Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a Notícias
Tela cheia Sugerir um artigo

Comissão Especial de Inclusão digial conclui que Legalizar lan house é fundamental

17 de Março de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 2165 vezes

Os expositores da segunda audiência pública da Comissão Especial dos Centros de Inclusão Digital (CIDs), realizada hoje (16) às 14h, foram unânimes ao defender alterações na legislação atual em direção à legalização das lan houses.

Contando com as presenças de Ronaldo Lemos, professor da FGV-RJ; Mario Brandão, presidente da Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital (ABCID); e Paulo Watanabe, vice-presidente da ABCID, a Comissão, que tem o deputado Paulo Teixeira como presidente, tratou dos principais problemas enfrentados pelas lan houses na atualidade.

Watanabe lembrou que a atual legislação que trata das lan houses é derivada da lei das antigas casas de jogos, e é aplicada, portanto, a partir de um preconceito. Ele também ressaltou a elevada burocracia enfrentada ao se tentar legalizar esses estabelecimentos, argumentando que “é preciso criar linhas de incentivo para atrair donos das lan houses, que já estão habituados à ilegalidade”.

Em alguns casos, o processo de obtenção do alvará junto ao Juizado de Menores, por exemplo, pode levar 24 meses. Como o documento tem validade de apenas 6 meses, as lan houses totalmente legalizadas (que representam 1% do total) não conseguem permanecer nessa situação por muito tempo.

Mario Brandão, por sua vez, destacou o papel fundamental assumido pelas lan houses (ou “agentes facilitadores de acesso”) na vida dos brasileiros mais humildes: “[Elas] proporcionam acesso à informação e conhecimento à base da pirâmide. A internet só acontece para uma base das pessoas graças às lans”. Brandão também acredita que as lan houses merecem um tratamento menos coercitivo por parte da legislação. “Precisamos trazê-las para uma atuação mais positiva, fazendo com que se sintam dispostas a ser pontos disseminadores de cultura”, pontuou.

Já o professor Ronaldo Lemos defendeu a desvinculação de incentivos concedidos às lan houses a quaisquer requisitos prévios. Para ele, “quanto mais aberto for o incentivo, maior é o sucesso”. Acrescentou, ainda, que a regulamentação das lan houses deve ter como base seus equipamentos, e não o conteúdo por elas oferecido: “Determinante para identificar lan houses não é se elas oferecem jogos, serviços públicos etc., mas sim se disponibilizam equipamentos multipropósitos, como computadores, ou equipamentos destinados exclusivamente a jogos”.

A próxima audiência pública será realizada no dia 30/3, às 14h.

Para mandar sugestões à Comissão, envie um e-mail para lanhouse@camara.gov.br.


Tags deste artigo: lan houses audiência pública inclusão digital comissão legalização

1Um comentário

  • Af69a1a3eae19c7ad96038622b621549?only path=false&size=50&d=404RICARDO MARIANO DE OLIVEIRA DIAS (usuário não autenticado)
    25 de Maio de 2010, 19:17

    LEGALIZAÇÃO DAS LAN HOUSE

    ESTIVE NA AUDIÊNCIA PÚBLICA DO RIO NA FGV E ESTOU MUITO
    ANIMADO COM O QUE ME FOI APRESENTADO .
    SOU DE NOVA IGUAÇU ( JARDIM IGUAÇU )EO ACESSO AQUI E PREFERENCIALMENTE DE TRABALHOS ESCOLARES E JOGOS ON LINE.
    ESTOU AGUARDANDO NOTICIAS E ANCIOSO PELOS RESULTADOS, DAS REVINDICAÇÕES .
    ATENCIOSAMENTE
    RICARDO MARIANO


Eventos de Software Livre no Brasil