Aller au contenu
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Mon réseau

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Retour à FREE SOFTWAR...
Plein écran

Paraná: Copel entra na banda larga residencial

février 14, 2013 0:00 , par Vitorio Furusho - | No one following this article yet.
Viewed 1330 times

A Copel Telecom, braço de telecomunicação da estatal paranaense de energia elétrica, está entrando no mercado de internet residencial. A empresa sempre operou no atacado, vendendo a capacidade de sua rede para outros provedores ou diretamente para médias e grandes empresas. O plano agora é ser uma opção de banda larga para todos os paranaenses. A empresa considera inclusive pacotes “triple play” no futuro, com oferta de internet, telefone e TV a cabo.

http://www.gazetadopovo.com.br/midia/info_internet_140213.jpg

O serviço de internet residencial, chamado Bel Fiber, já é oferecido em Curitiba e Irati, na região Centro-Sul, com pacotes de banda larga de 20 Mbps (megabits por segundo) a 100 Mbps. Os preços variam de R$ 109 a R$ 349. Em Ponta Grossa e Foz do Iguaçu, o serviço começa ainda neste ano. Até o fim de 2014, o plano é chegar a 25 municípios.

A estatal finalizou recentemente a implementação de uma rede de fibra óptica interligando todos os 399 municípios do Paraná. Em dezembro passado, o município de Ventania, nos Campos Gerais, foi o último a se integrar à rede. O estado é o primeiro do país a ter uma infraestrutura digital interligada.

Com a capilaridade da rede e a qualidade da fibra óptica, a empresa se coloca numa boa posição para crescer nesse mercado. A expansão só não será mais rápida porque a Copel precisa fazer o cabeamento óptico dentro das cidades. A estatal trabalha com a tecnologia Fiber To The Home (FTTH), em que a fibra óptica chega diretamente ao computador do cliente. Outras empresas de tele oferecem a solução FTTH apenas quando o consumidor contrata um plano de 100 Mbps ou maior.

Além de menos suscetível a problemas de clima, a fibra permite a expansão de planos e pacotes com maior velocidade sem a necessidade de grandes investimentos. A rede também tem capacidade para trafegar uma grande quantidade de conteúdo. As teles, por exemplo, criaram soluções híbridas de tevê para aproveitar a fibra. A GVT adotou o modelo IPTV, em que o sinal da tevê chega via satélite, mas a parte de interatividade e filmes sob demanda vem pelo cabo de internet.

De acordo com o superintendente de telecomunicações da Copel, Antonio Carlos Pereira de Melo, a empresa não descarta entrar no mercado de tevê a cabo no futuro, sozinha ou em parceria. Atualmente, a estatal tem uma parceria com a Sercomtel, empresa da qual é acionista, para oferecer serviço de telefone aos clientes. Nos planos combinados, o preço da internet sai R$ 20 mais barato para quem também contrata o serviço de telefonia.

Infraestrutura

Na capital, falta de tubulação adequada é o principal problema

Em Curitiba, a Copel vem enfrentando um problema comum para as teles que chegaram mais tarde ao mercado: a dificuldade de encontrar prédios com tubulação adequada para o recebimento da fibra. Muitos prédios têm tubulação com capacidade para receber apenas um serviço de tevê ou banda larga – os tubos são muito finos para ter uma segunda ou terceira opção. Com isso, os moradores têm de entrar em acordo sobre a empresa que vão contratar para o serviço.

O problema é quase nulo no interior, onde o número de prédios é bem menor. Em Irati, a primeira pequena cidade em que a Copel começou a oferecer a banda larga, o interesse dos clientes residenciais surpreendeu a estatal. “Não fizemos nenhum plano de marketing. A única coisa foi uma entrevista para uma rádio local. A procura foi grande”, afirma Antonio Carlos Pereira de Melo, superintendente de telecomunicações da empresa. Segundo ele, a adesão de clientes residenciais supera a de pequenas e médias empresas. A operação começou em dezembro e a Copel ainda não informa dados sobre o número de usuários.

Crescimento deve baratear serviço, diz executivo

A Copel está entrando na briga com Oi, GVT e Net – atualmente as três operadoras de banda larga a cabo no estado. A Oi está presente em quase todo o Paraná, em 397 municípios (a empresa herdou a infraestrutura da antiga Telepar), mas não tem rede de fibra óptica. A GVT está em 32 cidades e a Net, líder de banda larga no país, em apenas oito municípios, segundo informação de seu site.

“Conseguiremos chegar a cidades que não têm internet a cabo, isso é parte importante do plano”, afirma o superintendente de telecomunicações da Copel, Antonio Carlos Pereira de Melo. “Hoje o preço nosso em Curitiba é mais barato que a internet ADSL, de menor qualidade, no interior do estado. Com a massificação do produto, esperamos que os preços caiam ainda mais”, afirma.

* fonte: Gazeta do Povo


Les tags de cet article : paraná banda larga cidade digital fibra ótica internet copel