Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

 Voltar a Bruno Cavalc...
Tela cheia

Configuração de servidor DHCP no Debian Linux

23 de Outubro de 2013, 17:53 , por Bruno Vinicius Barroso Cavalcanti - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 4057 vezes
Licenciado sob GNU FDL

 

Instalação do pacote servidor DHCP

Iniciando:

1. Vamos realizar a instalação do pacote do servidor DHCP. No Debian e derivados (como Ubuntu, Kubuntu etc) o pacote chama-se dhcp3-server. O 3 é o numero da versão do servidor DHCP. Podemos utilizar o aptitude ou o apt-get para fazer a instalação do mesmo. Devemos ter privilégios de root para realizar a instalação:

# aptitude install dhcp3-server
ou
# apt-get install dhcp3-server

2. Após realizada a instalação, o serviço de DHCP pode ser ativado ou desativado com os comandos abaixo.

Ativando o serviço de DHCP:

# /etc/init.d/dhcp3-server start

Desativando o serviço de DHCP:

# /etc/init.d/dhcp3-server stop

Obs.: O serviço de DHCP também pode ser reiniciado e também é possível visualizar o seu status, através dos seguintes comandos.

Reiniciando o Serviço de DHCP (útil quando novas configurações são feitas, pois é necessário reiniciar o serviço para que as mesmas entrem em funcionamento):

# /etc/init.d/dhcp3-server restart

Verificando o status do serviço de DHCP:

# /etc/init.d/dhcp3-server status

 

Editando arquivo de configuração do servidor DHCP

 

1. Para inserirmos as configurações desejadas para serem atribuídas aos hosts de nossa rede, precisamos inserir as configurações em um arquivo de configuração, que será "lido" pelo daemon do DHCP e realizará as tarefas necessárias.

O arquivo de configuração do ISC DHCP é o /etc/dhcp3/dhcpd.conf. O mesmo deve conter o seguinte conteúdo:

ddns-update-style none;
default-lease-time 600;
max-lease-time 7200;
authoritative;
log-facility local7;

subnet 192.168.1.0 netmask 255.255.255.0 {
range 192.168.1.20 192.168.1.30;
option domain-name-servers 208.67.222.222,208.67.220.220,8.8.8.8;
option domain-name "tuxnetwork.local.net";
option routers 192.168.1.4;
option broadcast-address 192.168.1.255;
}

host tux {
hardware ethernet 08:00:07:26:c0:a5;
fixed-address tux.tuxnetwork.local.net;
}


Obs.: Edite o mesmo mediante o seu ambiente de rede desejado.

Explicando algumas das opções mais relevantes:

As opções do arquivo de configuração que ficam fora das chaves "{ }" são opções que chamados de globais, ou seja, opções que afetam toda a área de autoridade do servidor DHCP em questão. Já as opções que ficam dentro das chaves são opções específicas, que serão atribuídas a uma rede ou a um determinado host (como no caso da atribuição de um endereço IP sempre a um mesmo host).

  • default-lease-time 600: Especifica o tempo mínimo em segundos de checagem de endereço IP. Ao fim de cada intervalo, o daemon dhcpd verificará se o(s) IP(s) alocado(s) aos hosts ainda estão sendo utilizados. Isso para que não ocorra desperdício de endereços IP na rede;
  • max-lease-time 7200: Período máximo, também representado em segundos, de uma alocação de endereço IP a um cliente. Após esse período, o daemon dhcpd liberará o endereço IP, que deverá ser requisitado novamente pelo cliente ou por outra máquina autorizada;
  • authoritative: Indica que o servidor DHCP será autoritário em todo o seguimento da rede;
  • log-facility local7: Indica que o log será a facility local7. Podemos entender como facility a origem dos logs, ou seja, de onde ele está vindo. Podemos no arquivo de configuração do Syslog (serviço de log presente em muitas distribuições Linux) inserir uma entrada que direcione todos os logs do dhcpd para um arquivo separado, para facilitar nossa consulta por logs relacionados ao serviço de DHCP. No Debian, o arquivo de configuração do syslog fica em /etc/rsyslog.conf. A seguinte entrada pode ser adiciona ao mesmo:

    local7.* /var/log/dhcpd.log

    Com isso todos os logs com origem da facility local7 (facility essa que representa o serviço de DHCP) em qualquer priority (indica o nível de importância do log. No nosso caso, qualquer ocorrência representada pelo símbolo asterisco será logada) será direcionado ao arquivo /var/log/dhcpd.log.

  • range 192.168.1.20 192.168.1.30: Indica o range ou o intervalo de endereços que o servidor DHCP irá utilizar para distribuir aos hosts da rede;
  • option domain-name-servers 208.67.222.222,208.67.220.220,8.8.8.8: Servidores de Nomes (DNS) que serão atribuídos aos hosts da rede. Podem ser inseridos inúmeros servidores DNS. Os mesmos devem ser separados por vírgulas e sem espaço depois da vírgula;
  • option domain-name "tuxnetwork.local.net": Nome do domínio local que será atribuído aos hosts da rede. Essa opção é opcional e só deve ser usada caso desejado;
  • option routers 192.168.1.4: Endereço IP do gateway da rede. Geralmente esse dispositivo é um router e por isso a opção tem esse nome. Caso a comunicação dos hosts na rede seja somente local, essa opção também não é necessária.


No caso da entrada abaixo, é uma configuração especifica onde estará afetando somente um único host (devido a utilização das chaves). O host de nome "tux" estará recebendo um mesmo endereço IP sempre em que se conectar nessa rede. Isso é devido a uma entrada no arquivo de configuração do DHCP dizendo que um determinado endereço IP será sempre atribuído a um mesmo MAC Address - no caso o MAC Address do host tux:

host tux {
hardware ethernet 08:00:07:26:c0:a5;
fixed-address tux.tuxnetwork.local.net;
}


1. É interessante indicarmos em qual interface de rede o daemon do DHCP receberá as solicitações de informações de rede. Podemos especificar qual será a interface de rede responsável por esse trabalho no arquivo de configuração /etc/default/dhcp3-server. Devemos procurar pela linha:

INTERFACES=""

e alterar a mesma para (estamos no caso inserindo qual será a placa de rede que recebera as solicitações dos clientes DHCP):

INTERFACES="eth0"


Observação importante: Para toda e qualquer configuração realizada no arquivo de configuração do servidor DHCP, o serviço do mesmo deverá ser reinicializado para que as novas alterações entrem em vigor.

2. Com o servidor DHCP já configurado, podemos realizar um teste a partir de uma estação cliente Linux configurado para receber informações de rede automaticamente (via DHCP). Existe um cliente DHCP para Linux chamado "dhclient", que tem o objetivo (quando utilizado) de enviar um broadcast na rede a procura de um servidor DHCP. Segue a sintaxe de utilização do mesmo:

# dhclient eth1

Obs.: No local de "eth1" você deve inserir a interface de rede que está em uso no seu sistema operacional.

Espero que tenham gostado.

Abraços.


Tags deste artigo: dhcp servidor configuração