Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

 Voltar a Blog
Tela cheia  Todas as versões

Inclusão Digital - Minha Opinião Sobre as Mudanças na Telebrás e PNBL.

2 de Junho de 2011, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 3341 vezes

Por; Jesulino Alves - Articulador comunitário de inclusão digital e militante do software livre.

Faço questão de emitir minha humilde opinião abaixo, pois também sou um cidadão afetado pela carência destes serviços.

Faz um bom tempo, que descobrimos que ter acesso a conexão com internet é estratégico para o Brasil e seu desenvolvimento social.
Mas faz mais tempo ainda que a privatização das teles, motivou a modernização do setor, mas apenas para quem pode pagar e não obriga as empresas a levar internet de qualidade aos bairros periféricos das grandes cidades e dos pequenos municípios do interior do Brasil.  Conexão na zona rural pior ainda.

Então restabelecer uma empresa e achar que ela vai resolver um problema grave de infraestrutura e legislação é bobagem.
A telebrás pode ser um bom meio para ajudar o programa, mas não será um fim.

Acesso a internet tem que ser direito fundamental do cidadão, direito a comunicação, previsto em lei aprovada e regulamentada.
Para poder valer este direito tem que ter ampla mobilização social, pressão total dos movimentos sociais por todo o Brasil.

Entregar a responsabilidade para empresas privadas, pequenas ou grandes fazer esta operação de resgate desta cidadania violada, sem uma fiscalização com multas e punições rigorosas, vai nos levar a cair no mesmo problema do passado.   As empresas só investem onde dá retorno e mais uma vez as periferias e pequenos e pobres municipios do Brasil ficariam novamente sem nada nesta história ou com soluções quebra-galhos.

Os milhões do Fust até hoje ninguém consegue gastar e ninguém no brasil sabe uma formula milagrosa de por este dinheiro para operar o projeto.
É como um tesouro enterrado que ninguém usa até que o dono morre e os herdeiros não sabe onde foi enterrado e nunca mais resgata tornando-o perdido, enquanto a alma fica penando por um bem que deixou de fazer a sociedade.

Quando recentemente uma empresa conhecida como telefônica chega a uma escola municipal de Guarulhos e diz que lá não pode instalar internet porque não há viabilidade técnica, e saca um documento de desistência para a diretora assinar, nós chegamos a conclusão da distância que tem entre as ideias do plano e a implantação fisica técnica e real das conexões em cada domicilio de todo o território brasileiro.
Levar internet a todos os cidadãos tem que ser prioridade de todo o governo, inclusive estados e municípios e não um plano isolado e confiado apenas as empresas privadas, embora elas não podem ser dispensáveis e partes do processo.

Espero que no dia 6/06/2011 no evento wireless mundi aqui em São Paulo O senador Valter Pinheiro e o Secretário Cezar Alverez possa nos trazer novas perspectivas e encaminhamentos positivos.

País conectado é País com Banda Larga e rápida para todos.
Acesso a internet tem que ser um direito fundamental e universal.
Garantir a internet livre e aberta é a garantir a democratização plena da comunicação.
Saber o que fazer com estas ferramentas deve estar claro para toda a população, para que haja resultado social de todos os investimentos.
Para isto acontecer é preciso mediação e articulação junto aos excluídos digitais abrindo novas fronteiras do conhecimento, consumido e produzido e compartilhado na comunidade e em redes interconectadas.


Tags deste artigo: pnbl jesulino inclusão digital redes telecentros internet exclusão social

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.