Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias da Comunidade Firefox Brasil

17 de Julho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Carta Abierta a Dilma Rouseff por la Cultura Libre

22 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

En respuesta a una convocatoria internacional surgida desde el Foro Social Mundial en Dakar, SOLAR Software Libre Argentina adhiere - junto a numerosas organizaciones internacionales, activistas, intelectuales y referentes de la cultura libre - a esta carta abierta a la presidenta de Brasil Dilma Rouseff. Transcribimos la carta e invitamos a sumar adhesiones en http://www.petitiononline.com/CSGFe...

http://www.solar.org.ar/IMG/rubon0.png

Carta abierta a Dilma Rouseff

Tenemos la esperanza de que el Ministerio de Cultura de Brasil (MinC) continuará su liderazgo en políticas públicas culturales inclusivas para el siglo 21. Brasil ha sido un pionero en este sentido, permítanos mencionar sólo algunos elementos que contribuyeron a que el mundo pusiera atención a las políticas culturales de su país.

  • el diálogo abierto entre el gobierno y la sociedad, que conforma una visión de la democracia que compartimos;

  • los puntos de cultura, el Foro de Cultura Digital, el Foro por los Medios Libres y otros proyectos que demostraron nuevas e innovadoras redes culturales adaptadas al siglo 21;

  • el apoyo y desarrollo de software libre y su adopción en instituciones públicas, que en definitiva ha estimulado un nuevo abordaje para la gestión de los recursos compartidos. La adopción de software libre en Brasil trasciende la esfera cultural y tiene una enorme relevancia, ya que es una de las pocas iniciativas a nivel mundial en promover los bienes comunes digitales como una estrategia de gobierno;

  • la adopción de modelos de licencias abiertas - como las licencias Creative Commons - por parte de las instituciones gubernamentales y las organizaciones culturales financiadas públicamente;

  • el liderazgo de Brasil para sumar otros países y ayudar en la implementación de la Agenda para el Desarrollo de la OMPI (Organización Mundial de la Propiedad Intelectual). Esta iniciativa contribuye a balancear el sistema de propiedad intelectual de acuerdo con los diferentes niveles de desarrollo y con las nuevas formas de producción cultural, asegurando acceso al conocimiento;

  • la promoción impulsada por Brasil sobre un debate más amplio en relación a las excepciones y limitaciones para las personas con discapacidades visuales en la OMPI, junto con otros países y con organizaciones de la Sociedad Civil internacional;

La apertura de Brasil hacia nuevos paradigmas de producción y diseminación de conocimiento. Su liderazgo ha sido crucial porque los paradigmas digitales abiertos serán de enorme influencia en la construcción de la cultura y los negocios del siglo 21;

La construcción del Marco Civil de Internet y el rechazo del ACTA (Anticounterfeiting Trade Agreement por sus sigla en Inglés).

Pero el tema contemporáneo más urgente en el que Brasil es pionero, es, sin embargo, la reforma de la ley de derechos de autor, que tiene como objetivo ayudar a creadores y artistas a expresar y distribuir su creatividad en un entorno legal menos restringido, para asegurar que la sociedad goce de un equilibrio de derechos en el acceso a conocimiento.

De acuerdo con la Lista de Vigilancia de Consumers International, la actual ley de derechos de autor de Brasil es una de las normas más estrictas en el mundo cuando se evalúa desde las perspectivas del acceso al conocimiento. La ley carece de muchas de las excepciones al derecho de autor que otros países tienen previstas en sus normativas y prohibe muchas de las conductas no comerciales más comunes (incluyendo la exhibición de películas para fines académicos, la copia de libros que están agotados y fuera de imprenta, el cambio de formato de contenidos digitales, tal como pasar la música de un CD a un MP3). La ley de derechos de autor de Brasil es más restrictiva, de hecho, que los tratados internacionales. A su vez, la ECAD, la gestora colectiva de Brasil, carece de transparencia y de una efectiva auditoría pública, a diferencia de lo que ocurre en muchos otros países en el mundo. Estamos convencidos de que los cambios propuestos en la ley de derechos de autores beneficiarán tanto a autores como ciudadanos.

Las deliberaciones públicas impulsadas por Brasil - debate público a lo largo de todo el país, complementado con una consulta pública oficial sostenida por el gobierno desde Internet - puede servir como un ejemplo de democracia. Pero esto sólo será sierto si los resultados de la consulta son realmente tenidos en consideración, como se prometió al principio del proceso. Esto es lo que la ciudadanía legítimamente espera de los gobiernos democráticos.

Estamos de acuerdo con nuestros colegas de Brasil, en que los resultados de un proceso abierto y democrático no pueden ser dejados de lado por la opinión de juristas o de alguna «comisión de notables».

Como numerosos académicos, juristas, organizaciones no lucrativas y de la sociedad civil, artistas y otros dijeron en su carta abierta a la Presidenta Rousseff y a la Ministra de Cultura Ana Buarque de Holanda el 28 de diciembre de 2010:

«Se ha progresado mucho en los años recientes. Y falta mucho por hacer. Un cambio en la dirección del Ministerio de Cultura significa perder todo ese trabajo logrado, así como perder una oportunidad histórica de Brasil, para liderar, tal como ha estado haciendo, esta discusión a nivel global, mostrando soluciones y alternativas innovadoras y racionales, sin tener miedo de tomar nuevos caminos, sin quedar atrapada en modelos promovidos por las industrias culturales de los Estados Unidos o Europa. »

Es importante destacar que existe una narrativa subyacente para todos estos nuevos caminos que Brasil tomó como políticas públicas de cultura: están inspirados en el reconocimiento pionero y abierto de que la cultura se hace en todas parte y por todas las personas, y que la cultura y la educación son derechos constitucionales y básicos. El tesoro más importante de Brasil es su enorme diversidad cultural. Un contingente de millones de nuevos creadores es parte de la fábrica cultural de Brasil. Esto es lo que nosotros llamamos emancipación.

Durante años, en incontables ensayos, análisis y artículos de blogs, hemos señalado a Brasil como un líder internacional, como un ejemplo de país comprometido en apoyar el acceso a conocimiento y en expandir su cultura democrática. La adopción por parte del Ministerio de Cultura de las licencias Creative Commons en 2003 fue realmente una de las más sólidas y admiradas muestras de tal liderazgo.

Nosotros, como parte de la comunidad internacional, estamos preocupados por los recientes y significativos cambios en la política cultural de Brasil, que se nota en una variedad de decisiones, entre las cuales figura la remoción de la licencia Creative Commons del sitio web del MinC. Aún así, mantenemos la esperanza de que el proceso para asegurar acceso al conocimiento por ley estará garantizado y que el diálogo para mantener una internet abierta, una cultura digital abierta y colaborativa, la expansión de los recursos educativos abiertos y la reforma de la ley de derechos de autor continuarán durante su administración.

Enviamos esta carta abierta para solicitar a la Presidente Rousseff que asegure que las políticas progresistas en materia cultural en Brasil tendrán continuidad y se expandirán, de modo tal que la sociedad civil brasileña sea escuchada y que Brasil siga siendo un ejemplo para el resto del mundo!

Mantenemos la profunda esperanza de que podremos seguir hablando de la política cultural de Brasil como la más progresista del mundo!

* fonte: Software Libre Argentina



BrOffice: Depoimento de um Japa – um caso de amor com a comunidade

22 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

http://t0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcSlXT1QxvTh6HGlYwYk8waSJ7sJiPIwiDOrICFfDIbuS2b_9jhLxw

Trabalho com Software Livre desde 1999, comecei com RedHat ainda quando morava no Japão, passei por Turbo Linux, Conectiva, Kurumin, Ubuntu e atualmente uso Debian. Em 2004, durante uma edição do SUCESU-MT, conheci Claudio Ferreira Filho, então residente na cidade de Rondonópolis.

Naquela época eu já utilizava um pacote de escritório chamado OpenOffice, creio que a versão era 1.3, provavelmente. O que eu descobri naquele dia, foi que eu estava diante da pessoa que compilou o OpenOffice em pt-br e criou a comunidade brasileira do pacote, que mais tarde daria origem à ONG BrOffice.org.

A criação da ONG, idealizada por Claudio, tinha como objetivo fomentar, incentivar e apoiar as ações da comunidade e seus projetos. Um desses projetos, também idealizado pelo Claudio, é a Revista BrOffice.org.

Há alguns meses comecei a colaborar com a revista e tudo ia muitíssimo bem, com os demais membros trocando informações de forma transparente, utilizando Wiki, listas e sempre primando pelo compartilhamento de informações e pela tomada de decisões em equipe.

Entretanto, de algumas semanas pra cá, algumas decisões começaram a ser tomadas de forma absolutamente arbitrária por umas 3 pessoas. Trabalhos que eram discutidos na lista passaram a ser “delegados” em PVT. Pior, o resultado desses trabalhos eram solicitados também em PVT, e começamos a ser “orientados” para não entregar diretamente na lista, em aberto, como sempre fazíamos.

Tal atitude começou a me incomodar, mas confesso que achei que fazia parte de alguma estratégia de aceleração dos trabalhos, por conta do lançamento do novo portal pt-br.libreoffice.org. O que eu não sabia era que outros colegas estavam tendo a mesma sensação estranha de “usurpação”.

Bem, o resto vocês já devem ter lido em outros posts do Blog. O que defendo aqui e em qualquer outro lugar, é a soberania da comunidade. O compartilhamento irrestrito do conhecimento livre. A auto-gestão descentralizada e comunitária. E a absoluta desobediência à qualquer tentativa de manipulação, usurpação e distorção dos princípios que regem a ONG BrOffice.org.

A partir do momento que esta se torna um instrumento de promoção de prestação de serviços, deixando de ser apoiadora da comunidade (inclusive votando contra a realização do Encontro Nacional BrOffice), ela perde o sentido de existir.

por Rui Ogawa

* fonte: Blog da Comunidade BrOffice



Em Nova Aurora PR, Internet grátis tem adesão da comunidade

22 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A prefeitura de Nova Aurora através da secretaria de Tecnologia e Sistema da Informação comunica que o Programa Nova Aurora digital já está em operação, do qual os moradores do perímetro urbano estão recebendo o sinal de internet grátis. Para melhor recepção do sinal basta o usuário instalar uma antena receptora.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/7/79/Bandeira-novaaurora.jpg/125px-Bandeira-novaaurora.jpg

Através do sistema de fibra óptica da Copel, a internet banda larga tem uma velocidade bem acima do que o da internet convencional. Em Nova Aurora a antena receptora pode ser encontrada em qualquer loja de informática, ou do ramo de eletrônica.

Não jogue dinheiro fora, instale uma antena e receba gratuitamente internet banda larga de graça em sua casa ou empresa. Para receber o sinal de acesso basta digitar usuário nova.aurora, e senha digital.

O sinal ainda não atinge 100% da cidade, mas em breve outras antenas serão instaladas para que a população urbana em sua totalidade possa receber o sinal de internet sem custo de mensalidade.

As antenas estão instaladas, na torre próxima a caixa d’água da Sanepar, no super poste da Praça dos Pioneiros, no super poste da  Avenida São Luiz próximo a Sorveteria Zero Grau, e no super poste no trevo próximo ao Centro Poliesportivo.

Receptividade – A qualidade do sinal de internet disponibilizada pelo município é aprovada pelo empresário e técnico em informática Adenilson Ramos, que há vários anos atua no ramo.

Segundo ele, um número considerável de pessoas o tem procurado para instalar a antena receptora, e ao executar o serviço ele observa que a internet proporcionada pelo município tem um excelente sinal, e é capaz de atender tanto a uma residência com um computador, como uma empresa de grande porte.

O técnico aconselha as pessoas a aderirem ao sistema, que faz com que qualquer cidadão possa ter em sua casa ou empresa o a internet, ainda mais quando essa é gratuita. Segundo ele, essa é uma forma que a administração municipal encontrou de incluir os munícipes ao mundo digital, ou seja, à inclusão digital.

por Reginaldo P. Rodrigues (tecnologia()novaaurora.pr.gov.br)

* Leia mais sobre o projeto aqui ....

* Saiba sobre a cidade aqui ...

* fonte: Prefeitura Municipal de Nova Aurora - PR



FLISOL 2011 - Distrito Federal - 09 abril

22 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

O Flisol, Festival Latino Americano de Instalação de Software Livre, do Distrito Federal, está com a chamada de trabalhos aberta até o dia 18 de março.

http://flisoldf.blog.br/2011/wp-content/uploads/2011/02/banner.jpg


Em breve estarão liberadas as inscrições para os participantes.

Este ano o FlisolDF acontecera na UNEB no dia 09 de Abril.

Venha conhecer um evento internacional sobre Software Livre totalmente gratuito.

Inscreva-se para dar uma palestra ou oficinas pelo site - www.flisoldf.blog.br

Enviado por Eustáquio Mendes Guimarães (eustaquio.guimaraes()gmail



A Comunidade BrOffice precisa de você!

21 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A Comunidade BrOffice desenvolve uma série de projetos, tanto para a comunidade brasileira, quanto para a comunidade internacional. Além desses projetos, existem uma série de atividades que a comunidade precisa desenvolver, mas não conta com braços suficientes para isso.

Por isso, estamos contando com a sua ajuda!

Se você gostaria de contribuir, de alguma forma, com a comunidade que desenvolve a versão brasileira do LibreOffice. Dedicando uma parte do seu tempo livre fazendo alguma atividade onde precisamos de apoio, entre em contato conosco inscrevendo-se na lista de discussão do Gubro-br e enviando um e-mail para essa lista expressando seu desejo.

http://librecommunity.files.wordpress.com/2011/02/logo_transparente1.png?w=420&h=107

Temos os seguintes projetos em desenvolvimento:

  • Equipe da Revista BrOffice – Uma revista feita colaborativamente por membros da comunidade, para a comunidade de usuários do BrOffice. Aqui contribuem tradutores, revisores e diagramadores.

  • Equipe de Tradução – Trabalha na tradução de artigos e textos para a revista, para o portal BrOffice, para as páginas em PT-BR do portal do Libreoffice e na tradução da documentação do Libreoffice para o PT-BR.

  • Ambas as equipes acima têm o desejo de participar do desenvolvimento da revista do Libreoffice, uma publicação que a comunidade internacional está pensando em lançar, e que nós temos um grande know-how para contribuir.

  • Equipe de Suporte – A comunidade possui os Gubros – Grupos de usuários do BrOffice – e precisa de pessoas dispostas a contribuir com suporte gratuito para a comunidade. Essa equipe precisa ser organizada e precisamos de talentos, capazes de compreender como funciona o desenvolvimento colaborativo e comunitário, para ajudar a desenvolver nosso suporte à comunidade.

  • Equipe de Administração – Temos diversos sites, wikis e blogs que precisam ser administrados, e precisamos de pessoal que se interesse em fazer isso.

  • Equipe de Marketing – Precisamos formar uma equipe que assuma as atividades de divulgação e contato com as demais comunidade e com o mercado, de forma a propagar a imagem da comunidade e da marca.

  • Equipe de QA – Precisamos de pessoas que se interessem em testar pacotes em desenvolvimento e reportar bugs à comunidade de desenvolvedores.

  • Equipe de Eventos – Precisamos de pessoas que participem da organização de eventos da comunidade, tanto regionalmente, como a nível nacional e internacional.

Todos nós somos voluntários e oferecemos parte do nosso tempo, habilidades e dedicação à comunidade. Muitos de nós não possui um treinamento nas ferramentas. Por exemplo: somos médicos, administradores, técnicos, engenheiros, jornalistas, funcionários públicos, funcionários de empresas privadas, que contribuem da maneira que podem nas diversas atividades. portanto, não importa se você é, por exemplo, médico. Se souber como usar o BrOffice, está apto a contribuir em qualquer uma das atividades. Basta identificar-se com ela.

Quais as vantagens de participar de um projeto comunitário?

  • Você tem a possibilidade de aprender coisas novas, gratuitamente, até mesmo fora da sua área de atuação.

  • Você tem a possibilidade de conhecer e se relacionar com pessoas do Brasil inteiro e do Mundo, formando redes de contatos de alcance mundial.

  • Você aprende a desenvolver habilidades de trabalho em equipe, desenvolvimento sem a figura de um “chefe”, mas sim, com decisões tomadas em consenso por todos os envolvidos. Você terá contato com o modelo “bazar” de desenvolvimento de projetos.

  • Não há disputa de cargos e posições. As posições são definidas naturalmente, por mérito, só depende de você assumir posições de maior responsabilidade. Sua responsabilidade é para com a comunidade e não para resguardar interesses particulares. Você estará trabalhando para si e para a sua comunidade, no sentido mais amplo do termo.

  • Você pode, utilizar o que aprender e somar às suas habilidades, para desenvolver um projeto pessoal, fora da comunidade. Você aprende, forma contatos, adquire know how e pode aplicar seus conhecimentos montando sua própria empresa, ou aplicando-os na sua atividade profissional.

Portanto, não seja tímido!

Entre em contato conosco, e participe do desenvolvimento das atividades do maior ícone do Software Livre no brasil e um dos maiores do mundo!

* fonte: Comunidade BrOffice



LibreCommunity Carta da Comunidade BrOffice ao Movimento de Software Livre e Iniciativas Open Source

21 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A Comunidade BrOffice publica um abaixo assinado de repúdio às ações arbitrárias do Conselho Administrativo da ONG BrOffice e de apoio a Cláudio F. Filho. A Comunidade convida a todos os amantes do Software Livre e, aos que, de alguma forma estejam envolvidos com iniciativas Open Source, que assinem o documento.

O texto do documento está disponível em http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=BrOffice, e também, transcrito abaixo:

A “fair” English version: http://translate.google.com.br/translate?js=n&prev=_t&hl=pt-BR&ie=UTF-8&layout=2&eotf=1&sl=pt&tl=en&u=http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx%3Fpi%3DBrOffice

http://librecommunity.files.wordpress.com/2011/02/logo_transparente1.png?w=420&h=107

Carta da Comunidade BrOffice ao Movimento de Software Livre e Iniciativas Open Source Como membros da comunidade BrOffice, ligada pelos nós da rede em todos os Estados do Brasil, vimos a público, perante as Comunidades e Instituições existentes no seio do Movimento Software Livre e das iniciativas Open Source, manifestar o nosso posicionamento em relação ao cisma em curso existente entre esta Comunidade e a OSCIP BrOffiice.org a qual, infelizmente, está perceptivelmente desvirtuada das suas finalidades orgânicas de dar sustentabilidade institucional ao Coletivo nacional do projeto. Muitas são as razões que nos levam a essa decisão extrema e, por isso, visando esclarecer os nossos destinatários, citamos as que consideramos mais graves: Afirmamos, portanto, que não existe razão ética e nem legal para a existência de uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público ou OSCIP que desconsidere, sistematicamente, o seu coletivo com têm feito a BrOffice.org, especificamente através do seu Conselho Administrativo.

Conselho esse formado por uma maioria de pessoas que despreza a nossa Comunidade, pois embora exista um grupo resistente aos desmandos e à concentração de poder por parte desse colegiado, tal grupo, por ser alinhado com o Coletivo nacional, tem sido sistematicamente vencido internamente pelas forças do retrocesso hoje instaladas dentro da BrOffice.org.

Com efeito, as decisões mais recentes como a de não apoiar o Encontro Nacional do BrOffice, por exemplo, foram tomadas de forma unilateral pelo grupo dominante que detém, de forma oligárquica, o controle da BrOffice.org, inclusive com a manipulação de informações sendo processadas até mesmo à revelia do presidente da OSCIP e completamente fora do alcance desta Comunidade. Uma Comunidade linda e engajada, formada por pessoas , como nós subscritos, espalhadas por todo território nacional, atuando nos Grupos de usuários do BrOffice em seus Estados e nos projetos mais específicos como o da Revista BrOffice, produzida colaborativamente.

Aliás todos os projetos dos quais a BrOffice.org sempre tirou proveito são o resultado do trabalho dos muitos braços que compõem o Projeto BrOffice em nosso país. É preciso que se afirme: a Comunidade é, sempre, maior do que qualquer entidade que deseje representá-la. Infelizmente não é o que pensa um certo grupo dentro da BrOffice.org. Em razão do afirmado acima, causa-nos estranhamento saber que o presidente da BrOffice.org está sendo perseguido dentro da OSCIP por seu comprometimento com a Comunidade, o Coletivo nacional. Razão porque, segundo ele em seus esclarecimentos para a Comunidade, através das nossas listas – que qualquer pessoa interessada pode ter acesso através de inscrição online, não aceitou os desmandos do dito Conselho e repudiou internamente, nas reuniões da OSCIP, o tipo de governança excludente em vigência.

Por isso, manifestamos o nosso repúdio aos ataques pessoais e ou institucionais que estejam sendo deflagrados contra o Cláudio Filho, presidente da BrOffice.org e, ao mesmo tempo, levantamos moção de apoio a esse engajado lutador pela causa do Software Livre e Iniciativas Open Source no Brasil e no Mundo. Registramos, portanto, nosso reconhecimento de que Cláudio Filho é o representante legal e moral da BrOffice.org perante o Coletivo Nacional sem a presença do qual não há possibilidade de diálogo com a OSCIP BrOffice.org.

Registramos ainda nosso apoio e respeito aos/ás companheiros/as que, dentro da BrOffice.org, estão lutando para tentar resgatar a ONG às suas autênticas finalidades, pois, como diz a Lei 9790/99: Art. 2o Não são passíveis de qualificação como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, ainda que se dediquem de qualquer forma às atividades descritas no art. 3o desta Lei: (…) V- as entidades de benefício mútuo destinadas a proporcionar bens ou serviços a um círculo restrito de associados ou sócios; (…)

Art. 3o A qualificação instituída por esta Lei, observado em qualquer caso, o princípio da universalização dos serviços, no respectivo âmbito de atuação das Organizações, somente será conferida às pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, cujos objetivos sociais tenham pelo menos uma das seguintes finalidades: (…) VII – promoção do voluntariado; XI – promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos humanos, da democracia e de outros valores universais; (http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9790.htm – acesso em 17/02/2011 ) Por entender que as finalidades mais importantes da BrOffice.org foram flagrantemente desrespeitadas atingindo a dignidade da Comunidade BrOffice, repudiamos as ações e decisões unilaterais e antidemocráticas tomadas recentemente.

É preciso que a ONG, ou OSCIP BrOffice.org, pratique o que diz a Lei e, sobretudo, se redefina a partir dos valores democráticos do Movimento Software Livre e das Iniciativas Open Source que nos são tão caras. Nos angustia perceber que a oligarquia, que comanda a maioria no Conselho Administrativo da OSCIP, divorciou-se dessa Comunidade tentando excluir, dos seus quadros, o seu presidente e as pessoas que defendem a Coletivo nacional.

Portanto, sugerimos que, caso esse grupo ainda tenha algum desejo de diálogo com o conosco então, como Comunidade BrOffice brasileira, exigimos:

  1. A manutenção de Cláudio na Presidência da BrOffice.org;

  2. A convocação imediata de uma Assembleia Geral (AG) para prestação de contas, sob a liderança do presidente Cláudio Filho;

  3. A abertura, para a comunidade, das atas e decisões das reuniões e das AG da ONG.

Não obstante ao obscurantismo das atividades internas da BrOffice.org e o ostracismo imputado por esta OSCIP à Comunidade que deveria representar, respeitar e considerar, cumprindo assim suas finalidades legais e éticas, o fato premente é que nós, enquanto coletivo maior nos encontramos num momento decisivo da história do projeto brasileiro.

Por isso, compreendendo que somos sujeitos da história e nunca massa de manobra; considerando, por outro lado, o valor e a força do engajamento de gigantes dentro do projeto, as vezes anônimos/as, mas apaixonados pela Cultura Hacker que formata a base do Movimento de Software Livre e das Iniciativas Open Source no mundo declaramos: Somos a Comunidade BrOffice no Brasil e, por tal representatividade e reconhecimento, trabalharemos e lutaremos, chamando para nós a responsabilidade de continuar o projeto BrOffice/LibreOffice, em território brasileiro, de acordo com os princípios cultura hacker e da dádiva – compartilhamento, colaboração e meritocracia – com ou sem a OSCIP BrOffice.org.

* fonte: Comunidade BrOffice



A The Document Foundation libera o rc2 do Libreoffice 3.3.1 para testes

18 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Prezada Comunidade,

A The Document Fundation tem satisfação de anunciar a segunda edição candidato da LibreOffice 3.3.1. Esse release é o primeiro de uma série de lançamentos do LibreOffice 3.3.

Libroffice

Esteja ciente de que o RC2 do LibreOffice 3.3.1 ainda não está pronto para uso em produção, você deve continuar a usar LibreOffice 3.3 para isso.

O Release Candidate 2 está disponível para Windows, Linux e Mac OS X em nossa página de download: http://www.libreoffice.org/download/pre-releases/

Se você encontrar erros, por favor comunique-o Bugzilla FreeDesktop:
https://bugs.freedesktop.org

Para outras formas de se envolver com esse projeto emocionante - você pode por exemplo:

Principais alterações:

Mais uma vez, muito obrigado a todos vocês que tenham contribuído para o Projeto LibreOffice - esta libertação não teria sido possível
sem sua ajuda.

Atenciosamente,

Comité Diretivo - The Document Foundation

* Leia mais detalhes sobre o LibreOffice 3.3.1 rc2, clique aqui



IV Consegi 2011: inova mais uma vez ao discutir dados abertos

16 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Dados abertos, transparência, democracia, e-gov, software livre, computação em nuvem serão os principais assuntos debatidos na quarta edição do Congresso Internacional Software Livre e Governo Eletrônico (Consegi).

O Consegi 2011 já tem data marcada. O evento acontece de 11 a 13 de maio, nas instalações da Escola de Administração Fazendária (Esaf), em Brasília. Neste ano, o evento será realizado no primeiro semestre, com o objetivo de inserir na agenda do novo governo os temas referentes a tecnologia da informação e comunicação do setor público e inovações na área de governo eletrônico.

http://www.consegi.gov.br/img/logo-Consegi2011.png

Com o tema "Dados abertos para democracia na era digital", o Congresso trará para a esfera pública brasileira a discussão que movimenta comunidades de usuários espalhadas pelo Brasil: a disponibilização de dados governamentais abertos. Países como a Inglaterra, Espanha e França já congregam importantes iniciativas nessas questões e se tornam referência para os demais países.

O que são dados abertos?

Dados abertos implica na publicação e disseminação das informações do setor público na web, compartilhadas em formato bruto e aberto, compreensíveis logicamente, de modo a permitir sua reutilização em aplicações digitais desenvolvidas pela sociedade. Ou seja, mais do que publicar as informações na rede, o governo precisa disponibilizá-las em formatos que viabilizem a manipulação inteligente dos dados. Essa ação permite a sociedade criar interconexões entre informações diferentes, fazer recortes de acordo com o interesse e torná-los públicos.

Um exemplo simples das possibilidades de empoderamento da sociedade, no que tange a controle social do Estado, a partir da publicação de dados abertos é a seguinte situação. Na página oficial do Ministério da Agricultura há documentos publicados sobre a produção agrícola do país. Já no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior existem os índices de exportações de produtos horti-fruti. Mas, se agora você quer saber quanto do tomate produzido no Brasil é exportado, não existe uma maneira ágil de verificar essa informação. Até porque muitas vezes, esses documentos são incompreensíveis para o cidadão comum.

No contexto de dados abertos, um programador com posse dessa documentação pode construir uma aplicação tecnológica que faça as mais diversas relações possíveis entre as informações, além de demonstrar de forma clara quanto de cada produto é produzido e quanto é exportado. E assim pode ser feito em todas as áreas de atuação e controle do Estado. A vantagem é que a publicidade de informações dessa natureza, auxiliariam a sociedade em uma ação permanente e efetiva de controle e no mesmo sentido o governo a criar políticas públicas a partir de cenários estabelecidos pela informação referencial. É importante ressaltar que dados abertos trata de dados públicos e não dados sigilosos.

Consegi 2011

Durante o Congresso, serão debatidas as questões que envolvem o papel da sociedade organizada nesta nova lógica de transparência, a definição de formatos padrão para publicação das informações públicas e o que representa essa novidade para o avanço da democracia brasileira.

A tônica da programação continua sendo o software livre e a evolução do governo eletrônico, assim como a cooperação e compartilhamento de conhecimento entre entes da Administração Pública, comunidades e países vizinhos. As trilhas desse ano estão divididas em oito categorias, confira: http://www.consegi.gov.br/.

Saiba mais sobre o assunto Dados Abertos na matéria da TV Serpro com o coordenador de tecnologia do Serpro, José Maria Leocádio.

* fonte: Comunicação Social do Serpro



HP incorpora webOS e dá adeus à marca Palm

15 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Lançamento do tablet TouchPad, com sistema operacional criado pela empresa adquirida no ano passado, é tentativa de recuperar espaço perdido.

Bem vindo, TouchPad. Adeus, Palm. O lançamento do novo ta­­blet da HP, na quarta-feira, trouxe mais do que apenas o lançamento de uma nova linha de concorrentes para o Apple iPad: ele marca a incorporação da Palm, adquirida no ano passado (e do sistema operacional webOS, criado pela Palm) e o fim da marca, que durante mui­­to tempo foi sinônimo de computadores de mão.

http://www.gazetadopovo.com.br/midia/tn_311_600_touch_pad_-_DIV_HP_1302!.jpg

O tablet é o TouchPad, que terá câmera frontal para videochamadas, tela de 9,7 polegadas e resolução de 1.024x768 – igual à do iPad. Diferen­te­­mente do tablet da Apple, en­­tretanto, o navegador de internet do TouchPad terá su­­por­­te a Flash, complemento multimídia da Adobe usado em sites e em games on-line. Os preços ainda não fo­­ram anunciados.

Segundo a empresa, o Tou­­chPad pesa 725 gramas e tem 13,7 mm de espessura. Equi­­pa­­do com processador de nú­­cleo duplo Snapdra­­gon de 1,2 GHz, o tablet será vendido em versões com 16 ou 32 giga­by­­tes de armazenamento. Um dos destaques do aparelho é o sistema multitarefa do webOS, chamado cards (cartões), que permite ver miniaturas dos programas abertos e alternar rapidamente entre eles.

http://www.gazetadopovo.com.br/midia/tn_280_651_Touch_Pad_1302!.jpg

A HP demonstrou ainda acessórios para o TouchPad, co­­mo um suporte e um teclado físico. “Alguns dos trabalhos da indústria mostram que temos muitos fãs do webOS”, ironizou Jon Rubinstein, da HP, em referência velada ao PlayBook, tablet da RIM (a mesma fabricante dos smartphones Black­Berry), que tem elementos visuais similares aos do sistema da Palm.

Novos celulares

Além do tablet, a HP anunciou dois novos smartphones com webOS. O Pre 3, ter­­ceira ge­­ração do primeiro celular da Palm com webOS, terá tela de 3,6 polegadas com resolução de 800x480, câmera frontal para videochamadas, câ­­me­­ra traseira de 5 megapixels capaz de filmar em alta definição e te­­clado físico deslizante. O apa­­relho só chegará ao mercado dos EUA no verão do país, que começa em junho.

Outro celular anunciado pela empresa no evento foi o Veer. Do tamanho de um cartão de crédito quando fechado (ele também tem teclado deslizante), o aparelho foi apresentado como um contraponto aos smart­phones atuais com telas enormes, de quatro ou mais polegadas.

A HP adquiriu a Palm com vistas principalmente pa­­ra o webOS, e agora deve extinguir a marca. Usado em celulares da Palm, o sistema foi bem avaliado pela imprensa especializada, mas os aparelhos não tiveram boas vendas. Já a HP vi­­nha sendo criticada por analistas e especialistas na in­­dústria de tecnologia pela sua falta de capacidade para explorar o segmento de smart­phones. As iniciativas feitas pela empresa nessa área venderam pouco e eram atrasados em relação a concorrentes como a Ap­­ple e a RIM. A expectativa da in­­dústria é que os smartphones com WebOS permitam à empresa retomar a competitividade. A em­­presa também es­­tava atrasada no mun­­­­do dos ta­­blets. No ano passado, chegou a lançar o Slate, aparelho baseado em Windows 7, que teve o resultado de vendas previsto.

* fonte: Gazeta do Povo

Leia mais sobre WebOS



Paraná: Internet residencial da Copel, só em 2012

15 de Fevereiro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Banda larga com 100 Mbps por fibra óptica foi lançada ontem e, por enquanto, só estará acessível para empresas no Centro de Curitiba

O governo do estado pretende que, em quatro anos, os 399 municípios do Paraná recebam o novo serviço de internet da Companhia Paranaense de Energia (Copel), lançado ontem. Mas, por enquanto, o novo serviço pode ser contratado somente por empresas com escritório no Centro Comercial Itália, no Centro de Curitiba. Batizada de BEL-100, a conexão terá velocidade de 100 Mbps (megabits por segundo), foi lançada ontem e chegará às residências até 2012.

http://www.gazetadopovo.com.br/midia/tn_620_600_zimmer_1402!.jpg
Lindolfo Zimmer - Presidente da Copel

O Itália foi o primeiro edifício a receber os cabos GPON, usados pelo BEL-100. Em breve, a Copel expandirá a rede para toda a região central e, até o fim do ano, 37 dos 70 bairros de Curitiba terão a conexão, segundo a empresa, que pretende comercializar o serviço em domicílios em até um ano. “Depois de começarmos a oferecer o serviço na capital, o produto será levado às 20 cidades de maior PIB [Produto Interno Bruto] do estado. Depois disso, a meta é alcançar todo o Paraná em quatro anos”, afirma o superintendente de Telecomunicações da Copel, Marcos Pessoa. O objetivo é ter pelo menos 400 clientes no período.

Cobrança

O custo da conexão será proporcional ao uso do cliente. Além da assinatura básica, de R$ 99,90 por mês, há uma taxa por quantidade de dados transmitidos. São R$ 2,79 a cada Gb de down­load e R$ 0,93 por Gb de upload. Não há taxa de instalação. Em comparação, a GVT oferece internet com a mesma velocidade por R$ 499,90 mensais. Por esse preço, um futuro consumidor residencial do BEL-100 da Copel poderia baixar cerca de 70 filmes de longa-metragem por mês e ainda trocar e-mails. Em uma grande empresa, no entanto, os dados transmitidos podem ser em maior número, o que encareceria a mensalidade. Nesse caso, a opção da GVT seria mais barata, já que a operadora não cobra por transferência de dados – ilimitada em todos os planos.

Para o lançamento, o governador Beto Richa e o presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, conversaram por uma chamada de vídeo com o BEL-100. “Fico muito feliz com esse novo momento da empresa”, disse Richa, no Pa­­lácio das Araucárias, a Zimmer, na diretoria da estatal, no bairro Batel.

Segundo o governador, a ligação de todos os municípios à fibra óptica da Copel fará do Paraná o primeiro estado “100% digital”. Richa ainda parabenizou o presidente da empresa e disse que a estatal está voltando a ser um exemplo nacional. A proposta é que ainda neste ano o sistema cubra todos os órgãos da administração pública estadual.

Terminologia

Saiba o que difere cada tipo de conexão de internet:

Discada

Também chamada de dial-up. Com o advento da banda larga, caiu em desuso. É necessário ter um modem específico instalado no computador – ausente nas máquinas mais modernas –, além de um provedor (há os gratuitos, como o POP e o IG). A velocidade, de até 56 kbps, é suficiente apenas para realizar tarefas básicas, como checar e enviar e-mails.

Banda larga

Não existe consenso sobre o termo no Brasil. Antes, era usado para qualquer conexão com velocidade acima da discada. Atualmente, é mais usada para conexões de alta velocidade. Há países que determinam um mínimo de 200 kbps. O governo federal define banda larga como uma conexão capaz de oferecer serviços e aplicações de voz, dados e vídeo com qualidade. O conceito foi adotado para o Plano Nacional de Banda Larga, série de investimentos para popularizar a internet no Brasil. Operadoras comerciais costumam oferecer banda larga entre 1 e 10 Mbps.

Banda extralarga

Terminologia pouco usada. Foi incluída no nome do serviço da Copel para ressaltar a alta velocidade da conexão, de 100 Mbps.

por Fábio Pupo

* fonte: Gazeta do Povo



Tags deste artigo: firefox