Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

pm@paulomarcos.com | msg: 74.9110 4596
Jornalismo no Rádio, TV e Internet

http://www.dotpod.com.ar/wp-content/uploads/2008/06/sonico-logo.jpg

 

 

http://static.wix.com/media/1ff96be45122890f6b04ceeaa7dbd2d3.wix_mp

PM no Twitter

404 Not Found

Este perfil não tem posição geográfica registrada.

Paulo Marcos

Paulo Marcos
Pintadas - Bahia - Brasil
 Voltar a Canto de Tud...
Tela cheia

Aliado de Serra na Bahia privatiza e toma grana do consumidor

29 de Abril de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 611 vezes

Aliado de Serra na Bahia privatiza e toma grana do consumidor

Privatagem é com eles mesmo

O Conversa Afiada publica e-mail do amigo navegante “j”, da Bahia:

Caríssimo PHA.

Tudo bem?.

Gostaria que comentasse esse assunto que diz respeito à privataria de FHC com a energia no Brasil.

Aqui, na época, no governo do Sr. Paulo Souto do DEM, que, ontem, estava dando desfile aqui na Bahia com Zé Alagão, manifestando o seu apoio a sua candidatura e é postulante nas próximas eleições a governador do estado pelo partido do DEM, privatizou a Coelba e entregou ao grupo espanhol IBERDOLA e que hoje pertence ao grupo NEOENERGIA. A empresa aumentou absurdamente o valor de conta de milhares de consumidores no mes de abril. Em alguns casos mais de 100% o valor das contas de energia.

Eu mesmo fui vítima. No meu caso, de um consumo no mês de março de 465,00Kv. e valor de conta R$230,48 para um consumo no mês de abril de 783,00Kv e um valor de conta de R$ 405,40.

Na Bahia existem 4.500.000 de consumidores. Imagine você que se eles aumentarem apenas R$ 1,00 em cada conta, o lucro faturamento seria de R$ 4.500.000,00.

Um grande abraço do leitor assíduo do Conversa Afiada e grande admirador,


Coelba é impedida de cortar luz após aumento abusivo

Tribuna da Bahia

Jolivaldo Freitas

A Coelba passando sufoco e calor

Publicada: 28/04/2010 00:38| Atualizada: 28/04/2010 00:15

Jolivaldo Freitas

No jargão futebolístico, aquele que os locutores de rádio AM/FM usam continuamente como se fosse algo erudito, dizer que um time está no maior sufoco é afirmar que uma bosta como o Esporte Clube Bahia está enfrentado o dream team formado por Neymar, Nadson, Ganso e Robinho (coisa que jamais vai ocorrer, pois a distância entre os dois é maior que daqui a Santos. Um é clube. O Outro é time).

Pois é o que vem acontecendo com a Coelba. Está passando o maior sufoco, coisa que nunca vi igual em tantos anos olhando a vida dos outros e comentando. Fiquei sabendo que ontem a empresa já admitiu que tem alguma coisa errada nas contas. O que significa dizer que ou não tinham desconfiômetro ou estavam querendo dar uma de João sem braço ou por lá ninguém está sabendo contar. Pior: calcular. A galera sabe somente somar e multiplicar. Mas os engenheiros e contadores parece que perderam a aula de diminuir ou dividir.

Como o povo não é besta, aí também somou queixas, esforços e pragas – uma das quais teria sido que faltasse luz na empresa, que absurdo, pois botaram até feitiço na encruzilhada da sede lá na Paralela, como se já não bastassem a perseguição e o sofrimento que já se constata com as constantes greves e piquetes promovidos pelos sindicalistas que – me disseram e eu não acreditei – estão ganhando fortunas e se escondendo do trabalho. Será que aí está o âmago da questão? Será que tem de aplicar um 171 no povo para pagar os salários dos neomarajás? Não acredito.

Então dona Creusa Cleomar, vizinha de minha mãe lá pelas bandas de Paripe (aliás, minha santa progenitora está querendo um liquidificador novo já que no período da chuva entrou uma corrente de energia elétrica tão braba que apagou tudo, queimou umas coisas e foi tão forte que até as obturações do meu cunhado brilharam e lançaram chispas no escuro), como dizia, dona Creusa, mãe-de-santo consagrada e afamada pelas do subúrbio ferroviário e nas beiradas da Estrada Cia-Aeroporto, decidiu botar a boca no mundo, pois não estava em condições de bancar a conta da luz que chegou.

Ela sempre pagou 40 reais “e a miserável da conta veio detonando, parecendo Exu quando não é convidado para a festa”, disse. O valor bateu lá para mais de 150 reais e ela disse que para pagar teria de fazer um ebó para socialite ou pagodeiro ou axezeiro, “única gente que tem dinheiro na Bahia”, enfatizou, fazendo movimento de Rebolation.

Pedi que ela se acalmasse e que não jogasse os santos contra a Coelba, pois se sem ziquizira a empresa já está vivendo o seu inferno astral (coitada, talvez nem tenha esta culpa toda, pois está lá nas leis federais que empresa de energia elétrica não pode e nem deve contabilizar prejuízo – veja se a Aneel deu as caras por aqui?), imagine com Xangô, Iemanjá, Oxalá e toda a sua tropa baixando sobre aquele horroroso conjunto quadrado e anti-Niemayer onde fica a empresa?

E se viesse Iansã, deusa dos raios e dos trovões, aí é que entesava de vez e nunca mais que a Bahia ia voltar a ter energia elétrica. Seria a volta aos primórdios do homem. Mas, o que se juntou ao preço da conta e deixou dona Creusa mais aloprada e querendo baixar todos os santos foi quando a Coelba disse que a culpa de tudo foi do calor. Ela respondeu para o digno representante da companhia de energia, olho no olho, encarando a tela da TV:

- Meu filho, calor, nem na bacurinha eu sinto mais.

Eparrê Iansã! Mande aí um ventinho para acabar com o calor e uma calculadora para atenuar a conta da luz. Aliás, quando Deus disse “Fiat lux”, a Coelba, mandou a conta.

Clique aqui para ver o momento histórico em que FHC diz que Serra lutou furiosamente para vender a Vale a preço de banana.

 

FONTE: Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim


Tags deste artigo: serra souto energia

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.