Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

PSL Brasil

 Voltar a FISL
Tela cheia Sugerir um artigo

A evolucao é a marca da mais nova versao 6.0: FISL mais maduro com pitadas de empreendedorismo.

3 de Junho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 518 vezes

O Fórum Internacional do Software Livre 6.0 encerrou-se no sábado com perspectivas de aumento de público e possibilidades de negócios na próxima edição. Este ano o evento evoluiu numa direção mercadológica e de acesso, com a presença de Eric Raymond, criador da Open Source Iniciative, e de Cézar Alvarez, Assessor Presidencial. As descrições que seguem servirão como introdução para as próximas edições do Infomedia Tv. O Fórum Internacional do Software Livre 6.0 encerrou-se no sábado com perspectivas de aumento de público e possibilidades de negócios na próxima edição. Este ano o evento evoluiu numa direção mercadológica e de acesso, com a presença de Eric Raymond, criador da Open Source Iniciative, e de Cézar Alvarez, Assessor Presidencial. As descrições que seguem servirão como introdução para as próximas edições do Infomedia Tv. A equipe cobriu todos os dias do evento, totalizando mais de 30 matérias, entre reportagens e entrevistas com Software Livre sempre em debate. Essas duas figuras chaves merecem ser citadas por demonstrarem o nível das discussões mais interessantes.

Eric Raymond, talvez pela ausência de Richard Stallman, Fundador da Free Software Foundation, atraiu platéia numerosa a sua palestra e concentrou grande atenção no saguão por onde circulou constantemente. No contravertido discurso, atacou a principal regra da FSF, dizendo que softwares open source não precisam da licença GPL, uma vez que para assegurar seus valores qualitativos, as liberdades estão intrínsecas, o que dispensa um emaranhado de direito filosófico. A seguir argumentou que as licenças GPL serviriam para contratos entre desenvolvedor e empresa.

A idéia de começar a disseminar os softwares pela ponta da pirâmide, ou seja,pelos detentores do poder de compra das empresas despertou a ira de alguns participantes e aplausos de outros. A lógica usada para embasar tal argumento estrutura-se na doutrina cristão: negocia-se a catequese com os donos do poder e depois divulga. Sim, Raymond não estava lá para ser simpático ou unanimidade. Sem apologia à teoria, fato é que as palavras dele soaram sem o bafo azedo da hipocrisia. Ele não disse nada que muitos já não tenham pensado, apenas assumiu perante todos, deu a cara ao tapa, digamos assim, sem se apoderar de abstrações filosóficas até porque o assunto é mercado de negócios, a vantagem do empresariado controlar os gastos e desenvolvimento dos sistemas de tecnologia da informação utilizados.

O governo, por decreto presidencial, confirmou entusiasmo e aposta na utilização de softwares livres em 2003. Hoje a política segue não com o fulgor inicial. Além dos stands institucionais, como Banco do Brasil, Caixa Federal e Instituto de Tecnologia da Informação, Cézar Alvarez pessoalmente trouxe a mensagem do Presidente Lula aos participantes. A dúvida que ocorre é se agora, em período pré-eleitoral, ainda dá tempo do governo operacionalizar algum novo projeto para a área. PC Conectado e Casas Brasil, por exemplo, datam do início do governo e correm contra o tempo para entrarem em funcionamento total. Inclusive, acompanhe as edições futuras dessa coluna sobre o motivo dos atrasos e a burocracia enfrentada por lideranças devido ao "fogo amigo". Curioso?

Agora, cá entre nós, o FISL se concretiza cada vez mais como um espaço democrático, onde comunidade desenvolvedora, governo e indústria habitam, rivalizam e discutem. Circulam pela internet piadas, e como toda piada traz uma pitada de verdade, que valem o comentário. Entre essas, em uma referência a secular Divina Comédia, uma categoriza os principais protagonistas do evento: a comunidade é o paraíso - afinal concebe o software, o governo está mais para purgatório - tenta incentivar desenvolvimento e venda, e o empresariado, bem, essa categoria é infernal, porque agride enquanto mercado. Mas, ironicamente, é a que articula com maior profissionalismo comunidade e governo, proporcionando incentivos e patrocínios. Sem contar os centros de conhecimento e pesquisa, aos quais o setor privado vem direcionando investimentos.

Quer saber mais? Então acompanhe as próximas edições Infomedia Tv - Especial Fisl.

Por Josimari Quevedo Editora-chefe Infomedia TV


Tags deste artigo: fisl2005
Fonte: http://www.softwarelivre.org/news/4265

Eventos de Software Livre no Brasil