Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

Posts do blog

Imagens, dia 3

Imagens, dia 2

Imagens, dia 1

By participants

PCST2014 no Twitter

Participe!

A 13th International Public Communication of Science and Technology (13ª Conferência Internacional de Comunicação Pública da Ciência e Tecnologia) convida participantes e internautas para uma cobertura colaborativa do evento, que ocorre de 5 e 8 de maio em Salvador.

Streaming PCST2014

Dia 3

 Voltar a Blog do PCST...
Tela cheia Sugerir um artigo

Pesquisa traça o perfil dos pesquisadores que usam as redes sociais para fins científicos

7 de Maio de 2014, 17:40 , por Maisa Maryelli de Oliveira - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 75 vezes

Por Maísa Oliveira

O uso que os cientistas têm feito das mídias sociais foi o tema da apresentação de Sara Yeo, da Universidade de Wisconsin-Madison (EUA), na sessão de “novas tecnologias e novas práticas em comunicação científica”, realizada hoje pela manhã. Por meio de um estudo conduzido junto a 254 cientistas de uma Universidade do Centro-Oeste dos EUA, Yeo pode traçar o perfil dos pesquisadores que usam as redes sociais para fins científicos: jovens, que buscam novas maneiras de divulgar seu trabalho e que possuem fortes ideologias.

De acordo com o estudo, 40% dos cientistas que estão nas redes usam o Twitter para finalidades relacionadas à Ciência. Sendo esta ferramenta mais popular do que o Facebook. Contudo, Yeo não identificou o perfil do público com o qual os pesquisadores interagem nas redes, se são pares, políticos ou cidadãos comuns. Apesar disso, admite que faltam pesquisas empíricas na área.

Na visão de Sara Yeo, os cientistas precisam se conectar melhor com a população que, no caso dos Estados Unidos, financia aproximadamente 60% das pesquisas acadêmicas realizadas no país. Isto porque a ampliação do entendimento público sobre temas de C&T, por meio da comunicação, é um caminho para assegurar apoio financeiro ao desenvolvimento científico do país.


Tags deste artigo: twitter comunicação científica português