Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia
 Feed RSS

Liberdade na Fronteira

27 de Maio de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Reduzindo a pilha

24 de Fevereiro de 2019, 22:26, por Filipe Saraiva's blog - 0sem comentários ainda

Sou fã de quadrinhos desde criança. As primeiras revistas que ganhei foram na primeira metade dos anos 90, alguns Mickeys, Mônicas, Trapalhões e X-Men. Em 98 comecei a comprar X-Men, Fabulosos X-Men e Wolverine, até os primeiros números da famigerada X-Men Premium. Sem dinheiro, enveredei pelos mangás e histórias fechadas.

Quando a Panini começa a publicar as histórias de super heróis, deu-se início ao lançamento de materiais clássicos que tanto quis ler na adolescência. Grandes sagas dos mutantes, histórias fechadas da DC, e o carro chefe: várias revistas do selo Vertigo. Sandman, Hellblazer, Transmetropolitan, Preacher… a lista era imensa e ainda hoje cresce.

Nessa época já estava no mestrado, me sustentando com uma bolsa de estudos. Morando numa cidade de baixo custo, dividindo contas com a namorada e levando uma vida de pouco luxo, tinha dinheiro para comprar esses materiais.

O resultado é que minha capacidade de comprar quadrinhos superou em muito minha capacidade de lê-los. Penso que dois grupos de motivos levaram a essa situação: a quantidade de material sempre crescente junto com promoções que reduziam consideravelmente os preços, por um lado, e minha atenção mais voltada para a pós, colaborações com software livre e tratar a leitura quase como um ritual, de outro.

Esse último, penso, é o que mais prejudicou meu ritmo de leitura para essas obras. Esse ano iniciei uma mudança nesse hábito (que deve ser mais uma mania, na verdade) após participar do curso de escrita fantástica com o Fábio Fernandes. Em um momento, ele falou sobre como está sempre lendo alguma coisa independente de onde estiver, carregando um livro debaixo do braço, até que começou a descrever uma amiga que para ler precisava estar num lugar sem barulho, com ar puro, fazendo frio, com um café passado, uma lareira acesa e coisas do tipo. Mais ou menos por aí.

Me vi nesse personagem, apesar de não chegar a tanto. Decidi que começaria a ler tudo o que tenho acumulado e evitaria comprar mais quadrinhos enquanto não terminasse esses (ou, pelo menos, que lê-se boa parte).

Por conta disso me deparo com situações curiosas e também um tanto constrangedoras. Na foto acima está o Sandman Edição Definitiva volume 3, ainda no plástico. Quando essa edição foi lançada? Em 2012.

Sim, já fazem 7 anos e nunca nem tirei da embalagem. Quem dera fosse a única: tenho a coleção completa de Preacher, 9 edições, TODAS no plástico. Tenho a coleção completa em inglês de Mobile Suite Gundam Wing: The Origin, 12 edições, só lidas as 2 primeiras. Promethea com 2 edições todas ainda emplastificadas. Entre outras.

Não quer dizer que não lia nada, entretanto. Transmetropolitan devorava assim que chegava (inclusive, é minha série de quadrinhos favorita). O mesmo com Planetary e outros títulos. Recentemente terminei de ler Sala Imaculada, muito boa.

Lição que fica? “Só compre aquilo que consegue ler”? Acho que não. Talvez, tente não transformar o hábito da leitura em um mega ritual. Assim está melhor.

Mas afinal, quem vai atrás de lições em um blog?

PS.: já me perguntaram porque não doo meus livros. Simplesmente, não consigo. Sei que vivemos em tempos onde Marie Kondo luta contra a acumulação e diz que só 30 livros em casa basta, mas ter uma biblioteca é um símbolo especial para mim e que gosto de cultivar. Faço as pazes com minha consciência classe-média dizendo que tudo bem pois não acumulo roupas, nem eletrônicos, minha conta de energia é baixa e não tenho carro próprio. Deve servir pra dar uma equilibrada.



Telemulta

29 de Janeiro de 2019, 1:48, por Filipe Saraiva's blog - 0sem comentários ainda

A voz feminina robótica (chegamos no tempo onde questão de gênero e robôs podem se confundir) soou, estranha e familiar como sempre, assim que o carro finalizou a curva para a direita:

“Você entrou na Avenida Universitária; o limite de velocidade é 60 quilômetros por hora”.

Meu pai sorriu e começou a falar:

– Desde que comprei esse carro, essa mulher sabe por todo lugar que ando. Pense! Nem sua mãe é assim.

Esbocei o meu “fum” nasal, que não consegue nem ser um “hum” nem um “rum”, junto com meu sorriso amarelo.

Ele continuou, pensativo. O carro subiu a ponte. Externou:

– Sabe filho, eu fico pensando que esses computadores sabem onde andamos e sabem qual a velocidade da rua… você acha que seria difícil colocar uma conexão nesse computador aqui com o governo?

– Pai, seria a coisa mais simples – falei, no meu monótono tom professoral. Você já tem um dispositivo que se conecta com a internet no seu bolso. Seria só colocar um chip de celular no computador de bordo e pronto, ele estaria conectado com a internet e poderia mandar e receber mensagens de qualquer lugar – inclusive do governo.

– É… sabe, fico pensando, isso vai acontecer com certeza. Daqui um tempo, e como parece que é fácil mesmo, vão obrigar colocar chip em todo carro. Aí pronto, ultrapassou o limite de velocidade a mulher fala “você ultrapassou o limite de velocidade” e manda a mensagem pro Detran. Pronto! Multa sem nem precisar de agente…

Fiquei olhando para ele.

– Daí, tá tarde da noite bebeu demais: “você deve assoprar aqui” e o computador já faz o bafômetro. Deu alto? Multa na hora. Aconteceu uma batida? O carro já manda pro Detran qual era a velocidade, como tava a curva, como era o terreno, que hora era, se o sinal tava aberto ou fechado… pronto, precisa nem de perícia.

– Pois é pai, foda… pior que acho que as coisas vão caminhar para esse rumo mesmo.

– Também acho… logo não vamos ter muita opção de como fazer qualquer coisa.

O velocímetro marcava 70 Km/h.



Call for Answers: Survey About Task Assignment

21 de Janeiro de 2019, 14:39, por Filipe Saraiva's blog - 0sem comentários ainda

Professor Igor Steinmacher, from Northern Arizona University, is a proeminent researcher on several social dynamics in open source communities, like support of newcomers, gender bias, open sourcing proprietary software, and more. Some of his papers can de found in his website.

Currently, Prof. Igor is inviting mentors from open source communities to answer a survey about task assignment in projects. See below the description of the survey and take some time to answer the questions – the knowledgement obtained here can be very interesting for all of us.

Hello,

My name is Igor Steinmacher, and I am a professor at Northern Arizona University.

Along with some other researchers we are currently studying the strategies that mentors use to assign tasks to newcomers to Free/Open Source projects.Your experience is very important to us given the limited number of people that mentor or guide newcomers in FOSS projects.

You are therefore, a perfect person to get feedback for our research.

We would really appreciate if you could spare about 5 minutes of your time to answer a brief survey about your experiences.
The survey is here: https://goo.gl/forms/qCzgoG3Uc4O0w9da2I would like to emphasize that, if shared, your insights will play a prominent role in creating a better understanding of the mentors’ strategies to assignment tasks for newcomers, serving as input for heuristics, and helping other mentors. Thank you very much in advance for your time, and please contact me if you have any question.

Regards,

Igor Steinmacher



Mestrado em Ciência da Computação na UFPA 2019: Inteligência Computacional para Smart Grids; Metaheurísticas

8 de Janeiro de 2019, 2:21, por Filipe Saraiva's blog - 0sem comentários ainda

Está aberto o processo seletivo para o mestrado em ciência da computação do PPGCC-UFPA. Nesse certame, estou disponibilizando 2 vagas para alunos que desenvolverão seus trabalhos junto aos demais pesquisadores no LAAI.

As vagas são voltadas para os temas de inteligência computacional aplicada a Smart Grids e estudos sobre métodos metaheurísticos de otimização. Gostaria de orientar um aluno para cada um dos temas, mas a depender da qualidade dos candidatos é possível que os selecionados trabalhem uma mesma área.

Todos os candidatos devem cumprir os requisitos de perfil dos pesquisadores que procuro, apresentados na aba Pesquisas em meu site pessoal. Segue abaixo algumas descrições sobre os temas disponíveis, nos quais os projetos de pesquisa devem se encaixar.

Inteligência Computacional para Smart Grids

Smart grids são redes elétricas onde existem dispositivos que fazem medição dos mais diferentes dados (tensão, corrente, consumo, produção, e mais), trocam esses dados com outros equipamentos, e realizam tomada de decisão sobre os mesmos, de forma a prover alguma funcionalidade para essas redes. No geral, essa tomada de decisão é realizada a partir da utilização de algum método de inteligência computacional como metaheurísticas, redes neurais, sistemas fuzzy, sistemas multiagentes, ou outros.

Projetos nesse tema deverão mirar alguma funcionalidade que seria interessante de ver em redes desse tipo e modelá-la utilizando técnicas de inteligência computacional. Há uma grande variedade de problemas a serem explorados, desde classificação de consumo, estratificação de consumidores, otimização nas redes, inteligência computacional aplicada a utilização de energias renováveis ou geração distribuída, aplicação de sistemas multiagentes, entre muitas outras.

Metaheurísticas

Gosto bastante do tema de metaheurísticas aplicadas a otimização combinatória. Já ministro no PPGCC uma disciplina sobre o tema e gostaria de finalmente voltar a ele após meus últimos estudos que datam ainda dos meus trabalhos de graduação.

Nessa área, me disponho a orientar projetos que apliquem diferentes metaheurísticas a problemas de otimização novos, do tipo NP-Difícil, que sejam desafiadores e que tenham aplicações práticas ou impactos teóricos interessantes. Em especial, trabalhos relacionados com o contexto amazônico seriam muito bem-vindos.

Outra linha que me chama muita atenção são os estudos onde operadores de diferentes metaheurísticas são combinados, de foma a gerar “novos” métodos de busca que podem ser aplicados a diferentes problemas – essa área é mais conhecida como hiperheurísticas. O equilíbrio exploração/intensificação do método é determinado por esses operadores, portanto estudar esse ponto em específico é um desafio muito interessante.

Mais informações

Aos interessados, todas as informações sobre o ingresso e processo seletivo estão disponíveis no edital. Maiores informações sobre a área de pesquisa, por favor verifique artigos publicados na minha página pessoal. Para qualquer informação ou dúvida, por favor me contate via e-mail através do endereço saraiva em ufpa.br.



LaKademy 2018

5 de Janeiro de 2019, 16:59, por Filipe Saraiva's blog - 0sem comentários ainda

Past October 2018, Florianópolis hosted the 6th edition of LaKademy, the Latin-American KDE sprint. That moment is an opportunity to put together several KDE developers – both veterans and newcomers – from different projects in order to work for improve their respective software and plan the promotional actions of the community in the subcontinent.

In the technical side, I worked with Cantor, Sprat, the KDE Brasil and LaKademy websites.

For Cantor, I researched some new ways to implement backends, specifically the use of websockets. It is my old idea for a recommended approach to be used in order to support all backends in all platforms. But, like in previous attempts, I am in doubts if it is a interesting way and if the objectives could be achieved by it. Well, definitively it needs more research.

Sprat is a text editor aimed to write scientific papers. The software implements the Amadeus methodology for writing papers and it is more like a collection of common sentences to be used in specific sections of a paper.  Sprat is my toy project and I expect to release this year and turn it a KDE project in near future.

KDE Brasil website uses an old Drupal infrastructure. I and Fred researched for some plugins in order to import the texts to WordPress and currently we are studying how to do this task.

Last, I ported LaKademy website to Jekyll. It needs some work yet but I expect will be available soon.

In the social side, we discussed some activities for KDE this year like go back to FISL and Latinoware, try to go to new events in Latin-America (DebConf and Cubaconf, we are looking to you), organize the “Café com Qt” event (our distributed event about Qt and KDE), feedback about the management of KDE Brasil group chat in Telegram, our new promo materials to be produced and distributed in events here, and more.

In addition, I helped some newcomers in tasks like code review process in KDE and answer some doubts about Qt.

LaKademy is a great opportunity to meet other KDE developers and work to increase our community. Last years KDE took a prominent role in free software community in Brazil, and we are planning to expand it for different countries. We expect to organize next LaKademy in some country outside Brazil and work hard to expand the community in the subcontinent.

LaKademy 2018 Group Photo

See you in LaKademy 2019!