Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Tela cheia Sugerir um artigo
 Feed RSS

Comunidade Metareciclagem

17 de Junho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

MetaReciclagem é uma rede auto-organizada que propõe a desconstrução da tecnologia para a transformação social.


Considerações sobre anos findos e um quase findo...

28 de Dezembro de 2013, 22:01, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Não sei se as observações que pretendo fazer nos próximos parágrafos poderiam de alguma forma se encaixar nesse espaço. Mas como o ano está acabando e nos últimos dias tenho me colocado a ler mensagens da Lista referentes aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2012 (isso mesmo, 2012!) que estavam com leitura pendente, senti novamente a necessidade de participar desse blog coletivo. É a tal sensação de pertencimento que outrora experimentei e que nesse momento aparece com força e me instiga boas reflexões. Mas vamos lá:

Questionado pelo Valdir Rodriguez sobre o porquê de mais uma vez o encontro anual da antiga equipe de TI da Unesa não ter acontecido, lancei as justificativas costumeiras (embora verdadeiras) como falta de tempo, distância, etc, mas em seguida sugeri que, se não nos veríamos, que pelo menos relatássemos o que fizemos nos últimos dois anos. Eis então meu relato:

"...da última vez que realizamos nosso encontro (julho/2011) eu havia acabado de sair da escola onde trabalhei desde 2004. Estava fazendo estágio de meio ambiente na ong Guardiões do Mar, que fica ao lado do shopping sãogonça. Ao retornar pra Rio das Ostras fiquei ainda uns meses desempregado, então comecei a trabalhar como técnico ambiental numa empresa de saneamento que prestava serviço pra Cameron de Macaé. Fiquei por lá do final de 2011 a fevereiro de 2013.

Em 2012, me juntei com um pessoal que estudou e deu aulas pra mim e fundamos a Ong Tema. Atuei discretamente nela durante todo o ano de 2012, paralelamente ao meu trabalho, buscando nessa empreitada uma alternativa às frustrações profissionais que estavam sendo vivenciadas naqueles meses.

No início de 2013, atendendo a uma demanda cada vez maior de convites para eventos e ações de educação ambiental, resolvi fazer algo inesperado: larguei o emprego e passei a me dedicar em tempo integral a Ong. Com isso, tivemos alguns êxitos, obtivemos cobertura da imprensa em vários eventos que organizamos, passamos a fazer parte do Conselho de Meio Ambiente do município e fizemos um network muito bacana na região. Mas com o tempo as parcerias não se mostraram efetivas e muitas perspectivas não se realizaram, de modo que demos uma pausa nas atividades da ong em setembro. De lá para cá comecei a dar aulas em cursos técnicos aqui da região e nesse momento me encontro de férias. Enfim, não foi um ano ruim".

Pretendo estar ativo novamente na lista ano que vem, compartilhando algumas experiências com lixo eletrônico e sonhando junto com o bando.

 

 



Considerações sobre anos findos e de um ano quase findo...

28 de Dezembro de 2013, 22:01, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Não sei se as observações que pretendo fazer nos próximos parágrafos poderiam de alguma forma se encaixar nesse espaço. Mas como o ano está acabando e nos últimos dias tenho me colocado a ler mensagens da Lista referentes aos meses de outubro, novembro e dezembro de 2012 (isso mesmo, 2012!) que estavam com leitura pendente, senti novamente a necessidade de participar desse blog coletivo. É a tal sensação de pertencimento que outrora experimentei e que nesse momento aparece com força e me instiga boas reflexões. Mas vamos lá:

Questionado pelo Valdir Rodriguez sobre o porquê de mais uma vez o encontro anual da antiga equipe de TI da Unesa não ter acontecido, lancei as justificativas costumeiras (embora verdadeiras) como falta de tempo, distância, etc, mas em seguida sugeri que, se não nos veríamos, que pelo menos relatássemos o que fizemos nos últimos dois anos. Eis então meu relato:

"...da última vez que realizamos nosso encontro (julho/2011) eu havia acabado de sair da escola onde trabalhei desde 2004. Estava fazendo estágio de meio ambiente na ong Guardiões do Mar, que fica ao lado do shopping sãogonça. Ao retornar pra Rio das Ostras fiquei ainda uns meses desempregado, então comecei a trabalhar como técnico ambiental numa empresa de saneamento que prestava serviço pra Cameron de Macaé. Fiquei por lá do final de 2011 a fevereiro de 2013.

Em 2012, me juntei com um pessoal que estudou e deu aulas pra mim e fundamos a Ong Tema. Atuei discretamente nela durante todo o ano de 2012, paralelamente ao meu trabalho, buscando nessa empreitada uma alternativa às frustrações profissionais que estavam sendo vivenciadas naqueles meses.

No início de 2013, atendendo a uma demanda cada vez maior de convites para eventos e ações de educação ambiental, resolvi fazer algo inesperado: larguei o emprego e passei a me dedicar em tempo integral a Ong. Com isso, tivemos alguns êxitos, obtivemos cobertura da imprensa em vários eventos que organizamos, passamos a fazer parte do Conselho de Meio Ambiente do município e fizemos um network muito bacana na região. Mas com o tempo as parcerias não se mostraram efetivas e muitas perspectivas não se realizaram, de modo que demos uma pausa nas atividades da ong em setembro. De lá para cá comecei a dar aulas em cursos técnicos aqui da região e nesse momento me encontro de férias.

Enfim, não foi um ano ruim".

 

 



Reuso de recipientes de Arla32

1 de Dezembro de 2013, 21:01, por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda

Arla32 é um dos nomes comerciais de um produto obrigatório atualmente para uso em certos veículos mais novos com motor diesel. Basicamente é 32% de Uréia +  68% de Água.

Me deparei com a bombona do Arla32 como uma possível solução para mini reservatórios de água para minhas plantas, instalando um sistema de equipamento de soro.

Mas a instrução na bombona é clara: não reutilizar!

Então antes de montar o sistema fui procurar tudo que eu pudesse de informação sobre o Arla32 (e o nome comercial internacional -adBlue). Pesquisei em português,espanhol e inglês para saber possíveis riscos de contato com a substância e não achei nada que me parecesse justificar o não reuso para fins como esse.

 
O que me preocupa agora?
É que mesmo tendo lido que o líquido não é tóxico, tendo lavado a bombona com sabão e bastante água (que reutilizei para lavagem de chão), tendo deixado alguns dias com água apenas para depois reutilizar como reservatório, eu não entendo nada de química e fico pensando nos porquês de não poder reutilizar. Entendam, eu consigo achar sensata a não reutilização de vasilhames que originalmente portavam líquidos tóxicos. Mas, por tudo que pesquisei, este não é o caso do Arla32.
 
E então, essa determinação de não reutilização é só pro forma? Especificação necessária para evitar que as pessoas usem, por exemplo, para transportar água para fins de consumo direto?
 
Alguém por acaso entende mais dessa relação entre essas bombonas plásticas, as químicas e riscos?
 
Alguém afim de fazer testes?
 
Estou sendo imbecil pensando no reuso para um negócio que a indústria diz especificamente para não reutilizar?
Acho que tem um monte de implicações filosóficas e políticas nessas perguntas, mas, se eu for tentar falar disso agora acho que o post vira um livro.