Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia
 Feed RSS

Blog

27 de Maio de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

SOBRE A ROBÓTICA LIVRE NO BRASIL...

6 de Março de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda


No dia 10 de dezembro de 2008, escrevi o post sobre o lançamento do que seria o primeiro robô livre do planeta. O robô livre, desenvolvido colaborativamente, foi lançado no Campus Party, em janeiro de 2009.
Frederico escreveu o seguinte comentário sobre o post: “ Essa informação de 'Primeiro robô livre do planeta' não está correta. O Danilo César já desenvolve trabalhos desse tipo há alguns anos (desde 2001), inclusive organizando várias olimpíadas de robótica livre (por exemplo no CESoL e no Latinoware).”

Na verdade, o Frederico tem razão. Justiça seja feita, Danilo, meu amigo, é um dos pioneiros da robótica livre no Brasil. O site http://www.roboticalivre.org/portal/ confirma claramente a ação que a comunidade de software livre realiza há muito com a robótica livre. Meu texto foi equivocado. O que foi lançado no Campus Party foi o primeiro robô humanóide livre. Sem dúvida, o projeto liderado por cientistas da Unesp e ITA é extremamente inovadora e está disponível no sourceforge e o link para conhecer o projeto é http://www.theopenrobotproject.org/tiki-index.php

O fato mais relevante é que se o CP1, humanóide livre, tiver apoio da comunidade de desenvolvedores, ele poderá a ajudar construir uma nova dinâmica no mundo do hardware, baseada no código-aberto e no compartilhamento.



DITABRANDA? FOLHA PERDEU A NOÇÃO...

4 de Março de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Para o jornal Folha de São Paulo quando o velho Bush censurou a imprensa no seu esforço de guerra contra o terror, apenas estava defendendo razões de Estado. Em nenhum momento, durante o "período ditatorial" norte-americano a Folha chamou Bush de "o ditador George W. Bush". Chaves e Fidel, sim. São ditadores. Já os dirigentes chineses não são ditadores para a Folha. O jornal escreve "o ditador Fidel Castro", mas nunca usa "o ditador chinês fulano de tal"... Claro que não. O que vale para os grupos de comunicação são os seus interesses. O discurso oscila. A definição de ditadura segue a conveniência dos tempos.

Eu não sou sem mídia. Tenho este modesto blog. Acho que jornais sofrem uma forte concorrência de outras formas de veiculação de informação nas redes digitais. Independente disso, considero extremamente oportuna a manifestação do Movimento dos Sem-Mídia (MSM) contra a Folha de S.Paulo em 7 de março, sábado, às 10h. Onde? em frente à sede do jornal, na rua Barão de Limeira.

Por que?

Porque a Folha perdeu a noção e chamou a ditadura militar que governou o Brasil, entre 1964 e 1984, de “ditabranda”. O pior é que o Sr Frias Filho, diretor da corporação jornalística, para tentar defender o seu absurdo equívoco atacou os professores Fábio Konder Comparato e Maria Benevides que protestaram contra o impropério cometido pelo jornal.

Por essas e outras é que a famosa "credibilidade da imprensa" não resiste a contundente "reputação" das redes e mídias sociais.



PIRATE BAY: FLORES CONTRA A TRUCULÊNCIA DA INDÚSTRIA DE COPYRIGHT

2 de Março de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda


No nono dia do histórico julgamento dos jovens do Pirate Bay, processados pela indústria fonográfica de violação de copyright, a Acusação buscou desqualificar as testemunhas quando percebeu que elas eram simpáticas aos rapazes.

O professor de mídia Roger Wallis, também compositor e presidente da Associação Sueca Compositores de Música Popular foi testemunhar e afirmou que não vê nenhuma diferença entre o Pirate Bay e motores de busca tais como Google. Além disso, criticou a indústria cultural por ser tão lenta para se adaptar às novas tecnologias. Comparou as reações atuais àquelas que tentaram impedir o surgimento dos cassetes nos anos 70.
Quando perguntado se pirataria prejudicava as vendas da indústria da música, Wallis afirmou que o download aumentou as vendas de ingressos em shows e concertos. Disse ainda que as vendas de CDs podem voltar a subir, pois as pessoas que fazem download tendem a comprar mais CDs.

Ao ser informado das opiniões do Wallis, a acusação, no início da arguição fez uma pergunta para tentar desqualificar o seu depoimento. O acusador dos jovens do Pirate Bay indagou se Wallis era um bom professor. Wallis respondeu: "Você pode usar o Google? Então, você pode facilmente encontrar o meu CV."

Quando perguntaram a Wallis se ele queria ser reembolsado pelo custo de transporte para vir testemunhar no Tribunal, respondeu: não, apenas enviem flores a minha esposa. Sabendo disso, inúmeros apoiadores do Pirate Bay enviaram espontaneamente centenas de buquês de flores para a residência de Robert Wallis. Um ato que mostra beleza e força daqueles que lutam pelo compartilhamento do conhecimento.

As informações desse post, bem como, a foto que coloquei acima foram retiradas do Gizmodo.

Acompanhe os acontecimentos e os últimos lances do julgamento pelo Spectrial http://trial.thepiratebay.org/



Tags deste artigo: software livre sergio amadeu