Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Linus ri sobre o apocalipse da Inteligência Artificial

28 de Julho de 2015, 12:00 , por BR-Linux.org - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 645 vezes

Enviado por Lino Neto (linoΘvirtx·com·br):

“Ao longo dos últimos meses, muitos dos cientistas e engenheiros mais famosos do mundo – incluindo Stephen Hawking – afirmaram que uma das maiores ameaças a humanidade é uma super inteligência artificial. Mas Linus Torvalds, o criador do sistema operacional open-source Linux, diz que seus receios são idiotas.

Ele também levantou alguns bons pontos, explicando que o que estamos acostumados a ver não é uma superinteligência destrutiva como a Skynet, mas sim uma série de iniciativas de inteligência artificial com um propósito específico, que fazem coisas como traduções ou agendamentos. Em uma entrevista com membros da comunidade Slashdot, Torvalds explicou o que ele acha que vai ser o resultado da pesquisa em redes neurais e IA:

Nós teremos inteligência artificial, e quase certamente será por meio de algo muito parecido com redes neurais recorrentes. E a questão é, uma vez que esse tipo de IA precisa de treinamento, não vai ser “confiável”, no sentido de computador tradicional. Não são os velhos tempos da programação baseada em regras do prolog, quando as pessoas pensavam que podiam entender que as decisões reais estavam em um IA. E isso tudo faz com que seja muito interessante, é claro, mas também faz com que seja difícil colocar em escala de produção. O que limita bastante onde você vai realmente encontrar essas redes neurais, e quais os tipos de tamanhos de rede, entradas e saídas que elas terão. Então eu esperaria apenas mais de uma preferência (mesmo que amadora) por uma IA específica, do que qualquer inteligência parecida com a humana. Reconhecimento de imagens, reconhecimento de padrões, coisas deste tipo. Eu realmente não consigo ver uma situação onde de repente você entra em uma crise existencial por que sua máquina de lavar iniciou uma discussão sobre Sartre com você.

E quanto a ideia de que a Inteligência artificial pode iniciar uma singularidade, onde computadores experimentem uma “explosão de inteligência” e descubram como produzir qualquer objeto que eles possam desejar , em quantidade infinitas? Oh, e que também possam nos ajudar a viver para sempre? Talvez o guru singular do Google, Ray Kurzweil, possa comprar este mito, mas Torvalds é seriamente cético:

Todo tipo singular de evento? Sim, isto é ficção científica, e não é uma das boas em minha opinião. Crescimento exponencial sem fim? Que tipo de drogas estas pessoas estão usando?

Mesmo depois de todos esses anos Torvalds ainda pode trollar com os melhores.” [referência: virtx.com.br]

O artigo "Linus ri sobre o apocalipse da Inteligência Artificial" foi originalmente publicado no site BR-Linux.org, de Augusto Campos.


Fonte: http://br-linux.org/2015/01/linus-ri-sobre-o-apocalipse-da-inteligencia-artificial.html

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.