Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Movimento defende a democratização da banda larga*

10 de Março de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2083 vezes


Provedores independentes e movimentos sociais gaúchos criaram o movimento em defesa da democratização da banda larga. Os pequenos provedores reivindicam que o Plano Nacional de Banda Larga - PNBL, em elaboração pelo governo federal, contemple os provedores independentes. Participaram da reunião pequenos provedores, representantes da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária - ABRAÇO Nacional, da Central de Movimentos Populares, do movimento do software livre e do Movimento Música para Baixar - MPB.

O empresário Felipe Gorniski denunciou os preços exorbitantes cobrados pelas empresas de telecomunicações para fornecer as linhas tronco (backbone). As teles chegam a cobrar 700 mil reais por mês por uma linha de um gigabyte. Ele, também, criticou o valor exorbitante cobrado pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem - DAER - para permitir a colocação de rede de fibra ótica na faixa de domínio das estradas estaduais: 4.800,00 reais por quilômetro de rede de fibra, inviabilizando a instalação de redes próprias pelos provedores independentes. A alternativa encontrada é a utilização de links de micro ondas entre Porto Alegre e as cidades do interior.

Os provedores independentes prestam serviços de inclusão digital, fornecendo banda larga, gratuitamente, para órgãos públicos e movimentos sociais. Enquanto as teles, que receberam recursos do governo federal para levar a banda larga para as escolas públicas, não atendem toda a rede escolar e muitas instituições de ensino pagam por um serviço que deveria ser gratuito.

O movimento defende que o Programa Nacional de Banda Larga assegure recursos para os pequenos provedores. Em contrapartida eles se comprometem a oferecer banda larga gratuita para associações, órgãos públicos e movimentos sociais, o que já ocorre hoje. O movimento vai  solicitar uma audiência pública na Assembléia Legislativa para debater o PNBL e buscar a adesão de novas entidades e movimentos sociais. A próxima reunião será no dia 10 de março (quarta-feira), às 18h30min na Assembléia Legislativa.


Tags deste artigo: pnbl movimento provedores independentes pequenos

Eventos de Software Livre no Brasil