Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Software Libre Peru

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

getaddrinfo: Name or service not known

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

ODF Plugfest: Tornando as ferramentas de escritório interoperáveis

2 de Novembro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1085 vezes

"LibreOffice planeja ser um bom membro da comunidade ODF", Cor Nouws

Nos dias 14 e 15 de outubro, os governos federal, regional e a comunidade da Bélgica organizaram uma ODF Plugfest em Bruxelas. Depois de ter realizado plugfests na Holanda, Itália e Espanha, este foi o quarto evento de fornecedor neutro, onde todos os desenvolvedores e arquitetos líderes de implementações Open Document Format (ODF) - Open Source e proprietárias - se reunem para discutir questões de interoperabilidade e apresentar o que está disponível no mercado.

O primeiro dia do evento foi reservado para os implementadores ODF: AbiSource, DiaLOGIKa, Google, IBM, Itaapy, KO GmbH, Microsoft, Novell, Sun/Oracle e OpenOffice.org. Os desenvolvedores do LibreOffice não foram capazes de fazê-lo para o primeiro dia, mas por enquanto o novo "fork" do OpenOffice.org não difere muito do seu montante em relação ao suporte ao ODF. Os diversos fornecedores realizaram alguns cenários de teste de interoperabilidade, focados em torno de partes específicas do padrão ODF. Os cenários podem ser consultadas na página wiki da Sociedade OpenDoc (clique em "Cenários" e depois em "20100415") e então, no programa. Por exemplo, os implementadores ODF testaram a interoperabilidade da função de planilha YEARFRAC - uma importante função que está envolvida em muitos cálculos financeiros.

Outro cenário de testes se preocupou sobre controle de alterações com tabelas. Este é um tema extremamente difícil, e os diferentes fornecedores tiveram uma longa discussão sobre uma proposta da DeltaXML para melhorar isso em ODF. Houveram também algumas situações que envolvem as assinaturas digitais no ODF 1.2, bem como alguns testes menores. Com base no resultado dos testes, os desenvolvedores das várias suites de escritório certamente tem algum trabalho a fazer.

A evolução de um formato de documento

O segundo dia do evento teve uma abordagem mais clássica, numa abordagem do tipo conferência, com apresentações de diferentes partes interessadas do ODF. Após o discurso de boas vindas do organizador Bart Hanssens, Rob Weir da IBM deu uma atualização sobre a especificação ODF como o presidente do Comitê Técnico OASIS OpenDocument. Ele enfatizou que o ODF 1.0 ainda é mantido (foi publicada errata), mesmo que o ODF 1.1 seja a versão atual e o ODF 1.2 já esteja na última fase de desenvolvimento. É claro que o ODF 1.2 é um desenvolvimento muito maior do que as duas versões anteriores: enquanto a especificação ODF 1.0 tem 700 páginas e o a especificação ODF 1.1 tem apenas 30 a mais, o atual Committee Draft 05 da especificação ODF 1.2 tem mais de 1200 páginas.

As maiores diferenças entre o ODF 1.0/1.1 e ODF 1.2 encontram-se na adição de uma linguagem de fórmula de planilha, OpenFormula (o que equivale a 240 páginas na especificação), um esquema explícito para as assinaturas digitais e recursos de RDF/XML e RDFa. Além disso, a linguagem de conformidade foi reformulada para facilitar a conversão para um padrão ISO, e mais de 2000 problemas relatados foram solucionados. Rob espera que o ODF 1.2, que está "quase pronto", será aprovado pela OASIS no fim de janeiro de 2011. No final de sua palestra, Rob especulava um pouco sobre o que poderia ir para o "próximo ODF" (versão 1.3?): Modularização (inspirado pelo esforço sobre modularização do W3C para HTML), o que tornaria possível algo como um "perfil web" para o ODF, SVG melhorado e da integração de XForms, melhoria de assinatura de documentos e melhor controle alterações. A propósito, uma ponto interessante que Rob fez é que o Oasis só pode aprovar uma especificação de como um padrão, se existem pelo menos três implementações.

Bart Severi do governo flamengo falou sobre a política de seu governo sobre o arquivamento de documentos digitais. Documentos de escritório que têm de ser conservados por um longo tempo, na prática serão convertidos para o formato PDF/A (se o comportamento não é importante) ou ODF (se os scripts são necessários). Seu colega Bart Hanssens do departamento governamental belga Fedict (e também presidente de interoperabilidade do ODF e da comissão técnica de Conformidade do OASIS) falou sobre a possibilidade de assinar digitalmente documentos ODF com o eID, que é um cartão de identificação eletrônica emitido para todo o povo belga. O ODF 1.0/1.1 permite a assinatura de um documento, mas ele não especifica como isso deve acontecer. Em contraste, o ODF 1.2 especifica a reutilização da recomendação W3C XML-DSIG sugere que a XAdES pode ser usada. A XAdES (XML Advanced Electronic Signatures) se baseia em XML-DSIG e está em conformidade com a Directiva Europeia 1999/93/CE. O Fedict eID tem um applet prova de conceito para navegadores web que está disponível sob a licença LGPL.

Alex Brown apresentou o seu validador online de documentos Office-o-tron, que entende o ODF (1.0, 1.1 e rascunho do 1.2) e OOXML. O Office-o-tron é um software de código aberto licenciado sob a Licença Pública Mozilla v1.1. Sander Marechal atualizou a aplicação web Officeshots, que permite aos usuários fazer upload de documentos ODF e gerar a saída de diversos aplicativos de escritório. O Officeshots torna possível automatizar o processo de investigação de interoperabilidade do ODF, como descrito em novembro de 2009. Desde a última Plugfest na Espanha, o desenvolvimento tem se concentrado mais no back-end, então não há muitas novidades, mas Sander explicou que o suporte para aplicativos de escritório é mais sobre o roteiro, bem como uma rotina de instalação mais fácil para os voluntários que querem hospedar um servidor de renderização.

Atualizações de produtos para escritório

Em seguida, houve algumas pequenas apresentações, com atualizações sobre produtos de escritório que suportam ODF. Casper Boemann da empresa alemã KO GmbH falou sobre os recursos mais recentes do KOffice, como suporte à animação, quebra de linha de texto que seja compatível com o OpenOffice.org (KOffice replicou a funcionalidade de hifenização e justificação do OpenOffice.org para conseguir que as quebras de linha se comportem de forma idêntica ), quebra de texto em torno de ambos os lados de várias formas, e capitulares, que agora podem ser mostradas em diferentes layouts. Ele também salientou que uma versão limitada do KOffice foi portada para o Maemo sobre o N900. Marc Maurer da AbiSource, observou que AbiWord é um processador de textos padrão em 1.5 milhões de laptops OLPC XO-1 e disse que o processador de texto quase suporta o atual o ODF 1.2. Nathan Hurst do Google explicou que o Google Docs oferece suporte a ODF 1.0 no momento, mas o ODF 1.2 está em obras. Além disso, a funcionalidade de visualização rápida de arquivos PDF no motor de busca também será implementada para o formato de arquivo ODF.

John Phillips, presidente para o Reino Unido da Microsoft National Standards, anunciou que está pesquisando as diferenças entre o ODF 1.1 e ODF 1.2 (o ODF 1.1 já é suportado no Microsoft Office 2007 por um service pack, e no Microsoft Office 2010 de forma nativa), e ele reafirmou o compromisso da sua empresa em apoiar o ODF 1.2 dentro de 9 meses a partir da publicação da norma ISO. No entanto, após uma pergunta do público sobre quando a versão para Mac do Office terá suporte ao ODF (atualmente ele não tem), John respondeu que não há demanda de clientes suficiente para implementá-lo.

A Oracle foi representada por Oliver-Rainer Wittmann, um dos desenvolvedores do OpenOffice.org. Ele falou sobre o trabalho realizado desde a Plugfest passada e sobre o Oracle Cloud Office, as suítes de escritório web e móveis integradas com o Oracle Open Office. Rob Weir falou sobre o IBM Lotus Symphony e disse que a versão 3.0 deve estar disponível no final de 2010. No último minuto, os organizadores acrescentaram uma apresentação do Cor Nouws sobre LibreOffice. Cor, um membro da Document Foundation e dono de uma empresa de consultoria holandesa sobre OpenOffice.org, explicou que o LibreOffice planeja ser um bom membro da comunidade ODF e compartilhará os novos recursos ODF o mais rapidamente possível, comunicando-os na comissão técnica do ODF.

Um ecossistema saudável ODF

É fácil esquecer que os documentos ODF não são manipulados só por processadores de texto ou suítes de escritório em geral. Há todo um ecossistema de ferramentas que podem converter, enriquecer, ou manipular arquivos ODF, e alguns deles foram apresentados na Plugfest ODF. Karl Morten Ramberg apresentou o OFS Collaboration Suite - a suíte de colaboração segura em tempo real que pode ser utilizada a partir de um editor web ou com o OpenOffice.org ou Microsoft Office. A arquitetura baseada em cliente-servidor tem algumas funcionalidades interessantes. Quando um usuário abre um documento, o servidor verifica quais as seções que o usuário tem acesso de leitura e/ou escrita. O servidor então remove qualquer funcionalidade de edição e copiar/colar das seções que forem somente leitura. As seções que o usuário não tem acesso de leitura são removidos completamente do documento que o usuário recebe a partir do servidor. Atualmente, a suíte de colaboração tem plugins para textos e planilhas, e o suporte para KOffice e IBM Lotus Symphony está planejado para uma versão posterior.

Wolfgang Keber da DIaLOGIKa (um dos desenvolvedores do Conversor ODF, um projeto financiado pela Microsoft) fez uma observação geral, com base na sua experiência em consultoria para a Comissão Europeia: as implementações do ODF não devem apenas pensar em compatibilidade com versões anteriores (para ser capaz de ler documentos antigos arquivados), mas também sobre a compatibilidade futura. Abrir um documento baseado no novo ODF 1.2 usando uma antiga versão 2.x do OpenOffice.org deve ir tão bem quanto possível, disse ele. Isto é particularmente um problema para as grandes instituições, onde a aplicação e diferentes versões do documento co-existem durante uma fase longa da migração. Giorgio Migliaccio da empresa belga LetterGen apresentou suas ferramentas com foco em negócios, como seu principal produto LetterGen, que gera documentos em ODF baseados em mensagens XML de entrada e da definição de modelos e regras de negócio, por exemplo, de contratos legais, manuais, documentos de seguro, e assim por diante. Isso pode ser feito de forma interativa ou em lotes. Por enquanto o LetterGen só roda em Windows, mas a próxima versão 3.0 (prevista para meados de 2011) visará outras plataformas.

Os desenvolvedores de dois interessantes conversores ODF também estiveram presentes na Plugfest ODF. Werner Donné falou sobre seu projeto proprietário ODFToEPub, que permite que qualquer pessoa com um processador de texto comum produza um e-book no formato Epub a partir de um documento no formato ODT. Há um plug-in para o OpenOffice.org - rodando em Linux, Windows e Mac OS X - que adiciona uma função de exportação para converter um arquivo ODT para Epub, mas há também um programa independente Java interativo e Werner expressa a possibilidade de que um lote versão pode estar chegando.

Outro conversor ODF especial é o ODT2Braille, uma extensão Braille para o OpenOffice.org Writer licenciada em LPGL 3+, permitindo que autores exportem documentos em arquivos Braille e até mesmo imprimí-los diretamente numa impressora Braille. Christophe Strobbe, da Katholieke Universiteit Leuven tem sido um pesquisador em acessibilidade web para pessoas com deficiência desde 2001 e ele é o desenvolvedor do projeto ODT2Braille, que faz parte do projeto europeu Aegis. O lançamento mais recente é o alfa 0.02 de 30 de agosto de 2010 e reutiliza as ferramentas existentes de código aberto como liblouisxml, liblouis, pef2text e odt2daisy. É atualmente uma extensão para Windows somente por causa de alguns pequenos problemas de incompatibilidade, mas Christophe disse que haverá versões para Linux e Mac OS X. Para as versões futuras, ele também quer oferecer suporte à um conjunto maior de impressoras e provavelmente também suporte à Braille em aplicações Calc e Impress.

Houveram também algumas palestras sobre bibliotecas ODF. Luis Belmar-Letelier, da Itaapy falou sobre o projeto lpOD, que é uma biblioteca de código aberto com um conjunto de APIs de alto nível para as linguagens Python, Perl e Ruby. Segundo Luis, desenvolvedores usando lpOD não necessitam saber os detalhes da representação XML dos documentos que manipula, para que possam concentrar-se na estrutura de alto nível dos documentos. E Oliver-Rainer Wittmann, da Oracle falou sobre ODFDOM, uma API ODF open source baseada em Java que faz parte do ODF Toolkit. Ele disse que a conversão do ODF 1.0/1.1 para ODF 1.2 está na agenda do projeto. E Jos van den Oever, do KO GmbH apresentou o ODFKit, uma biblioteca C++ para manipulação de documentos em ODF, que reutiliza a funcionalidade WebKit como abstrações de framework, geração de código, ligações JavaScript, XML parsing e processamento de XSLT.

ODF na web

Um projeto muito interessante que foi apresentado é o WebODF, que quer levar o ODF para a web. Jos van den Oever iniciou a partir da observação de que uma grande quantidade de suítes de escritório estão se movendo para a "nuvem". Exemplos disso são o Microsoft Office Live, Google Docs e Zoho. Mas onde estão as alternativas de software livre para as nuvens? Para o OpenOffice.org, KOffice, AbiWord e Gnumeric, não há nenhum que tenha uma versão nuvem, com suporte ao ODF. Essa foi a motivação para Jos iniciar um projeto para preencher essa lacuna e permitir que os usuários visualizem e editem documentos ODF na web sem perder o controle deles nos servidores de algumas empresas.

A estratégia que Jos seguiu foi a utilização apenas de HTML e JavaScript para a aplicação web. O aplicativo carrega o fluxo XML tal qual está no documento ODF inserindo-o no HTML e o coloca na árvore DOM. O estilo é feito através da aplicação de regras de CSS que são diretamente derivadas do elementos e do documento ODF. Foi assim que o WebODF nasceu; é um projeto com o objetivo inicial de criar um visualizador ODF simples e um editor para uso off-line e on-line, implementado em HTML5.

A pequena base do código consiste em um arquivo de HTML5 e oito arquivos JavaScript, cada um dos quais com algumas centenas de linhas de código. A parte mais interessante é que ele não precisa de execução de código no servidor: o código JavaScript é executado no navegador do usuário e o processo de salvar o documento para o servidor web é feito usando WebDAV. Ele suporta tanto os motores Gecko e WebKit HTML. Há também uma aplicação em cima do QtWebKit, que é para uma melhor integração de desktop, e uma implementação ODFKit. Isso significa que WebODF é uma maneira fácil de adicionar suporte ODF a praticamente qualquer aplicação, seja ela em HTML, Gtk ou QML. KO GmbH recebeu um financiamento da NLnet para melhorar o protótipo WebODF atual e ver o quão longe a ideia vai. Os leitores interessados podem experimentar o demo online.

Não somente para as grandes empresas

A quarta ODF Plugfest conseguiu atrair cerca de 50 pessoas: além dos desenvolvedores de suítes de escritório ODF, havia poucas empresas de pequeno porte que prestam serviços, o pessoal de TI dos governos federal e regional belga, e vários usuários interessados no ODF. O impulso por trás do ODF 1.2 é uma das coisas que atingiu o seu autor, durante o ODF Plugfest: é uma mudança enorme de ODF 1.0/1.1 e em muitas partes do projeto já são suportados por várias ferramentas.

Quando se fala de um grande padrão como o ODF, as pessoas geralmente pensam que é mais utilizado por grandes empresas como IBM e Oracle, e grandes projetos como o OpenOffice.org. No entanto, Michiel Leenaars que apresentou sobre a OpenDoc Society, fez uma observação interessante, que as pequenas empresas e projetos podem ter um grande impacto no ecossistema do ODF. Seu caso em questão era que a KO GmbH, uma pequena empresa de 6 pessoas, que oferece suporte ao KOffice, fez três palestras no ODF Plugfest. Isto é promissor para os pequenos times de desenvolvedores inovadores que querem participar plenamente do ecossistema ODF.

O valor da série contínua de ODF Plugfests não reside apenas nas conversações para atualizar as pessoas sobre o trabalho mais recente, mas ainda mais em cenários de teste, onde os desenvolvedores de produtos concorrentes colaboram para atingir o objetivo comum de melhorar a interoperabilidade. A apresentação de diferentes ferramentas ODF também foi inspiradora: ela mostra que existe um ecossistema saudável que está se formando em torno do padrão de formato de documento.

* Fonte: http://lwn.net/Articles/410387/

tradução: Rui Ogawa

* fonte traduzida: BrOffice.org


Tags deste artigo: libreoffice openoffice.org. broffice.org furusho odf

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.