Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

getaddrinfo: Name or service not known

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

getaddrinfo: Name or service not known

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Android e pirataria: John Romero, designer do Doom e Quake, comenta futuro das plataformas de jogos

30 de Julho de 2012, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1082 vezes

A propósito do Ouya, aquele console de US$ 99 rodando Android e com publicação gratuita de jogos, que mencionamos por aqui recentemente, John Romero (co-fundador da id Software, e designer de jogos como Wolfenstein 3D, Doom e Quake) expôs seu ponto de vista não apenas sobre esta proposta (à qual ele está disposto a conceder o benefício da dúvida, mas acredita que não está resolvendo uma demanda nem dos jogadores e nem dos desenvolvedores), mas também sobre o futuro das plataformas de jogos.

Lembrando de outra fase do mercado em que era possível para um desenvolvedor programar sozinho e oferecer o produto ao mercado (nos seus tempos de Apple ][, onde criou o precursor da série de jogos Ultima), ele comentou sobre qual a plataforma móvel atual que acredita permitir o mesmo tipo de sucesso comercial ao desenvolvedor de jogos, e explicou por que o desafio com a plataforma Android é maior, destacando a situação existente em relação à pirataria.

Para compreender o contexto da afirmação de Romero, veja também: Android: Pirataria faz desenvolvedor desistir de tentar cobrar pelo jogo Dead Trigger. Aparentemente não é que em outras plataformas competidoras a pirataria seja impossível, mas sim que as condições para sua ocorrência no Android venham levando a proporções bem mais dilatadas, conforme relatos de vários desenvolvedores que trouxeram números a público.

No caso específico do Ouya, além da pirataria há outros 2 desafios: o fato de o diferencial dele em relação a outros aparelhos ser pequeno: “é um telefone maior que se conecta à TV” (e há outros meios de se conectar à TV a partir de aparelhos móveis, ele aponta), e a lucratividade na plataforma proposta exige basicamente a criação de jogos baseados em microtransações.

Vamos acompanhar. (via games.slashdot.org – “John Romero’s Doomy View On Android and Ouya – Slashdot”)




Fonte: http://br.linux.feedsportal.com/c/34277/f/623547/s/21dc190a/l/0Lbr0Elinux0Borg0C20A120Candroid0Ejohn0Eromero0Edesigner0Edo0Edoom0Ee0Equake0Ecomenta0Efuturo0Edas0Eplataformas0Ede0Ejogos0C/story01.htm

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.