Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

Linux Magazine

getaddrinfo: Name or service not known

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Software Libre Peru

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

404 Not Found

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

Linux Rep.Dominicana

404 Feed not found error: FeedBurner cannot locate this feed URI.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

LibreOffice: 4 razões para testar o Release Candidate 1

8 de Dezembro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1628 vezes

O pacote de aplicativos está disponível para Windows, Mac OS X e Linux, e em vários idiomas, inclusive em português.

A The Document Foundation lançou no último domingo (5/12), a Release Candidate (RC) – versão que antecede a final – do LibreOffice. Esta a primeira versão estável pacote de aplicatios de escritório open source.

Libo_logo_highres_color_2

Liberado apenas após o lançamento da terceira versão beta, a RC está disponível para as plataformas Windows, Mac OS X e Linux e em vários idiomas, inclusive em português.

A versão ainda não é adequada à aplicação definitiva em sistemas corporativos, devido à existência de possíveis falhas que serão corrigidas na edição final. No entanto, desde que o projeto foi divulgado, esta é a melhor oportunidade para testar o programa.

1. Melhorias
Em comparação com o OpenOffice.org 3.3 - o qual acaba de ganhar a sétima RC - foram acrescentadas inúmeras melhorias ao LibreOffice, com o intuito de aprimorar o desempenho do programa e torná-lo ainda mais atraente para os usuários corporativos.

A otimização do código tem sido um foco importante no processo de desenvolvimento do pacote. Com desenvolvedores, por exemplo, trabalhando para aumentar a qualidade e a estabilidade do código herdado do OpenOffice.org.

Porém, ainda mais notável, é que todos os módulos do pacote estão sendo submetidos a extensas revisões, para incluir novos recursos, melhorar a compatibilidade com o Microsoft Office e oferecer um desempenho mais consistente.

2. Livre-se da Oracle
Desde que a Oracle adquiriu a Sun Microsystems em 2010, muitas foram as preocupação sobre o futuro do OpenOffice.org, como também de outros projetos open source herdados pela companhia.

Mas, enquanto a instituição continua afirmando publicamente o seu compromisso em manter o OpenOffice, muitas dúvidas tem sido levantadas sobre suas reais intenções. Por exemplo, ao processar a Google por usar Java no sistema móvel Android ou por encerrar o projeto OpenSolaris.

Além disso, recentemente, a empresa reclamou a propriedade do projeto Hudson, originalmente desenvolvido pela Sun Microsystems. Tais ações foram em grande parte a razão pela qual a The Document Foundation resolveu desenvolver o LibreOffice.

Com uma estrutura independente e aberta, o projeto já recebeu apoio de organizações como: Google, Novell, Red Hat, a Canonical, The Open Source Initiative e NeoOffice.

3. Grátis
Como todo o software livre e open source, o LibreOffice não está apenas livre de um controle corporativo, como também é gratuito.

Você também pode baixar e testar a suite sem nenhum compromisso financeiro.

4. É apenas o começo
O LibreOffice 3.3 promete ser uma versão melhor e mais estável do OpenOffice.org, mas, considerando que se passaram menos de três meses desde que o projeto foi anunciado, é claro que é apenas um começo.

"Especificamente, o LibreOffice permitirá que os usuários se concentrem na produção de documentos e não na parte mecânica do software", declarou Charles Schulz, porta-voz da The Document Foundation.

De fato, o LibreOffice promete ser mais estável, mais compatível e mais poderoso que os demais pacotes de código aberto para escritórios.

Assim que a versão final for lançada, muitas das principais distribuições Linux substituirão o OpenOffice pelo LibreOffice, então não existe melhor momento para verificar os recursos deste novo software.

(Katherine Noyes)

* fonte: IDG Now!
NOTA:

O LibreOffice é padrão ODF Open Document Format, ISO 26300 e NBR ISO 26300.

As grandes distribuições de Gnu/Linux virão com o LibreOffice: Ubuntu, OpenSuse, Debian, Red Hat, Mandriva, Fedora, Slackware, Sabayon, Gentoo, Kalango, Desktop Paraná e muitas outras distribuições.

A suite de escritório BrOffice, daqui pra frente será sempre gerado a partir de LibreOffice.
Estou testando o BrOffice 3.3.0 (LibreOffice) e tem alguns recursos novos, exemplo: Formatar Textos (iniciais maiúsculos/minúsculos, minúsculo, maiúsculo, etc.), Formatar Página de Título (Primeiras páginas), etc.
Todos os usuários do BrOffice terão grandes benefícios a partir da versão 3.3.0.
Furusho_consegi_2009_640x480
Nota por Vitorio Furusho



Tags deste artigo: broffice iso 26300 odt libreoffice odf

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.