Ir para o conteúdo
ou

Logo noosfero

ODF Alliance Award

Furusho

TDF Planet

redirection forbidden: http://planet.documentfoundation.org/atom.xml -> https://planet.documentfoundation.org/atom.xml

BR.Linux.org

redirection forbidden: http://br-linux.org/feed -> https://br-linux.org/feed

Seja Livre!

redirection forbidden: http://sejalivre.org/feed/ -> https://sejalivre.org/feed/

Linux Feed

getaddrinfo: Name or service not known

Computerworld

getaddrinfo: Name or service not known

PC World

getaddrinfo: Name or service not known

IDG Now!

getaddrinfo: Name or service not known

Info

Invalid feed format.

Users SL Argentina

redirection forbidden: http://drupal.usla.org.ar/rss.xml -> https://cobalto.gnucleo.net/rss.xml

Tecno Libres - Cubas

redirection forbidden: http://gutl.jovenclub.cu/feed -> https://gutl.jovenclub.cu/feed

Linux Venezuela

Invalid feed format.

GNU/Linux Paranguay

Invalid feed format.

Soft Libre Honduras

Invalid feed format.

 Voltar a FREE SOFTWAR...
Tela cheia

Introduzindo a Beaglebone

27 de Janeiro de 2012, 0:00 , por Software Livre Brasil - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 478 vezes

Enviado por Sergio Prado (sergio·pradoΘembeddedlabworks·com):

“Sou fã confesso da Beagleboard. Na minha opinião, é hoje a melhor plataforma para se aprender Linux embarcado e trabalhar com software livre. Muitos projetos, boa documentação e custo acessível.

Já escrevi alguns artigos sobre esta plataforma, e já trabalhei também em alguns projetos comerciais baseados nela. E quando fiquei sabendo do lançamento da Beaglebone, não pensei duas vezes em comprar.

A Beaglebone, assim como a Beagleboard, também é um projeto de hardware aberto, porém com um design um pouco mais simples, e consequentemente mais barato. É uma plataforma de prototipação, e nesse sentido tem objetivos bem parecidos com o Arduino, já que usa o conceito de shields (no caso da Beaglebone veremos que estas placas de expansão chamam-se capes). Mas ela não veio para substituir ou competir com o Arduino, muito menos com a Beagleboard ou com a Raspberry Pi – falaremos sobre isso mais adiante.” [referência: sergioprado.org]


Fonte: http://br-linux.org/2012/introduzindo-a-beaglebone/

0sem comentários ainda

Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.