Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia
 Feed RSS

Blog

27 de Maio de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Sempre buscando preservar algo construtivo para as presentes e futuras geraçoes.


ICANN elogia CGI.br e deve ter escritório no Brasil

2 de Novembro de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil

O novo presidente da Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (Icann Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet), Fadi Chehadé, elogiou o modelo brasileiro de governança da rede e anunciou que trabalhará para que o Brasil abra as reuniões do 46º encontro anual da instituição em Pequim, em 2013. Ele participou na sexta-feira (26), em São Paulo, de reunião do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), coordenado pelo secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Virgilio Almeida. O modelo brasileiro é original, verdadeiramente plural, tanto em variedade de segmentos como do ponto de vista institucional, comentou o dirigente, pela primeira vez no país, a convite do CGI. Se o que tenho visto e aprendido aqui for verdade, vou ser o melhor amigo e maior fã desse modelo. Temos que levá-lo ao mundo. O presidente da Icann disse que a instituição está ajustando seu modo de atuar no plano internacional, para chegar a um modelo contemporâneo e inovador e se tornar efetivamente mundial, desvinculando-se do modelo tradicional norte-americano. A intenção é abordar os países com um entendimento muito mais sensível, mais profundo, de suas particularidades, descreveu, ponderando que o próprio governo dos Estados Unidos vem dando passos nessa direção. Em sua primeira viagem oficial à frente da instituição, Chehadé informou a intenção de criar um escritório da Icann no Brasil. A organização, baseada em parceria público-privada e originada numa iniciativa do governo dos EUA, é responsável pela coordenação global do sistema de identificadores exclusivos da internet, como nomes de domínio, que os computadores usam para se comunicar entre si pela rede mundial. A segurança e a estabilidade da rede são também temas tratados pela instituição. Modelo Para Virgilio Almeida, a avalição de Fadi Chehadé condiz com a realidade do CGI. Ela mostra que o comitê é uma criação ágil, representativa da sociedade e adequada para a inovação e rapidez que a internet traz em termos de mudanças e possibilidades. Ele destacou ainda o fato de todos os setores governo, empresas, academia e terceiro setor terem representatividade e nenhum deles ter maioria na composição, acrescentando que essa pluralidade reflete o caráter da web. É um modelo exitoso, que vem sendo construído desde 1995 e tem características que poderiam ser aplicadas em outros países. O coordenador do CGI elogiou a decisão de aperfeiçoar a orientação internacional da organização. O presidente Fadi ressaltou pontos que são hoje as principais críticas do Brasil em relação ao funcionamento da Icann. E isso é muito positivo, porque o país participa ativamente da instituição e quer torná-la mais forte. Ascom do MCTI Fonte: ANID



Fatos sobre Estados Unidos apresentação de propostas iniciais para a World Telecom Conference

7 de Agosto de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil

Fatos sobre Estados Unidos apresentação de propostas iniciais para a World Telecom Conference Ficha técnica BUREAU OF ECONOMIC AND BUSINESS NEGÓCIOS 01 de agosto de 2012 Share on facebookShare on google_plusone Em 3 de agosto de 2012, os Estados Unidos vão apresentar o seu primeiro grupo de propostas para a Conferência Mundial de Telecomunicações Internacionais (WCIT), que será realizada em Dubai, Emirados Árabes Unidos, 03-14 dezembro de 2012. Convocada pela União Internacional das Telecomunicações (UIT), agência especializada das Nações Unidas para as telecomunicações, o WCIT irá rever e potencialmente rever o Tratado de nível de Regulamentação das Telecomunicações Internacionais (ITR). O ITRs regulamentar as modalidades de troca de tráfego internacional de telecomunicações entre os países. Eles não foram revistos desde 1988, e nos anos seguintes, houve mudanças significativas no setor mundial de telecomunicações, incluindo a liberalização dos mercados, o aumento da concorrência eo advento de novas tecnologias e serviços, incluindo a comutação de pacotes e móveis roaming internacional . Respondendo ao chamado da UIT para apresentação de propostas para a conferência, os EUA Chefe de Delegação WCIT, liderada pelo Embaixador Terry Kramer, apresenta uma primeira rodada de propostas. Estas propostas iniciais refletem a crença dos EUA que o ITR deve permanecer um tratado de alto nível que estabelece um quadro internacional de market-driven desenvolvimento de redes e serviços de telecomunicações. "O ITR ter servido bem como uma base para o crescimento no mercado internacional", o embaixador disse Kramer. "Queremos preservar a flexibilidade contida no ITRs atual, que ajudou a criar as condições para a rápida evolução das tecnologias de telecomunicações e mercados ao redor do mundo." As propostas dos EUA incluem: Alterações mínimas no preâmbulo do ITR; Alinhamento das definições constantes do ITR com os da Constituição da UIT e da Convenção, incluindo qualquer alteração às definições de telecomunicações e serviços de telecomunicações internacional; Manter o carácter voluntário do cumprimento das Recomendações ITU-T; Continuar a aplicar o ITRs apenas para as agências operacionais reconhecidos ou ROI, ou seja, o âmbito ITRs "não deve ser ampliado para atender agências operacionais outros que não estão envolvidos na prestação de serviços autorizados ou licenciados internacionais de telecomunicações ao público, e Revisões do artigo 6 º afirmar o papel desempenhado pela concorrência de mercado e os acordos comerciais negociados para troca de tráfego internacional de telecomunicações. Os EUA vão acompanhar de perto e estudar as propostas apresentadas por outros países. Os EUA estão preocupados que as propostas de alguns outros governos pode levar a maiores encargos regulatórios sendo colocados no setor de telecomunicações internacional, ou talvez até mesmo concedido ao sector Internet - um resultado que os EUA se opõem. "Não vamos apoiar qualquer esforço para alargar o âmbito do ITR para facilitar qualquer censura de conteúdos ou bloqueando o fluxo livre de informações e idéias", o embaixador disse Kramer. "Os Estados Unidos também acredita que as várias partes interessadas existentes, instituições, indústria e incorporação de sociedade civil, têm funcionado de forma eficaz e continuará a assegurar a saúde eo crescimento da Internet e todos os seus benefícios." Os EUA vão constituir formalmente a sua delegação WCIT oficial em meados de setembro. Ela será composta por especialistas de agências governamentais dos EUA e do setor privado, incluindo a indústria e sociedade civil. Tal reflecte a abordagem multi-stakeholder que tem sido um marco do desenvolvimento da Internet e de governança. Embaixador Kramer realizará uma extensa programação de reuniões bilaterais com os seus homólogos de outras nações ao redor do mundo. Propostas adicionais serão apresentadas antes do WCIT, enquanto os governos finalizar as suas posições e propostas. Para mais informações, entre em contato com John Alden, EUA Delegação WCIT, 703-516-3024, ja@ftidc.com Sobre o Embaixador Terry Kramer Terry Kramer recebeu seu compromisso no final de junho de 2012, como EUA Chefe de Delegação da Conferência Mundial sobre Internacional de Telecomunicações 2012 (WCIT-12), que está sendo realizado pela União Internacional das Telecomunicações (UIT). O Sr. Kramer será concedido o posto de embaixador pessoal do presidente Obama para ocupar este papel. Embaixador Kramer teve uma carreira de 25 anos em telecomunicações internacionais. Para 18 desses 25 anos, ele trabalhou para Vodafone Group Plc / AirTouch Communications em uma variedade de papéis, nacional e internacionalmente. Ele também passou vários anos de liderança e assessorando pequenas, empresas de tecnologia de cultivo, servindo como CEO em QCOM Internacional e como membro do conselho de fibra Torre, 724 Soluções e Tecnologias de Sonim. Além disso, o Embaixador Kramer é um empreendedor-in-Residence na Harvard Business School e professor e orientador no Programa de Acesso Global da UCLA Anderson School of Business. Ele também participa do conselho de Envivio Corp, a Harvard Business School, Califórnia Research Center, do Departamento de Economia da UCLA, o Mundo Conselho de Assuntos do Norte da Califórnia e Rua Larkin Youth Center. Embaixador Kramer é Bacharel em Economia pela UCLA e possui MBA pela Harvard University.



O Brasil-EUA Diálogo de Parceria Global

9 de Abril de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda


Hoje, em Washington, Obama presidente e Dilma Rousseff Presidente analisou as realizações do Diálogo de Parceria Global (PIB), elevada ao nível presidencial em março de 2011, que reforça a parceria Brasil-EUA através de uma série de questões globais, incluindo o avanço da cooperação educacional, científica cooperação científica e tecnológica ea cooperação multilateral e trilateral. O PIB prevê engajamento em temas fundamentais como a cooperação económica, a não-proliferação, segurança espacial, a cooperação em assuntos político-militares e os esforços para combater o crime de translação, inclusão social e direitos humanos e às questões hemisféricas. A secretária Hillary Clinton vão se juntar chanceler Patriota em Brasília em 16 de abril para a próxima reunião do GPD.

Desde a visita do presidente Obama ao Brasil em março passado, os Estados Unidos Brasil têm avançado significativamente a nossa cooperação educacional e nossa coordenação de questões globais. Os links abaixo exemplos de destaque de nosso progresso conjunto e colaboração:

Folha informativa sobre Cooperação Trilateral

  • Os Estados Unidos eo Brasil têm uma longa história de parceria no fornecimento de assistência ao desenvolvimento para maximizar os recursos para combater a pobreza. As iniciativas atuais trabalhar para melhorar a saúde e segurança alimentar em África, para combater o trabalho infantil no Haiti, a parceira em uma base trilateral com a Bolívia sobre a cooperação antinarcóticos, e para promover os biocombustíveis na América Central, Caribe e África.

Folha de Cooperação Educação

  • Presidentes Obama e Dilma Rousseff estabeleceram metas complementares na educação. Presidente Obama "100.000 Strong nas Américas" programa tem como objetivo aumentar o número de estudantes da América Latina e no Caribe estudando nos Estados Unidos e do número de estudantes norte-americanos que estudam nestas regiões para 100.000 em cada direção em 2020. Ciência Presidente Dilma sem Fronteiras iniciativa tem como objetivo construir e expandir o papel do Brasil como um líder global enviando 101.000 brasileiros para estudar nos domínios científicos e tecnológicos no exterior nos próximos quatro anos, com pelo menos metade freqüentando instituições acadêmicas dos EUA. Reconhecemos que a prosperidade dos nossos países está intrinsecamente ligada à educação do nosso povo, e é enriquecido por experiências acadêmicas em outros países.

Folha de Cooperação em Matéria de espaço

  • Nossos dois países reconhecem que têm a ganhar com a cooperação em questões espaciais, dada a nossa extensa pesquisa e desenvolvimento (P & D) capacidades, a nossa longa história de cooperação nos domínios civil sensoriamento remoto, exploração espacial, e as actividades outro espaço, ea oportunidade de fortalecer a sustentabilidade a longo prazo do ambiente espacial, para as gerações futuras. Ao trabalhar a nível bilateral e multilateral, com espaço exterior para fins civis, congestionamento do espaço atenuantes e aumentar a nossa base de conhecimento através da investigação e desenvolvimento, os Estados Unidos e Brasil vão aprofundar a nossa parceria forte e colaborativa.

Ficha de Inclusão Social

  • O presidente Obama eo presidente partes Rousseff um compromisso para combater a discriminação em razão de raça, gênero, etnia e lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros status (LGBT), para promover a igualdade de gênero; para combater exploração infantil e trabalho forçado, e promover o desenvolvimento humano direitos. Para este fim, os Estados Unidos eo Brasil têm identificado e estão executando um conjunto robusto de atividades, e estamos buscando aprofundar e institucionalizar nossa cooperação.

Folha informativa sobre Cooperação em Saúde

  • O presidente Obama eo presidente Rousseff estão unidos no seu desejo de fortalecer os sistemas de saúde pública e para o avanço da ciência e tecnologia, pesquisa, tanto em seus próprios países e ao redor do mundo. Durante várias décadas, os Estados Unidos eo Brasil participou de um diálogo bilateral para discutir a investigação médica, vigilância de doenças e melhoria da saúde pública. O presidente Obama eo presidente Rousseff avançou ainda mais a nossa cooperação bilateral saúde através do Grupo Brasil-EUA de Trabalho sobre Saúde Pública, no âmbito da Comissão Conjunta Brasil-EUA de Ciência e Tecnologia.

Fonte: The White House

 



Morre o advogado José Nilo de Castro

7 de Abril de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Foto Plox

O advogado José Nilo de Castro morreu nesta sexta-feira (6), após lutar contra um câncer. Ele nasceu em maio de 1940, na cidade de Marliéria. Seu corpo foi cremado na tarde deste sábado, em Belo Horizonte.

O advogado foi seminarista e se formou em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais em 1969, tornou-se, um ano depois, procurador municipal da cidade de Ipatinga. Cursou mestrado em Direito Público (hoje direito administrativo, econômico e tributário) na UFMG e advogou por quase dez anos no interior. Também fez especialização em Direito Público, pela Université de Droit, d'Économie et de Sciences Sociales de Paris, França.

José Nilo se tornou muito conhecido após seu escritório de advocacia, especializado em direito municipal, pegar causas muito conhecidas do público, principalmente de prefeituras e prefeitos. O ex-prefeito de Ipatinga, Chico Ferramenta, foi um de seus clientes.

O conhecedor de Direito Público deixa um grande legado. É autor de muitas publicações sobre Direito Municipal. Uma das mais conhecidas é livro "Direito Municipal Positivo", Editora del Rey, 2006, considerado por muitos como uma referência na área.

Fonte: Plox

Licencia de Creative Commons


El Dragón Astado by AdirparaAgir is licensed under a Licencia de Creative Commons Reconocimiento 3.0 Unported



Plano Nacional de Banda Larga: perspectivas e desafios para o RS

3 de Outubro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

 

O Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) com caráter público abre a perspectiva de ampliar o acesso à internet e consequentemente à comunicação, cultura e educação. Contribuindo para a consolidação da democracia.

Com o objetivo de discutir o assunto, o líder da bancada petista, deputado Daniel Bordignon, debaterá as perspectivas e os desafios do acesso à banda larga para os gaúchos. Para isso, convidou nomes que elaboram o tema no cenário estadual e nacional, que estarão reunidos no debate: Plano Nacional de Banda Larga: perspectivas e desafios para o Rio Grande do Sul. O eventee ocorre 3 de outubro, às 17h, na Sala José Lewgoy, Solar dos Câmaras, na Assembleia Legislativa.

O resultado dessa discussão, será apresentado como colaboração ao 1º Fórum da Internet no Brasil que acontecerá nos dias 13 e 14 de outubro, em São Paulo. Neste evento serão abordados seis temas principais. São eles: 1. Liberdade, privacidade e direitos humanos; 2. Governança democrática e colaborativa; 3. Universalidade; 4. Diversidade e Conteúdo; 5. Padronização, interoperabilidade, neutralidade e Inovação; 6. Ambiente legal, regulatório, segurança e Inimputabilidade da rede.

Confira abaixo a programação do debate: Plano Nacional de Banda Larga: perspectivas e desafios para o Rio Grande do Sul

Sérgio Amadeu - representante do terceiro setor no Comitê Gestor da Internet no Brasil. É doutor e mestre em Ciência Política pela USP, e atualmente é professor da Universidade Federal do ABC. Escreveu vários livros relativos a cidadania digital, entre eles, “Exclusão Digital: a miséria na era da informação” e “Software Livre: a luta pela liberdade do conhecimento”. Foi presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação. É representante do terceiro setor no comitê gestor da Internet do Brasil (CGiBr)

Mário Brandão - diretor Presidente da Associação Brasileira de Centros de Inclusão Digital (Abcid), Formado em Administração pela Universidade Gama Filho (UGF), Webmater pela UFRJ, e Proprietário de Lan House no Rio de Janeiro.


Claúdio Dutra – vice-presidente da Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul.

Rafael de Sá - presidente da Internet Sul. Empresário, presidente da Associação dos Provedores de Serviços e Informações da Internet no RS (Internetsul), diretor regional e diretor setorial de Serviços e Internet no Sindicato das Empresas de Informática do Rio Grande do Sul e Comitê Regional Rio Grande do Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade (PGQP)

Gerson Barrey – diretor de Inclusão Digital da Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Tecnólogo em Processamento de Dados (1988) com Pós Graduação em em Sistemas de Informação e Telemática (1992) e em Engenharia de Software (1996), foi Supervisor de Desenvolvimento de Sistemas - PROCEMPA (1987-2004), Diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação da EBC (2009 - 2010), Diretor de Tecnologia e Disseminação de Informações Educacionais MEC/INEP (2007-2009). Atualmente é Diretor de Inclusão Digital da Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Marcelo D'Elia Branco – profissional de Tecnologia da Informação e ativista pela liberdade do conhecimento. Coordenou a campanha presidencial vitoriosa de Dilma Rousseff nas redes sociais da Internet. Por três anos, foi o Diretor Geral da Campus Party Brasil, o maior encontro de comunidades de Internet do mundo. Foi um dos idealizadores do Fórum Internacional de Software Livre (Fisl) e do Projeto Software Livre Brasil. Até agosto de 2007, trabalhou para o governo da Generalitat de Catalunya, através da Secretaria de Telecomunicações e Sociedades da Informação, como assessor responsável pela Estratégia de Software Livre e pelo projeto “Rede Internacional das Administrações Públicas pelo Software Livre”. Esteve a cargo, como coordenador, da implantação da primeira infovia de banda larga da cidade de Porto Alegre, através da Procempa, de 1996 a 1998. Trabalhou 18 anos na Embratel (Empresa Brasileira de Telecomunicações) e na construção do backbone de banda larga da Internet brasileira.

Fonte: Marcelo Branco Blog - By Josias Bervanger MTB 14235

 

CCBySa Todo o conteúdo neste perfil pode ser copiado e reutilizado,
desde que a fonte seja citada e esta licença seja mantida, exceto
quando especificado em contrário e nos conteúdos replicados de outras fontes.