Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Software Público é destaque nas Ilhas Canárias

25 de Fevereiro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2555 vezes

O Arquipélago das Ilhas Canárias fica na África, mas o território é espanhol. Representa uma parte da Comunidade Européia bem próxima ao continente africano. Um domínio que é resultado das grandes navegações. As Ilhas Canárias foram - e continuam sendo - para Espanha o que as ilhas da Madeira e de Açores foram para Portugal – um ponto estratégico de contato entre três continentes: o europeu, o africano e o americano.

O desenvolvimento encontrado em Canárias é uma demonstração de que é possível alcançar uma África com maior justiça social no futuro.

O IWEEE 2010 (International Workshop on e-Health in Emerging Economies) foi realizado na Gran Canaria, a qual - como o nome sugere - é a ilha mais importante do arquipélago. No local vivem em torno de um milhão de pessoas, sendo na principal cidade cerca de 600 mil habitantes. O aeroporto chama atenção pelo seu tamanho. Se trata do terceiro maior da Espanha. Seu tamanho deve-se à quantidade de turistas que chegam da Europa para fugir do frio e aproveitar temperaturas mais agradáveis (em torno de 20 graus na média).

Ao sobrevoar a ilha podem ser vistas pequenas plantações cobertas por “mantos” de estopa ou lona. Um dos motivos é que venta muito e é necessário proteger a plantação. Na ilha, a preservação é uma necessidade pois os espaços de plantação são muito pequenos e perder uma parte do cultivo pode significar perder tudo.

No caminho entre o aeroporto e o centro da cidade existe uma fábrica de dessalinização da água do mar. Algo que gera uma segunda preocupação na ilha: o saneamento. Há a conscientização de que não se deve poluir o mar de onde vem a água para o consumo das pessoas.

Um dos aspectos mais impressionantes da Gran Canaria vem da produção de energia. Toda energia é produzida na ilha. A energia é obtida por meio do vento, do Sol e das águas. Um sinal positivo, que demonstra a possibilidade concreta de buscarmos alternativas sustentáveis para gerarmos energia no futuro.

O evento começou com a abertura de Richard Stallman, falando sobre Ética e Software Livre. O Brasil contou com dois representantes: Cesar Brod, um dos mais antigos brasileiros que trabalham com software livre e Corinto Meffe, gerente de inovações tecnológicas do Ministério do Planejamento. Os dois foram responsáveis pela palestra de encerramento do evento. Momento em que apresentaram o histórico e o avanço do software livre no Brasil.

A programação do evento foi dividida em dois temas: saúde e tecnologia da informação, com base em software livre. Durante a abertura Stallman reforçou que a saúde é uma área onde o software livre precisa ser mais desenvolvido. “Se falamos em melhorar a saúde da população, devemos usar tecnologias livres”, disse Stalmann.

Durante os três dias houve um revezamento desses temas. Moses Isyagi de Ruanda na África apresentou sua experiência com telemedicina. José Caminero, médico e pesquisador espanhol, fez um profundo relato sobre tuberculose e AIDS, sendo enfático que se tratam de doenças relacionadas diretamente com a pobreza.

Luis Falcón, organizador e palestrante, abordou a solução de gestão hospitalar Medical, desenvolvida em software livre e que se encontra em funcionamento em pequenos hospitais na Argentina. Falcón, destacou a presença da comunidade brasileira, que tem ajudado na tradução da solução para português.

Cesar Brod fez um histórico de sua experiência com software livre, passando pelos estágios de experimento, disseminação, maturidade e consolidação. Brod reforçou a posição brasileira como referência no desenvolvimento de software livre e citou como exemplo o ambiente do Código Livre [http://www.codigolivre.org.br] que possui mais de dois mil projetos hospedados.

Corinto Meffe, fez a palestra de encerramento do evento e descreveu os estágios do software livre do governo federal desde 1998, quando já estava participando das atividades com software livre representando a empresa Dataprev, até 2010, último ano do governo Lula. Meffe, reforçou que todos os dados indicam o avanço do software livre no governo e deu o exemplo das 36 soluções disponibilizadas para sociedade no Portal do Software Público Brasileiro.

No final do evento os representantes dos países convidados definiram que a próxima edição do IWEEE 2010 será no Brasil durante a Latinoware em Foz do Iguaçu.

Mais informações sobre o evento, acesse http://www.iweee.org/



Fonte: Software Publico


Tags deste artigo: gestão hospitalar medical luis falcón latinoware cesar brod richard stallman corinto meffe canárias espanha iweee 2010

Eventos de Software Livre no Brasil