Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia
 Feed RSS

wille.blog.br

27 de Maio de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

multimidia, python, iniciaçao a programacao, ideologia e outros temas livres


VaiVem – Sistema de empréstimos

15 de Fevereiro de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

screenshot de uma das telas do vaivem

Já faz um tempo que comecei a desenvolver o VaiVem um pequeno sistema de controle de empréstimos pra uso na universidade em que trabalho. Esse sistema é voltado para equipamentos de audiovisual, porém pode ser facilmente adaptado para outros tipos de objetos.

O VaiVem é desenvolvido em Django, um framework web escrito com Python. Esse é o primeiro sistema que eu desenvolvi, então não é nada muito complexo.

Os recursos que o Vaivem possui:

- Geração de comprovantes de empréstimo;
- Busca de empréstimos por equipamento ou por usuário;
- Aplicação de penalidades em caso de atraso na devolução;
- Software Livre (Licença Affero GPLv3).

O código está disponível no gitorious: https://gitorious.org/vaivem

Instruções de instalação: https://gitorious.org/vaivem/pages/Home



OpenStreetMap na revista Tema

6 de Janeiro de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Matéria sobre OpenStreetMap na Revista Tema

Em outubro, após a palestra na Latinoware, eu e Djavan Fagundes fomos entrevistados pela jornalista Loyanne Salles, a qual se interessou em fazer uma matéria sobre o OpenStreetMap para a revista Tema.

A matéria foi publicada na edição de dezembro/2011 e ficou muito interessante. Veja a matéria ou acesse a edição completa da revista.

A revista Tema é uma publicação do Serpro, a empresa de TI do governo federal.



Como copiar vídeos de qualquer site e em qualquer formato para o seu computador

21 de Dezembro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Há muito tempo, postei aqui no blog uma forma bem fácil de copiar vídeos do youtube no GNU/Linux. Bastava esperar o vídeo carregar no navegador e ir lá no /tmp/ e copiar o arquivo pra outra pasta. Eu usava bastante isso. Porém com uma mudança no plugin do Adobe Flash e com o uso de HTML5 no You Tube, essa técnica passou a não funcionar mais.

Há uns meses, Liquuid postou em seu blog como copiar vídeos carregados com o novo plugin Flash, porém descobri uma forma mais fácil e rápida e que funciona também com vídeos em sites que já estão utilizando HTML5.

Primeiro espere o vídeo ser carregado totalmente no Firefox (creio que essas instruções funcionam em outros navegadores também, desde que rodando no GNU/Linux). Quando finalizar o carregamento, execute o comando:

ps aux | grep firefox

O resultado será algo parecido com isso:

wille     1366  9.7 17.9 1511896 547344 ?      Sl   17:42  13:17 firefox
wille     1444  3.8  2.9 592744 90248 ?        Sl   17:42   5:16 /usr/lib/firefox/plugin-container /usr/lib/mozilla/plugins/libflashplayer.so -greomni /usr/lib/firefox/omni.jar 1366 plugin
wille     2648  0.0  0.0   8576  1016 pts/0    S+   19:58   0:00 grep firefox

Preste atenção nos números em negrito. São os números de processo do firefox e do plugin flashplayer, respectivamente.  Daí, basta abrir o diretório /proc/1366/fd/ ou o /proc/1444/fd/ no Gerenciador de Arquivos e, pelo ícone do arquivo, é possível identificar qual é o arquivo do vídeo que está carregado no Firefox. Uma dica: se o vídeo foi carregado com HTML5, geralmente ele está no diretório do processo do firefox, se foi carregado com flashplayer, tá no outro.

nautilus abrindo o diretório citado acima

Porém, não dá pra usar o Nautilus para copiar, pois esse arquivo que aparece na tela é apenas um link para um outro arquivo que já foi deletado, assim utilize o terminal para fazer a cópia (quem não sabe copiar pelo terminal, estude o comando cp).

É bom lembrar que esse tutorial é válido para qualquer site de vídeo, não apenas o You Tube.

UPDATE: Pra identificar o vídeo, é possível também usar o terminal. Basta executar o comando ls -lah nos diretórios citados acima. No caso de sites que usem Flash, é só observar qual o link que aponta para /tmp/Flashxxxx.



Latinoware 2011

24 de Outubro de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Na semana passada, participei pela primeira vez da Latinoware (Conferência Latino-Americana de Software Livre), creio que o segundo maior evento de Software Livre do Brasil. Gostei muito da Latinoware, por vários motivos… Apesar de não ter uma programação tão grande quanto a do FISL, por ser um evento menor, você consegue conversar com mais gente e se deslocar pelos espaços com mais calma. A programação foi bastante diversificada, com minicursos e palestras de diversas áreas. Também gostei da presença de participantes de vários países da América do Sul, como Bolívia, Colômbia, Peru, Paraguai e Argentina. Acho muito interessante que essa integração aconteça.

Além disso, apresentei uma palestra com Djavan Fagundes sobre o OpenStreetMap. Na apresentação, falamos da importância e potencial do OSM, de alguns projetos de mapeamento que temos e mostramos como começar a editar no OSM. Foram publicados dois posts sobre a palestra, um no site do evento e outro em um blog da Serpro. Também cedemos uma entrevista para a assessora de comunicação do Serpro que deve render uma matéria em breve na revista da empresa.

A apresentação de slides está disponível em: http://bayfiles.com/file/193B/cnTS31/mapeamento_OSM-1.2.pdf



Gnome 3

13 de Julho de 2011, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Troquei o KDE, que eu usava no meus computadores há cerca de 4 anos pelo GNOME 3. Inicialmente eu só queria testar a nova versão do Gnome, que parecia bastante atraente, mas em pouco tempo, me fez abandonar o KDE.

O que eu vi de melhor no Gnome 3:

gnome 3 desktop

- Design simples, eficiente e bonito. Destaque para a fonte de texto padrão, que melhora muito o aspecto de todo o desktop e dos aplicativos.

- Distraction-Free. O Gnome tem apenas uma barra de painel na parte de cima da tela (do jeito que eu sempre usava no KDE). Além disso, o Gnome eliminou a barra de tarefas (aquela barra que mostra todas as janelas abertas no momento) e escondeu a bandeja do sistema num canto inferior da tela. O resultado disso é que você tem um desktop ao mesmo tempo fácil de utilizar e com muitos recursos, porém limpo, sem ícones de programas tirando sua concentração. Uso um cliente de twitter e identi.ca e, quando utilizava KDE, a todo momento eu clicava no ícone dele na bandeja quando tinha algo novo ou mesmo sem ter novos posts. Com o Gnome, é comum eu passar bastante tempo sem nem lembrar do identi.ca e do twitter. A ausência da barra de tarefas também diminui a distração.



Tags deste artigo: video multimidia python ideologia liberdade programacao archlinux grafico