Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Notícias da Comunidade Firefox Brasil

17 de Julho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

A The Document Foundation junta-se à Open Invention Network (Rede de Invenções Abertas)

22 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

A TDF (The Document Foundation) juntou-se à OIN (Open Invention Network), para ampliar ainda mais os ecossistemas de software livre. Tornando-se um licenciado, A TDF - desenvolvedora do LibreOffice, um software livre de produtividade para escritórios, tanto individual como empresarial - juntou-se à crescente lista de organizações que reconhecem a importância de participar da Open Invention Network, de forma a proteger esse ecossistema de software livre dos riscos associados às patentes de software.


"A TDF é um dos grandes projetos de software livre, e o LibreOffice um dos softwares chaves na criação, administração e compartilhamento de documentos. Ao tornar-se uma licenciada da Open Invention Network, lutamos contra as patentes de software - que reprimem a inovação e incentivam práticas comerciais predatórias - e, ao mesmo tempo, melhoramos as proteções em nossos projetos de software,"  disse Charles Schulz, membro do Comitê Gestor da TDF.

As patentes pertencentes à Open Invention Network são livres de royalties para qualquer empresa, instituição ou indivíduo que concorde não reivindicar suas patentes contra o software livre. Através dessa rede de desenvolvedores, distribuidores, vendedores, revendedores e usuários que licencia seu leque de patentes, a Open Invention Network cria um ecossistema de suporte blindado para assegurar o crescimento e a adoção do software livre e de código aberto. Isso possibilita que os licenciados pela OIN, como a TDF, façam investimentos significativos, ajudando a impulsionar o crescimento econômico.

A OIN acumulou um grande portfólio de patentes, incluindo patentes detidas por instituições de renome. As patentes estão disponíveis para todos os licenciados, como parte desse portfólio de patentes que a OIN está criando, em suporte ao software livre. O acordo de licenciamento está disponível em :

http://www.openinventionnetwork.com/pat_licence_agreement.php.

A página da TDF está em http://www.documentfoundation.org.

A TDF tem como missão facilitar a evolução da Comunidade do OOo para uma nova organização de cunho aberto, independente e meritocrático, nos próximos meses. Uma Fundação independente atende melhor aos valores dos contribuidores, usuários e apoiadores, e possibilitará uma Comunidade mais efetiva, eficiente, transparente e inclusiva. A TDF protegerá os investimentos já feitos com base nas realizações da primeira década, incentivará muito a participação na Comunidade, e coordenará essas atividades.

fonte: http://ur1.ca/2mnnz

* fonte: BrOffice.org



Está disponível para testes o novo release do OpenOffice.org 3.3.0 da Oracle

22 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Está disponível para testes o novo release do OpenOffice.org 3.3.0 da Oracle, clique aqui...



Chrome ganha mais de 10 mil extensões e se aproxima do Firefox

15 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Um terço dos usuários do navegador utiliza extensões, que passaram a serem suportadas em sua quarta versão, lançada em dezembro de 2009.

A equipe do Chrome comemorou, na semana passada, um ano desde que o navegador ganhou suporte a extensões.  A celebração é em relação ao beta da quarta versão do browser, cujo lançamento supriu a principal deficiência, até então, do software ante seu rival Firefox: a falta de personalização.

O modelo final só apareceria um mês depois, em 25/01, mas já com 1500 complementos. Desde então, o número não parou de crescer e, atualmente, está na casa dos 10 mil – especificadamente 10.182. Segundo um comunicado no blog, um terço dos usuários do Chrome utiliza ao menos algum deles.

O Firefox, que conta com a funcionalidade desde 2003, quando passou a ser chamado por esse nome – antes era conhecido como Firebird – não informa, em sua página, quantos complementos estão à disposição dos usuários. Somando as categorias lá mostradas, tem-se 12.762. No entanto, muitos dos programas são listados em mais de uma – ou seja, essa quantidade deve ser menor.

De qualquer forma, boa parte das extensões é oferecida para ambos os browsers, de modo que, independentemente da escolha do usuário, ele estará bem servido. Os outros navegadores mais populares – Internet Explorer, Safari e Opera – também já se renderam aos add-ons, devido à alta aceitação deles entre os internautas, mas, por enquanto, não oferecem nem metade do que Firefox e Chrome dispõem.

Por Ricardo Zeef Berezin, do IDG Now!

Publicada em 13 de dezembro de 2010 às 19h31



Serpro e Dataprev lançam Expresso em Nuvem

9 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Nesta quinta-feira, 9, em Brasília, será lançado oficialmente o primeiro serviço em nuvem do governo brasileiro: "O Expresso em Nuvem pretende ser um ponto de convergência de comunicação no governo", afirma Marcos Melo, coordenador responsável pelo projeto no Serpro.

Expresso_em_nuvem

"O conceito de nuvem muda bastante a característica da prestação de serviço, já que com o apoio de inteligência computacional teremos condições de oferecer melhor disponibilidade, mais qualidade e menor custo para os clientes", ressalta Melo. O objetivo do Serpro e da Dataprev é oferecer uma suíte de comunicação completa, que agrega correio eletrônico, agenda, mensageria instantânea, serviços VoIP, workflow, diretório único de governo, bem como a sincronização de mensagens e agenda com dispositivos móveis (celular), a todas as instituições públicas, independente do tamanho, desde pequenas prefeituras a grandes ministérios.

Mercado
A contratação de uma solução de correio eletrônico corporativo demanda alto investimento por parte das organizações. Com o Expresso em Nuvem, a expectativa é que o serviço tenha um valor muito menor do que o preço atual praticado e, com isso, possa viabilizar o uso de uma solução de comunicação livre, robusta e integrada. O modelo de negócio orientado a serviço será construído pelo Serpro, em conjunto com os parceiros, ao longo dos próximos quatro meses.

Outra vantagem do Expresso é que uma solução desenvolvida em código aberto não se restringe à redução dos custos, mas também gera independência tecnológica ao país e investimentos na produção e compartilhamento de conhecimento dentro do governo.

Monitoração
A expectativa é que o Expresso em Nuvem seja um serviço altamente crítico para o governo, por isso monitorado em tempo real, o que permite a atuação de forma rápida e eficaz em qualquer incidente. Para isso, conta com o apoio do Projeto Farol (arquitetura integrada de monitoração) para controlar todos os ativos tecnológicos envolvidos na disponibilidade do serviço.

Acessibilidade
O coordenador explica que as funcionalidades do Expresso não terão grandes alterações, mas que em paralelo ao lançamento do Expresso em Nuvem, será entregue um novo módulo de acessibilidade, que permitirá a pessoas com deficiência visual ter acesso a suíte de comunicação.

TV Serpro
Saiba mais sobre o Expresso em Nuvem na entrevista da TV Serpro.

Comunicação Social do Serpro - Brasília, 8 de dezembro de 2010

* Site Oficial: Expresso Livre

NOTA:



Novidades e agenda da próxima versão do Mandriva Linux 2011.0

9 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Depois de um longo período de silêncio, temos o prazer de compartilhar algumas novidades sobre a próxima versão do Mandriva Linux. E, para compensar por todo este tempo de silencio, sem novidades e anúncios, disponibilizaremos a vocês duas versões do Mandriva Linux.

Isso mesmo, você leu corretamente. Nos próximos meses, não uma, mas sim duas versões do Mandriva serão lançadas!

Primeiro, como um presente de natal, vamos lançar o Mandriva Linux 2010.2[1], com data estimada de lançamento para dia 22 de dezembro. O Mandriva 2010.2 é um gás na nossa versão mais recente, ou seja, o Mandriva 2010.1 turbinado com todas as correções de segurança e atualizações com bugfixes que foram lançadas depois dessa versão, adicionalmente estarão presentes diversas melhorias, estabilidade e correções de performance em muitos, mas muitos pacotes.

E, dada a notícia sobre o Mandriva 2010.2, é claro, chegou a hora de anunciar o lançamento da próxima versão, o 2011.0

Mandriva Linux 2011[2] será lançado seguindo a seguinte agenda:

- Mandriva 2011 Alfa: 31 de Janeiro de 2011
- Mandriva 2011 Beta 1: 28 de Fevereiro de 2011
- Mandriva 2011 Beta 2: 28 de Março de 2011
- Mandriva 2011 RC: 25 de Abril de 2011
- Mandriva 2011 Final: 30 de Maio de 2011
[1] http://wiki.mandriva.com/pt/2010.2_Development

Iniciando com a versão Mandriva 2011, a política da Mandriva vai se alterar para 1 lançamento de versão estável por ano. Isto nos permitirá lançar versões ainda melhores, e – é claro – nos dará mais tempo para testar, validar e melhorar significativamente a qualidade geral dos produtos.

As especificações técnicas e recursos serão anunciados e discutidos logo, e o árduo – mas interessante – trabalho vai começar. Fique ligado!

Em breve mais novidades!

[2] http://wiki.mandriva.com/pt/2011_Development



Novidades e agenda da próxima versão do Mandriva Linux 2011.0

9 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Depois de um longo período de silêncio, temos o prazer de compartilhar algumas novidades sobre a próxima versão do Mandriva Linux. E, para compensar por todo este tempo de silencio, sem novidades e anúncios, disponibilizaremos a vocês duas versões do Mandriva Linux.

Isso mesmo, você leu corretamente. Nos próximos meses, não uma, mas sim duas versões do Mandriva serão lançadas!

Primeiro, como um presente de natal, vamos lançar o Mandriva Linux 2010.2[1], com data estimada de lançamento para dia 22 de dezembro. O Mandriva 2010.2 é um gás na nossa versão mais recente, ou seja, o Mandriva 2010.1 turbinado com todas as correções de segurança e atualizações com bugfixes que foram lançadas depois dessa versão, adicionalmente estarão presentes diversas melhorias, estabilidade e correções de performance em muitos, mas muitos pacotes.

E, dada a notícia sobre o Mandriva 2010.2, é claro, chegou a hora de anunciar o lançamento da próxima versão, o 2011.0

Mandriva Linux 2011[2] será lançado seguindo a seguinte agenda:

- Mandriva 2011 Alfa: 31 de Janeiro de 2011
- Mandriva 2011 Beta 1: 28 de Fevereiro de 2011
- Mandriva 2011 Beta 2: 28 de Março de 2011
- Mandriva 2011 RC: 25 de Abril de 2011
- Mandriva 2011 Final: 30 de Maio de 2011
[1] http://wiki.mandriva.com/pt/2010.2_Development

Iniciando com a versão Mandriva 2011, a política da Mandriva vai se alterar para 1 lançamento de versão estável por ano. Isto nos permitirá lançar versões ainda melhores, e – é claro – nos dará mais tempo para testar, validar e melhorar significativamente a qualidade geral dos produtos.

As especificações técnicas e recursos serão anunciados e discutidos logo, e o árduo – mas interessante – trabalho vai começar. Fique ligado!

Em breve mais novidades!

[2] http://wiki.mandriva.com/pt/2011_Development



Ministério da Educação no Brasil prepara grande implantação com o sistema Mandriva Linux

9 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Ministério da Educação no Brasil prepara grande implantação com o sistema Mandriva Linux em computadores Classmate da Positivo Informática com processadores Intel
6 de dezembro de 2010

Esta é uma grande notícia para a Mandriva !! O MEC (Ministério da Educação), autoridade de educação do governo brasileiro, selecionou os computadores Classmate com processadores Intel operando com o sistema Mandriva Linux para uso educacional a nível nacional.

A Mandriva está trabalhando em parceria com a Positivo, fabricante do hardware, para oferecer esta solução de código aberto a qual auxiliará os professores a melhorarem a formação dos estudantes. Além disso, esta será uma das maiores implantações organizadas de Linux do mundo, com potencial para atingir 1,5 Milhões de unidades, e confirma o Linux como uma solução rentável, como um sistema operacional alternativo para computadores.

A decisão do governo brasileiro de escolher as soluções da Intel Learning Series (Linha de Aprendizagem da Intel) com o Mandriva Linux nos classmates reafirma o Linux como o sistema operacional preferível para o mercado global de educação, com o Mandriva sendo o líder no mercado Linux orientado à educação.

A edição brasileira do Mandriva é baseada na versão mais recente do Mandriva Linux para mini notebooks, a versão 2010, e foi adaptado para os computadores com processadores Intel com um lançador de aplicações exclusivo, que torna mais fácil o acesso às mais comumente necessárias aplicações de código aberto. A Positivo fabricará computadores classmate com processador Intel, que serão usados por professores, pais e alunos nas escolas brasileiras.

* fonte: blog Mandriva

 



LibreOffice: 4 razões para testar o Release Candidate 1

8 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

O pacote de aplicativos está disponível para Windows, Mac OS X e Linux, e em vários idiomas, inclusive em português.

A The Document Foundation lançou no último domingo (5/12), a Release Candidate (RC) – versão que antecede a final – do LibreOffice. Esta a primeira versão estável pacote de aplicatios de escritório open source.

Libo_logo_highres_color_2

Liberado apenas após o lançamento da terceira versão beta, a RC está disponível para as plataformas Windows, Mac OS X e Linux e em vários idiomas, inclusive em português.

A versão ainda não é adequada à aplicação definitiva em sistemas corporativos, devido à existência de possíveis falhas que serão corrigidas na edição final. No entanto, desde que o projeto foi divulgado, esta é a melhor oportunidade para testar o programa.

1. Melhorias
Em comparação com o OpenOffice.org 3.3 - o qual acaba de ganhar a sétima RC - foram acrescentadas inúmeras melhorias ao LibreOffice, com o intuito de aprimorar o desempenho do programa e torná-lo ainda mais atraente para os usuários corporativos.

A otimização do código tem sido um foco importante no processo de desenvolvimento do pacote. Com desenvolvedores, por exemplo, trabalhando para aumentar a qualidade e a estabilidade do código herdado do OpenOffice.org.

Porém, ainda mais notável, é que todos os módulos do pacote estão sendo submetidos a extensas revisões, para incluir novos recursos, melhorar a compatibilidade com o Microsoft Office e oferecer um desempenho mais consistente.

2. Livre-se da Oracle
Desde que a Oracle adquiriu a Sun Microsystems em 2010, muitas foram as preocupação sobre o futuro do OpenOffice.org, como também de outros projetos open source herdados pela companhia.

Mas, enquanto a instituição continua afirmando publicamente o seu compromisso em manter o OpenOffice, muitas dúvidas tem sido levantadas sobre suas reais intenções. Por exemplo, ao processar a Google por usar Java no sistema móvel Android ou por encerrar o projeto OpenSolaris.

Além disso, recentemente, a empresa reclamou a propriedade do projeto Hudson, originalmente desenvolvido pela Sun Microsystems. Tais ações foram em grande parte a razão pela qual a The Document Foundation resolveu desenvolver o LibreOffice.

Com uma estrutura independente e aberta, o projeto já recebeu apoio de organizações como: Google, Novell, Red Hat, a Canonical, The Open Source Initiative e NeoOffice.

3. Grátis
Como todo o software livre e open source, o LibreOffice não está apenas livre de um controle corporativo, como também é gratuito.

Você também pode baixar e testar a suite sem nenhum compromisso financeiro.

4. É apenas o começo
O LibreOffice 3.3 promete ser uma versão melhor e mais estável do OpenOffice.org, mas, considerando que se passaram menos de três meses desde que o projeto foi anunciado, é claro que é apenas um começo.

"Especificamente, o LibreOffice permitirá que os usuários se concentrem na produção de documentos e não na parte mecânica do software", declarou Charles Schulz, porta-voz da The Document Foundation.

De fato, o LibreOffice promete ser mais estável, mais compatível e mais poderoso que os demais pacotes de código aberto para escritórios.

Assim que a versão final for lançada, muitas das principais distribuições Linux substituirão o OpenOffice pelo LibreOffice, então não existe melhor momento para verificar os recursos deste novo software.

(Katherine Noyes)

* fonte: IDG Now!
NOTA:

O LibreOffice é padrão ODF Open Document Format, ISO 26300 e NBR ISO 26300.

As grandes distribuições de Gnu/Linux virão com o LibreOffice: Ubuntu, OpenSuse, Debian, Red Hat, Mandriva, Fedora, Slackware, Sabayon, Gentoo, Kalango, Desktop Paraná e muitas outras distribuições.

A suite de escritório BrOffice, daqui pra frente será sempre gerado a partir de LibreOffice.
Estou testando o BrOffice 3.3.0 (LibreOffice) e tem alguns recursos novos, exemplo: Formatar Textos (iniciais maiúsculos/minúsculos, minúsculo, maiúsculo, etc.), Formatar Página de Título (Primeiras páginas), etc.
Todos os usuários do BrOffice terão grandes benefícios a partir da versão 3.3.0.
Furusho_consegi_2009_640x480
Nota por Vitorio Furusho




Saiba como visualizar abas não ativas no Firefox

7 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Se você usa o Firefox, pode ser que sinta alguma inveja do recurso Guias Rápidas do Internet Explorer, que permite ver uma janela com miniaturas de todas as abas ou páginas que estão em uso no navegador.

Para fazer uso desse recurso também no navegador da Mozilla, existe um complemento chamado Tab Scope para visualizar as abas não abertas sem ter que abandonar a página ou aba atual.


Divulgação
Tela do complemento Tab Scope, que permite a visualização de múltiplas abas no Firefox
Tela do complemento Tab Scope, que permite a visualização de abas do Firefox

Uma vez instalado o complemento, basta passar o cursor sobre uma guia diferente da ativa para que uma pequena miniatura dela seja exibida.

Além da exibição do conteúdo da aba, o complemento também permite navegar na página e até mesmo clicar num link e exibir a página associada a ele.

Depois da instalação, o navegador deve ser reinicializado. Caso o conteúdo não seja imediatamente exibido ao passar o cursor sobre uma aba, clique no botão da lupa na pequena janela miniatura que é exibida.

José Antonio Ramalho

José Antonio Ramalho é escritor, jornalista e fotógrafo. Publicou 105 livros sobre tecnologia, mitologia grega e fotografia, traduzidos para o inglês, espanhol, polonês, indonésio e chinês. Ganhou dois prêmios de jornalismo técnico.

* fonte: Folha

<p

Google apresenta Chrome OS e navegador mais rápido

7 de Dezembro de 2010, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Velocidade foi a palavra de ordem para o Google no evento que ocorreu esta terça-feira (7), às 10h30 (16h30 no Brasil, horário de Brasília) em San Franscisco, nos EUA. O gigante da tecnologia apresentou detalhes do funcionamento de seu sistema operacional para dispositivos móveis, o Chrome OS, e novidades em seu navegador de mesmo nome.

O vice-presidente de gerenciamento de produtos da companhia, Sundar Pichai, chamou a atenção para o rápido crescimento do browser Chrome: já são 120 milhões de usuários. "O principal retorno que temos de quem usa o nosso navegador é: 'ele é muito rápido'. E é por isso que trabalhamos sempre para ele ficar mais rápido ainda", disse Pichai.

Segundo o executivo, o Chrome ficará, a partir da atualização anunciada nesta terça, cerca de 50 vezes mais rápido do que era em 2008. A Web Store, loja de aplicativos de sites como Amazon e New York Times, também já está no ar e O Chrome também passará a atualizar automaticamente, sem incomodar o usuário.

O sistema operacional do Google é totalmente baseado na web e tem a interface muito semelhante à do próprio browser da companhia, conforme Pichai demonstrou. As principais promessas são: inicialização praticamente instantânea e muito mais velocidade na execução de qualquer tarefa usando o computador. Pinchai demonstrou que é possível, em menos de um minuto, configurar o sistema e começar a navegar num equipamento com Chrome OS.

A desvantagem do sistema fica por conta da necessidade de conexão com a internet praticamente o tempo inteiro.

A sincronização de aplicativos, programas e documentos é outra característica do sistema -- que já acontece com o navegador. Não importa qual o dispositivo que você use, suas configurações vão ser sempre as mesmas, desde que você entre com seu login e senha.

Acer e Samsung são as primeiras companhias que usarão o Chrome OS em seus lançamentos globais, previstos para o meio do ano que vem.

* fonte: Folha de S. Paulo



Tags deste artigo: firefox