Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Estudo revela que navegadores possuem impressões digitais

21 de Maio de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2157 vezes

Junção de dados como sistema operacional, idiomas, detalhes de fuso-horário e pluguins permite que websites criem uma identificação online do browser que faz o acesso

 

Uma pesquisa divulgada essa semana pela Electronic Frontier Foundation ( EFF ) concluiu que mesmo sem a utilização de cookies, navegadores populares como Internet Explorer e Firefox dão aos sites informações suficiente para obter um perfil único de seus visitantes.

De acordo com site Slashdot , Peter Eckersley, que desenvolveu a pesquisa, descobriu que informações de configuração como dados sobre o tipo de browser, sistema operacional, plugins, e até mesmo fontes instaladas no computador podem ser compilados por websites formando um retrato de quase 94% dos usuários que acessam o endereço.

Isto significa que a maioria dos usuários da Internet são menos anônimos do que imaginam. “Mesmo se você desativar os cookies e usar um proxy para esconder o seu endereço IP, você ainda pode ser rastreado”, disse Eckersley em entrevista.

Os dados não identificam nominalmente o usuário, mas criam uma espécie de impressão digital do browser, que pode ser usado para identificar que o “dono” daquele navegador, quem quer que seja, tenha visitado esse ou outros sites.

Eckersley explica que dados unitários não são suficientes para identificar o browser ou seu usuário, porém, juntando todas as informações que podem ser adquiridas, como versão do navegador, idioma, sistema operacional e detalhes de fuso horário pode-se visualizar mais claramente os padrões específicos de um determinado acesso. Detalhes como a combinação de plugins e fontes instaladas instaladas, por exemplo, podem fazer toda a diferença.

Um exemplo prático da aplicação desse estudo pode ser confirmada pela empresa ThreatMetrix , que usou técnicas semelhantes às descritas pela EFF para descobrir um usuário que tentava fraudar compras na loja de filmes online iReel utilizando vários cartões de créditos clonados. A empresa “coletou” a impressão digital do browser que acessava o site da loja e isso permitiu que todas as transações fossem canceladas.

Eckersley afirma porém que algumas configurações conseguem escapar do rastreamento. Acessos feitos pelo Firefox com NoScript ativado a partir de um computador com Winwdos XP não podem ser rastreados. Usuários que utilizam iPhone ou plataformas Android também não são identificáveis, na maioria das vezes. Isso porque eles normalmente não têm a variedade de plugins ou fontes, comuns em usuários desktop.

A EFF criou um site que monitora os visitantes e disponibiliza suas impressões digitais.

O teste pode ser feito através do link: http://panopticlick.eff.org/

Por Fabiana Baioni

Fonte Noticias Yahoo


Tags deste artigo: electronic eff foundation frontier internet explores firefox

Eventos de Software Livre no Brasil