Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

 Voltar a Minhas palav...
Tela cheia

Carta nunca enviada - 2001

8 de Junho de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 399 vezes

Um dia escrevi algumas palavras que nem eu mesmo sei se saíram dos meus dedos. Falo muito sobre mim, falo demais às vezes, mas o quanto mais falo menos pessoas me entendem. Sinto falta que alguém diga: "Eu já passei por isso também, te entendo". Mas que me adianta escrever mais e mais, como agora, para me tornar apenas algo que emite sons desagradáveis, penso nos meus sentimentos sem pensar em mim. Não me preocupo em estar bem, mas me preocupo em fazer outras pessoas felizes, não sei se consigo...

Quando preciso de alguém para dividir meus problemas, só os encontro mais, pois às vezes sou sincero e não me entendem, talvez o mudno esteja sentido falta da honestidade e simplicidade... Mas ouço algumas letras musicais para pensar no que faz sentido, e vejo que nada é como deveria, será que um dia isto mudará, ou eu terei de mudar? Será que sou errado, será que o problema é minha existência? Será...

Como é possível achar que o mundo é humano? Sou cego, tenho certeza disso, os animais vencem sempre, a simplicidade passou a ser pecado no mundo moderno. Talvez até o ato de se precoupar em fazer alguém bem seja o pior erro... Será que meus dedos são tortos a ponto de ninguém se importar com aquilo que digo? Será que não passo de um amigo que você usa nas horas que precisa se desabafar? Será que você não vê que também enfrento dificuldades, medos, inseguranças, crieses, posso até entender que tudo aquilo que se passa contigo é difícil, mas não aceito que não veja estes detalhes que me faltam!

A vida é injusta para quem tenta ser bom, mudarei, tenha certeza, talvez hoje seja a última vez que você lê estas linhas próprias que surgem enquanto penso em ti, não se preocupe sempre serei bom, mas esconderei minhas qualidades, deixarei meus defeitos me dominarem, serei frio, serei mais humano talvez, e só quem me amar um dia saberá quem realmente eu sou, porque, eu acho, você sinceramente não sabe.

Acabo mais esse desabafo, acaba-se também a noite estrelada, inicia-se a escuridão lenta e fria, que me lembra dos maus momentos de minha vida, sim, apenas agora começo a lembrar dos maus momentos, pois, até três linhas atrás, eu falava da melhor parte da minha vida, se é que ainda vivo...

Autor: Amadeu A. Barbosa Júnior
Data: 06/03/2001
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial 3.0 Brazil License


Tags deste artigo: exagerado carta 2001 vida romantico

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.