu diria que não. Se for o caso, e acho que, como qualquer outra política pública, o mérito dessa tem sim que ser avaliado, o ideal é fechar o capital da empresa, ou seja, tirá-la da bolsa de valores e trazer o orçamento da empresa pra dentro do orçamento geral da União. Por quê? Porque se vamos usar dinheiro público para fazer subsídio de interesse nacional é essencial que fique claro e transparente para todos que esse subsídio é feito ao invés de outros investimentos. O dinheiro que iria para subsidiar a gasolina poderia talvez ser melhor gasto na educação, por que não?

Conclusão

Respondendo à pergunta original: e aí, faz sentido recomendar a compra de Petrobrás? Do jeito que a coisa está hoje, não acho que faça sentido. É necessário que a empresa e o governo demonstrem que a Petrobrás será gerida como uma empresa séria de novo antes que seja possível confiar nela. Mas eu sou otimista e acho que a Graça Foster foi colocada lá com essa condição: de que ela poderia colocar a empresa nos trilhos. O aumento da gasolina do começo de 2013, apesar de não acabar com a defasagem do preço, é um passo na direção certa. Se você acredita que as intervenções políticas vão acabar e que a empresa vai parar de tomar decisões estúpidas como a de subsidiar a gasolina, compre. Se não acha, não faz sentido comprar.

Atualização (3 de março de 2013)

Só no primeiro bimestre de 2013 o valor de mercado da Petrobrás caiu mais do que em todo o ano de 2012. O aumento insuficiente para corrigir a distorção do preço da gasolina é uma provável explicação.



Gustavo Noronha (kov)

25 de Fevereiro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Assim que a Petrobrás divulgou os resultados do ano calendário de 2012 houve um sem número de controvérsias a respeito. Eu participei de algumas discussões e fiquei animado pra escrever um post explicando de forma mais detida minhas opiniões a respeito. Vou tentar abordar cada um dos argumentos usados nas discussões de que participei.

Está tudo bem, compre Petrobrás!

Vou começar tratando de um post do Paulo Henrique Amorim. O teor do post pode ser dividido em 2 partes: a primeira parte é uma nota oficial da Petrobrás em que ela diz o seguinte:

Em 2012, o lucro líquido foi 36% inferior ao apurado em 2011, refletindo os efeitos da depreciação cambial, maior participação de derivados importados no volume de vendas e aumento das despesas operacionais com maiores baixas de poços secos e subcomerciais;A segunda parte é um comentário feito pelo jornalista em que ele dá a entender que os jornais O Globo, Folha e Estadão deram um viés de má notícia em suas manchetes (que focam na queda de lucro recorde), enquanto a “publicação especializada” InfoMoney dá uma manchete que cita o valor auferido em lucros e indicando que o lucro superou as estimativas. Ele termina sugerindo ao leitor que compre ações da Petrobrás.

Eu considero esse post do Paulo Henrique Amorim uma tentativa pífia de dar um giro positivo numa notícia que não tem nada de positiva. O fato é que o lucro da Petrobrás caiu em 36% – mais que um terço! – em relação a 2011. As expectativas em relação ao lucro da Petrobrás estavam baixas por várias razões (algumas até listadas no texto da Petrobrás, acima) e o fato de o lucro ter superado essas expectativas não ajuda muito.

Valor das ações da Petrobrás de 2008 a início de 2013

As expectativas em relação à saúde financeira da Petrobrás e ao nível de interferência política sofrida pela empresa não é coisa nova. A Petrobrás perdeu mais de 66% do seu valor de mercado desde 2008, como se pode ver no gráfico acima, obtido no Yahoo! Finance. Isso significa que alguém que comprou 100 reais em ações da Petrobrás em 2008 hoje não vende as mesmas ações por mais do que 34 reais. Faz sentido, então, recomendar a compra, como fez PHA? Antes, vamos tentar entender as razões por trás da queda.

E por quê essa perda gigantesca?

As intervenções do governo e as mágicas fiscais

Em 2010 a Petrobrás fez o que o ex-presidente Lula chamou (com razão) de a maior capitalização da história do capitalismo mundial. O que foi isso? A Petrobrás precisava de dinheiro em caixa pra fazer investimentos na extração do pré-sal. Para conseguir esse dinheiro, a Petrobrás aumentou o número de ações que a compõe e as ofereceu na bolsa. Trabalhadores brasileiros puderam usar o dinheiro do FGTS para adquirir ações – e muitos fizeram isso!

Como parte do processo a União fez o que se chamou de cessão onerosa de 5 bilhões de barris de petróleo que se encontravam em lotes do pré-sal. O petróleo que está em território brasileiro é do Estado brasileiro, para que seja extraído de lá e usado comercialmente, a União faz leilões de concessão. Na capitalização a União concedeu, com antecedência, à Petrobrás os direitos sobre esses 5 bilhões de barris e ganhou, em troca, R$ 74,8 bilhões. Desses, R$ 42,9 bilhões foram usados para compra de ações da capitalização da Petrobrás, aumentando a participação da União na empresa. Note que até hoje esses barris estão lá embaixo da terra. O que foi feito foi uma transação sobre direitos futuros.

Com que propósito isso foi feito? Em primeiro lugar para viabilizar a capitalização, claro, mas em segundo lugar, esses bilhões foram usados para fazer o superávit primário de 2010. Esse é um dos exemplos de como o governo tem usado a Petrobrás politicamente, para fingir que cumpre as metas que define para si mesmo. Esse foi um dos fatores que levaram as ações da Petrobrás a continuarem em queda, mesmo depois de ter feito a maior capitalização da história. Vamos falar de outra: o subsídio à gasolina.

O subsídio à gasolina

Outra das razões para a queda do valor de mercado está na nota da Petrobrás citada acima: “maior participação de derivados importados no volume de vendas”. Em 2006, ano eleitoral, Lula foi a um campo de exploração de petróleo da Petrobrás pintar as mãos de preto e anunciar a nossa auto-suficiência em petróleo. Os mais atentos também devem se lembrar de como Lula fazia discursos ufanistas quando falava do etanol brasileiro, de como era o mais eficiente do mundo e coisa e tal.

Acontece que demanda por combustíveis aumentou consideravelmente desde então, em parte impulsionada pelo subsídio dado pelo governo para venda de automóveis, através da redução do IPI, e o setor produtivo brasileiro simplesmente não teve condições de atender à demanda. Resultado: milhões e milhões de barris importados tanto de etanol quanto de gasolina. A auto-suficiência durou bem pouco.

Por si só, o fato de termos que importar etanol e gasolina não seria tão problemático. Acontece que o governo, através da Petrobrás, adotou uma postura de não repassar ao preço local da gasolina os ajustes sofridos pelo preço do petróleo no mercado internacional. Essa postura funcionava quando a auto-suficiência em petróleo era um fato, mas a partir do momento em que nós começamos a importar, a Petrobrás estava pagando muito mais pela gasolina que comprava do que cobrava pela gasolina que vendia, o que levou a uma situação inusitada: quanto mais gasolina vende, mais a Petrobrás perde dinheiro! Como pode ser visto no post linkado, calcula-se que depois do reajuste da gasolina dado no começo de 2013 a Petrobrás está perdendo 1,2 bilhões de reais por mês. Essa é nossa situação atual.

Mas o subsídio à gasolina é do interesse nacional!

Assumindo que faça sentido a Petrobrás destruir sua saúde financeira para estabelecer um subsídio de interesse do país (falo disso mais adiante), resta somente a questão de se é interesse do país o subsídio à gasolina. Será que é? Eu acho difícil decidir sobre uma coisa complexa dessas assim de supetão; Uma das questões que servem como base pra essa é se é do interesse do país o subsídio ao IPI, dado anteriormente, e que levou à alta da demanda.

A redução de IPI para automóveis foi uma medida adotada pelo governo para aquecer a economia e impedir que a crise de 2008 nos atinge com mais força, reduzindo o emprego e a renda. É louvável essa tentativa, mas por quê a indústria automobilística? Uma das razões é possivelmente que essa é uma indústria que emprega muito e que tradicionalmente trabalhou com o governo para evitar reduções de postos de trabalho. OK, até aqui tudo bem. Mas será que não existem diversas outras indústrias que poderiam absorver os trabalhadores que perdessem o emprego nas montadoras?

Além de pensar sobre isso, temos que pensar também nos outros resultados que advem de uma política dessas. Uma delas é óbvia: a quantidade de carros nas cidades aumentou vertiginosamente, aumentando a poluição e os engarrafamentos. Essas são o que a economia chama de externalidades negativas. Imagine se ao invés de incentivar a compra de carros o governo federal tivesse iniciado investimentos consistentes em obras de mobilidade urbana em todo o território brasileiro. Canteiros de obra para metrôs, BRTs, trens poderiam não só absorver os trabalhadores que eventualmente fossem demitidos nas montadoras, mas gerariam uma externalidade positiva significativa. Melhoria na qualidade de vida das pessoas.

Do meu ponto de vista, o incentivo à compra de carros foi um erro. Mas suponhamos que tenha sido uma boa ideia. Voltemos à questão do subsídio à gasolina: o subsídio vem da Petrobrás, que é uma empresa de capital misto, o que significa que parte dela é do Estado brasileiro, parte de entes privados e indivíduos. Por isso mesmo, parte do dinheiro investido nesse subsídio é público. Ou seja, é dinheiro da pessoa pobre que recebe Bolsa Família, meu e seu.

Faz sentido usar esse dinheiro para beneficiar quem usa carros a gasolina? Eu consigo ver o benefício pra mim, que tenho carro e uso gasolina, mas que benefício à sociedade esse subsídio dá, que justifique usar dinheiro da pessoa pobre que recebe Bolsa Família pra me ajudar? Os argumentos que eu ouvi são de que um aumento na gasolina acarreta aumento de custo e portanto um aumento de preços em cascata no resto da cadeia produtiva. Será? Caminhões e ônibus usam diesel, por exemplo, então não vejo como o custo de transporte de cargas e passageiros seria afetado. Quem tiver alguma ideia, poste aí nos comentários.

A Petrobrás é uma empresa estatal/pública e portanto tem o dever de proteger os interesses nacionais!

Eu argumentei antes que o subsídio à gasolina não é necessariamente do interesse nacional. Acho o mesmo quando se trata de usar mágica contábil… mas vamos supor que fossem interesses nacionais. A Petrobrás tem o dever de protegê-los? Gostaria de voltar à questão da capitalização. Os mais atentos lembrarão que a Petrobrás é uma empresa de capital misto, ou seja, a União é um dos acionistas, mas há outros. Quem são esses outros? Grandes capitalistas que especulam na bolsa? Certamente há. Mas os mais atentos lembrarão que também há inúmeros trabalhadores, que usaram seu rico dinheirinho do FGTS para comprar ações da capitalização. São mais de 70 mil trabalhadores que tem mais de 2 bilhões aplicados na oferta original em 2000 ou na capitalização de 2010. Sem contar investidores individuais, que podemos ser eu e você. Quem comprou 100 reais em ações em 2010 hoje vende por 70. E não há sinal de que a trajetória de queda vai mudar.

É justo a Petrobrás tocar o foda-se para União, trabalhadores e outros acionistas e perseguir o que alguém tirou do Cadastro Único ser do interesse nacional? Eu diria que não. Se for o caso, e acho que, como qualquer outra política pública, o mérito dessa tem sim que ser avaliado, o ideal é fechar a empresa, tirá-la da bolsa de valores e trazer o orçamento da empresa pra dentro do orçamento geral da União. Por quê? Porque se vamos usar dinheiro público para fazer subsídio de interesse nacional é essencial que fique claro e transparente para todos que esse subsídio é feito ao invés de outros investimentos. O dinheiro que iria para subsidiar a gasolina poderia talvez ser melhor gasto na educação, por que não?

Conclusão

Respondendo à pergunta original: e aí, faz sentido recomendar a compra de Petrobrás? Do jeito que a coisa está hoje, não acho que faça sentido. É necessário que a empresa e o governo demonstrem que a Petrobrás será gerida como uma empresa séria de novo antes que seja possível confiar nela. Mas eu sou otimista e acho que a Graça Foster foi colocada lá com essa condição: de que ela poderia colocar a empresa nos trilhos. O aumento da gasolina do começo de 2013, apesar de não acabar com a defasagem do preço, é um passo na direção certa. Se você acredita que as intervenções políticas vão acabar e que a empresa vai parar de tomar decisões estúpidas como a de subsidiar a gasolina, compre. Se não acha, não faz sentido comprar.