Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

0 comunidades

Nenhum(a)

 Voltar a Blog
Tela cheia

Ubuntu Lucid no meu PC

9 de Maio de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1297 vezes

Olá! Escrevo esta postagem para relatar minhas experiências com o novo Ubuntu Lucid.

Instalação

Inicialmente, efetuei a instalação através de um PenDrive inicializável, notando que a instalação foi mais rápida do que com a mídia. Alguns processos de instalação estão um pouco diferentes, mas com certeza para melhor.

Configuração do /home

Possuo uma /home separada desde a versão 9.04, assim posso atualizar meu Ubuntu do zero sem problemas com meus documentos. A configuração para utilização da /home ocorreu sem problemas.

Inicialização

Notei pouca diferença de inicialização, seja pelo tempo ou por algum módulo carregado. Isso significa que o boot do Ubuntu está em um patamar bem elevado. Visualmente, diferenças no logotipo e na barra de progresso são sentidas, além do fundo azul escuro. Como opinião pessoal, indiferente.

Aparência Inicial

Tema escuro, estilo Vista toma conta da Interface logo de cara. Mas é óbvio que os designers da Canonical não esperam que usemos isto por muito tempo, ela é colocada apenas para causar impacto, marcar a primeira experiência. Como a maioria dos usuários finais de Linux Desktop, eu mudei para o ClearLooks. Bastante simples e agradável.

Problema com som

Tive um problema com som, inicialmente recorri a algumas informações para saber se havia algo de errado com minha placa ou alguma diferença em relação ao antigo Ubuntu. Notei que a barra de volume não iniciava e ao tentar acessar Preferências/Som uma eterna janela "Procurando por dispositivos de som" permanecia imóvel.

A solução foi apagar a pasta oculta .Pulse de minha /home e assim a barra de  volume passou a funcionar, mas ainda assim sem som. Para finalmente configurar o som, percebi que ele estava usando a saída errada, da minha antiga placa OnBoard e não a Off. Bastou acessar Preferências/Som, desta vez sem problemas e configurar corretamente para a saída adequada. Funcionou legal!

Ubuntu One

Muito mais visível nesta versão, muito mais prático e estável, funciona perfeitamente logo de início após a configuração de sua conta. Algumas ferramentas foram acrescidas, como por exemplo, a de administrar quais máquinas utilizam sua conta no One.

GBrainy: Isso sim é jogo!

Não costumo navegar no menu jogos do Ubuntu, mas a título de curiosidade, acessei um novo jogo chamado GBrainy. Muito bom. Com ele, você coloca seu cérebro para funcionar da maneira em que você mais se destaca. Trata-se de um conjunto de desafios organizados por áreas: Lógica, Cálculo, Memória e Verbal. Cada uma destas áreas possuem desafios específicos, onde você terá de resolver. Há um contador de tempo. Ele corrige a questão na hora e acusa se a resposta digitada é correto ou não, caso erre, ele apresenta a explicação para que em testes futuros você não volte a errar.

O mais interessante é que ao finalizar um teste, ele apresenta a você um gráfico com seu desempenho nas áreas diversas, montando uma espécie de histórico de acompanhamento.

O novo jogo entrou no lugar do SameGnome. Agora, está na hora do velho e horrível Minas sumir do mapa. Por duas razões: Está muito óbvio que este jogo se popularizou com o Windows e que o pessoal do Gnome insiste em copiar, mas ninguém joga. Sem dúvida está na hora de jogos como o GBrainy assumir o lugar.

Há muito a desbravar

Com certeza há! Apenas relatei minhas primeiras experiências com o Ubuntu que imperará até Outubro. Qualquer coisa relevante, forneço através de posts, mas por enquanto é só e a propósito, após estas e outras pequenas configurações, meu Ubuntu está muito agradável. Dá até gosto de usar o Lince Lúcido.

Abraços!


Tags deste artigo: ubuntu lucid lucid no pc ubuntu no pc ubuntu 10 ubuntu 10.4 lucid lynx ubuntu experiências ubuntu ubuntu 10.4 pc

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.