Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

"Ninguém é mais escravo do que aquele que se considera livre sem o ser."
(Goethe)

"Quando trabalhamos só com mira nos bens materiais, construímos nós próprios a nossa prisão. Encarceramo-nos, sozinhos com as nossas moedas de cinza, que não compram nada que valha a pena viver."
(Saint-Exupéry, Terra dos Homens)

"Não é possível libertar um povo, sem antes, livrar-se da escravidão de si mesmo. Sem esta, qualquer outra será insignificante, efémera e ilusória, quando não um retrocesso. Cada pessoa tem sua caminhada própria. Faz o melhor que puderes. Sê o melhor que puderes. O resultado virá na mesma proporção de teu esforço. Compreende que, se não veio, compete-te a ti (a mim e a todos) modificar as tuas (nossas) técnicas, visões, verdades, etc."
(Mahatma Gandhi)

 Voltar a Universidade...
Tela cheia

Sobre a "Síndrome de Estocolmo Digital" existente no curso de Ciência da Computação da FCT

31 de Dezembro de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 802 vezes

"Síndrome de Estocolmo Digital" é um termo utilizado pelo professor Pedro Antônio Dourado Rezende da Universidade de Brasília, elucidado neste artigo de sua autoria (o qual tornou-se um capítulo no livro "A Revolução do Software Livre", editado pela Comunidade SOL):

http://www.cic.unb.br/~pedro/trabs/estocolmo.html

Algo muito semelhante ocorre entre boa parte dos alunos do curso de Ciência da Computação da FCT - UNESP.

Temos em nosso curso um grupo de discussão por e-mails (googlegroups) onde graduandos, professores e graduados recebem todas as mensagens ali veiculadas. Neste grupo acontecem discussões acerca da estrutura do curso, materiais de disciplinas, organização de eventos, etc. Em algumas situações discute-se também sobre a aquisição de licenças de software pela universidade e, por conseguinte, discussões sobre maior adoção de softwares livres.

Nestas raras ocasiões percebo uma forte defesa dos alunos em favor dos softwares proprietários. Alunos que tiveram durante sua graduação aulas, palestras, mini-cursos, workshops, etc. explicitando as mazelas da adoção de tais softwares (principalmente em uma universidade pública e em uma faculdade com a maioria de cursos voltados à licenciatura) com argumentos infundados do tipo: "[...] se fosse tão ruim assim, não teriam tantas pessoas utilizando [..]", ou "[...] vivemos num mundo capitalista! Quem não quer ficar rico?! [..]". associações dos conceitos de software livre ao marxismo, enfim, visões sectárias da realidade.

Quaisquer tentativas de debate neste sentido acabam com a "cruscificação" daqueles que defendem uma maior independência digital da faculdade, além de posterior intitulação de "idealistas utópicos".

Acredito que o método de ensino segmentado utilizado na universidade é um catalizador para atitudes deste gênero. Profissionais são formados completamente ignorantes das implicações políticas, econômicas e sociais de seu futuro trabalho. O "afunilamento" do conhecimento existente nas faculdades "atrofia" a reflexão a respeito de nossas opiniões refentes a outros ramos da ciência.

Tenho conseguido demonstrar com maior facilidade à alunos de outros cursos as vantagens no uso de software livre, os quais, na maioria das vezes, nunca depararam-se com tais definições.

A mudança de pensamento dos alunos da Ciência da Computação será demorada e gradual, porém creio que será definitiva, e seremos nós que ofereceremos treinamento e conscientização aos demais.


"A compreensão é a chave do entendimento, da convivência pacífica e da liberdade." (Luiz Márcio M. Martins)


Tags deste artigo: síndrome de estocolmo digital faculdade universidade unesp fct alunos ciência da computação professores segmentação conhecimento

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.