O Projeto Software Livre Bahia (PSL-BA) é um movimento aberto que busca, através da força cooperativa, disseminar na esfera estadual os ideais de liberdade difundidos pela Fundação Software Livre (FSF), possibilitando assim a democratização do acesso a informação, através dos recursos oferecidos pelo Software Livre. Esta busca tem seus alicerces fundados na colaboração de todos, formando um movimento sinérgico que converge na efetivação dos ideais de Liberdade, Igualdade, Cooperação e Fraternidade.

O Projeto Software Live Bahia é formado pela articulação de indivíduos que atuam em instituições publicas e privadas, empresas, governos ou ONGs, e demais setores da sociedade. Além disso o projeto não é subordinado a qualquer entidade ou grupo social, e não estabelece nenhuma hierarquia formal na sua estrutura interna.


Alexandro Silva: CGI.br determina bloqueio da porta 25 (smtp) apartir de janeiro

30 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Para evitar a disseminação de spam, o Comite Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) determinou o bloqueio do “local” por onde grande parte dos e-mail falsos são enviados, a porta 25 de seu computador. O bloqueio ocorre no dia 5 de janeiro de 2010.



Vicente Aguiar: Retrospectiva 2009: o universo colaborativo em pauta

27 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Mais um ano se foi. Porém,  entre vários fatos que pude ter acesso ou acompanhar em 2009,  cheguei a conclusão que esse ano foi bem marcante  do ponto de vista da temática  ligada a produção colaborativa e aos commons.  Isto porque, dentro dos muitos acontecimentos que se desdobraram ao longo desse ano, alguns foram bem singulares, mais especificamente, únicos -  dentro daquela parte da história que pessoalmente puder ter acesso , é claro. ;-)

Assim, no clima das retrospectivas de fim de ano, resolvi fazer um post que menciona alguns desses acontecimentos de 2009 que colocaram o univreso colaborativo em pauta:



Tecnologias e Novas Educações (GEC/FACED/UFBA): I Encontro de Formação em Comunicação Comunitária

26 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Precisamos dizer mais?
 



Aurelio A. Heckert: 10 Problemas com o Novo Pacto Moonlight

23 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Dois meses atrás eu falei sobre o o risco que o .Net representa para o software livre e a independencia tecnológica de modo geral no post ".Net e as Patentes Esquecidas".



Aurelio A. Heckert: 10 Problemas com a Novo Pacto Moonlight

23 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

No mês passado eu falei sobre o o risco que o .Net representa para o software livre e a independencia tecnológica de modo geral no post ".Net e as Patentes Esquecidas".



Alexandro Silva: É Natal?!

23 de Dezembro de 2009, por Desconhecido



Rafael Gomes: Coding home

21 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Hoje  foi realizado em minha casa o primeiro coding home, que tinha como foco o desenvolvimento em Python e o projeto hntool, criado inicialmente por nosso amigo Hugo Dória.



Tiago Bortoletto Vaz: Nova(?) fórmula

14 de Dezembro de 2009, por Desconhecido



Tiago Bortoletto Vaz: [VENDIDA] Vendo minha Fender Strato American Plus 98

11 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Estou vendendo esta maravilhosa guitarra.



Nelson Pretto: Sobre o Atlântico, as nuvens e tudo mais.

9 de Dezembro de 2009, por Desconhecido

Escrevo enquanto sobrevoo o Atlântico. As nuvens embaixo dão um sensação de superioridade e, ao mesmo, tempo, de pequenez, em função do tamanho do planeta. Ao longo de uma semana, vivi de lugares a lugares, acompanhando as notícias do mundo. Li sobre a guerra do Afeganistão, com o recebimento de mais tropas, e sobre a persisitente crise em Honduras. Vivi de perto as discussões sobre a Catalunha, que briga com a Espanha por seu espaço enquanto Nação - ali, para se ter uma ideia, os endereços na internet não são .es, e sim .cat, de Catalunha. Acompanhei, quase de perto, a greve de fome da líder sarauí Aminetu Haidar, que luta pelo respeito ao seu povo. Também estive bem perto da manifestação de professores em Valência, na Espanha, e, ao mesmo tempo, acompanhei a decisão das autoridades madrilenhas de, através de lei, fortalecerem os professores, dando-lhes um pouco de poder. Veja onde chegamos: para que um professor tenha poder e seja ouvido como liderança, necessita de lei e, o mais curioso, tal lei obteve o apoio de mais 57% dos pais.