Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Qualidade de vida é um dos objetivos do projeto de Cidade Digital

10 de Agosto de 2010, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 1017 vezes

O município de Paraíba do Sul (RJ), com extensão territorial de 581 quilômetros quadrados e 39.200 habitantes, já começa a perceber os benefícios do projeto para a implementação de tecnologias da informação e comunicação (TIC) pela administração pública. Na cidade, cujas principais atividades econômicas são comércio e serviços, turismo, indústria, agropecuária e cerâmicas, há grandes expectativas quanto ao Paraíba Digital. A ideia é que o projeto melhore o  atendimento médico público, ofereça serviços eficientes à população e aumente  a qualidade de vida dos sulparaibanos.

Entre as principais iniciativas, estão as relativas à inclusão digital dos munícipes. Para isso, Paraíba do Sul conta com três telecentros comunitários, o projeto Idoso Digital e zonas de wi-fi. Segundo Adriano Oliveira Silva, secretário municipal de Desenvolvimento Tecnológico e Inclusão Digital, essas ações permitiram avançar na proposta de inclusão dos habitantes.

“Os telecentros vêm sendo um sucesso absoluto e estão sempre lotados. Lá oferecemos também cursos de informática para a terceira idade, com diversos sulparaibanos da melhor idade na fila, esperando uma turma acabar para outro curso ter início. E as zonas wi-fi, nos pontos mais visitados da cidade, permitem que sulparaibanos e turistas tenham acesso gratuito à internet”, comenta.

As atividades chegaram igualmente ao ambiente escolar, com os Centros de Inclusão Digital. “Os alunos também podem ser capacitados para terem o contato com o mundo digital, que é uma realidade e cada vez mais faz parte do dia a dia dos jovens”, afirma o secretário.

A expectativa é fazer ainda mais. “Queremos colocar um telecentro comunitário em cada bairro e ter 100% das escolas com  Centros de Inclusão Digital”, planeja Silva. “Já temos 70% das escolas municipais incluídas digitalmente”, emenda.

Ainda no que diz respeito aos planos para a Educação, o secretário conta que a prefeitura está interligando e elaborando um sistema para integrar todas as escolas municipais. “A presença dos alunos será marcada através de biometria e disponibilizada na internet para que os pais saibam a que horas os seus filhos entraram e saíram, assim como para que possam acessar notas e avaliações. Acreditamos que novas ideias são sempre positivas. E, dando certo, por que não expandi-las?”, argumenta.

Ações para a Saúde

Brevemente, segundo o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inclusão Digital, a área da Saúde contará com um sistema de Prontuário Eletrônico. Essa solução integrará todas as unidades de saúde municipais e hospitais por meio de uma rede com banco de dados que armazenará o histórico médico de cada paciente sulparaibano. Assim, espera-se oferecer um atendimento mais ágil, com menor tempo de espera, e eficiente. “Com marcações online, o paciente saberá onde e quando o profissional estará disponível para a consulta”, acrescenta Silva.

Segundo ele, outra inovação será o uso de sistema biométrico para registrar a entrada dos pacientes. “Nada de carteirinhas ou documentos. O paciente precisará somente do seu polegar para dar entrada em qualquer setor público de saúde, dinamizando atendimentos de emergência e evitando  transtornos”, conta.

Modernização da administração

A prefeitura ainda tem a proposta de iluminar todo o município com sinal wireless. “Paraíba do Sul é um município relativamente grande, de grandes e afastadas áreas rurais. São 581 quilômetros quadrados de área territorial; integrar todo o município não é tarefa fácil”, antecipa Silva.

Por isso, segundo ele, a administração dará início à licitação de torres para amparar antenas repetidoras de sinal. “Elas serão espalhadas por pontos estratégicos para que possamos cobrir toda essa imensa área territorial. Daremos um passo gigante para o avanço das propostas do projeto, vide a dificuldade em levar internet a áreas rurais de um município tão extenso”, acrescenta.

A estruturação dessa malha de rede por todo o município é o que proporcionará à prefeitura integrar 100% dos prédios públicos. “Com isso, poderemos desenvolver sistemas inteligentes e também levar os já existentes para dinamizar o trabalho diário e também proporcionar o melhor atendimento ao público”, explica.

Dessa maneira, a modernização presente na Saúde e na Educação, maiores beneficiadas pelo Paraíba Digital até momento, chegará a todos os setores da prefeitura. “Em breve, o setor de arrecadação terá como aliado diversos terminais espalhados no município, por meio dos quais os cidadãos poderão acompanhar seus tributos, assim como resolver pendências sem ter que se deslocar até a sede da prefeitura”, informa.

Outras ações começam a ser implantadas para otimizar o atendimento ao cidadão. “Reformulamos todo o site oficial do município, tornando-o mais atrativo e também dando uma função maior de prestação de serviços, como o banco de empregos e cadastramento de empresas, que terão à disposição currículos para suprir suas necessidades, gerando emprego e renda para a população”, conta Silva.

Investimento e expectativas

Para implantar o Paraíba Digital, o secretário conta que foi preciso investir numa infraestrutura básica de servidores de rede na sede da prefeitura, computadores, torres de transmissão e antenas. A administração municipal contou ainda com doações de micros por meio de programas governamentais. “Até hoje, acredito que ainda não ultrapassamos o custo de R$ 200 mil, mas, na conclusão, creio que chegaremos aos R$ 400 mil”, calcula.

O projeto começou a ser pensado em 2007. Naquele ano, ainda não havia uma secretaria específica de tecnologia. Em 2009, a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inclusão Digital (Setec) foi instituída, permitindo alcançar o orçamento e o apoio para levá-lo adiante. Agora, com o Paraíba Digital em andamento, a expectativa é realizar cada etapa pensada para o projeto.

“Esperamos que a gente possa cumprir todo o nosso plano inicial e que as novas ideias que surjam no caminho também sejam executadas. Queremos chegar ao dia de dar um suspiro gostoso de missão cumprida”, conclui o secretário.

Data: 09 de agosto de 2010
Autor: Gabriela Bittencourt

* fonte: Guia das Cidades Digitais


Tags deste artigo: software livre comunicadora cultura cultura digital furusho cidade cidade digital digital

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.