<script> (function(i,s,o,g,r,a,m){i['GoogleAnalyticsObject']=r;i[r]=i[r]||function(){ (i[r].q=i[r].q||[]).push(arguments)},i[r].l=1*new Date();a=s.createElement(o), m=s.getElementsByTagName(o)[0];a.async=1;a.src=g;m.parentNode.insertBefore(a,m) })(window,document,'script','//www.google-analytics.com/analytics.js','ga'); ga('create', 'UA-57313821-2', 'auto'); ga('send', 'pageview'); </script> Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Blog
Tela cheia

Sobre estar no centro

7 de Novembro de 2014, 16:17 , por Valéria Barros - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Originial aqui.

Sempre tive dificuldades em posicionamentos. Nunca me identifiquei com todos os pontos e por isso me sentia reclusa de todos os movimentos que participava.

Fui de esquerda e feminista até os 19 anos. Virei reaça e machista simbólica. E cá estou, refletindo sobre lados e posições - e tentando encontrar um ponto sadio. Acredito muito em posicionamentos políticos e em como eles refletem uma grande parte de você. É claro que julgo um rapaz misógino como um idiota - e provavelmente ele me julgará como #feminazi (que diabos de termo é esse?). É ótimo e ok se posicionar. Admiro quem consegue fazer isso diariamente e de cara limpa.

Quem não se posiciona se conforma. 

O problema é que sou muito plural para me posicionar em apenas uma bandeira. Você pode chamar isso até de covardia , mas prefiro originalidade.

Todas as vezes que quis estar por inteiro em um movimento social, me senti infeliz. Não consigo defender um lado só com unhas e dentes - minha visão é ampla demais para isso.

Temos grandes dificuldades para lidar com diferentes pontos de vista. Fico extremamente chateada com chorumes políticos e machistas na minha linha do tempo. Por vezes tento ignorar e não me posicionar, mas meu espírito polêmico se debate. Não é só porque quero. Eu realmente PRECISO falar.

Temos uma responsabilidade social com a internet. Temos em mãos ferramentas que podem mudar visões e pensamentos - se usados da maneira correta.

Por favor, entenda uma coisa: Não é incoerência alguém acreditar em uma economia liberal e ser a favor de políticas assistenciais. Não é errado ser feminista , gostar de sexo e depilar as pernas. Não é errado duvidar de um deus e acreditar em centenas de outros.

Luto por uma liberdade muito mais ampla da que temos. Pela liberdade de pensar o que quiser e como quiser. Eu quero expressar minhas opiniões políticas sem me preocupar com julgamentos errôneos.

Incoerência é não aceitar opiniões múltiplas e diferentes da sua.

É ok acreditar no Batatismo. É ok ser quem você quiser. O que não é ok é acreditar que todos os simbolismos que você acredita e representa são verdades naturais e todos deveriam acreditar.

Não espere que defenda alguma bandeira veementemente. Sempre terei minhas ressalvas, pois nenhum movimento (até hoje) conseguiu ser amplo o suficiente.

Posso ficar no centro por muito tempo - e talvez seja meu lugar de comodismo. Mas assumo o que sou: geral demais para especifidades.


Tags deste artigo: política feminismo opinião liberdade

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.