Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia

Na captação de recursos, detalhes fazem a diferença

19 de Agosto de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 371 vezes

“A captação de recursos é, de certa maneira, um jogo de sedução. Quando você tem em mãos um projeto cultural, vai ter que seduzir uma empresa, e para isso precisa descobrir onde é que está o coração de quem você deseja conquistar”.

Essa foi uma das primeiras colocações do jornalista, poeta e escritor Marcelo Miguel, da Quixote Art & Eventos, na noite do dia 17 (terça-feira), durante o bate-papo inicial do primeiro dia do curso de Captação de Recursos para Projetos Culturais. O encontro acontece na sede da Elase, em Florianópolis, e reúne cerca de 25 representantes de Pontos de Cultura, ativistas e produtores culturais.

A proposta é esmiuçar os detalhes que cercam o processo de idealização, planejamento e execução de um projeto, com foco na etapa de captação de recursos, uma etapa que pode dificultar e até inviabilizar a realização das atividades. Para isso, entretanto, é indispensável compreender os princípios básicos da economia da cultura, incluídas aí as diversas formas de se buscar recursos para viabilização de projetos culturais.

Marcelo chamou a atenção para a necessidade de se valorizar os trabalhos desenvolvidos no campo cultural, o que ele classificou como o primeiro grande desafio ao se fazer projetos para a área. “As pessoas não têm noção da serventia da arte e da cultura, e na maioria das vezes não conseguem perceber o que está por detrás desse tipo de empreendimento. A mudança deve começar a partir de nós mesmos, que precisamos aprender a valorizar nosso trabalho. Para isso, é necessário saber como nos posicionarmos frente às demais pessoas, exigindo respeito e ao mesmo tempo tratando as pessoas que trabalham conosco com respeito”, comentou. Para ele, os trabalhos desenvolvidos na área da cultura são de extrema importância para o desenvolvimento da sociedade. Para reforçar suas colocações, usou como exemplo algumas Organizações não Governamentais (ONGs) que trabalhavam com ações sociais, e que foram buscar na arte e na cultura a fundamentação para suas realizações e para promover a transformação social.
INCENTIVO GOVERNAMENTAL
Para demonstrar o leque de possibilidades que se descortinam quando buscamos apoio para desenvolver projetos, Marcelo explicou que no Brasil existem, atualmente, 368 leis de incentivo à cultura, entre disposições federais, estaduais e municipais.
Em âmbito federal, a mais conhecida é a Lei Rouanet, que criou o Programa Nacional de Cultura (Pronac). Através de alguns mecanismos o Pronac oferece a pessoas físicas e jurídicas a possibilidade de isenção fiscal.
E foram justamente os detalhes da Lei Rouanet que geraram a maior parte dos questionamentos que surgiram no decorrer das aulas. Quem pode apresentar um projeto? Que tipos de projetos podem ser apresentados? Qual o valor máximo para a aprovação de um projeto? Quem pode patrocinar um projeto cultural? As questões surgiam, eram respondidas e acabavam motivando novas perguntas.

Na verdade, ficou claro que o tema é extremamente amplo, e pequenos detalhes podem fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso de um projeto. Marcelo Miguel chamou a atenção para o fato de que cada proposta tem um diferencial, e a exemplo do que acontece no jogo de sedução citado no início do encontro, cada proponente apresenta uma forma diferenciada de agir. “O importante é que você tenha a noção exata do seu projeto, e tenha pleno domínio dos argumentos que fundamentam a ideia”, explicou.

Na tarde de quinta-feira (dia 19), Marcelo participará de um bate-papo sobre prestação de contas. O encontro acontece na sala Harry Laus, na Biblioteca da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e o tema chama muita atenção, principalmente dos representantes de pontos de cultura.

À noite acontece o último encontro do curso, com dinâmicas voltadas especificamente ao processo de captação dos recursos através da Lei Rouanet.

 

FONTE: Pontão Ganesha


Tags deste artigo: captação curso cultura pontos de cultura

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.