Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Software Libre Peru

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

getaddrinfo: Name or service not known

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

O futuro da Internet

10 de Março de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 887 vezes

Acabei de ler atentamente o ultimo relatório “The Future of the Internet”, publicado pela Pew Internet (http://www.pewinternet.org/Reports/2010/Future-of-the-Internet-IV.aspx ). O relatório aponta algumas das tendências para a Internet para os próximos dez anos e selecionei alguns tópicos que me chamaram atenção.

Um deles debate o questionamento do polêmico Nicholas Carr onde ele pergunta “Is Google Making us Stupid?” e responde afirmativamente. A sua argumentação é baseada na observação que as facilidade de pesquisar na Internet (via Google e outros) faz com que as pessoas não se concentrem, navegando e pulando superficialmente de site para site. Não concordo com ele. Na minha opinião quando tinhamos pouca informação disponivel (apenas poucos livros e artigos impressos), nos aprofundávamos nestas leituras, até por falta de opção. Hoje a disponibilidade de informações sobre qualquer tema é estonteante (e sempre crescente) e o que fazemos é navegar por este oceano de informações, selecionando onde queremos nos aprofundar. Para mim estamos adotando, de forma complementar, dois processos mentais, a navegação superficial para obtermos um overview do que existe e um mergulho mais fundo, quando identificamos as fontes que nos interessam. Usando Google podemos nos concentrar em coisas mais importantes e sermos mais criativos, deixando para ele a função de buscar detalhes que antes precisávamos decorar.

 

Além disso, o Google e outros motores de busca nos dão oportunidade de buscar qualquer informação que desejemos, estejamos vivendo nos EUA, no Brasil ou no Cazaquistão. Basta ter acesso à Internet. Na prática ele quebra a hegemonia de domínio de conhecimento, permitindo que qualquer pessoa possa ter, em potencial, acesso à qualquer informação.

 

Talvez já estejamos vivendo uma época onde o alfabetizado será aquele que sabe ler, escrever, contar e pesquisar na Web. Estamos mudando o conceito de inteligência. Meus avós tinham que fazer contas de cabeça, pois não tinham calculadoras à sua disposição. E hoje, pelo fato de não precisarmos mais fazer contas de cabeça será que somos menos inteligentes que eles? Ou a tecnologia não estará mudando nossa maneira de usarnos nossos cérebros?

 

Um exemplo de como a Internet pode ser útil. Lendo o relatório da Pew, pesquisei na Internet pelo artigo do Carr bem como vários artigos, favoraveis e contrários a ele. De posse destas informações, cheguei as minhas conclusões e as exponho aqui no blog. Tudo em poucas horas.

 

Outro ponto debatido no relatório foi o impacto da Internet na linguagem. A Internet está melhorando ou piorando nosso uso da linguagem? Na minha opinião ela está transformando a linguagem. Aliás, a linguagem escrita e falada está sempre em mutação. Basta ver os textos originais do português da época dos descobrimentos e compará-los com o que falamos e escrevemos hoje. É uma outra lingua! Na minha opinião estanos indo para uma linguagem mais concisa e visual, e para isso basta ver o que usamos no Twitter e nos emails. Mudanças na maneira de nos comunicarmos sempre existiu. A própria escrita acabou com a dependência dos antigos na história oral (Platão era contra a escrita, pois segundo ele, diminuia a capacidade de memorização) e a fotografia mudou a visão que tinhamos da arte visual. A Internet está apenas cumprindo mais um ciclo de mudanças, mas o que incomoda muitos é que a velocidade desta mudança é muito acelerada. Há meros dez anos não existia Google, Facebook, YouTube, Wikipedia e Twitter.

 

A geração digital está exposta hoje a um volume de informações inimaginável para a geração imediatamente anterior. E além do mais, gera conteúdo e não apenas o consome. Basta ver que a maioria dos sites mais populares ten seus conteúdos gerados por nós mesmos, como o Facebook, Twitter, YouTube e Wikipedia. Ora, na prática, se somarmos o conteúdo gerado diariamente por sites, blogs, tuites, etc, veremos muito mais escrita sendo criada hoje que há dez anos atrás. Apenas está em forma diferente.

 

O teceiro ponto que me chamou atenção foi o debate sobre a precisão dos próprios debates sobre o futuro da Internet. Será possivel mesmo prever este futuro? Há dez anos ninguém previu um Twitter. Em 1995 podiamos pensar em um Facebook ou num iPhone? Como há dez anos atrás os top sites de hoje não existiam, quais serão os top sites de daqui a dez anos? Se alguém souber a resposta, vai criá-los hoje mesmo e não esperar dez anos...

* blog de Taurion


Tags deste artigo: taurion internet furusho ibm furuturo

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.