Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

pm@paulomarcos.com | msg: 74.9110 4596
Jornalismo no Rádio, TV e Internet

http://www.dotpod.com.ar/wp-content/uploads/2008/06/sonico-logo.jpg

 

 

http://static.wix.com/media/1ff96be45122890f6b04ceeaa7dbd2d3.wix_mp

PM no Twitter

Invalid feed format.

Este perfil não tem posição geográfica registrada.

Paulo Marcos

Paulo Marcos
Pintadas - Bahia - Brasil
 Voltar a Paulo Marcos...
Tela cheia

Defensoria acompanha negociação de rebelião em Serrinha

13 de Fevereiro de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1232 vezes

Após mais de 55 horas, na tarde desta quarta (10) chegou ao fim a rebelião no Conjunto Penal de Serrinha, município localizado a 190 km de Salvador. A negociação, que possibilitou o fim do motim iniciado na segunda-feira, foi acompanhada pela Defensoria Pública do Estado, além de outras instituições

e acordo com Gil Braga, defensor da comarca, na terça-feira ele visitou o Presídio de Serrinha, juntamente com o promotor e o juiz. O objetivo da visita era verificar a situação e o andamento das negociações. “Sempre que há um movimento de rebelião nos deslocamos até a unidade para verificar a forma como as negociações são conduzidas e se existe algum dos nossos assistidos envolvidos no motim”, explica o defensor.

Na rebelião deflagrada na última segunda-feira, não houve participação de assistidos da Defensoria Pública. Durante o acontecido, 25 amotinados fizeram outros quatro presos reféns, sendo que um deles foi assassinado. Eles reivindicavam a transferência de 14 presos para o complexo penitenciário de Salvador, entre outras questões relativas à estrutura carcerária.

O defensor Gil Braga também ressalta que “Nos últimos motins realizados no presídio, os internos sempre solicitam a presença da Defensoria Pública nas negociações. Além disso, a assistência jurídica prestada na comarca nunca foi alvo de queixas dos amotinados, o que demonstra o reconhecimento pelo trabalho”, avalia.

Fonte - Ascom Defensoria Pública


0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.