Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

pm@paulomarcos.com | msg: 74.9110 4596
Jornalismo no Rádio, TV e Internet

http://www.dotpod.com.ar/wp-content/uploads/2008/06/sonico-logo.jpg

 

 

http://static.wix.com/media/1ff96be45122890f6b04ceeaa7dbd2d3.wix_mp

PM no Twitter

404 Not Found

Este perfil não tem posição geográfica registrada.

Paulo Marcos

Paulo Marcos
Pintadas - Bahia - Brasil
 Voltar a Paulo Marcos...
Tela cheia

BAHIA: Produtores de sisal ameaçam fechar rodovias

18 de Novembro de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 33 comentários | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1682 vezes


Escrito por João Batista Ferreira do Blogue Notícia Livre
Terça, 17 Novembro 2009 17:33
Twittando o site de Paulo Marcos aqui
Com a quebra de compromisso assumido pela Conab, milhares
de trabalhadores do sisal correm o risco de ficar desempregados

Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira, o deputado estadual Sérgio Passos (PSDB) denunciou o caos que se abateu sobre a economia sisaleira depois que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) deixou comprar a produção do sisal. Segundo Passos, a ausência de Conab trouxe de volta a figura do atravessador que, na maioria de vezes, oferece preços irrisórios, o que leva os pequenos produtores a situação de falência.

O parlamentar anunciou que, caso perdure essa situação, os produtores de sisal ameaçam fechar várias rodovias na região de Jacobina, Campo Formoso e Conceição do Coité. Passos disse ainda que, se o governo não tomar nenhuma medida, os produtores estão ameaçando queimar o sisal sobre o asfalto das estradas que cortam esses municípios.

“Não queremos que chegue a tanto, pois teremos dois prejuízos: a queima da produção e a destruição das estradas, mas, não podemos ficar de braços cruzados diante dessa situação”, comentou.

Durante o discurso, Passos foi aparteado pelo deputado Adolfo Menezes, que ratificou as palavras do colega, lembrando que em Campo Formoso a “Conab deu um verdadeiro calote nos produtores daquela região”. Menezes lembrou que clima é tenso, e que os sisaleiros estão revoltados com o não cumprimento do acordo assumido pela Conab.

Sérgio Passos lembrou que o PIB do sisal na Bahia foi de US$ 150 milhões em 2008. Deste valor, US$ 100 milhões foram para exportação, seja da fibra bruta ou de produtos manufaturados, como cordas agrícolas. Em 2009, porém, o setor registrou, de janeiro a julho, queda de 26% nas exportações em relação ao mesmo período do ano passado.

Diante deste contexto, o preço mínimo do sisal, que era de R$ 1,04, passou para R$ 0,74. A intervenção da Conab estava garantindo a manutenção do preço anterior e vinha dando condições de sobrevivência ao produtor baiano.  A Conab havia garantido a disponibilizado R$ 1,6 milhão para a compra de sisal, porém, neste último mês, sem nenhuma explicação, simplesmente deixou de comprar o sisal, causando enorme prejuízo a unidades produtores como Conceição do Coité, Valente, Santa Luz, Retirolândia, São Domingos, Campo Formoso, Jacobina, Várzea Nova, Ourolândia e Mirangaba.


Tags deste artigo: conab direitos cultura sisal bahia deputado

33 comentários

Enviar um comentário
  • 4953c4f5b3bee0304b7e12391aae50a8?only path=false&size=50&d=404IZAIAS FERREIRA DE SOUZA(usuário não autenticado)
    28 de Janeiro de 2011, 17:21

    SISAL

    FABRICO VASSOURAS DE SISAL PARA LIMPAR TETO E GOSTARIA DE SABER COMO FAÇO PARA COMPRAR SISAL DIRETO DO FABRICANTE.

    ATT

    IZAIASP4@GMAIL.COM


  • 4920ba02a458028deab319fffa1d2431?only path=false&size=50&d=404LEANDRO DANIEL(usuário não autenticado)
    2 de Março de 2011, 16:28

    BOA MATÉRIA PM SOBRE A PÉSSIMA DECISÃO DA CONAB

    Muito intressesante esta matéria, mas lamentável é a decisão da cambada que compõe a "COM NADA" digo CONAB. PM vamos incentivar a manifestação dos sisaleiros, filme os cara na pista se de fato estes forem.

    Sucesso
    Abraço,

    Léo


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.