Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

TSE vai permitir testes públicos na urna eletrônica

14 de Setembro de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1003 vezes

Confiante na segurança do sistema eletrônico de votações, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) permitirá testes públicos nos programas, equipamentos, como a própria urna eletrônica, e demais procedimentos relativos ao próximo pleito. A ideia é permitir que qualquer brasileiro verifique se o sistema é falho ou suscetível a algum tipo de violação.

"É um momento único. A Justiça Eleitoral abre seus sistemas aos cidadãos, inclusive os hackers, para testar se nossas urnas são suscetíveis a fraudes", afirma o ministro do TSE Ricardo Lewandowski. Os testes serão acompanhados por uma comissão avaliadora, formada por juristas, acadêmicos, cientistas e técnicos. "Será uma espécie de auditoria externa, independente", completou o ministro.

Poderão ser objeto do escrutínio dos interessados a urna eletrônica, o sistema de geração das mídias que transferem informações dos tribunais para as seções eleitorais, e vice-versa, a preparação da urna e o sistema de transmissão de dados.

"Estamos absolutamente seguros de que não há possibilidade de fraude ou violação das urnas e isso agora será verificado pelos cidadãos", insiste Lewandowski. Caso os 'investigadores' encontrem alguma brecha no sistema, a experiência será utilizada para corrigir o problema.

"Se houver alguma falha, certamente será em algum aspecto periférico do processo e não atrapalhará a confiança do eleitor", completa o ministro, que cita uma pesquisa realizada após as eleições de 2008, feita pelo Instituto Nexus, onde o processo eleitoral foi considerado confiável por 97,7% dos entrevistados.

Os testes, no entanto, terão regras. Primeiro, os interessados devem se inscrever previamente - as inscrições estão abertas e seguem até 13 de outubro - mediante a entrega de um formulário ao TSE. Além disso, ao se inscrever é preciso apresentar um plano com a descrição do teste que será feito, quais os softwares que serão utilizados e qual o objetivo do exame específico.

Caso haja necessidade, o número de participantes dos testes será limitado, dando-se preferência para os 'investigadores' indicados por partidos políticos, com maior grau de escolaridade e formação em tecnologia da informação, aqueles com maior tempo comprovado de experiência em TI, os indicados por institutos de pesquisa públicos, por sociedade científica, pelo Ministério Público Federal e pela Ordem dos Advogados do Brasil.

Os testes em si ocorrerão de 10 a 13 de novembro, das 9h às 18h, na sede do TSE em Brasília. As três contribuições que o Tribunal considerar mais relevantes receberão prêmios de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 2 mil. O edital do teste de segurança pode ser conferido na página do TSE na internet (www.tse.gov.br).

* fonte: Luís Osvaldo Grossmann
:: Convergência Digital


Tags deste artigo: tse tre eleição urna votação

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.