Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Minha rede

TDF Wiki Brasil

redirection forbidden: http://wiki.documentfoundation.org/index.php?title=Special:RecentChanges&feed=atom -> https://wiki.documentfoundation.org/index.php?title=Special:RecentChanges&feed=atom

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Comunidade LibreOffice Brasil

7 de Dezembro de 2009, 0:00 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Comunidade LibreOffice Brasil

Happy New Year

31 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Thanks to “our” amazing Eliane Domingos de Sousa, who has created a wonderful Happy New Year graphics, we wish you all – our members, our community, the free software ecosystem – a successful 2012. It will be an amazing second year for LibreOffice, starting from version 3.5 (which will be announced in early February, with a large number of interesting new features and performance improvements).

6606258839 2c9c122a24 b




Thanks for all that supported our first LibreOffice 3.5 bug hunting session !

31 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Last Thursday evening late, the first LibreOffice 3.5 bug hunting session was finished.
And with success. During two days about 150 people extra visited our IRC channel, evaluated bugs and submitted new ones. More then 70 bugs were filed.

The most bugs were reported by Gustavo Pacheco, who for the moment is our official Bug Hunting Hero. It is not sure for how long he may use that title: on January 20 and 21, there will be a next Bug Hunting Session, so new chances for our supporters to help make LibreOffice 3.5.0 the best free office suite ever!

Again a big thanks for all!




Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos (todos os poderes) Municipais, Estaduais e Federal

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Adoção de ODF - Um exemplo a ser seguido por todos os Governos Municipais, Estaduais e Federal. Essa adoção incluem os poderes executivo, legislativo, judiciário e também os Ministérios Públicos Estaduais e Federal.

http://softwarelivre.org/image_uploads/0000/3220/gustavo_pacheco_big.PNG?1244056266

Aconteceu em 2011: ODF e LibreOffice na Receita Federal

Uma das melhores constatações sobre o avanço de um projeto de implantação do OpenDocument Format (ODF) e do LibreOffice acontece quando tanto o formato quanto o aplicativo passam a fazer parte dos relacionamentos entre a organização e seus parceiros (clientes, usuários, fornecedores, etc.). 

Desde abril de 2011, a Receita Federal do Brasil passou a disponibilizar os seus formulários na web também no padrão ODF. Foi um passo importante para um trabalho iniciado ainda no ano anterior, a partir da Portaria RFB n.º 1.210, de 27/05/2010, que estabeleceu a adoção do padrão aberto ODF nas operações da Receita. Para os visitantes desavisados, o aviso inicial da página de formulários esclarece a nova opção e indica o caminho para o download do aplicativo compatível. No caso, o LibreOffice.
 
A ação da Receita pelo ODF é um enorme préstimo ao cidadão brasileiro. É a aplicação dos direitos mais básicos de acesso aos serviços públicos, sem onerar o bolso do usuário com a necessidade de um software proprietário de alto custo ou, ainda, empurrá-lo para o limbo do software pirata. 

Com seus formulários à disposição em um padrão aberto, a Receita dá ao usuário a oportunidade de exercer plenamente a sua cidadania. Merece os parabéns não como se estivesse nos fazendo um favor, mas sim como quem cumpre com competência as suas obrigações.

Para visitar a página de formulários da Receita Federal do Brasil, clique aqui.
 
por Gustavo Pacheco


LibreOffice Brasil: Mega entrevista de Natal do LibreOffice

28 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Em muitos países, o Natal é celebrado como tempo de paz. Anteriormente no hemisfério norte, era a celebração da metade do inverno – e a esperança da nova luz a chegar. Hoje, trocar presentes é uma atividade popular na época do Natal. Então, vejamos quais os presentes o LibreOffice deixou embaixo da árvore.... Ah! É certamente um resumo da nossa próxima versão 3.5 :-)
Tentarei desembalar um pouco este presente, olhando através do papel celofane. Eu vejo centenas e centenas de “commits” de código, que falam sobre “limpeza”, “retrabalho”, “remoções”, “easy hacks”. Parece conversa em informatiquês. Mas como então isso é um grande presente de Natal para os usuários? Decidi conversar com alguns desenvolvedores, para tentar conseguir uma explicação sobre o que essa trabalheira toda significa - para os meros mortais, usuários de suite office como vocês e eu ;-) Simplificando, que melhorias, em que áreas, podemos ver agora e a longo prazo, resulta de todo esse trabalho?
Veremos abaixo o que eu descobri. Algumas partes são de cunho técnico, outras falam de novidades para os usuários. Devo ressaltar que só foi possível averiguar uma pequena parte de todo o trabalho e conversar somente com algumas pessoas... Mesmo assim, espero que gostem deste (grande) presente.
Compilar mais rapidamente
Uma parte importante do desenvolvimento de software é o processo de “building” (construção): converter o código-fonte escrito pelos desenvolvedores em algo que você pode baixar e instalar. Mas o building também é importante para os desenvolvedores. Serve para verificar se o trabalho está OK, se funciona como desejado ou para consertar o bug que algum usuário reportou e que não “quebre” outras partes do programa.
Portanto, desenvolvedores precisam fazer seus “builds”. Muitos builds. E rapidamente. É onde Norbert Thiebaud tem uma história pra contar: “Sim, meus esforços são focados em tornar o processo de build rápido e confiável, para conseguirmos tinderboxes boas e confiáveis, com um ciclo rápido e com feedback significativo, permitindo aos demais desenvolvedores ter um feedback sobre as plataformas que não lhe estão ao alcance, sem falar do pessoal do controle de qualidade que conseguem ter builds regulares e com mais frequência para adiantar seus testes...”
A ultima palavra mágica para isso é “integração contínua”. O código é revisto e inserido (“commited”) rapidamente: idealmente o mais rápido possível. Mas então você precisa de ter um feedback rápido. As tindeboxes que o Norbert se refere são computadores que produzem builds automaticamente, em todos os tipos de plataformas. Então há um servidor de tinderboxes que reporta o status de cada build, diariamente.
Norbert completa: “Significa que eu faço reparos pontuais para fazer com que minhas tinderboxes fiquem verdes :-), i.e. que funcionem corretamente, de forma que o servidor mostre um sinal verde de OK. Estamos progredindo muito com as tinderboxes. Neste mês de dezembro, estamos fazendo mais de 100 builds por dia. Em abril passado eram só 30!”
Lionel Elie Mamane,, que falará mais tarde sobre o Base, também contribuiu no campo dos builds: “Nos primeiros dias que comecei a fazer builds do LibreOffice, tropecei em algumas coisas que me aborreciam no sistema do config/build, então resolvi consertar isso”.
“Um dos aborrecimentos era que o arquivo do conector do MySQL devia ser baixado depois que a configuração acabava, e esta falhava justamente por que o arquivo ainda não tinha sido baixado. Era uma situação de ovo-ou-galinha :) e agora que eu consertei isso, há uma nova experiência de “primeira viagem” para os novatos.
“Outra coisinha envolveu acabar com a criação desnecessária de vínculos simbólicos (ou seja, melhora a velocidade do build), e permitir cores na saída (de informações) do build para 256 valores, ao invés do antigo padrão de 16 cores. Torna o desenvolvimento mais fácil, por que os erros de compilação ficam coloridos na tela”.
 
Chegando no release
Builds que viram releases devem claro ser bons builds. Petr Mladek nos diz como isso funciona: “A maior parte de meu trabalho é relacionada a produzir todos os build oficiais, ou seja, resolvo problemas do build. E também é claro, muitas outras coisas relacionadas ao build. Como só havia um build oficial a cada semana, eu gastava muito tempo com ele. Além disso, ajudei a integrar scripts muito úteis no antigo repositório de builds. Eles ajudam os mantenedores de pacotes a oferecer o LibreOffice para as diversas distribuições Linux. Havia muito mais gente nos ajudando nisso”
Já que os builds também são usados pelos voluntários do controle de qualidade, um trabalho especial foi feito para eles.. “Um dos itens foi consertar os pacotes Linux, permitindo que os releases da versão 3.x possam ser instalados em paralelo. Isso é muito útil especialmente pelos testadores, mas também pelos usuário normais. Adicionei também uma informação de versão mais precisa, e.g. Beta2, na caixa de diálogo “sobre”. Isso deve ajudar os testadores e usuários a descreverem melhor a aplicação instalada e fornecer reportes de bugs mais precisos.
Easy-hacks são um bom começo
Agora, algumas palavras de Olivier Hallot, um dos fundadores da The Document Foundation: “O código do LibreOffice era um desafio para mim desde os tempos do OpenOffice.org. Consegui compilar e o próximo passo foi naturalmente experimentar um dos easy-hacks sugeridos pelos desenvolvedores. Achei esses easy-hacks a melhor maneira de se familiarizar com a programação C++, e comecei a consertar alguns defeitos da interface do usuário que encontrei no meu idioma. De um simples hobby a um trabalho mais sério, hoje estou envolvido na melhoria do LibreOffice. Ha muita diversão nisso!”
Limpeza do código-fonte: melhorar e facilitar o desenvolvimento
Desenvolvimento facilitado... bem, o mais fácil possível. Tor Lillqvist é um dos desenvolvedores que trabalhou nisso: “Limpei muitos bits e pedaços de código obsoletos. Isso torna mais fácil começar a desenvolver, pois há menos coisas obsoletas ou irrelevantes que só nos fazem perder tempo.”
Parte do trabalho do Tor é relacionado à compilação cruzada: “A compilação cruzada torna possível desenvolver em um computador veloz coisas destinadas a um computador mais lento, ou em uma máquina que não roda um sistema operacional de desktop. Assim, hoje, no Linux, você pode produzir um executável para Windows, se bem que ainda não temos um instalador. O pessoal da Lanedo está trabalhando nisso.”
Apesar de não ser relacionado a essa entrevista sobre limpeza e melhorias, Tor também quer acrescentar algo diferente: “Sim, a parte da compilação para Android e IOs já terminou, faz alguns dias. Mas cuidado: não significa que temos uma versão capaz de rodar nesses dispositivos. Somente que as pessoas interessadas em trabalhar na interface do usuário podem agora ter uma base sólida para seus trabalhos.”
Lionel Elie Mamane também fez alguma coisa na limpeza do código-fonte: “Removi const cast desnecessários e variáveis sem utilização, … Isso torna o código mais fácil de manter, fácil de entender, etc... Const cast são 'buracos' cavados nos recursos de segurança do C++, ou seja, removê-los quando não servem pra nada nos ajuda a pegar futuros erros de programação,”
Uma limpeza em especial foi a do antigo driver para PostgreSQL do OpenOffice.org. “Isso estava podre. Só funcionava na versão 3.2.. Então eu refiz o driver, integrei o driver nativo LibreOffice – PostGreSQL no LibreOffice, melhorei ele e trouxe-o para a última versão do LibreOffice. Obviamente, há muitas vantagens para o acesso ao PostgreSQL.”
Legibilidade do código-fonte
Se você quer tornar a vida mais fácil para desenvolvedores em tempo parcial, estudantes, novatos e demais a trabalharem no código-fonte, então uma boa legibilidade do código é uma grande ajuda. Há muitos exemplos. Olivier nos fala sobre um easy hack que objetiva substituir testes de strings dentro do código-fonte: “Anteriormente, para testar quando uma string era vazia, tínhamos de obter o tamanho da string. Se fosse zero, era vazia. Recentemente, um novo método isEmpty() foi escrito para o mesmo propósito. A tarefa é então substituir o método getLength() pelo método isEmpty() em todo o código: uma tarefa laboriosa. Mas o resultado desta refatoração é uma legibilidade muito melhor do código-fonte”.
O que os usuários podem ver?

 
 
Trabalhar com documentos RTF ficou melhor
Enquanto outros trabalham na limpeza geral do código-fonte, o trabalho de Miklos Vanja na limpeza e substituição é focada em uma área. Miklos afirma: “Nos dois últimos verões trabalhei rescrevendo os filtros RTF. Tanto o de exportação quanto o de importação eram códigos antigos, com limitações de projeto conhecidas. Então era hora de refazer e criar novos filtros. O de exportação foi renovado na versão 3.3, e o de importação será novo na versão 3.5. Agora vai ser possível acrescentar novos recursos em nosso RTF, que faltavam faz um bom tempo, tais como o suporte a tabelas aninhadas, introduzido no RTF do Word 2000”.
Miklos sempre pede para receber exemplos de documentos (RTF) que não sejam bem tratados pelos novos filtros, para melhorar mais ainda a importação.
 
Calc
 
Melhorar os testes, especialmente no Calc, também vale uma nota aqui. Markus Mohrard trabalha nisso: “Uma das áreas em que eu estive muito ativo é no trabalho da automatização dos testes. Isso realmente torna o trabalho dos desenvolvedores mais fácil, e reduz o risco de introduzir bugs em funções novas ou modificadas. Nossos testes de filtros do Calc são um jeito particular de descobrir bugs bem cedo. Eles nos apontaram em torno de 15 bugs muito graves, e pelo menos dois bugs muito antigos no coração do LibreOffice. Pelo número do bug, sabemos que são na maioria bugs novos que provavelmente não foram resolvidos no OpenOffice.org, e alguns são bugs nossos mesmo.”
Markus indica que são testes novos, rápidos e confiáveis, e são executados durante o ciclo de compilação dos desenvolvedores - assim sabemos que, se compilar, não terão essas regressões. Ele enfatiza que não é só importante, mas é também muito fácil, estender os testes!
“O que fiz foi baixar todos esses ods, xls, xlsx dos muitos bugs do bugzilla e os utilizei nos testes de filtros para checar se um desses arquivos quebrava o Calc na importação, ou durante os cálculos iniciais do conteúdo. Isso apontou um novo conjunto de bugs que Kohei, Eike e eu consertamos antes de criar o ramo 3.5. Mais de 4000 documentos foram checados com esta abordagem, e que melhorou muito o 3.5”
Outro desenvolvedor: “Removi código sem uso e consertei alguns bugs, principalmente os que foram introduzidos na (versão) 3.4, e alguns no mestre que sequer foram notados, ou mesmo reportados”. Quem nos diz isso é Eike Rathke.
Acelerando
Eike Rathke é um desenvolvedor “da antiga” que conhecemos desde os tempos da SUN/OpenOffice.org. Ele começa falando de suas férias: “O verão foi tão pobre em julho e agosto que eu resolvi a trabalhar no LibreOffice ;-). Acabei contratado pela Red Hat em outubro, na segunda feira logo após a conferência do LibreOffice. Uma das coisas que eu refiz desde então foi a classe “Date, Time e DateTime”. No código antigo, o tempo do sistema era obtido toda vez que a classe era construída. Isso é desnecessário só para declarar uma variável. Junto com a verificação e a atualização, isso resultava em inúmeras chamadas inúteis ao sistema, que agora só acontecem em 130 das 350 ocorrências. Penso que removi um zilhão dessas chamadas ao tempo do sistema :-). lamento mas não tenho os números reais disso”
“Claro que também consertei muito mais código, com bugs reportados ou não, sobre os quais Moggi-Markus Mohrhard falou a respeito. E integrei algumas correções das CWS do Apache OpenOffice que ainda estavam em LGPL, e apliquei ou integrei alguns patches. Também ajudei o Moggi a melhorar o tratamento de expressões e intervalos nomeados, especialmente com nomes locais nas planilhas e o comportamento da (operação de) copiar e colar”
Base
Indo para o Base, Lionel tem muito a nos dizer: “No geral, eu diria que eu foquei em tornar o Base (com macros) utilizável de novo, por que eu quero usá-lo no meu trabalho do dia a dia, para substituir o Microsoft Access em programas de negócios que desenvolvi no passado. E no começo da (versão) 3.4 ele estava muito problemático. Consertei também alguns bugs visíveis pelo usuário, por exemplo, as margens nos relatórios, sintaxe melhor e mais padronizada para relatórios baseados em consultas com ordenação, consertei muitos crashes e a exportação para PDF.”
Talvez o mais importante de tudo foi que reativei o ADO (ActiveX Data Objects) no Windows; sendo uma outra “common API” para acesso a banco de dados SQL”. Ele fez também melhorias nas senhas, nos metadados, nas consultas e nos joins: “ Com meu trabalho no LibreOffice, eu 'soprei na minha ferida', e cuidei de bugs e features que eu achei que fosse o único interessado e/ou competente: coisas de banco de dados!”
Lionel enfatiza que a comunidade LibreOffice foi excepcionalmente acolhedora e ágil em reconhecer seus esforços.
[Deixe-me (o reporter) notar que parece legal a ideia de ter um post com mais detalhes do trabalho do Lionel]
Várias melhorias na interface do usuário
Olivier Hallot gostou de passar algum tempo em muitos easy-hacks, resultando em uma melhor usabilidade, melhor interface, etc..
“Um dos hacks é sobre uma melhoria na caixa de diálogo do gerenciador de extensão. Agora o usuário pode filtrar as extensões instaladas, clareando o diálogo e facilitando a busca por uma extensão instalada. Outro bem fácil foi acrescentar o comando Proteger planilha no menu de contexto da guia da planilha. Eu também acrescentei 8 novos símbolos matemáticos, utilizados nas equações em teoria dos jogos. A demanda veio de um professor de matemática de uma universidade.”
Uma das partes interessantes do LibreOffice é claro, é a localização. Ás vezes isso resulta em strings muito maiores que as em inglês, que o texto não cabe... Olivier: “Então eu fiz muitos ajustes nas caixas de diálogo, para acomodar as strings que não eram em inglês, que são maiores e estavam truncadas na interface do usuário” Outro exemplo de legibilidade melhorada
Então... Que presente de Natal! E isso é só um pequeno apanhado de uns poucos hackers que conseguimos arrastar pra fora da tarefa de consertar os bugs dos betas da (versão) 3.5 – Há muito mais melhorias e bem visíveis – que você pode ver na página wiki da (versão) 3.5.
Cor Nouws
Tradução: Olivier Hallot



LibreOffice mega Christmas interview

24 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

In many countries in the world, Christmas is celebrated as time of peace. In olden days, in the Northern hemisphere, it was the mid-winter celebration – looking towards the new light to come. Nowadays, sharing presents is a popular activity at Christmas time.
So, let’s look at what presents LibreOffice has left under the tree… Ah, this is clearly the outline of a new major version: 3.5 :-)

I’ll try to unwrap this present a little, looking beneath the shiny paper.
What do I see: hundreds and hundreds of code commits, which talk about ‘clean up’, ‘rework’, ‘remove’, ‘easy hack’. Sounds like tech-talk to me. So how is this a great present to users?
I decided to talk to some developers, in an attempt to get an explanation about what all this work means – to mere mortal office-users like (probably) you and me ;-) Simply: what improvements, in which areas, can we see now or in the long run, as result of all this hard work?

Below you find the result of my search. Some parts are technical, some parts really talk about features for users.
I have stress that I was only able to cover a small part of all people and all the work … Nevertheless I hope you like the (greater) present.

Fast building

An important part of the software development process is ‘building’: converting the source code written by developers into something that we can download and install. But building is also important for developers, to prove that their work is OK, that it works as expected, or fixes the bug, and does not break something.

So developers need to build. Frequently. Quickly. So this is where Norbert Thiebaud has a story to tell:
“Yes, my efforts are aimed at making the build process fast and reliable, to give good reliable ‘tinderboxes’ with fast turn-around and useful feedback, so that in turn other developers can have feedback on their work for platforms they do not have access too, and QA can have builds more regularly and more frequently so they can test early…”

The latest buzz word for that is ‘continuous integration’. Code is reviewed and committed quickly: ideally as soon as possible. So then you also need quick feedback. The ‘tinderboxes’ Norbert tells about are machines that produce builds automatically, on all kind of platforms. Then there is a ‘tinderbox-server’, that reports about the status and builds, on a daily basis.

Norbert again: “This means that I do punctual fixing to try to keep my tinderboxes green :-) , i.e. they work properly, so that the server shows a green “OK” sign. We are making great progress with tinderboxes. In this month of December, we are at a rate of 100+ builds a day. Back in April, that was only about 30!”

Lionel Elie Mamane, who will talk later about Base, also contributed in the field of building: “In my early days of getting started building LibreOffice, I stumbled upon a few things that annoyed me in the config/build system, so I fixed them.

“One annoyance was that there was a mysql-connector file that would be downloaded after configure finished, but yet configure failed when the file was not there. A catch-22 :) and now that I fixed that, there is a smoother ‘first build’ experience for newcomers.

“Other small things involved stopping the unnecessary creation of many symlinks (so giving a speed improvement here), and enabling colours in the build output for 256 colours, instead of the the old standard 16. This makes development easier, as compilation errors stand out in colour on the screen.”

Proper release building

Builds that are to be released must of course must be good ones. Petr Mladek tell us how this works: “Most of my work is related to producing all official builds, so code wise that means that I fixed build problems. And of course a lot more build related stuff. Since there was one build almost every week, I spent a lot of time with it. Beside that I helped to merge useful scripts from the old build repository. They help package maintainers to provide LO for different Linux distributions. There were many more people helping with this.”

Since builds are also used by QA volunteers for testing, special work was done for that too. “One of the items was fixing Linux packages, so that the different 3.x releases can be installed in parallel. It is useful especially for testers but also for normal users. I also added more precise version information, e.g. beta2, to the the ‘about’ dialog. It should help testers and users to better describe the installed application and provide better bug reports.”

Easy-hacks as a good starter

Now, some words from Olivier Hallot, one of the founding members of The Document Foundation: “LibreOffice code was a challenge for me since the OOo days. I succeeded in compiling it, and the next step was naturally to try one of the easy-hacks suggested by the developers. I found these easy-hacks the best way to get knowledgeable in C++ coding, and I started to fix some UI issues I found in my language. From a simple hobby to a more serious job, now I am involved into the enhancement of LibreOffice. Plenty of fun times!”

Cleaning up: for improving and easy developing

Easy developing .. well, as easy as possible! Tor Lillqvist is one of the developers who worked on that: “I cleaned out many obsolete bits and pieces. This makes it easier to start developing, there is less obsolete or irrelevant stuff to waste time looking at.”

Part of the work Tor does is related to enabling cross-compilation:
“Cross-compilation makes it possible to develop on a fast machine for slower machines, or for machines not running a desktop operating system at all. So now on Linux you can produce an executable for Windows, but not an installer yet. The Lanedo people are working on this.”

Though not directly related to this clean/improvement interview, Tor also wants to add something different: “Yes, for iOS and Android the compilation part is finished too, just a few days ago. But be careful: in no way does that mean there is a version already running on those devices. Just that people interested in working on the UI side now have a solid base to work upon.”

Lionel Elie Mamane also did some general code cleanups:
“I removed unnecessary const casts, unused variables, … This makes the code more maintainable, easier to understand, etc. Const casts are ‘holes’ drilled through a safety feature of C++! So removing them when they serve no purpose helps to catch future programming errors.”

A special cleanup case was the old OpenOffice <-> PostgreSQL driver. “That was ‘bitrotten’ as we say. It only worked up to version 3.2 .. So I reworked it: integrated the native LibreOffice <-> PostgreSQL driver into LibreOffice proper, enhanced it, ported it to the latest LibreOffice version. Lots of advantages for PostgreSQL access obviously.”

Code readability

If you want to make it easy for part-time developers, students, beginners and so forth to work on the code, then good readability of the code is very helpful. There are many examples. Olivier tells about a easy hack that aims to replace the test for strings inside the code: “Previously, to test when a string is empty, you had to get the length of the string. If it is zero, the string was empty. Recently, a new method isEmpty() was written for the same purpose. The job is then to replace getLength() by isEmpty() in all the code: a very laborious task. But the end result of this re-factoring is much better code readability.”

What can users see ?

Working with RTF documents gets better

While others work on general code clean up, the work of Miklos Vanja with regard to cleaning/replacing is strongly focussed in one area. Miklos:
“During the last two summers I have been working on the Writer RTF filters. Both the export and the import filters were old code, with known design issues. So it was time to redo and create new ones. Export was new in 3.3, import will be new in 3.5. Now that makes it possible too to add features in our RTF which have been missing for a long time, such as nested table support, which was introduced by Word 2000 in RTF.”

Miklos always welcomes example documents which are not yet fully handled by the new filters, so that the import can be further improved.

Calc

Improved testing, especially in Calc, is also worth a note. Markus Mohrard is working there: “One of the areas that I have been active in is automated testing work. This really makes the work of developers easier, and reduces the risk of introducing bugs in new and changed functions. Our Calc filters-tests are a particularly nice way to discover bugs quite early. They showed around 15 really nasty Calc bugs, and at least two older bugs in LibreOffice core. From the bug number we see that these are mostly newer bugs that might not yet have been addressed in OOo, and some are our own bugs.”

Markus points out these are new tests, that are fast and reliable, and are run during most developers’ compilation flow – so we can be sure: if it compiled, it will not have these regressions. He stresses that it is not only important, but also really easy, to extend the tests!

“What I did was to download all ods, xls and xlsx files from several bugzilla instances and used this filters-test concept to check if any of these files crash Calc during import, or during the initial calculation of the content. This showed another set of bugs that Kohei, Eike and I fixed before we branched 3.5 off.
“More than 4,000 documents were checked with this approach, which has already significantly improved 3.5.0.”

Another developer: “I removed some unused code and fixed bugs, mainly some that were already introduced in 3.4, and some in master that went unnoticed, or indeed were reported.”. This is from Eike Rathke.

Speeding up

Eike Rathke is one of the long established developers we know from Sun/OpenOffice.org. He starts off by talking about his vacation:
“Summer was so poor in July/August that I started to work on LibreOffice ;-) I joined RedHat in October, the Monday right after the LibreOffice conference. One of the things that I reworked then, was the class ‘Date, Time and DateTime’. In the old code, the system time was obtained every time during construction. This is unnecessary just to declare a variable. Together with related checking and updating, this resulted in many many unnecessary system calls, which are now not happening any more in 130 out of approximately 350 occurrences. “I expect to have gotten rid of a gazillion of calls to localtime with this change :-) Sorry, no real numbers on that.

“Of course I also fixed a lot more code, reported and unreported bugs, the work that “Moggi” Markus Mohrhard has talked about. And I merged some fixes from CWSs pending from (A)OO(o) still under LGPL, and applied/pushed patches. I also helped Moggi improve the Calc named ranges/expression handling, especially with sheet-local names and copy & paste behaviour. “

Base

Moving on to Base, Lionel has a lot to tell:
“Overall, I’d say I focus on making Base (with scripting) usable again, because I want to use it at my daily job, to replace the Microsoft Access-based business-specific programs I developed in the past. And it was quite broken in early 3.4. Further I fixed some user-visible bugs, e.g.: margins in reports; better, more widely supported, syntax for reporting based on a query + sort; fixed several crashes, fixed PDF-export.

“Maybe most important of all is that I re-enabled ADO (ActiveX Data Objects) on Windows; yet another “common API” for access to SQL databases.” He also made enhancements to passwords, metadata, queries, joins:
“With my work in LibreOffice mostly I ‘scratch my itch’, and I take care of bugs and features where I feel uniquely interested and/or competent: database stuff!”

Lionel stresses that the LibreOffice community has been exceptionally welcoming and quick about recognising his efforts.
[Let me (reporter) remark that it looks a nice idea to have a post somewhere with little more details on Lionel's work.]

Various easy hack-UI improvements

Olivier Hallot was glad to spend time on several easy hacks, resulting in better usability, interface etc.:
“One hack is about improving the extension manager dialog. Now it allows the user to filter the installed extensions, de-cluttering the dialog and easing the search for an installed extension. Another simple one is adding the command ‘Protect Sheet’ to the sheet guides context menu. I also added 8 new symbols to LibreOffice Math, used in game theory equations. The demand came from a college math professor.”

One of the interesting parts of LibreOffice of course is the localisation. Sometimes that results in strings that are so much longer then the English ones, that the texts don’t fit .. Olivier: “Therefore I made several adjustment in the dialog boxes, to accommodate non-English strings, which are a bit longer and were truncated in the UI.” Another example of improved UI readability.

So, what a Christmas present! And this is only a small snapshot from a few of the hackers we managed to drag away from bug-fixing the 3.5.0 betas – there have been many more, more visible improvements – you can see some in the 3.5 wiki page




LibreOffice mega Christmas inteview

24 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

In many countries in the world, Christmas is celebrated as time of peace. In olden days, in the Northern hemisphere, it was the mid-winter celebration – looking towards the new light to come. Nowadays, sharing presents is a popular activity at Christmas time.
So, let’s look at what presents LibreOffice has left under the tree… Ah, this is clearly the outline of a new major version: 3.5 :-)

I’ll try to unwrap this present a little, looking beneath the shiny paper.
What do I see: hundreds and hundreds of code commits, which talk about ‘clean up’, ‘rework’, ‘remove’, ‘easy hack’. Sounds like tech-talk to me. So how is this a great present to users?
I decided to talk to some developers, in an attempt to get an explanation about what all this work means – to mere mortal office-users like (probably) you and me ;-) Simply: what improvements, in which areas, can we see now or in the long run, as result of all this hard work?

Below you find the result of my search. Some parts are technical, some parts really talk about features for users.
I have stress that I was only able to cover a small part of all people and all the work … Nevertheless I hope you like the (greater) present.

Fast building

An important part of the software development process is ‘building’: converting the source code written by developers into something that we can download and install. But building is also important for developers, to prove that their work is OK, that it works as expected, or fixes the bug, and does not break something.

So developers need to build. Frequently. Quickly. So this is where Norbert Thiebaud has a story to tell:
“Yes, my efforts are aimed at making the build process fast and reliable, to give good reliable ‘tinderboxes’ with fast turn-around and useful feedback, so that in turn other developers can have feedback on their work for platforms they do not have access too, and QA can have builds more regularly and more frequently so they can test early…”

The latest buzz word for that is ‘continuous integration’. Code is reviewed and committed quickly: ideally as soon as possible. So then you also need quick feedback. The ‘tinderboxes’ Norbert tells about are machines that produce builds automatically, on all kind of platforms. Then there is a ‘tinderbox-server’, that reports about the status and builds, on a daily basis.

Norbert again: “This means that I do punctual fixing to try to keep my tinderboxes green :-) , i.e. they work properly, so that the server shows a green “OK” sign. We are making great progress with tinderboxes. In this month of December, we are at a rate of 100+ builds a day. Back in April, that was only about 30!”

Lionel Elie Mamane, who will talk later about Base, also contributed in the field of building: “In my early days of getting started building LibreOffice, I stumbled upon a few things that annoyed me in the config/build system, so I fixed them.

“One annoyance was that there was a mysql-connector file that would be downloaded after configure finished, but yet configure failed when the file was not there. A catch-22 :) and now that I fixed that, there is a smoother ‘first build’ experience for newcomers.

“Other small things involved stopping the unnecessary creation of many symlinks (so giving a speed improvement here), and enabling colours in the build output for 256 colours, instead of the the old standard 16. This makes development easier, as compilation errors stand out in colour on the screen.”

Proper release building

Builds that are to be released must of course must be good ones. Petr Mladek tell us how this works: “Most of my work is related to producing all official builds, so code wise that means that I fixed build problems. And of course a lot more build related stuff. Since there was one build almost every week, I spent a lot of time with it. Beside that I helped to merge useful scripts from the old build repository. They help package maintainers to provide LO for different Linux distributions. There were many more people helping with this.”

Since builds are also used by QA volunteers for testing, special work was done for that too. “One of the items was fixing Linux packages, so that the different 3.x releases can be installed in parallel. It is useful especially for testers but also for normal users. I also added more precise version information, e.g. beta2, to the the ‘about’ dialog. It should help testers and users to better describe the installed application and provide better bug reports.”

Easy-hacks as a good starter

Now, some words from Olivier Hallot, one of the founding members of The Document Foundation: “LibreOffice code was a challenge for me since the OOo days. I succeeded in compiling it, and the next step was naturally to try one of the easy-hacks suggested by the developers. I found these easy-hacks the best way to get knowledgeable in C++ coding, and I started to fix some UI issues I found in my language. From a simple hobby to a more serious job, now I am involved into the enhancement of LibreOffice. Plenty of fun times!”

Cleaning up: for improving and easy developing

Easy developing .. well, as easy as possible! Tor Lillqvist is one of the developers who worked on that: “I cleaned out many obsolete bits and pieces. This makes it easier to start developing, there is less obsolete or irrelevant stuff to waste time looking at.”

Part of the work Tor does is related to enabling cross-compilation:
“Cross-compilation makes it possible to develop on a fast machine for slower machines, or for machines not running a desktop operating system at all. So now on Linux you can produce an executable for Windows, but not an installer yet. The Lanedo people are working on this.”

Though not directly related to this clean/improvement interview, Tor also wants to add something different: “Yes, for iOS and Android the compilation part is finished too, just a few days ago. But be careful: in no way does that mean there is a version already running on those devices. Just that people interested in working on the UI side now have a solid base to work upon.”

Lionel Elie Mamane also did some general code cleanups:
“I removed unnecessary const casts, unused variables, … This makes the code more maintainable, easier to understand, etc. Const casts are ‘holes’ drilled through a safety feature of C++! So removing them when they serve no purpose helps to catch future programming errors.”

A special cleanup case was the old OpenOffice <-> PostgreSQL driver. “That was ‘bitrotten’ as we say. It only worked up to version 3.2 .. So I reworked it: integrated the native LibreOffice <-> PostgreSQL driver into LibreOffice proper, enhanced it, ported it to the latest LibreOffice version. Lots of advantages for PostgreSQL access obviously.”

Code readability

If you want to make it easy for part-time developers, students, beginners and so forth to work on the code, then good readability of the code is very helpful. There are many examples. Olivier tells about a easy hack that aims to replace the test for strings inside the code: “Previously, to test when a string is empty, you had to get the length of the string. If it is zero, the string was empty. Recently, a new method isEmpty() was written for the same purpose. The job is then to replace getLength() by isEmpty() in all the code: a very laborious task. But the end result of this re-factoring is much better code readability.”

What can users see ?

Working with RTF documents gets better

While others work on general code clean up, the work of Miklos Vanja with regard to cleaning/replacing is strongly focussed in one area. Miklos:
“During the last two summers I have been working on the Writer RTF filters. Both the export and the import filters were old code, with known design issues. So it was time to redo and create new ones. Export was new in 3.3, import will be new in 3.5. Now that makes it possible too to add features in our RTF which have been missing for a long time, such as nested table support, which was introduced by Word 2000 in RTF.”

Miklos always welcomes example documents which are not yet fully handled by the new filters, so that the import can be further improved.

Calc

Improved testing, especially in Calc, is also worth a note. Markus Mohrard is working there: “One of the areas that I have been active in is automated testing work. This really makes the work of developers easier, and reduces the risk of introducing bugs in new and changed functions. Our Calc filters-tests are a particularly nice way to discover bugs quite early. They showed around 15 really nasty Calc bugs, and at least two older bugs in LibreOffice core. From the bug number we see that these are mostly newer bugs that might not yet have been addressed in OOo, and some are our own bugs.”

Markus points out these are new tests, that are fast and reliable, and are run during most developers’ compilation flow – so we can be sure: if it compiled, it will not have these regressions. He stresses that it is not only important, but also really easy, to extend the tests!

“What I did was to download all ods, xls and xlsx files from several bugzilla instances and used this filters-test concept to check if any of these files crash Calc during import, or during the initial calculation of the content. This showed another set of bugs that Kohei, Eike and I fixed before we branched 3.5 off.
“More than 4,000 documents were checked with this approach, which has already significantly improved 3.5.0.”

Another developer: “I removed some unused code and fixed bugs, mainly some that were already introduced in 3.4, and some in master that went unnoticed, or indeed were reported.”. This is from Eike Rathke.

Speeding up

Eike Rathke is one of the long established developers we know from Sun/OpenOffice.org. He starts off by talking about his vacation:
“Summer was so poor in July/August that I started to work on LibreOffice ;-) I joined RedHat in October, the Monday right after the LibreOffice conference. One of the things that I reworked then, was the class ‘Date, Time and DateTime’. In the old code, the system time was obtained every time during construction. This is unnecessary just to declare a variable. Together with related checking and updating, this resulted in many many unnecessary system calls, which are now not happening any more in 130 out of approximately 350 occurrences. “I expect to have gotten rid of a gazillion of calls to localtime with this change :-) Sorry, no real numbers on that.

“Of course I also fixed a lot more code, reported and unreported bugs, the work that “Moggi” Markus Mohrhard has talked about. And I merged some fixes from CWSs pending from (A)OO(o) still under LGPL, and applied/pushed patches. I also helped Moggi improve the Calc named ranges/expression handling, especially with sheet-local names and copy & paste behaviour. “

Base

Moving on to Base, Lionel has a lot to tell:
“Overall, I’d say I focus on making Base (with scripting) usable again, because I want to use it at my daily job, to replace the Microsoft Access-based business-specific programs I developed in the past. And it was quite broken in early 3.4. Further I fixed some user-visible bugs, e.g.: margins in reports; better, more widely supported, syntax for reporting based on a query + sort; fixed several crashes, fixed PDF-export.

“Maybe most important of all is that I re-enabled ADO (ActiveX Data Objects) on Windows; yet another “common API” for access to SQL databases.” He also made enhancements to passwords, metadata, queries, joins:
“With my work in LibreOffice mostly I ‘scratch my itch’, and I take care of bugs and features where I feel uniquely interested and/or competent: database stuff!”

Lionel stresses that the LibreOffice community has been exceptionally welcoming and quick about recognising his efforts.
[Let me (reporter) remark that it looks a nice idea to have a post somewhere with little more details on Lionel's work.]

Various easy hack-UI improvements

Olivier Hallot was glad to spend time on several easy hacks, resulting in better usability, interface etc.:
“One hack is about improving the extension manager dialog. Now it allows the user to filter the installed extensions, de-cluttering the dialog and easing the search for an installed extension. Another simple one is adding the command ‘Protect Sheet’ to the sheet guides context menu. I also added 8 new symbols to LibreOffice Math, used in game theory equations. The demand came from a college math professor.”

One of the interesting parts of LibreOffice of course is the localisation. Sometimes that results in strings that are so much longer then the English ones, that the texts don’t fit .. Olivier: “Therefore I made several adjustment in the dialog boxes, to accommodate non-English strings, which are a bit longer and were truncated in the UI.” Another example of improved UI readability.

So, what a Christmas present! And this is only a small snapshot from a few of the hackers we managed to drag away from bug-fixing the 3.5.0 betas – there have been many more, more visible improvements – you can see some in the 3.5 wiki page




Alemanha: Prefeito de Munique diz que os Notebooks da UE devem ter LibreOffice ou OpenOffice

24 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

http://www.siemens.com/press/pool/de/pressebilder/2009/corporate_communication/2009-11-25/072dpi/AXX20091113-05_072dpi.jpg Todos os laptops usados ​​pelos funcionários europeus devem ter tanto LibreOffice ou OpenOffice instalado, duas suítes de código aberto de aplicações de escritório. Isto sugere o prefeito da cidade alemã de Munique, Christian Ude, a Neelie Kroes, Vice-Presidente da Comissão Europeia e Comissário Agenda Digital Europeia, numa carta tornada pública pela prefeitura em 2 de Dezembro.

Prefeito quer Ude Kroes e Joaquin Almunia, Vice-Presidente e Comissário responsável pela concorrência, para se certificar de que as administrações públicas use software livre e open source "para que o conhecimento público permanece acessível no futuro."

Como chefe da associação alemã de municípios, o prefeito de Munique, escreveu à Comissária Kroes para pedir a ela que "continuamos comprometidos com o uso de padrões abertos para documentos eletrônicos e ao uso de software livre e de código aberto."

O prefeito pede Kroes para fazer uso da obrigatória de padrões de documentos abertos para todas as instituições públicas da UE. O uso exclusivo de garantias em padrões abertos que os dados permaneçam acessíveis, independentemente do software usado para criar os documentos, ele escreve. "Um compromisso pan-europeia para a utilização desses padrões faria a cooperação entre as autoridades na Europa facilitada, reduzir a carga de trabalho e ajudar a reduzir os custos."

Com seu apelo contadores Ude uma recomendação publicada em Junho pela Comissão Inter-Institucional de Informática, que as instituições da UE continuar a usar um formato de documento de propriedade do escritório. Isso, ele escreve, dificulta a boa cooperação entre as autoridades públicas.

Ude prefeito convida a Comissão Europeia a tomar Munique como um exemplo. A cidade está se movendo sua infra-estrutura de TI, aplicações e comunicação de escritório em padrões abertos e software livre e de código aberto. "Usando o software livre e de código aberto permite que você instale um inovador e seguro de infra-estrutura de TI, oferecendo um acesso sustentável a todas ou muitas aplicações de TI."

tradução por Translate Google

* fonte: European Commission



The Document Foundation deseja um Feliz Natal e Próspero Ano Novo

24 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

http://4.bp.blogspot.com/-4C26eM-spAo/TvSIdAGhabI/AAAAAAAAAGE/_YVpCu2rAaQ/s400/LIBOXMAS6.pngÀ nossa comunidade, nossos usuários, amigos e colegas,

O fim do ano se aproxima rapidamente e temos a impressão que 2011 passou num piscar de olhos. Parece que foi ontem que celebramos o ano novo, mas olhando para o passado recente, percebemos que evidentemente que os últimos 12 meses foram repletos de atividades e muita coisa aconteceu.

Começamos a The Document Foundation e o projeto LibreOffice na primavera de 2010, com grande visão e muitas esperanças. As primeiras semanas foram animadíssimas, assustadoras e raramente vimos um movimento da comunidade desta amplitude, com tanta gente buscando o mesmo objetivo. Um de nossos desejos mais fortes para 2011 foi manter essa energia toda. Não somente conseguimos preservar esta energia, mas tudo que era bom ficou melhor, muito além da nossa imaginação e isso nos deixa particularmente orgulhosos.

2011 foi o ano de nosso primeiro lançamento estável e muitos outros lançamentos seguiram. Hoje temos 30 milhões de usuários de LibreOffice em 109 idiomas, um software desenvolvido por 40 programadores dedicados e 300 desenvolvedores ativos, com 280 pessoas ligadas à localização e tradução. Provavelmente o maior resultado foi o fato de 230 desses desenvolvedores são recém chegados, contribuíram com código para a suíte livre de escritório e foram atraídos pela nossa comunidade aberta, transparente, meritocrática e abrangente.

Temos mais de 16.000 assinantes em nossas listas e a The Document Foundation soma 138 membros. Somos patrocinados e apoiados por um bem equilibrado e forte Conselho Consultivo e a comunidade prospera mais do podíamos jamais esperar.

Mas nem tudo são números. É também o nosso bem-estar e de cada colaborador que faz a comunidade que somos hoje. Especialmente nos tempos da comunicação global, são os seres humanos que fazem nossa vida online e offline o que ela é. São os seres humanos que enchem nossas vidas com alegrias e vigor.

Para nós, a comunidade é como uma grande família, com amigos pessoais no mundo todo, gente com quem partilhamos a mesma paixão, mas também nossa profunda amizade com muitos deles. Nosso primeiro evento anual, o LibreOffice Conference que ocorreu em Paris, em outubro, não só foi um sucesso e uma brilhante conferência, mas foi o encontro de amigos de uma família unida. Olhando para trás há um ano e meio e vendo onde estamos hoje, continua parecendo que todos nós fizemos o impossível.

http://1.bp.blogspot.com/-KZT0EwBC6t0/TuqDKEbodII/AAAAAAAAAC4/tokyP50CC50/s1600/LIBOXMAS3.png

 

O que vimos até hoje é só o começo, o começo de algo excitante e o começo de algo muito bom. Em Paris, anunciamos o próximo nível do LibreOffice, com trabalhos para o Android e o iOS em andamento e com uma inovadora versão para Internet em desenvolvimento.

Cada vez mais organizações, empresas e governos juntam-se a nossos esforços, por que acreditam que oLibreOffice  é o futuro das suítes de escritório livres e acreditam firmemente que o poder de uma comunidade tão diversificada e ao mesmo tempo tão unida, tão global e tão próxima, tão poliglota mas sempre falando a mesma linguagem, como a comunidade do LibreOffice.

Neste ano, aprendemos muito também pelas sugestões construtivas de nossos usuários e da comunidade ao redor do mundo. Ouvimos com atenção e tentamos melhorar as coisas onde era possível. Trabalhar junto com vocês, nossos usuários, nos tornou mais fortes e nos ajudou a fazer o software e o projeto cada vez melhor. Este é seguramente um caminho que seguiremos em 2012.

Após um ano de sucesso, agora é tempo de agradecer a tudo que conquistamos, de nos orgulharmos das etapas vencidas, e de tomar um instante para vislumbrar os desafios no próximo ano.

Todos nós da The Document Foundation desejamos a você e a seus entes queridos um Feliz Natal com muita paz e um Ano Novo feliz, abençoado e próspero.

Nosso muito obrigado por tudo que vocês fizeram para o LibreOffice nestes últimos 365 dias, obrigado por estarem conosco e esperamos trabalhar com vocês no ano que vem. Um ano que, sem dúvida, será cheio de surpresas, bons tempos e conquistas importantes.

São vocês que fazem o LibreOffice o que ele é hoje, porque é disso que o LibreOffice é feito: de gente e de comunidade.

Tradução: Olivier Hallot

Faça Download do seu LibreOffice aqui



Merry Christmas and a Happy New Year

22 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Dear community, dear users, dear friends and dear colleagues,

the end of the year is approaching with big steps, and it seems that 2011 passed within just a short glimpse of time. It feels as if it was just yesterday that we celebrated New Year’s Eve, but looking back at all that has happened, it becomes evident that the last 12 months were full of activity, and a lot has happened.

We started The Document Foundation and the LibreOffice project in the fall of 2010, with big visions, and with high hopes. The first weeks have been exciting, they have been thrilling, and we have rarely seen such community movement, so many people following the same goal. One of our strongest wishes for 2011 has been to keep this incredible momentum. Not only did we achieve that, but all the good has even grown, way beyond our imagination, and that is something that makes us particularly proud.

2011 was the year of our first stable release, and many more were about to follow. Today, over 30 million people use LibreOffice in 109 languages, a software developed by 40 core developers and a total of over 300 active developers plus 280 localizers. Probably the biggest achievement is the fact that 230 of those developers are totally new, have never been contributing code to the free office suite before, and were attracted by our open, transparent, meritocratic and inclusive community. Over 16.000 mailing list subscribers are on our 100 mailing lists, and TDF now counts 138 members. Sponsored and supported by a strong and well-balanced Advisory Board, the community is prospering more than we ever could hope for.

However, it is not about numbers. It is about the good feeling and every single contributor who makes the community to what it is today. Especially in times of global communication, it is the human beings that make our online and offline lifes to what they are, it is the human beings who fill them with life. To us, the community is like a big family, with good and personal friends worldwide, people we not only share the same passion with, but also a deep personal friendship with many of them. Our first annual event, the LibreOffice Conference that took place in Paris this October, was not only a successful event and a brilliant conference, but even more, it was the meeting of friends, of a united family. Thinking back of where we stood one and a half years ago, and seeing where we stand now, it still looks like all of you did the impossible.

What we have seen up to today is just the beginning, the beginning of something exciting, and the beginning of something good. In Paris, we announced the next level for LibreOffice, with the work on the Android and iOS ports moving forward, and with an exciting browser-based version being developed. More and more organizations, corporations and governments join our efforts, because they strongly believe in LibreOffice being the future for free office suites, and they firmly believe in the power of a community so diverse but so united, so global but so close together, so polyglot but still speaking the same language, like the LibreOffice community.

During this year, we also learned a lot due to the constructive feedback we received from many users and the community around the world. We listened carefully and we tried to improve things where possible. Working together with you, our users, made us stronger and helped to make the software and the project even better. This, for sure, is a path we will follow also in 2012.

After a successful year, it is time to be thankful for what has been achieved, to be proud of the milestones reached, and to take time to envision the challenges of the next year.

We all here from The Document Foundation wish you and beloved ones a peaceful, joyful and merry holiday season, some silent and relaxed days with those close to you, and a happy, successful and blessed new year!

Thank you for all you did for LibreOffice the past 365 days, thank you for being with us, and we are looking forward to working with you in the next year. A year that, undoubtedly, will be full of surprises, good times and major achievements. It is you who made LibreOffice to what it is today, because that is what LibreOffice was made for and is made by: the community.

The TDF Board of Directors and Membership Committee




Ministério do Planejamento lança Portal de Dados Abertos

22 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Brasília, 20/12/2011 – Para promover a implementação da Infraestrutura Nacional de Dados  Abertos (INDA), o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão lança, nesta terça-feira, 20, a versão beta do Portal Brasileiro de Dados Abertos. A proposta do novo sítio é compartilhar dados públicos em formato bruto e aberto. Ao divulgar a versão beta, o ministério espera que a população brasileira participe da construção do portal. A versão oficial do sítio será lançada em 2012.

A INDA é um conjunto de padrões, tecnologias, procedimentos e mecanismos de controle para atender às condições de troca de dados entre os diferentes poderes e esferas de governo com a sociedade em geral. Os dados são abertos quando podem ser utilizados livremente, reutilizados na construção de aplicativos de forma automática e redistribuídos por qualquer cidadão. A disponibilização desses está prevista na Lei de Acesso à Informação (lei nº 12.527, de novembro de 2011).

http://softwarelivre.org/articles/0039/0936/Dados_Abertos.jpg

De acordo com o secretário de logística e tecnologia da informação, Delfino Natal de Souza, o lançamento do Portal Brasileiro de Dados Abertos é um marco para o projeto da INDA. O secretário espera que o novo ambiente virtual mobilize a sociedade para o fortalecimento da metodologia dessa infraestrutura para divulgação de informações públicas. “A disponibilização de dados abertos vai trazer mais transparência e participação no controle social pela população brasileira”, complementa Souza.

Na versão beta do sítio encontram-se 20 conjuntos de dados disponíveis para acesso. Também estão disponibilizados aplicativos de como as informações do setor público podem ser divulgadas de maneira aberta. Um exemplo está nas séries históricas relativas a ações governamentais elaboradas a partir da publicação do Balanço de Governo 2003-2010.

Outros exemplos de como os usuários podem reutilizar os dados disponibilizados em formato bruto e aberto estão nos seguintes aplicativos: Onde acontece; Painel de Recadastramento do Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (Sicaf); Painel acidentes de trabalho; e Para onde foi o meu dinheiro.

OGP – A Parceria para Governo Aberto (Open Government Partnership – OGP) é uma iniciativa internacional com o intuito de garantir maior acesso às informações públicas. Como resultado desta ação, oficializada em setembro deste ano, espera-se aumentar a participação da sociedade, combater a corrupção e utilizar novas tecnologias para tornar os governos mais transparentes, eficazes e responsáveis. O plano de trabalho brasileiro para a implantação do OGP está disponível no portal da organização.

Até o momento, oito países integram a iniciativa de governo aberto e o Brasil, junto com os Estados Unidos, lidera este movimento. Os outros membros são: Indonésia, México, Noruega, Filipinas, África do Sul e Reino Unido.

Em abril de 2012, será realizado um encontro, em Brasília, para oficializar a entrada de outros países na parceria. Mais de 40 nações demonstraram interesse em participar do OGP. O Ministério do Planejamento aproveitará a oportunidade para lançar oficialmente a versão oficial do Portal Brasileiro de Dados Abertos.

Histórico - A INDA possibilita que dados e informações gerados e armazenados nos portais dos órgãos públicos sejam utilizados livremente pela sociedade. O movimento de dados abertos na esfera pública federal teve início em 2010, com a publicação da Resolução nº 7 (Estratégia Geral de TI) e da Portaria nº 39 (Planejamento Estratégico da SLTI/MP).

Desde o seu princípio, o propósito  foi aumentar a transparência, colaboração e participação da sociedade no processo de desenvolvimento das políticas e ações de governo.

A estreia da INDA ocorreu em maio de 2011, com o Sicaf. Com a divulgação da lista de fornecedores cadastrados no sistema, a União permite que todas prefeituras saibam quais empresas localizadas na sua microrregião comercializam com o governo federal. Ao utilizar desta base, as administrações municipais podem agilizar seus processos de licitação, por exemplo.

* fonte: Ministério do Planejamento

* site oficial: Portal Brasileiro de Dados Abertos



Mozilla lança versão final do Firefox 9, que traz melhorias e maior velocidade

21 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Apenas algumas semanas depois do lançamento do Firefox 8, o Mozilla lança a versão final da próxima atualização do navegador: o Firefox 9, que traz melhorias no uso de memória e no gerenciador de extensões, novos recursos de HTML 5, CSS e MathML e maior rapidez para carregar Java Script.

Nesta edição, os criadores do aplicativo prometem reduzir até 50% da carga do uso de memória RAM, já que as antigas versões já tentavam reduzir entre 20% e 30%. Assim, mesmo que o browser fique aberto por muito tempo, o uso da memória é contínuo.

http://www5.picturepush.com/photo/a/7190718/1024/diciembre/firefox2.png

Outra novidade do navegador é a velocidade para rodar aplicativos em Java Script. Com a atualização, esse tipo de conteúdo pode ficar até 30% mais rápido para abrir e até atualizar.

Além disso, o gerenciador de extensões trouxe uma nova forma de administrar os complementos instalados. Quando uma nova extensão de terceiros é instalada, o navegador notifica e pergunta o que deve ser feito. Isso evita que aplicativos desconhecidos sejam instalados automaticamente, junto com a instalação de algum antivírus, por exemplo.

No geral, a nova versão do navegador trouxe melhorias que abrangem as novas linguagens de internet, como HTML 5, MathML e o CSS3, além da correção de bugs e problemas apresentados nas versões anteriores.

Baixe o Firefox 9 pelo Downloads INFO ou clique no ícone

Firefox

* fonte: Info

 



The Document Foundation anuncia a primeira sessão de "caça-bugs" para melhorar a qualidade e a estabilidade da melhor suíte de escritório livre.

21 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

A Internet, 20 de Dezembro de 2011. The Document Foundation (TDF) anuncia a primeira sessão de caça-bugs do LibreOffice 3.5, que acontecerá em um ambiente virtual de 28 a 29 de Dezembro de 2011. Caçadores de bugs voluntários se reunirão na internet dos cinco continentes para apontar os problemas de software da próxima versão 3.5, que inclui muitas melhorias e novas funcionalidades, tornando assim o LibreOffice 3.5 a melhor suíte de escritório livre jamais desenvolvida.

 

http://1.bp.blogspot.com/-KZT0EwBC6t0/TuqDKEbodII/AAAAAAAAAC4/tokyP50CC50/s1600/LIBOXMAS3.png

A participação é muito fácil e divertida. Os detalhes estão disponíveis no wiki The Document Foundation em (http://wiki.documentfoundation.org/QA/BugHunting_Session_3.5.0.-1),onde também é possível encontrar uma lista extensa das novidades do LibreOffice 3.5:(http://wiki.documentfoundation.org/ReleaseNotes/3.5/pt-br).

Tudo que você precisa é um PC com Windows, MacOS X ou Linux e o LibreOffice 3.5 Beta (que deve ser baixado de http://pt-br.libreoffice.org/baixe-ja-o-libreoffice-em-portugues-do-brasil/prelancamento/), e uma boa dose de entusiasmo. Registrar bugs será muito fácil, graças a ajuda de muitas pessoas com experiência que estarão acessíveis para ajudar os usuários com dicas, na lista de QA (libreoffice-qa@freedesktop.org) e no canal IRC (irc://chat.freenode.net/libreoffice), das 6:00 até as 20:00 horário de Brasília nos dois dias.

Uma segunda sessão de caça-bugs será organizada nos mesmo moldes. Em meados de janeiro, imediatamente após a liberação do LibreOffice 3.5 Release Candidate 1. A primeira sessão de caça-bugs é organizada pelo time de Controle de Qualidade (QA) e coordenada por Rainer Bielefeld e Cor Nouws. Ao final do segundo dia Rainer e Cor premiarão o melhor "caçador" com o título de Herói do Caça-Bugs, para aquele indivíduo que flagrou o maior número de bugs, os reportou corretamente e os registrou no Bugzilla (http://wiki.documentfoundation.org/BugReport).

Fonte: The Document Foundation blog

Tradução:
Olivier Hallot
Co-fundador e Membro do Comitê Diretivo
The Document Foundation



TDF announces the first LibreOffice 3.5 bug hunting session to improve the quality and stability of the best free office suite ever

21 de Dezembro de 2011, 0:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

The Internet, December 21, 2011 – The Document Foundation (TDF) announces the first LibreOffice 3.5 bug hunting session, to be held in a virtual environment on December 28 and 29, 2011. Volunteer bug hunters will gather on the Internet from the five continents to spot software problems of the upcoming new major release, featuring a large number of improvements and new functions, in order to make LibreOffice 3.5 the best free office suite ever.

Participating is easy, and fun. Details are available on the wiki of The Document Foundation (http://wiki.documentfoundation.org/QA/BugHunting_Session_3.5.0.-1), where is also possible to find a comprehensive list of LibreOffice 3.5 new and improved features (http://wiki.documentfoundation.org/ReleaseNotes/3.5).

All you need is a PC with Windows, MacOS X or Linux, and LibreOffice 3.5 Beta 1 (which can be downloaded from http://www.libreoffice.org/pre-releases), plus a lot of enthusiasm. Filing bugs will be extremely easy, thanks to the help of several experienced people who will be around to help users and supporters with tips, on the QA mailing list (libreoffice-qa@freedesktop.org) and IRC channel (irc://chat.freenode.net/libreoffice), from 8AM to 10PM UTC on both days.

A second LibreOffice 3.5 bug hunting session will be organized – following the same pattern – in mid January, immediately after the release of LibreOffice 3.5 Release Candidate 1.

The first bug hunting session has been organized by LibreOffice QA team, and coordinated by Rainer Bielefeld and Cor Nouws. At the end of the two days, Rainer and Cor will award the title of Bug Hunting Hero to the individual who has been able to spot the highest number of bugs, report them correctly and file them on BugZilla (http://wiki.documentfoundation.org/BugReport).




Tags deste artigo: odf calc libreoffice draw iso 26300 math impress base writer tdf