Ir para o conteúdo
fisl 13
25 a 28 de julho
de 2012
Centro de Eventos da PUCRS
Porto Alegre — Brasil
ou

Software Livre Brasil

Inscritos

Patrocinadores

Provas LPI

fisl13

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
 Voltar a Noticias do ...
Tela cheia Sugerir um artigo

La Economia del Software Libre en México

27 de Julho de 2012, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1235 vezes
Traduções

 

É facil entender a economia do software livre no México quando pensamos no breve panorama histórico apresentado pelo Farid Bielma López, logo de início na sua palestra desta quinta no fisl13.

Farid nos informa que os países mais ricos (e também - talvez por consequência- os que mais investem em educação e ciência) são os que tem maior penetração de software livre.

E isso se comprova na própria geografia interna mexicana, onde os estados mais distantes da fronteira americana, ao sul do mapa, são os mais pobres, com menor investimento em educação, com conhecidas zonas de conflito e resistência, como Chiapas e Oaxaca. E também são os que menos investem em softwares livres.

Muito disso parece se amparar na lacuna legislativa sobre o tema. A maior parte das iniciativas são isoladas, tanto em si, no sentido de que não existe uma lei federal, quanto politicamente. E esse papo nós conhecemos: um governo começa uma coisa legal e o seguinte não continua pra não reconhecer o valor do seu antecessor. É o caso da Agenda Digital, uma espécie de plano do governo atual para a tecnologia que, além de não possuir valor legal em si, mais que provavelmente não será seguido pelo próximo governo.

Junto disso está a forte influência americana no México que, ignorando leis que obrigam o favorecimento da produção local, acabam dando para a Microsoft concorrências superfaturadas (que viram projetos pouco ou mal empregados).

Para Farid, é necessária uma mudança de cultura. Essa nova cultura englobaria mais consciência nos investimentos públicos em tecnologia e educação, resultando em melhora do PIB e em uma mentalidade mais direcionada para desenvolvimento que para prestação de serviços. Além disso, é preciso criar leis que se adequem ao novo momento do país (e do mundo, afinal)

Mas nem tudo são notícias ruins: algumas coisas já começam a ser feitas. Em 2011, por exemplo, foi realizado o primeiro fórum de software livre do país, com a presença de Richard Stallman. E a difusão de informação, todos sabem, é o primeiro passo.

Escrito por Mari Messias