Ir para o conteúdo
ou

12ª Oficina de Inclusão Digital e Participação Social

Patrocínio

Mídias Sociais

      

OID

Brasil

 Voltar a Últimas novi...
Tela cheia Sugerir um artigo

Painel debate Mídias Sociais, Internet e Governança

28 de Novembro de 2012, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1246 vezes

Por Rafaela Melo

 

Um dos painéis mais aguardados do evento ocorreu no Salão Rio Grande, no Hotel Ritter. Com a participação de Sergio Amadeu, Gerson Barrey, Pedro Ekman, e com a mediação de Silvana Lemos, o painel discutiu o Marco Civil da Internet (que pode ser votado ainda hoje no congresso) e o Marco Regulatório das Comunicações, a criação do Conselho Estadual de Comunicações do Rio Grande do Sul e sobre a importância do debate para a liberdade de expressão.

Pedro Ekman, Coordenador do Intervozes Coletivo Brasil, destacou: “Precisamos de uma reforma agrária no latifúndio áudiovisual brasileiro.” O diretor da Secretaria de Comunicação em Inclusão Digital do Rio Grande do Sul, Gerson Barrey, salientou que o Estado brasileiro vive um novo momento com a Lei dos Dados Abertos à população e comenta sobre a preocupação com relação ao futuro do sistema público de TV: “com exceção da TV Cultura de São Paulo e da EBC – Empresa Brasileira de Comunicações, outros canais de comunicação públicos carecem de melhoria na produção, infraestrutura e de patrocínio. E isso é um quadro extremamente preocupante”.

O professor e Membro do Comitê Gestor da Internet, Sérgio Amadeu, destaca que as empresas de telecomunicações atualmente faturam mais do que os bancos. E uma das maiores formas de enriquecimento das grandes empresas, é venda de dados pessoais dos usuários e a interferência na transmissão de dados. E afirma: “As operadoras tem mais poder do que todos os governos. Estamos falando da comunicação total do Mundo. Estas empresas querem fazer pedágios na internet, controlando o tráfego”. E também comenta sobre os embates para a aprovação do Marco Civil da Internet:

 “Se não for votado hoje, só será discutido ano que vem. Não há interesse na aprovação, pois as grandes empresas não aceitam a neutralidade da rede, já que estas querem manter e expandir seus negócios pelo controle do tráfego e lucrar com a venda dos nossos dados. A situação é dramática! Precisamos organizar atos e mobilizações nas redes e nas ruas em todo o Brasil. E vamos dar nomes aos bois: o Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, é aliado das grandes operadoras e tem defendido no congresso a concentração do poder comunicacional nas mãos de uma minoria. Precisamos garantir que a internet continue livre.” finalizou sua fala, sendo acompanhado por muitos aplausos.

Acompanhe toda a programação do auditório principal ao vivo via streaming: http://hemingway.softwarelivre.org:8000/auditorio.ogg

 

 


Tags deste artigo: pnbl cgi inclusão digital telecentros transparencia ministério das comunicações participação social software livre rede de formação monitores universalização do acesso marco civil da internet intervozes

Nenhum artigo selecionado ainda.