Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Comunidade Metareciclagem

17 de Junho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

MetaReciclagem é uma rede auto-organizada que propõe a desconstrução da tecnologia para a transformação social.


Abertura da Cicag Semiárido: Percepção em Ação

18 de Julho de 2012, 0:00, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

 

Tarde da terça-feira,  12 de junho de 2012, chegamos naquela estranha construção em desenvolvimento no meio de um enorme descampado no Alto Sertão da Paraíba, tudo muito marrom, nos lembrando que estávamos numa das piores secas dos últimos 40 anos nesse  território chamado de Semiárido. Nos prédios esparsos, ainda não interligados por movimentos de gente, ainda com ar de coisa inacabada, ainda definitivamente não ocupados, projetos de biblioteca, auditório e salas administrativas estavam se transformando em espaços de convivência para a I Conferência Internacional em Gestão Ambiental Colaborativa, a Cigac Semiárido. Toda uma parafernália de fios, instalações, gente de olhos espantados correndo de um lado para o outro para deixar prontos os inúmeros pequenos detalhes da 1ª Cigac .
 
"Como assim, o ar condicionado do auditório ainda não tá instalado?", exclama alguém com os olhos esbugalhados, alguém dentre as tantas pessoas que mais tarde me diriam que até a hora da abertura não acreditavam que aconteceria alguma coisa ali, tamanha a aparência de desolação que o ambiente transmitia, tamanha a expectativa que criou-se em torno de um nome "Conferência Internacional". Nesses dias, de véspera, a tensão com o pensamento no desenrolar de tudo que estaria por vir se misturava com a felicidade de ver que as pessoas estavam chegando e que então não tinha mais jeito, estava acontecendo.
 
Lembro de poucas vezes ter podido parar pra ouvir alguma palestra,  ensaio convidado,  apresentação de trabalho acadêmico, oficina, mini curso, roda de conversa, o que quer que fosse da programação oficial da conferência. O correr de um lado pro outro não me permitiu focar em nada por mais que alguns minutos, além é claro da Visita Técnica ao Perímetro Irrigado das Várzeas de Sousa - PIVAS, que  foi conduzida por mim junto com o Valber Matos,  da Articulação do Semiárido. Foram boas 4 horas do meu tempo destinadas ao que pra mim foi uma das atividades mais significativas da Cigac Semiárido. Principalmente porque o PIVAS é um microcosmo de disputas onde o que a vista alcança está muito aquém do que a práxis produz. Mas o PIVAS é assunto pra outra hora. Aqui, minha missão é deixar registrado  um breve olhar sobre a Roda de Conversa da Abertura da Cigac Semiárido.
 
Meu olhar é muito recortado, obviamente. A subjetividade do caracterizar de uma realidade que só existe se conseguimos narrá-la e que pode tornar-se qualquer coisa com os usos desta narrativa. Tecnologia, Social.  Os minutos de contemplação vão sendo assimilados e ocupando espaço na narrativa na medida em que me desloco de uma ação para outra, para providenciar  um fio, checar algum credenciamento, conversar rapidamente com algum convidado, verificar a conexão do streaming e toda sorte de atividades operacionais que não tínhamos quem executasse além de nós mesmos da pequena equipe de organização.
 
A primeira Roda de Conversa da Cigac Semiárido questionou "por que Gestão Colaborativa?", ou, "O que é Gestão Ambiental Colaborativa"? Ouvi um pedaço das falas de Valber Mattos, da ASA-PB, e de Ricardo Poppi, da Secretaria Geral da Presidência da República. Francisco Cicupira, o outro conividado da roda, assim como o  restante das falas de todos, ainda vou assistir no vídeo da primeira roda de conversa da Cigac Semiárido,  que já disponibilizamos online.
 
Valber Matos é um ícone da cultura sertaneja e seu trabalho com a Articulação do Semiárido -ASA está numa dimensão de conhecimento dos problemas locais que requer interlocução privilegiada,  para o alcance de qualquer coisa que possa ser chamada então de Gestão Ambiental Colaborativa para o Semiárido.  Por isso sua presença nesta primeira roda de conversa tem toda uma relevância prático-simbólica. Valber era ali um dos poucos que podia traduzir a voz das comunidades locais em sua fala. Ele e  Francisco Cicupira, do IFPB, um sertanejo representante de um dos braços oficiais da Ciência e Tecnologia locais, davam ao caldo da Cigac Semiárido a mistura que nós havíamos idealizado ainda em projeto: "Todos os saberes juntos por um Semiárido sustentável". E talvez ninguém melhor do que Ricardo Poppi para completar esse caldo,  representando de certa forma  todo o esforço que a Primeira Cigac fez para trazer gente relevante,  visionários em áreas de  colaboração, para dialogar com o local.
 
Poppi,  generosamente emcampando nossa ideia, declarou sua empolgação em estar presente na Cigac Semiárido, porque em sua opinião se tratava do tipo de ação legítima e relevante para o desenvolvimento de soluções para as questões que pretendíamos discutir ali. Ele,  como outras pessoas que vieram a Sousa para participar da Cigac, percebeu de imediato que trazer para o Coração Sertanejo do Semiárido uma discussão como a da Cigac era algo bem diferente da mesmice das discussões vazias sobre as mesmas temáticas que circulam normalmente nas capitais e grandes cidades.
 
Sousa, a três horas do aeroporto mais próximo e para o qual os vôos são bastante limitados, só poderia ser escolhida como palco de uma discussão internacional por interesses diferentes dos que normalmente guiam outros empreendimentos desta natureza. E neste caso, reconhecendo também ao mesmo tempo o esforço de várias pessoas e  entidades se complementando para produzir a Cigac, é quase impossível não creditar à Rede MetaReciclagem boa parte da força capaz de fazer coisas deste tipo acontecerem. Desconstrução de Tecnologia para Transformação Social.