Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a FISL
Tela cheia Sugerir um artigo

Governo longe de ser 100% open source

27 de Julho de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2325 vezes

Sete anós após seu inicio, a estratégia de adoção do Software Livre nos órgãos federais ainda engatinha. Uma pesquisa feita com os 233 órgãos, das quais 129 responderam, aponta que a adesão aos sistemas de código aberto está entre inexistente e iniciante.

Apresentada no 11° Fórum Internacional do Software Livre, a pesquisa aponta ainda que o código aberto faz sucesso nestes órgãos principalmente no back end.

Para servidores, 50% já utilizam o software livre ante 8% dos usuários de programas proprietários. Outros 19% estão na fase inicial de adoção e 23% em fase de andamento. Já os sistemas de informação são de código aberto para 57%, estão em estágio inicial para 17% e em andamento para 15% dos órgãos. Apenas 11% ainda usam a versão paga.

Por outro lado, o contato com o usuário ainda é majoritariamente feito através de software proprietário. Para sistemas operacionais, o software livre está em apenas 5% dos órgãos ante 47% de concorrentes pagos. Mas a migração já representa 43%, ainda que em estágios iniciais.

Já as suítes de aplicativos para escritório de código aberto representam 15% do total enquanto os proprietários estão em 45%. Além disso, 12% dos órgãos estão com a migração em andamento e 28% estão na fase inicial de adoção.

No entanto, quando o assunto é sistema de e-mails, há um empate técnico. A adesão é de 55% contra 43% para os usuários de software proprietário.

Para o diretor-presidente do Serpro e coordenador do Comitê Técnico de Implementação de Software Livre Marcos Mazoni, a adoção acontece com mais facilidade em servidores e sistemas de informação. Já o uso em desktops é menor uma vez que há resistência dos funcionários, declara. Também está em jogo a complexidade do negócio. O uso é muito maior em universidades, por exemplo, do que em áreas de segurança nacional, afirma Mazoni.

“Cerca de 25% de todos os gastos de TI são feitos através do Serpro. Mas existem outras áreas como segurança, Exército, Aeronáutica, Petrobrás, entre outros que tem suas próprias estruturas”, declara.

Questionado se as políticas de apoio ao software livre estarão ameaçadas caso haja mudança nos governantes, Mazoni deixa a questão no ar. “Sou extremamente democrático. Estamos implementando porque houve mudança no governo. Se houver nova mudança, eles têm todo direito de voltar para o proprietário”, declara. O coordenador afirmou ainda que não falaria mais por estar no período eleitoral. “Não posso dizer tudo que penso sobre o assunto. Mas se outro projeto for eleito, poderá fazer mudanças. É uma democracia”, finaliza.

BB mostra que é possível
O Banco do Brasil serve como um argumento forte para a adoção do software livre. Maior instituição financeira da América Latina, o banco que atua em 23 países já economizou R$ 110 milhões de reais em cinco anos de uso da tecnologia de código aberto. Segundo Lidia Bueno Chamelete, da diretoria de tecnologia do banco, além de economia, a novidade trouxe melhorias nos aspectos de negócio, serviço e método de trabalho.

“Nosso case ajuda as empresas a se espelharem. Recebemos várias visitas de corporações interessadas na migração e muitas vezes ouvimos CIOs dizendo que, se funciona com uma instituição financeira deste porte, porque não daria certo com eles?”, declara.

A diretora afirma ainda que a novidade trouxe inovação na área de desenvolvimento, construção na base de conhecimento para a Universidade Corporativa baseado em MediaWiki e Wordpress, melhoria nas funcionalidades e na interface de transações financeiras, entre outros.

Para atender a 30 milhões de correntistas, a empresa precisa de um ambiente robusto. No âmbito de automação de agências, são 5.500 servidores, 75 mil estações de trabalho, 42 mil ATMs e 2.700 estações de central de atendimento com controles restritos e zero possibilidade de instalar quaisquer aplicativos.

Já no ambiente de automação de escritório, são 660 servidores, 35 mil estações e uma grande diversidade de aplicativos e soluções instalados.

O complexo central de tecnologia, por sua vez, dá conta de 17 mainframes, 29 high ends, 40 servidores de contingência e armazenamento de 1.400TB.

O GNU/Linux está em 75 mil estações do banco, o que equivale a dois terços do parque. Também roda em 5.500 servidores de agência, mais de 19 mil terminais de auto atendimento, 2.700 estações da central de atendimento e em 3.800 estações do Banco Popular.

Já a suíte de aplicativos para escritório BrOffice está disponível em mais de 100 mil máquinas, assim como o Mozilla Firefox. O software não substitui os concorrentes proprietários mas está disponível como alternativa para os funcionários.

“Não adianta ser totalmente radical. Disponibilizamos e o uso acontece onde é possível e viável. Esta foi nossa estratégia de implementação“, declara Lídia.

Para Wilson Carlos Pastro, também da diretoria de TI, o software livre está no core do banco. “Se usamos até hoje é porque temos certeza que não vamos ter nenhum problema com o sistema. Seria um prejuízo incalculável. Mas o sistema nos atendeu tão bem que vamos continuar usando“, declara.

Por Márcia Lima

Fonte Baguete


Tags deste artigo: fisl2010

Eventos de Software Livre no Brasil