Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

0 amigos

Nenhum(a)

0 comunidades

Nenhum(a)

Notícias

redirection forbidden: http://www.google.com/reader/public/atom/user/01228555001512002737/state/com.google/broadcast -> https://www.google.com/reader/about/

 Voltar a Olá Mundo
Tela cheia

Perguntas frequentes sobre o ocupação do viaduto do chá

24 de Outubro de 2011, 0:00 , por Software Livre Brasil - 33 comentários | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 654 vezes

Depois de pouco mais de uma semana acampado debaixo do viaduto do chá tendo conversado sobre muitos assuntos com muitas pessoas diferentes, me proponho nesse texto a dar uma resposta pessoal sobre algumas das perguntas mais frequentes com relação a ocupação.

A primeira pergunta que procurarei responder diz respeito ao porquê essas pessoas e não outras? Essa pergunta as vezes é feita de forma restritiva como um: Quais são nossas pautas ou o que reivindicamos? Ou de forma mais honesta como um: O que nos une? A segunda pergunta tem a ver com o porquê aqui e agora? De forma mais precisa: Qual o contexto histórico-geográfico? Por fim, uma pergunta relacionada com pra onde? Em outras palavras: Quais serão os rumos do movimento?

Nosso movimento é bastante plural e, apesar de termos um manifesto consensuado, nossas pautas são muito amplas e difusas para servir de explicação sobre os principais motivos de porque nos unimos. Isso é muitas vezes colocado em forma de crítica: Como um movimento pode sobreviver se não tem pautas firmes comuns? Ao meu ver o motivo real que nos une nos fornece uma excelente pista para responder a essa pergunta.

Compreendo que o que nos une, não só nós do ocupesampa, mas também o movimento em Wall street, em Madri e diversos outros pelo mundo, é uma insatisfação com a estrutura da representação política. Assim, me parece que a dificuldade em elaborarmos reivindicações claras é consistente com nossa principal bandeira "democracia real/direta". Não estamos firmes em nossas reivindicações porque no fundo sabemos que não é uma questão de reivindicar (pra quem reivindicamos se esses não nos representam?), mas de construir todo um novo sistema. Dessa forma, é muito mais consistentes que nossas pautas sejam construidas e reconstruídas constante e coletivamente. Existem, porém, pelo menos 3 pontos clamados como princípios entre os manifestantes: apartidarismo, não-violência e decisões assembleárias por consenso.

A segunda pergunta também costuma chegar em tom de crítica: Não há crise no Brasil agora, logo não há contexto e, portanto, o movimento não deverá durar. Primeiro, não é verdade que não há contexto, o movimento se insere tanto em um contexto internacional de lutas (Espanha, Grécia, Egito, Nova Iorque etc.) como em um contexto local (diversas marchas contra o aumento da tarifa de ônibus, marcha da maconha, marcha da liberdade etc.). Com relação a não estarmos em crise compreendo que isso é mais uma benção do que uma maldição. A maioria dos movimentos de esquerda até hoje tenderam a ser reativos. Ou seja, uma resposta a algum tipo de crise. O fato de nosso movimento não ser reativo, mas construtivo, o abre para uma infinidade de novas possibilidades. Um movimento construtivo não precisa ter pressa para dar respostas. Um movimento construtivo não é necessariamente pautado por um determinado contexto que uma vez mudado dita o fim do movimento. Enfim, um movimento construtivo é livre para seguir seu próprio rumo em seu próprio tempo.

Por fim, sou muitíssimo grato por não saber responder sobre os rumos do movimento, pois estes estão sendo construídos no próprio movimento. Esse é um excelente indício de que estamos indo na direção do que quer que compreendemos por democracia real. A partir do momento que nos tornarmos previsíveis seremos presas fáceis frente ao sistema. 


Tags deste artigo: 15o 15osp acampasampa ocupesampa ocupasampa

33 comentários

  • 5fed0cdf72b59c889874ba84cbf9ffe5?only path=false&size=50&d=404José Mahlako(usuário não autenticado)
    25 de Outubro de 2011, 16:10

    Comentário

    Olá Márcio, percebo um certo tom reformista em suas palavras do tipo "movimento construtivo" parece que se trata de resolver um problema pontual do capitalismo. Infelizmente se é esta a questão, do meu ponto de vista, não podemos chamar o movimento de esquerda como você quer.


    • Foto minorMárcio
      25 de Outubro de 2011, 16:49

      Reformismo e direitismo

      Muito obrigado pelo comentário. Estava ansioso que alguém comessasse um debate. É claro que não é possível que eu me faça totalmente claro em 2 páginas e, por isso, esse espaço de debate é essencial.

      De forma alguma compreendo o movimento como reformista.
      Note que uso o termo construtivo em oposição a reativo. Minha tese é que, sendo construtivo, esse movimento é muito mais radical e revolucionário do que qualquer movimento pautado em reação a uma pontual crise com uma pauta fixa específica. Não vejo de onde você tirou o reformismo disso, mas ainda assim devo explicar porque acho esse um movimento revolucionário em certo aspecto.

      O termo revolucionário tlvz não se aplique direito aqui pois abrimos a possibilidade de que ele tome mais tempo do que o que compreendemos tradicionalmente por revoulção, mas revolucionário no sentido de buscar mudanças profundas (reviravoltas ou revoluções) em TODO o sistema. Certamente não estamos tentando consertar um problema pontual do capitalismo. Buscamos construir todo um outro sistema. Nesse sentido esse é um movimento muito mais radiacal e revolucionário do que qualquer movimento reativo com pautas fixas.

      A grande mídia tem se esforçado para reduzir nossa pauta à pauta da direita (anti-corrupção). Nem de longe esse é o caso. Não que sejamos a favor da corrupção, mas em nenhum momento incluímos isso em nossas pautas e creio que isso se deve ao fato de compreendermos que a corrupção é um mal inevitável do capitalismo desenvolvido nas periferias.

      Gostaria por fim de te convidar a visitar o acampamento e tirar suas próprias conclusões sobre se o movimento é ou não de esquerda. Estou totalmente seguro de que um dia acampado conversando com punks, anarquistas, anonimos, moradores de rua, índios enfim todos que compõe o movimento será suficiente para que vc se convença de que não sou só eu que penso dessa forma, mas que de fato somos um movimento anti-capitalista e nem um pouco reformistas.


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.