Aller au contenu
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Mon réseau

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Retour à FREE SOFTWAR...
Plein écran

A Perestroika do OpenOffice ?

avril 26, 2011 0:00 , par Software Livre Brasil - 0Pas de commentaire | No one following this article yet.
Viewed 1424 times

No final da semana passada a Oracle me surpreendeu ao anunciar a intenção de mover o OpenOffice.org para o modelo de projeto comunitário – ou seja, nas palavras do próprio anúncio, ser administrado por uma organização em uma base não-comercial.

A história do OpenOffice é longa: começou em 1984 com o StarWriter, para micros de 8 bits. A partir de 2000, após uma aquisição pela Sun, o seu código passou a ser aberto, mas o gerenciamento do projeto continuou nas mãos de uma empresa comercialmente interessada no produto resultante.

Revendo os capítulos mais recentes

O modelo adotado pelo OpenOffice em anos recentes já esteve um pouco próximo disso que agora a Oracle diz desejar, mesmo considerando que  nos tempos em que o OpenOffice era da Sun (ou seja, antes que a Oracle adquirisse esta empresa) o produto em si era administrado com mão de ferro e vários atritos com os interesses comunitários.

Ocorre que naquela época havia um grande grupo de desenvolvedores extra-Sun gravitando ao redor do OpenOffice, mantendo e distribuindo código adicional, montando versões modificadas (e enriquecidas de várias funcionalidades rejeitadas no produto oficial, reunidas no repositório Go-OO e similares) para inclusão nas versões empacotadas pelas distribuições oficiais, e mais.

Mas veio a aquisição da Sun pela Oracle, e assim que ela foi completada, a empresa já foi avisando: o produto OpenOffice continuaria a existir, mas cheio de novos focos: versão on-line, integração a produtos de Business Intelligence e gestão de conteúdo, entre outros. A versão comunitária seria mantida, mas logo se percebeu que a comunicação entre a empresa e o conselho de desenvolvedores comunitários estava variando entre difícil e inexistente.

A ruptura em 2010

Conforme a situação foi se tornando mais grave, ficou evidente que o modelo de coexistência praticado na época da Sun não serviria mais, e essa constatação foi seguida da criação da Document Foundation, para gerenciar o LibreOffice, um fork do código open source do OpenOffice.

A Document Foundation nasceu com o apoio de várias organizações conhecidas: Google, Red Hat, Novell, Canonical, GNOME Foundation, Open Source Initiative e mais. A Oracle, cujo interesse comercial no OpenOffice aparentemente não seria abalado pela existência da versão comunitária em outras mãos, desejou sucesso mas avisou que não iria participar do grupo – e alguns dias depois acrescentou a essa cortesia um convite para que os desenvolvedores que estivessem participando do LibreOffice abandonassem posições que estivessem ocupando na direção do OpenOffice original – uma medida de bom senso, mas que não ocorreu sem atritos entre os integrantes “históricos” do OpenOffice que eram empregados da Oracle e os que não eram e migraram para o LibreOffice.

Essa dinâmica ocorreu ao redor do mês de outubro do ano passado, e desde então os 2 projetos foram tendo suas existências em paralelo, cada um lançando suas novas versões independentemente.

Os desenvolvedores que anteriormente gravitavam ao redor da Sun, várias das versões nacionais (incluindo o BROffice) e as mais populares distribuições de Linux aderiram ao LibreOffice, oferecendo a este visibilidade e impulso.

Enquanto isso, a Oracle continuava procurando o que faria com o OpenOffice original.

Reminescências da Guerra Fria

Quem viveu os anos 80 talvez lembre que, antes da chegada da abertura (na forma das políticas denominadas glasnost e perestroika) promovida por Gorbachev na então União Soviética, muitas vezes os comunicados entre os EUA e o chamado “bloco soviético” se dava por notas quase crípticas publicadas pelas agências estatais, cuja interpretação exigia muito feeling e altas doses de subjetividade – e a certeza só surgia depois de ver as interpretações serem confirmadas pelos fatos.

Foi disso que lembrei ao interpretar o texto da  nota publicada no final da semana passada: aparentemente a Oracle finalmente descobriu a saída para este produto herdado da Sun: ele não vai gerar faturamento mesmo, e embora nenhum nome seja mencionado, a (tardia?) conclusão da empresa é que o OpenOffice estará melhor nas mãos de uma organização (como a não-mencionada Document Foundation!) orientada a atender as demandas de quem deseja uma suíte de aplicativos de escritório, em uma base não-comercial.

Embora não cite nomes, o comunicado afirmou que a Oracle iria começar imediatamente a “trabalhar com membros da comunidade para dar continuidade ao sucesso do OpenOffice”.

No momento em que escrevo, não há certeza se isso realmente significa que a Oracle começou a conversar com a Document Foundation, ou com alguma outra instituição de finalidade similar, ou mesmo se está tentando criar sua própria organização, ou apontando mísseis balísticos transcontinentais para a sede da organização.

Para tornar tudo ainda mais vago, a diretoria da Document Foundation também publicou seu próprio comunicado, igualmente vago, sem citar o nome da Oracle e dizendo estar sempre interessada em agregar novos parceiros.

Nos próximos dias devemos descobrir as peças que faltam deste quebra-cabeças. Enquanto isso não acontecer, vou torcendo para que o resultado seja positivo para os desenvolvedores (inclusive os que atuam no OpenOffice e hoje são funcionários da Oracle), para o software e para os formatos de arquivos ODF, dos quais o OpenOffice e o LibreOffice são provavelmente as implementações mais reconhecidas!

* fonte: TechTudo



Les tags de cet article : draw libreoffice sun calc tdf furusho odf broffice impress office openoffice oracle writer

0Pas de commentaire

Poster un commentaire

Les champs sont obligatoires.

Si vous vous êtes déjà enregistré(e) comme utilisateur, vous pouvez vous connecter pour être reconnu(e) automatiquement.