Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

pm@paulomarcos.com | msg: 74.9110 4596
Jornalismo no Rádio, TV e Internet

http://www.dotpod.com.ar/wp-content/uploads/2008/06/sonico-logo.jpg

 

 

http://static.wix.com/media/1ff96be45122890f6b04ceeaa7dbd2d3.wix_mp

PM no Twitter

Invalid feed format.

Este perfil não tem posição geográfica registrada.

Paulo Marcos

Paulo Marcos
Pintadas - Bahia - Brasil
 Voltar a Paulo Marcos...
Tela cheia

Agência Informativa Pulsar ))) Brasil - Panorama da manhã - 12 de novembro de 2009

12 de Novembro de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 738 vezes
ESPÍRITO SANTO – QUILOMBOLAS
Violência policial contra quilombolas no Espírito Santo


Uma comunidade quilombola sofreu ontem (11/11) um caso de arbítrio e violência policial no norte do Espírito Santo.

Cerca de 40 quilombolas da comunidade de São Domingos foram detidos para prestar depoimentos sem apresentação de mandado. E mesmo assim foram algemados e levados à força para a delegacia de São Mateus, também no norte capixaba.

A comunidade, que vive cercada por eucaliptos plantados em larga escala pela empresa Aracruz Celulose, foi surpreendida de manhã com a presença de policiais civis e militares que traziam armas, cães e cavalos.

Testemunhas disseram à organização não governamental Fase que os policiais entraram nas casas detendo os quilombolas e apreendendo objetos.

Os quilombolas são acusados de roubar resíduos da madeira dos eucaliptos para fazer carvão e assim ter um meio de sobrevivência.

A prática de recolher restos de madeira não utilizados pela Aracruz é antiga. E muitas vezes é a única fonte de sustento para as comunidades tradicionais. Isso porque não têm mais a mesma condição de plantio, afinal solo foi degradado pelos eucaliptais.

A Fase e outras organizações que atuam sobre este conflito no Espírito Santo afirmam que a questão é política, e não jurídica.

Sem alternativas de sobrevivência e recolhendo madeira inútil para a empresa, os quilombolas de São Domingos não deveram ser vistos como criminosos. Conflitos como esse pressionam ainda mais uma população já bastante vulnerabilizada. (pulsar)

 

AGENDA NACIONAL - ESTUDANTE DA UNIBAN
Agressão verbal contra universitária é violência
Para entidades ligadas a defesa dos direitos da mulher, o episódio da estudante agredida verbalmente por alunos de uma Universidade em São Paulo levanta questões sobre o machismo e sexismo na nossa sociedade.
A estudante foi agredida verbalmente por dezenas de estudantes da Uniban, em São Paulo, quando chegou usando um vestido curto. Ela teve que sair escoltada por policiais. Após o episódio, a estudante chegou a ser expulsa da Universidade. Perante a indignação por parte de entidades e a polêmica gerada na mídia, a Uniban voltou atrás.

Ana Paula Sciamarella, coordenadora da superintendência de direitos da mulher, considera que a estudante foi vítima de uma forma de violência coletiva. Ela explica que a expulsão da aluna representa um caso típico de repressão em que a vítima se torna culpada.

A especialista analisa que esta “É a tendência de uma sociedade que ainda sobre influência patriarcal, sexista, que acha que o lugar da mulher ainda é na esfera privada, sem autonomia.”

Ana Paula também acredita que uma universidade deve se propor como um espaço para reflexão crítica. Neste sentido, a Uniban perdeu a oportunidade de refletir sobre o comportamento dos alunos em relação a igualdade entre homens e mulheres. (pulsar)

 

HONDURAS - GOLPE
Honduras: novo alerta sobre prisões, mortes e possíveis fraudes eleitorais
Na primeira manifestação pública sobre o tema o Comitê de Direitos Humanos de Honduras desaconselhou a realização de eleições. Relatório mostra aconteceram 129 mortes sem esclarecimento depois do golpe. Calcula-se mais de 3 mil prisões arbitrárias.
Entre as mortes, a maioria, 109, aconteceu durante os toques de recolher. O documento ainda registra pelo menos dez agressões contra a imprensa no país.

Andres Pavon, presidente do Comitê, disse ontem (11/11) à imprensa internacional que “não existem condições para que as eleições sejam realizadas, enquanto os direitos humanos dos hondurenhos não estão sendo respeitados."

Segundo informe da Agência Brasil, o Comitê vai propor o boicote às eleições e lutar pela instalação de uma Assembleia Constituinte. Afinal, o órgão acredita na possibilidade de fraudes e ocorrência de atos violentos se as eleições forem realizadas, sem a recondução do presidente deposto Manuel Zelaya à Presidência. (pulsar)

Agência Informativa Pulsar Brasil - fim do envio


www.brasil.agenciapulsar.org
brasil@agenciapulsar.org


Tags deste artigo: informativo pulsar brasil boletim noticias

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.