Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

"Ninguém é mais escravo do que aquele que se considera livre sem o ser."
(Goethe)

"Quando trabalhamos só com mira nos bens materiais, construímos nós próprios a nossa prisão. Encarceramo-nos, sozinhos com as nossas moedas de cinza, que não compram nada que valha a pena viver."
(Saint-Exupéry, Terra dos Homens)

"Não é possível libertar um povo, sem antes, livrar-se da escravidão de si mesmo. Sem esta, qualquer outra será insignificante, efémera e ilusória, quando não um retrocesso. Cada pessoa tem sua caminhada própria. Faz o melhor que puderes. Sê o melhor que puderes. O resultado virá na mesma proporção de teu esforço. Compreende que, se não veio, compete-te a ti (a mim e a todos) modificar as tuas (nossas) técnicas, visões, verdades, etc."
(Mahatma Gandhi)

 Voltar a Universidade...
Tela cheia

Introdução

4 de Janeiro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 523 vezes

As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) realizaram mudanças profundas em nossa sociedade nas últimas décadas. Possibilitaram várias formas novas de comunicação, entretenimento e documentação, além de outras relações econômicas, políticas e sociais, quebrando paradigmas de tempo e espaço e criando assim a chamada “Sociedade Digital”.

Uma das transformações mais efetivas possibilitadas pelas TIC está no ambiente educacional. Escolas, Diretorias de Ensino, Secretarias de Educação e o Ministério da Educação brasileiros foram informatizados e conectados à internet, criando assim maiores possibilidades de interação com alunos, funcionários e professores.

Em qualquer instituição voltada ao ensino atualmente é necessário o uso de computadores em âmbito administrativo, como ferramenta auxiliar no ensino e/ou como o objeto estudado. Seu uso proporciona agilidade, segurança, organização, conectividade, melhor desempenho, enfim, o ensino hoje é moldado pelas novas tecnologias e tende a criar novas formas de abstração, podendo assim ser utilizado no processo cognitivo de maneiras variadas.

Exceto aqueles que têm computadores como objetos de estudo, todas as pessoas deste ambiente relacionam-se com eles através de softwares. Softwares são criados para formar uma camada de abstração entre o usuário e o computador, alguns de aspecto geral como sistemas operacionais e outros específicos como navegadores, editores de texto, gerenciadores de correio eletrônico, etc.

Utilizamos intensamente vários tipos de softwares na universidade. Nos cursos de engenharia temos simuladores; em arquitetura usa-se os softwares de desenho em profundidade; em geografia e cartografia utiliza-se os Softwares de Informação Geográfica (SIG); na estatística, softwares para criação de gráficos. Por fim, para cada ciência existe ao menos um software para melhor processamento e/ou organização de dados, além dos mais básicos necessários para criação de artigos, bancos de dados, apresentações de slides e planilhas eletrônicas, utilizados por toda a universidade.

Porém tais softwares utilizados na universidade são propriedades de empresas, em sua maioria internacionais, as quais oferecem acordos de licença para usuários finais (End Users License Agreement – EULA) confusos, cobram preços abusivos para seu licenciamento, impedem o uso de seus softwares em outras localidades (nos computadores particulares dos alunos e professores, por exemplo), impossibilitam um ambiente de estudo e aprimoramento bloqueando o acesso ao código fonte de seus softwares, usam de vendor lock-in, além de outras atitudes que inviabilizam melhores condições para o aprendizado (objetivo principal de qualquer universidade).

Tal cenário exige estudos aprofundados referentes aos gastos, à manutenção desse sistema pela universidade (a qual deveria criar soluções melhores para a sociedade), à perda de oportunidades para criação de novos nichos de mercado locais, às ações de inclusão digital utilizando softwares proprietários, finalmente, às implicações econômicas, políticas e sociais da utilização de softwares proprietários nas universidades públicas.

 


Tags deste artigo: siciedade digital inclusão digital universidade universidade pública unesp software software livre software proprietário

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.