Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Software Libre Peru

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

getaddrinfo: Name or service not known

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Roberto Requião quer levar o fisl para o Paraná

5 de Junho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 44 comentários | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1801 vezes

A 10ª edição do Fórum Internacional do Software Livre (fisl10) pode ser a última em solo gaúcho. O evento, nascido em Porto Alegre, tem sido assediado pelo governo paranaense, que no mês passado ofereceu dois locais gratuitos para a realização em Foz do Iguaçu ou Curitiba. Roberto Requião vem a Porto Alegre para levar o fisl – enfatizou Marcelo Branco, coordenador do evento em 2009, que se realiza de 24 a 27 de junho, no centro de eventos da PUCRS.

Segundo Marcelo, o governador paranaense estaria disposto a bancar o evento – que neste ano tem um custo estimado em R$ 1,4 milhões – oferecendo estrutura de local gratuitamente para as palestras e demais atividades do fisl.

Em Porto Alegre, a Associação Software Livre (ASL), que promove o encontro, paga pelo local utilizado, contando com uma participação de permuta para servidores dos governos estadual e municipal, mas aporte de dinheiro pelo governo.

– Nós gostaríamos que prefeitura e governo do Estado ajudassem mais. Nós queremos, mas é difícil continuar em Porto Alegre – disse Branco.

No Paraná, o evento não teria limitações como horário para palestras – na PUC não podem ser realizadas apresentações no turno da noite – e estaria mais próximo do centro do país, facilitando a busca por novos patrocinadores.

Além disso, em Foz do Iguaçu o centro de eventos conta com estrutura de hotelaria, o que facilitaria a rotina dos participantes.

O namoro com o governo paranaense é antigo, e ficou claro no ano passado, quando o governador Roberto Requião foi ovacionado na cerimônia de abertura oficial do evento. A governadora Yeda Crusius não compareceu, e o vice-governador, Paulo Afonso Feijó, acabou alfinetando Requião, um gesto mal visto pelo público.

Na ocasião,clicRBS entrou em contato com um representante paranaense para saber da possibilidade de uma oferta oficial de mudança. Na época, a resposta era não, mas não deixava aporta totalmente fechada.

– Se nos procurarem nós conversamos – declarou Cláudio Dutra, responsável pela presença paranaense no fisl, em 2008. Agora, a ASL nem precisou levantar o assunto.

Nesta semana, Branco reuniu-se com o prefeito José Fogaça para discutir a permanência do evento na Capital. O prefeito disse que não abre mão do fisl.

O fisl espera receber mais de 8 mil pessoas durante seus quatro dias de realização. O cálculo da organização é de um giro total de R$ 5 milhões na economia da cidade, entre hotéis e restaurantes, durante o evento, sem incluir negócios firmados no evento.

Fonte: http://www.softwarelivre.org/news/13702


Tags deste artigo: requião paraná fisl

44 comentários

Enviar um comentário
  • 9755dffb0ae4b0bf1cc0bda0b98681a6?only path=false&size=50&d=404Rodrigo(usuário não autenticado)
    5 de Junho de 2009, 10:25

    Excelente!

    Se isso acontecer eu voto no Pessuti!


  • E680e82951a58ddcc06f40bd2796a2f1?only path=false&size=50&d=404Xenócrates(usuário não autenticado)
    5 de Junho de 2009, 14:25

    Não adianta só boa vontade

    Não resolve o prefeito ter só boa vontade se o governo do estado não faz muita questão do evento. Parabéns ao governador Roberto Requião, que desde 2002 levou como prioridade o uso do software livre em todo o governo e como ferramenta democrática de distribuição de tecnologia e conhecimento.

    FISL no Paraná Sim!!!


  • 0e762c51308fed8aa39eafaeecc8abb0?only path=false&size=50&d=404Nazen(usuário não autenticado)
    5 de Junho de 2009, 17:13

    FISL NO PARANA JA!

    Um evento do porte do FISL nao pode estar preso a uma cidade apenas. Ja e hora de levar o evento para um estado como o Parana, onde o Software Livre e levado a serio pelo governo, populacao e varias organizacoes.

    O Parana tem Historia na luta contra o poder hegemonico das grandes corporacoes e com o FISL nao sera diferente. Tanto Foz do Iguacu quanto Curitiba tem condicoes mais do que suficientes alem de atrativos para engrandecer o FISL.

    Nao se trata do que o prefeito de Porto Alegre pensa ou de quanto o evento traz para o municipio, mas sim de ampliar o alcance do debate e das acoes do FISL.

    FISL NO PARANA!


  • Renata   08.06.07 minorRenata
    6 de Junho de 2009, 12:13

    FISL no Paraná, pode ser, mas...

    O fundamental e exemplar apoio do Governo do Paraná ao software livre lhe garante todas as prerrogativas de sediar eventos com esse mote, PORÉM:

    - o aeroporto é Muito pequeno e está sempre lotado de gente carregada de produtos comprados no Paraguai (ninguém merece aquela fila única, "caramuja" e interminável, da Policia Federal)

    - a instabilidade climática da região e o sofrível sistema de controle aéreo brasileiro põem em risco até a melhor e mais equipada das aeronaves conhecidas e um incontável número de vidas humanas.

    Afirmo com conhecimento de causa: nossa viagem de ida e volta da Conferência Latino-Americana de SwL (Out-Nov/2008) foi "premiada" de tempestade fortíssima, forte turbulência e muito pavor em todo o trajeto. Na volta, o aeroporto fechava para pouso e decolagem de 5 em 5 minutos, mais especificamente: apenas o tempo de 1 (uma) aeronave decolar e outra pousar. Resultado: trauma paralisante que ainda não se foi.


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.