Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Minha rede

 Voltar a planetas
Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Planeta DebianBrasil.org

11 de Fevereiro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Tiago Bortoletto Vaz: A mulher que seduziu Bill Gates

29 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Crescimento relâmpago

E a sua fórmula do crescimento:

“Outro vídeo, também de acordo com o depoimento, teria imagens de Durval negociando um contrato emergencial com a empresária Cristina Boner a pedido de Arruda. O contrato seria, na verdade, a doação de R$ 1 milhão para a campanha do governador.”

Grupo TBA deu dinheiro de forma ilegal a Arruda, afirma Durval

Esta é mais uma façanha da indústria de software enlatado e de péssima qualidade no Brasil.



João Eriberto Mota Filho: Instalando o Skype no Debian Lenny

24 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Essa é para quem não tem muita experiência com o APT. Primeiramente, baixe o .deb do Skype em  http://www.skype.com/intl/pt/download/skype/linux/choose. Depois, emita o comando:

# dpkg -i skype-debian_2.1.0.47-1_i386.deb

No meu caso, deram os seguintes erros:

Selecionando pacote previamente não selecionado skype.
(Lendo banco de dados ... 119075 arquivos e diretórios atualmente instalados).
Desempacotando skype (de .../skype-debian_2.1.0.47-1_i386.deb) ...
dpkg: problemas de dependência impedem a configuração de skype:
 skype depende de libqt4-dbus (>= 4.4.3); porém:
 Pacote libqt4-dbus não está instalado.
 skype depende de libqt4-network (>= 4.4.3); porém:
 Pacote libqt4-network não está instalado.
 skype depende de libqtcore4 (>= 4.4.3); porém:
 Pacote libqtcore4 não está instalado.
 skype depende de libqtgui4 (>= 4.4.3); porém:
 Pacote libqtgui4 não está instalado.
dpkg: erro processando skype (--install):
 problemas de dependência - deixando desconfigurado
Erros foram encontrados durante o processamento de:
 skype

Isso indica que há dependências para a instalação. Para resolver o problema, execute:

# apt-get install -f

Como isso, as dependências anteriores e o Skype serão instalados.

Boas conversas!

————————

TWITTER: para saber sobre os meus livros e outras novidades, me siga em http://twitter.com/eribertomota.



João Eriberto Mota Filho: Roteadores wireless domésticos em modo bridge

23 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Muita gente me pergunta em cursos e eventos como configurar uma bridge em roteadores wireless domésticos, como TP-Link, D-Link e Linksys. Como tive que fazer isso em casa neste fim de semana e me lembrei dessas pessoas, resolvi escrever aqui o procedimento.

A resposta é bem simples: não é preciso configurar nada! Aliás, nem existem configurações para isso nos setups desses roteadores. Isso leva muita gente a dizer que eles não funcionam como bridges. Mas isso não é verdade.

Observe a figura a seguir. Ela mostra as portas de um TP-Link TL-WR542G.

tl-wr542gComo todos sabem, há uma porta WAN e quatro portas de switch, certo? ERRADO! São cinco portas de switch: as quatro RJ-45 mais a antena. Isso mesmo, a antena faz parte do switch. Você pode considerar que é a quinta porta. Então, se o cabo que vem do modem ADSL for ligado numa das quatro portas RJ-45 e não na porta WAN, o seu notebook receberá IP do modem (é necessário desabilitar o DHCP no setup do roteador wireless). Veja a figura a seguir:

tl-wr542g-2

Particularmente, gosto de colocar o modem ADSL para atuar no modo bridge e configurar o roteador wireless para fazer a conexão ADSL e NAT. Isso evita um NAT no modem e outro no roteador, caso você queira ter vários clientes ADSL. Então, a fórmula final para isto é:

  • Colocar o modem ADSL como bridge.
  • Habilitar o DHCP no roteador wireless.
  • Configurar o cliente ADSL do roteador wireless.
  • Ligar a porta WAN do roteador wireless no modem ADSL.

Até agora você não utilizou o modo bridge do roteador wireless. Mas, caso o sinal esteja fraco em alguns cômodos da sua casa, você poderá instalar mais um roteador. Ligue os dois roteadores pelas suas portas RJ-45 switch, tomando o cuidado de deixar o DHCP habilitado somente no principal. Assim, apenas um dos roteadores fornecerá endereço IP para os clientes e fará NAT. Na minha casa, eu coloquei um roteador na suíte e outro na sala. Ficou perfeito.

Um outro uso do roteador wireless em bridge é quando você quiser colocá-lo na sua rede e já tiver um servidor DHCP ativo. Bastará ligá-lo na rede por uma das suas portas do switch e desabilitar o DHCP server do roteador. Simples! E isso funciona com D-Link, Lynksys etc. Particularmente, depois de experimentar bastante cada um desses, virei fã do TP-Link.



Tiago Bortoletto Vaz: Funkatrua ao vivo!

18 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Pra quem não sabe, eu estudo música!
Pra quem não sabe, eu toco funk!
Pra quem não sabe, faremos um recital no Ao Vivo Music no primeiro dia de Dezembro de 2009.
Repertório: Marvin Gaye, Kind Floyd, The Staple Singers, Curtis Mayfield, Tower of Power, Wild Cherry etc.



Thadeu Penna: Apagão no Senado

18 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Apagão no Senado

Pois é, a Comissão de Ciência (Oculta), Tecnologia (Pré-histórica), Inovação (Inconsequente), Comunicação (com os mortos) e Informática (telepática) do Senado, fez a convocação para a discussão do apagão. Segundo a convocação, disponível em http://legis.senado.gov.br/sil-pdf/Comissoes/Permanentes/CCT/Resultados/20091118EX045.pdf, na primeira etapa da discussão serão chamados Gilberto Câmara, diretor do INPE, os físicos Luis Pinguelli Rosa, da COPPE/UFRJ, José Goldemberg, da USP e Evandro Lima, da UNB, entre outros para a discussão dos aspectos técnicos. Por iniciativa do Senador Artur Virgilio, líder do PSDB, será convidada a Sra. Adelaide Scritori, Presidente da Fundação Cacique Cobra Coral – FCCC. O próximo deve ser o Galvão Bueno, aquele do “Eu sabia, eu sabia”. A médium incorpora um espírito que foi de Galileu e Lincoln… tá…. Ela é a mesma que mostra uma carta, em português, para o Bush alertando para o 11 de setembro (se incorpora o espírito do Lincoln, porque não escreveu em inglês?).



Junio José: Firefox na Debian

17 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Recebi convite para testar o novo Orkut. Testei com o Iceweasel por uma semana. Até aí tudo bem, não fosse o fato que no domingo passado (15/11/09) o novo orkut sumiu. Isso mesmo! Sumiu, desapareceu, escafedeu-se. E não deixou nenhum sinal. Nenhum vestígio do que aconteceu. Pensei até que a Google tivesse ficado chateada por eu ter twittado que o novo Orkut ainda está(va) meio monstrengo (pelo menos na minha ótica de programador).

Depois de algumas pesquisas frustradas no Google pensei: será que é a versão do meu navegador?

Decidi, então, instalar e testar com o Firefox. Três surpresas:

1. A instalação foi extremamente simples;
2. O novo Orkut voltou a funcionar;
3. O Firefox está bem rápido.

Algumas pessoas me perguntaram como foi que instalei o Firefox na Debian e, respondendo a elas, escrevi esse artigo. Espero que ajude.

A primeira coisa que você precisa fazer é baixar o Firefox. O link é esse:

http://www.mozilla.com/pt-BR/

Clique com o botão direito sobre o arquivo baixado e escolha a opção Extrair aqui. Isso faz com que a pasta firefox apareça.

Agora que você já baixou e fez a descompactação do Firefox, vamos criar um lançador para ele. Clique com o botão direito na Área de trabalho e escolha a opção Criar lançador. Isso faz aparecer a janela para configuração do novo lançador. Preencha-a da seguinte forma (ou como preferir):

Tipo: Aplicativo
Nome: Firefox
Comando: (clique em Navegar..., encontre a pasta onde você descompactou o firefox e dê dois cliques em firefox. Ele fica logo acima de firefox-bin).

Clique no botão Ok e pronto. Você já tem o Firefox instalado na sua querida Debian.

Vamos que vamos!



Andre Luis Lopes: Fighting temptations : How to convince yourself not to buy when you want to

15 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

I’m widely know (by my peers, not globaly know, as you may guess) for being a well controlated person when it comes to spending my sacred and beloved money. Actually, I’m so well controlated that I’m sometimes seen as someone who hates to spend money.

Sometimes I’m almost convinced that people thinking that way about me are right, but then I get back to my conscious mind and realize that they think like this because people tend not to agree with what they don’t practice and, generally speaking, society has been continuosly teaching them to become as consumists as possible.

Obviously, I’m not completely protected against consumism, as I’m human and have as much desires as anyone else, but I think I’m doing well on keeping myself from being taken to the path which lead us to bit the bullet and spend our money on something.

What contributes to this control also demonstrates how we’re used to learn better only from mistakes, as I already spent too much money on things which I initially thought I desperately needed, but which after I realized weren’t actually all that much needed after all.

I have been trying to avoid wasting money on an e-book reader for months. At the beggining it was a piece of cake, as there wasn’t a real option (mind you that I live in Brazil, not in the USA or some other so called first world country). However, in the last few months, the scenario has been changing and it seems that these days there are actually some options available.

I have been researching privately about options for months and have become well aware of all the advantages and disavantages of all the options available today. Sorry, I won’t be pointing the right option to you, as your best option probably will be different from mine and recommending things isn’t the point of this post.

Technically speaking, the options available today seems to provide me with what I need. There are no doubts that almost any of them would be good (but not all of them would be “the right”) choices and actually would represent a real improvement over the current situation.

So, one might ask, why not go ahead and just buy the damn thing ? For most of the people out there, it would seem to be the right thing to do, as I would be doing conscious and well researched purchase after all. Well, I would be doing something good for myself for sure, but the government actually would need to show me some respect and prove me they have some respect for me as well.

Amazon, for example, is shipping the Kindle for other countries and Brazil is one of them. I would surely just go ahead and buy it the day the shipment was announced and that was almost what I did. What prevented me from doing so was the insane/absurd takes government is applying on anything one wants to import from another country.

Even after converting the price from dollars to the local currency (reais), the price is something like three to four times higher that the original price in the origin country. It’s insanely prohibitive for the vast majority of citizens and one could wonder why this is so when this is a device used basically for reading. Mind you that the government has big tax reductions for importing books, for example, which are seen as culture related items and so get to win some advantages over other non-culture related items.

To summarize it all, if you want to convince yourself how not to spend money on something, even when you really want to, just do the math regarding the amount of the taxes you would need to pay and I assure you there will be no regrets when latter you think why you did not bought it.




Andre Luis Lopes: Public service announcement : A LDAP directory won’t do it all by itself

14 de Novembro de 2009, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Recently I’ve been dealing with requests for LDAP directories configs which clearly demonstrates how little people understand about directories and what they are capable of doing. A significant amount of people I know seems to really get it wrong when it comes to what they want from a directory.

Actually, they somehow think that a LDAP directory will do whatever is needed for their application to store, retrieve, validate, authenticate and even take decisions based on no data provided at all. These people think that one should just deploy a directory using the minimum effort approach and suddenly everything will just work.

They don’t seem to realize that for their application to make use of a directory it should be prepared to do so. They can’t accept it when they are told that the directory won’t just work and by some unknow enchantment get their systems data stored, validated, authenticated and, shockingly for them, that it won’t make their credentials consolidated so lots of different services will out of the box just start working using the same username/password pair.

Also, some people don’t understand the difference between a LDAP directory and a single sign-on (SSO) system. They don’t realize that a directory won’t, by itself (i.e. without additional software and some respectable amount of tweaking), provide them the ability to authenticate against it only a single time and have their credentials shared among all their systems.

That’s it. Said. Don’t get me wrong. All that was metioned above is possible, but it isn’t done by LDAP alone. LDAP is just a bunch of protocols and a directory is only one nice place to store information. What will be done with this information, how it wll be treated and how it could be used to produce meaningful results are almost always up to the application and/or to some “middleware” or added plugin/overlay/connector/whatever.

Next time someone ask you to “install LDAP so I can get rid of all my different username/passwords and use only one instead”, be afraid. Be very afraid and present him/her some theorical knowledgment regarding the topic. Or, better said, insert some clue into his/her brain.




Tags deste artigo: debian planet planeta blogs