Ir para o conteúdo
ou

Software livre Brasil

Lucas Alberto Souza Santos

Este perfil não tem posição geográfica registrada.
 Voltar a Blog
Tela cheia

Relato do Festival de Cultura Livre do fisl10 - Parte 1

6 de Julho de 2009, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 666 vezes


O Festival de Cultura Livre do fisl10 foi um sucesso! Esse ano, nós do GT-Cultura organizamos uma programação inovadora no fisl10, estendemos a programação para a noite, com eventos externos em diferentes locais de Porto Alegre.

Os atividades descentralizadas do Festival deram um outro aspecto ao FISL10, foi muito agradável sair um pouco do ambiente hermético do centro de eventos da PUC-RS e levar o público do evento para discutir e apreciar a cultura livre no ambiente descontraído e informal de um bar.

Na quarta-feira 24 de Junho, em pleno inverno de Poa aconteceu a Festa Junina Nerd, no Ponto de Cultura Odomodê Afro Sul. O público dançou forró e tomou o quentão delicioso preparado por Dona Iara. Meus amigos nordestinos estavam lá animando o salão e, eu matei a saudade dos festejos desta época. Azar deram os nerds forrozeiros que não foram na festa e permitiram que algumas gurias ficassem sem parceiro pra dançar. #nerdfail1!

Fotos da Festa Junina Nerd




fotos tiradas pelo gt-cultura



Na quinta-feira tivemos o debate no Bar Ocidente sobre cultura livre, propriedade intelectual, compartilhamento na rede e temas relacionados com Peter Sunde, co-fundador do portal de torrents The Pirate Bay, Elizabeth da Free Cultura-NY e Marcelo Branco coordenador da Associação Software Livre.

O debate fluiu num clima muito bom, o espaço OX do Ocidente se mostrou um local adequado para o formato da atividade, o combo de debate + cerveja agradou o público. Os debatedores estavam animados, Peter Sunde, principal atração da noite, tem um bom sendo se humor, o público riu muito de suas tiradas. Peter falou de sua posição política anti-copyright que, segundo ele mesmo diz, o torna mais radical que o movimento software livre. Para ele a invasão do copyright alheio é válida, qualquer licença, mesmo que seja a GPL, deveria ser violada.

Eu achei essa posição do Peter Sunde bastante anárquica, mas ao mesmo tempo inserida numa economia de mercado capitalista, o que de certa forma invoca idéias do anarco-capitalismo.

Elizabeth falou da organização estudantil Free Culture, de como nos EUA o debate da cultura digital está se expandindo da sociedade. Me pareceu que a visão de cultura livre americana é mais light que a brasileira, como se lá eles tentassem criar uma adaptação, uma forma de encaixar as idéias de free culture no espaço que cabe dentro da sociedade americana atual. E aqui no Brasil o movimento [des]]organizado (caótico?) em defesa de uma cultura livre estivesse enxergando mais fundo e percebendo que devemos pressionar mais, cobrar uma posição clara do poder público sobre a causa, e defender 'ativistamente' a sociedade de tentativas de controle como o Projeto de Lei do Azeredo.

Marcelo Branco explorou o tópico da defesa da liberdade na rede mundial de computadores, posicionando-se contra o vigilantismo disfarçado de lei contra a pedofilia.

Participou também do debate o criador do Tor Project, que possibilita o anonimato virtual, Jacob Appelbaum. Jacob explicou como o Tor tornará inefetiva qualquer tentativa de controle da rede, permitindo a navegação sem deixar rastros. Ele defendeu que o projeto Tor não incentiva a pedofilia virtual, mas sim força que a polícia tome medidas mais inteligentes e efetivas para evitar esses crimes.

[corta]]O Jacob, em outro momento no fisl, me deu uns adesivos do projeto Tor e me pediu que entregasse para o presidente Lula. Hehehe, não sabia ele que eu só veria o presidente de longe.[/corta]]

O Bar Ocidente estava fervilhando, vale lembrar que a maior parte do debate foi em inglês, e que a Elizabeth ensaiou timidamente algumas frases em português.

Fotos do debate no Ocidente






fotos tiradas pelo gt-cultura


Nós da organização percebemos uma boa aceitação do público nestes eventos noturnos, os encontros descentralizados do Festival de Cultura livre aproximam ainda mais a o software livre da cultura.

Nos próximos relatos vou fazer apontamentos sobre a desconferência, as intervenções culturais dentro do fisl e as oficinas e debates feitos na PUC. Mais fotos do Festival de Cultura Livre pode ser acessadas aqui no meu álbum do flickr, ou no síto da Agência Fisl, canal independente criado para cobertura do fisl10.



Fonte: http://estudiolivre.org/tiki-view_blog_post.php?blogId=42&postId=1068

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.