Seja bem vind@, se você é um debiano (um baiano que usa debian) faça parte de nossa comunidade!


how-can-i-help: oportunidades de contribuição com o Debian

11 de Fevereiro de 2014, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Já faz um tempo desde o meu último post, e pra esse novo vou retomar o assunto do anterior — como começar a colaborar com o Debian, inspirado num post recente do Stefano.

O how-can-i-help é um programa que te mostra oportunidades de colaboração relacionadas aos pacotes que estão instalados no seu sistema: pacotes que precisam de novos mantenedores, pacotes que estão com bugs críticos, pacotes que estão com bugs críticos e vão ser removidos da testing, etc.

Outro tipo de possível contribuição que o how-can-i-help vai listar e que vai ser bastante útil pra quem quer começar são bugs com a tag “gift”, ou seja bugs que o mantenedor do pacote marcou como fáceis para serem resolvidos por novos colaboradores.

Por padrão o how-can-i-help vai rodar toda vez que você instalar um pacote, mas também você também pode rodar ele digitando how-can-i-help manualmente no terminal.

Então, se você quer começar a contribuir com o Debian, você pode começar agora mesmo com:


  $ apt-get install how-can-i-help

OBS: o how-can-i-help só estão disponível a partir do Debian jessie (próximo release), ou seja, você precisa estar usando jessie(testing) ou sid(unstable).



Criando um mapa com dados importados do OpenStreetMap

7 de Novembro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Eu mapeei todas as estações de compartilhamento de bicicletas do BikeSalvador e queria fazer um mapa que mostrasse essas estações. Quando havia apenas cinco estações, após mapear no OSM, eu criei um arquivo GeoJSON usando o geojson.io. Porém agora já são 19 estações. Seria um retrabalho enorme mapear as estações no OSM e depois criar o geojson manualmente.

Felizmente conheci o osmfilter, um software para filtrar os dados do OpenStreetMap. Combinando o osmfilter com o geojson.io é possível facilmente extrair alguns dados do OpenStreetMap e apresentar essa informação em um mapa personalizado. Então vamos às instruções de como fazer isso.

O primeiro passo é baixar os dados do OSM. Se você quiser trabalhar com a base de dados de todo o Brasil, você pode baixar dos servidores do GeoFabrik. Como eu necessitava apenas dos dados de uma cidade, utilizei o editor JOSM, fiz o download dos dados e salvei em um arquivo .osm no meu computador.

Download dos dados no JOSM

Agora nós precisamos utilizar o osmfilter. Veja as instruções de instalação na página osmfilter no Wiki do OpenStreetMap. O comando que eu utilizei para filtrar as estações de compartilhamento de bicicletas de Salvador foi:

./osmfilter salvador.osm --keep="amenity=bicycle_rental" > bikesalvador.osm

Você pode combinar mais de um filtro em um único comando. Por exemplo, se você quiser filtrar todos os restaurantes italianos, você poderia utilizar --keep="amenity=restaurant and cuisine=italian".

Aqui entra o geojson.io. Acesse o site, clique no botão Open e importe o arquivo gerado pelo osmfilter.

geojson.io interface

Após isso, você vai ver todos os dados filtrados sobre o mapa, inclusive os metadados. Se parte dos metadados não te interessar, você pode remover uma ou mais colunas.

Você vai precisar de uma conta no GitHub para salvar seu arquivo GeoJSON. Depois de salvar, o GitHub irá te fornecer uma página com o seu GeoJSON e também um código para que você possa incluir o mapa que você criou em uma página web. O mapa gerado pelo geojson.io é esse abaixo:

Quem quiser criar um mapa ainda melhor, recomendo ler esse tutorial de como adicionar uma camada GeoJSON ao Leaflet.



Criando um aplicativo móvel HTML5 em menos de 24 horas

23 de Outubro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Screenshot do Fui pra Final!

Tudo começou quando meu amigo e colega de trabalho César Velame me propôs fazer um aplicativo que calculasse a nota necessária na prova final para um aluno ser aprovado. Como a UFRB utiliza pesos diferentes entre a prova final e a média da disciplina, muita gente tem dificuldade em calcular a nota necessária para ser aprovado. O intuito do aplicativo foi facilitar a vida desses estudantes.

Começamos a fazer na manhã de segunda-feira. Utilizamos jQuery Mobile, que eu já tinha alguma experiência, pois utilizei no Clips.tk. Acabei não me lembrando que na homepage do jQuery Mobile há uma ferramenta que permite gerar a estrutura básica da página HTML. Isso teria nos poupado algum tempo, mas valeu o aprendizado. jQuery Mobile é fantástico e bem fácil de usar!

Aprendemos também um pouco de javascript para calcular a nota necessária na prova final e fazer isso ser exibido na página. No final do dia, disponibilizamos a primeira versão do aplicativo em fuiprafinal.com.br. Na manhã seguinte, corrigimos alguns erros e fizemos um layout mais atraente. Eu também escrevi algumas frases engraçadinhas para o app mostrar de acordo com a situação do estudante!

Ainda estamos melhorando o Fui pra final! e em breve vamos disponibilizar no Marketplace do Firefox OS e testar a geração de aplicativos nativos para Android e outras plataformas através do PhoneGap.

Essa experiência foi muito interessante, pois foi uma maneira divertida e prática de aprender novas ferramentas. O fato de estar disponibilizando algo para as pessoas nos estimula a programar mais e com melhor qualidade. O código fonte do aplicativo está disponível no GitHub.



Rede Social baseada em Noosfero é premiada no Japão

22 de Outubro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Fonte: Colivre

Da Bahia, do Brasil para o Mundo! Um ambiente pedagógico que usa o Noosfero para promover a interação de professores e estudantes de pelo menos dez países foi premiado com o “Excellent Workshop Award” do Canvas Workshop Collection, evento realizado em 2012 no Japão. É o World Museum Project, rede coordenada pelo professor japonês Yoshiro Miyata com a proposta de estimular o poder criativo e a liberdade de expressão de crianças e adolescentes.

Segundo Miyata, World Museum Project é uma “rede mundial de pessoas interessadas em atravessar fronteiras culturais e geracionais para criações colaborativas que possam ampliar visões e aumentar paixões”.  Reúne usuários do Japão, Austrália, Taiwan, Hong Kong, Filipinas, Rússia, Grécia, Espanha, Estados Unidos, Honduras, entre outros países.

Com ferramentas básicas de criação, a rede permite o desenvolvimento de diferentes tipos de projetos, como animações, obras de arte e histórias. Tudo de forma compartilhada e conectada para propiciar um ambiente de aprendizagem criativa.

Yoshiro Miyata é professor da Universidade de Chukyo e pesquisa ambientes e teorias de aprendizagem. Realiza oficinas interculturais em escolas, museus e comunidades no Japão e em outros países.

 



Inscrições abertas para cursos de disseminação do Cirandas.net no Recôncavo Baiano

27 de Setembro de 2013, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

 

Estão abertas as inscrições para os cursos de disseminação e fortalecimento da plataforma Cirandas.net na região do Recôncavo baiano.

As aulas são voltadas para estudantes, profissionais, integrantes de empreendimentos de economia solidária e interessados no tema.

Entre os tópicos abordados estão as possibilidades oferecidas pelo Cirandas.net, que permite o desenvolvimento de sites para empreendimentos de economia solidária, com lojas online e vitrines virtuais.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas diretamente nos locais de realização das oficinas ou pelo email cursocirandas@colivre.coop.br.

Os cursos são uma realização da Colivre, em parceria com a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), com fomento do Fundo de Cultura/Secretaria de Cultura da Bahia.