Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Saudades da garagem? Os novos desafios do código aberto no mainstream

31 de Maio de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1110 vezes

O DeveloperWorks, da IBM, está iniciando um blog e eu fui convidado para contribuir por lá, tratando do tema open source.

Minhas primeiras contribuições já começam a sair, e acredito que vocês terão interesse em ver o texto de hoje, que trata metaforicamente (no contexto do código aberto, claro) da saudade que os fãs de uma banda que começa a atingir o sucesso sentem sobre os tempos em que ela tocava para meia dúzia de amigos numa garagem.

Separei o trecho inicial:

Ver, no site de uma revista dirigida ao público geral (o mítico “usuário final”) de informática uma notícia sobre o lançamento do “pré-pré-alfa” de um produto da Mozilla me provocou uma longa reflexão.

Estou na estrada do código aberto e software livre há um bom tempo, mas ainda não é suficiente para deixar de lembrar que os desafios desta comunidade já foram bem diferentes.

Na década de 1990, prestes a virar oficialmente “a década retrasada”, marcas como Firefox, OpenOffice e Ubuntu jamais haviam sido mencionadas, e os usuários típicos de desktop muito raramente ouviam falar em algum software de código aberto.

Nos servidores o cenário também era bem outro: mesmo após o surgimento e popularização do servidor web Apache, ele ainda não estava associado ao vigor e segurança que a Apache Software Foundation hoje oferecem. Servidores de e-mail, DNS, autenticação e arquivos eram comumente implementados sobre softwares livres, mas pouca gente além de seus sysadmins sabiam o que isso significava.

A década foi progredindo, tivemos a virada de século, e o que era raro ficou popular: nomes como Firefox e OpenOffice passaram a ser reconhecidos fora dos pequenos círculos de entusiastas, e do subnicho anterior, passamos a algo similar ao que ocorre na música e no cinema: a existência de uma cena independente (ou “indie”), cujos principais sucessos chegam a ser divulgados ao público em geral, mas cujo dia-a-dia é vivido por um número menor de pessoas, com menos recurso e menos suporte que as bandas e cineastas do mainstream. (via https:)


Fonte: http://br-linux.org/2010/saudades-da-garagem-os-novos-desafios-do-codigo-aberto-no-mainstream/

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.